quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Guiné 61/74 - P17764: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (46): A "mindjer grandi" Maria da Graça de Pina Monteiro, nascida em 1900, e que viveu em Bissau e em Bafatá... Notícias de Edmond Malaval, empregado da "Maison Garnier", em Bafatá, c. 1918, e de sua filha Ana Malaval (Ludmila Ferreira, Cabo Verde)


Foto nº 1 > A "Maison Garnier", Bafatá, c. 1918. O veículo automóvel estacionado à porta parace-nos ser um Ford T!... Um dos primeiros, seguramente, a circular pela Guiné!...



Foto nº 2  >  Edmond Etienne Malaval,  empregado da "Maison Garnier", Bafatá, c. 1918



Foto nº 3 > Anna Malaval, nascida em 1918, em Bafatá, filha de Edmond Etienne Malaval e de Maria da Graça de Pina Monteiro, ... Foto do passaporte,  Dacar, 1949.



Foto nº 4 > África Ocidental Francesa > Colónia do Senegal > Dacar, 20 de outubro de 1949 > Autorização legal de residência, passada a Anna Gracia (sic) Malaval, de nacionalidade portuguesa e religião católica,  nascida em Bafatá. Guiné Portuguesa, em 8/4/1918, filha de Edmond Etienne Malaval e de Maria da Graça Pina Monteiro.. Profissão: costureira: estado civil: celibatária, sem filhos... Morada em Dacar: Institution Notre Dame [que ainda hoje existe como colégio, na avenue Carde, 21]. Apresentou os seguintes documentos legais: passaporte,  certificado de permanência [séjour?]; atestado de nascimento;  registo criminal; atestado médico...






Foto nº 5 > Passaporte português de Ana Gracia  Malaval, emitido pelo Consulado Português de Dacar,  20/10/1949, e válido por dois anos (até 19/10/1051)... Na profissão, aparece como estudante.


Fotos e legendas: © Ludmila Ferreira (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


1. Mensagem de Ludmila A. Ferreira, nossa leitora que vive em Cabo Verde (*), com data de 12 do corrente:

Bom dia

Meus Caros,

O filho da Anna Malaval (a única filha que a Maria teve com o francês em Bafatá) me enviou os documentos da mãe,  juntamente com umas fotos do lugar onde era a Maison Garnier (comércio e exportação de castanha de caju) e o pai da Anna,  o sr. Edmond Malaval.
A "mindjer grandi" Maria da Graça
 Pina Monteiro (n. 1900),
mãe de Ana Gracia Malaval,
 nascida em 1918, em Bafatá

O passaporte foi feito em Dakar porque a Anna foi levada para Dakar.

O filho da Anna pergunta se a Torre de Tombo em Lisboa poderia ter o registo de nascimento da mãe, porque no registo civil de Bissau um amigo tinha procurado em 2010 mas não encontrou.

O  documento em amarelo [foto nº 4] mostra que,  apesar da Anna ter nascido em Bafatá em 1918, ela voltou a se registar em Bissau em 1949 (ver acima o documento). Mas também não se encontra esse registo em Bissau.

Agradecia qualquer informação sobre o destino que durante a época colonial foi dado aos documentos de registo de nascimento.

Ontem fiz uma pesquisa na Net e consegui encontrar o livro do sr. António Estácio, "Nha Bijagó". Nesse livro fazem referência ao Emílio Martins, mas pouca coisa, apenas que ele tocava bem. Mas hoje vou continuar a procura.

Obrigado, Ludmila Ferreira


2. Comentário do editor:
Senegal, Dakar: "Institution Notre Dame"... Foto da página do Facebook


Ludmila: aqui tem o novo poste...

A Ana Malaval foi estudar (ou trabalhar ?) para Dacar, para um colégio religioso, católico, que ainda hoje existe (vd. página do facebook: Institution Notre Dame)... Teve que tirar o passaporte e outros documentos legais (como a certidão de nascimento)... 

Repare, a Ana vai para Dakar com 31 anos, não sabemos se para estudar ou trabalhar... Mais provavelmente, para trabalhar, dada a idade... Na autorização legal de residência tem como profissão "couturière" (costureira)... No passaporte, emitido em 20/10/1949, aparece como "estudante". Visita a mãe, em Bissau, em 1948, o que faz sentido: em 2/6/1948 foi-lhe passada, em Bissau, a certidão de nascimento nº 64... Terá vivido o resto da vida (e casado) em Dakar ? Em 1949, é solteira e não tem filhos... Veja se consegue saber  a verdadeira razão da sua ida  para Dakar, para uma instituição religiosa...O pai terá morrido ?...

Boa sorte para as suas e nossas pesquisas...
Até à próxima. Mantenhas (como se diz na Guiné)... LG

PS - Os nossos camaradas Leopoldo Correia e António Estácio ainda não me disseram nada... Confirme a data e o local da foto da "Maison Garnier" (Bafatá, 1918 ?)...

Quanto a pesquisas na Torre do Tombo, de momento não temos tempo para lá ir...Mas já tenho consultado os arquivos... Quando lá voltar, pergunto...

______________

Nota do editor:

(*) Último poste da série >  11 de setembro de 2017 > Guiné 61/74 - P17755: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (46): A "mindjer grandi" Maria da Graça de Pina Monteiro, nascida em 1900, e que viveu em Bissau e em Bafatá (Ludmila Ferreira, Cabo Verde)

[...] Um casal, Emílio Martins e Eugénia Hopffer Martins, seriam parentes da Maria da Graça Pina Monteiro.

O informante disse que da última vez que a filha Anna Malaval foi ver a mãe na Guiné, isso em 1948, ela teria ficado na casa dos tios (os Martins) e estes moravam frente do porto de Bissau. A Maria também morava nessa mesma zona. [...]

Vd. também poste de 7 de setembro de 2017 > Guiné 61/74 - P17739: Em busca de... (278): informação sobre uma senhora cabo-verdiana, Maria da Graça de Pina Monteiro, nascida em 1900, e que teve 3 filhas: (i) Ana Gracia Malaval, nascida em 1918, em Bafatá, de uma união com o sr. Edmond Malaval; e (ii) Judite e Linda Vieira, em Bissau, de uma outra união com um sr. português ou cabo-verdiano, de apelido Vieira (Ludmila A. Ferreira)

1 comentário:

abilio duarte disse...

Já estive,algumas vezes num Restaurante em Paris, de nome " GARNIER", será que é da mesma Família?