domingo, 5 de fevereiro de 2017

Guiné 63/74 - P17024: Memórias e histórias minhas (José da Câmara) (34): Correspondência do Ultramar: Ressurreição nas Matas da Guiné

Mata dos Madeiros
Foto: © José Câmara


1. Mensagem do nosso camarada José Câmara (ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3327 e Pel Caç Nat 56, Brá, Bachile e Teixeira Pinto, 1971/73), com data de 31 de Janeiro de 2017:

Amigos e camaradas,
O tempo vai passando… A terra vermelha que impregnou os nossos corpos é a mesma, as recordações continuam bem vivas na nossa memória, as amizades que criámos ao longo dos tempos continuam.

Não me esqueci da sombra do Poilão que a todos refresca, nem dos belos artigos que animavam a tertúlia. Muito menos do respeito que havia na tertúlia e das discussões, por vezes mais acaloradas, que acabavam sempre num abraço. Nada substitui os afectos, o respeito, a amizade, porque no dia a dia esbarramos com situações que nos fazem acreditar que este mundo é bom, porque há pessoas que, não nos conhecendo de lado algum, têm o cuidado de nos presentear com emoções que um dia julgámos impossíveis.

Foi o que me aconteceu e jamais esquecerei esse momento. Agradecimentos sem fim que vão para todos os intervenientes desta bela jornada humana. O Sr. Coronel Hélder Vagos Lourenço, que fez comissão em Angola como Comandante de Companhia e mais tarde foi Comandante do BII17, hoje Regimento de Guarnição 1, em Angra do Heroísmo, com a colaboração do Sr. Major Costa e dos militares daquela Unidade Militar, presenteou-me com uma cópia de um pequeno artigo que então escrevi nas matas da Guiné e que foi publicado no jornal “O Castelo”, edição de 1 de Junho de 1971.

Passaram-se mais de quarenta anos sobre a minha primeira saída na Mata dos Madeiros e das emoções que me assolaram então e que a passagem do tempo ajudou a suavizar.
Hoje volto à Guiné.

Um abraço
José Câmara


____________

Nota do editor

Último poste da série de 24 de outubro de 2014 > Guiné 63/74 - P13792: Memórias e histórias minhas (José da Câmara) (33): Um bagabaga que serviu de altar num casamento

1 comentário:

Hélder Valério disse...

Caro amigo e camarada José Câmara

Este teu 'post' é bem paradigmático de muitos dos sentimentos que muitos de nós temos em relação à Guiné e aos tempos e vivências por lá vividos.

Tudo o que referes de que não te esqueces é semelhante, com as diferenças inerentes às diversas experiências, que nós temos.

E isso é bom. Coloca-nos em sintonia, se mais não for, pelos sentimentos.

E, é verdade, muitas vezes "voltamos à Guiné". Seja em busca da 'juventude, não perdida, mas vivida' seja em busca de algumas das nossas raízes porque, isso mesmo, boa parte de nós também foi formada, forjada, naquela aprendizagem e crescimento acelerados.

Um grande abraço.
Hélder Sousa