terça-feira, 1 de setembro de 2015

Guiné 63/74 - P15062: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (18): De 8 a 21 de Julho de 1973

1. Em mensagem do dia 29 de Agosto de 2015, o nosso camarada António Murta, ex-Alf Mil Inf.ª Minas e Armadilhas da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (Aldeia Formosa, Nhala e Buba, 1973/74), enviou-nos a 18.ª página do seu Caderno de Memórias.


CADERNO DE MEMÓRIAS
A. MURTA – GUINÉ, 1973-74 

18 - De 22 a 25-7-1973 


Da História da Unidade do BCAÇ 4513:

JUL73/22 – Forças da 2.ª CCAÇ patrulharam a região de NHACOBÁ e LENGUEL sem terem detectado qualquer sinal da presença IN na região.


Das minhas memórias:

22 de Julho de 1973 – (Domingo) – Patrulhamento com missa. 

Caminhámos dentro da mata durante bastante tempo e julgo que a saída de Cumbijã deve ter sido bem cedo, pois que a meio da manhã tínhamos atingido o objectivo e inspeccionado a zona que me foi indicada. Eram percursos e objectivos nunca antes efectuados pelo meu grupo, e não sei se alguma vez por outros. A caminhada na mata foi normalíssima, igual a tantas outras, mas acabámos por desembocar num lugar estranhíssimo, que me causou algum desconforto, próprio da insegurança e da acuidade máxima dos sentidos. Ainda antes de atingirmos a orla da mata sentimos no ar um cheiro a maresia que nos deixou um pouco atónitos, pois na nossa frente, em campo aberto, nada indicava a proximidade de um desses braços de mar tão frequentes na Guiné, mas completamente estranhos para nós. Os odores marinhos, o dia cinzento, um chão estranho e um silêncio incomodativo, conjugavam-se para criar uma atmosfera e um cenário quase opressivos, como se indiciassem um perigo escondido ali algures. Decidi instalar o grupo na orla da mata e ir lá frente investigar sozinho. À minha frente, em campo aberto, tinha o que me pareceu uma lala, uma faixa estéril talvez com sessenta a setenta metros de largura e no limite da qual corria paralelo um cordão de pequenas árvores, a denunciar a presença de um riacho, não deixando ver nada para além dele. Havia que ir espreitar. Ao aproximar-me reparei que ao longo desta fiada de árvores havia paralelamente um uma leira muito uniforme e compacta de plantas que me davam um pouco abaixo dos joelhos e que, a uma certa distância, parecia um campo de trevo. Atravessei em direcção ao riacho por cima desse tapete muito verde e ocupei-me a observar o leito quase oculto no negrume das sombras. Para o outro lado das árvores e da vegetação cerrada, não consegui ver nada. Voltando para trás reparo, espantado, que o caminho que fiz pisando o tapete verde, parecia um corredor de um vermelho muito vivo. Fiz sinal para um dos furriéis se aproximar e partilhar comigo aquela visão estranhíssima. Ficou tão espantado como eu. Simplesmente porque aquelas plantas de folhagem miúda eram vermelhas por baixo, só se dando conta disso ao pisá-las.

Ao afastarmo-nos do riacho reparámos que à nossa direita se estendia uma bolanha com todo o aspecto de ter sido cultivada. Mas como é que, quando saí da orla da mata em direcção ao riacho, não a vi? Só percebi ao entrar na bolanha: todo o terreno tinha sido nivelado pela cota mais baixa, ficando ocultado pelo terreno poisio e irregular do lado da mata, muito mais alto. Dentro da bolanha completamente seca, chegava-nos com a aragem o cheiro a salgado com mais intensidade, mas em nenhum momento consegui vislumbrar a origem. Ao fundo da bolanha a visão era limitada pela fiada de árvores do riacho e outra vegetação de pequeno porte e nada se via para além dela. Nem eu naquela zona arriscava indagar mais longe. Até porque, em todo o tempo em que ali estivemos, tive sempre a sensação desconfortável de andar a espiolhar o quintal do vizinho. Já sozinho, ainda tentei encontrar vestígios ao longo da bolanha mas nada vi. Pelas medas pequenas de palha de arroz quase em decomposição, espalhadas um pouco ao acaso, percebia-se que tudo estava abandonado há muito.

Regressei para junto do grupo na mata decidido a pormo-nos rapidamente a milhas dali, mas encontrei no caminho um grupo de seis ou sete soldados, afastados do pelotão e sentados contra a pequena ribanceira do terreno mais elevado. À medida que me aproximava em passo acelerado, vi que estavam todos muito compenetrados e com ar solene, olhando para mim sérios mas sem intenções de se levantarem. Intrigado, só ao parar frente a eles percebi que estavam a ouvir missa – era domingo -, através de um pequeno “transístor” colocado no chão no meio deles com o som reduzido. Perguntei apenas se faltava muito para acabar, ao que um deles respondeu que devia estar quase no fim. Disse-lhes que se levantassem logo que acabasse, para eu dar ordem de marcha. E fui esperar e descansar um pouco na mata junto do grupo. Depois foi o regresso a Cumbijã, com algumas almas mais lavadas.


Da História da Unidade do BCAÇ 4513:

JUL73/23 – Forças da 1.ª CCAÇ durante a acção “OURIQUE” patrulharam a região de SAMENAU, TUNANE e R. DÉBEL. Na região de SAMENAU ouviram umas rajadas de AAutm (armas automáticas). Dada a impossibilidade de atravessar a bolanha do R. CUMBIJÃ, bateu-se a região com Artª., cessando as rajadas.

- Realizou-se uma coluna extraordinária entre Nhala e Buba para evacuação de um ferido. (da H. U. do BCAÇ 3852).

JUL73/25 – Forças da 2.ª CCAÇ durante a acção “ORIUNDO” patrulharam a região do R. GONHEGEL sem contacto.

- Pelas 17h30 GR IN não estimado flagelou o Destacamento de CUMBIJÃ durante 10 minutos com 9 granadas de canhão S/R 82, sem consequências.


Das minhas memórias: 

25 de Julho de 1973 – (quarta-feira) – Flagelação a Cumbijã: minha 1.ª vez aqui e 4.ª ao todo.

Cumbijã, tanta vez alvo de flagelações, foi flagelada nesta data e outra vez no dia 30. Pela hora referida na História da Unidade, julgo ser a data em que, pela 1.ª vez, fui apanhado no aquartelamento durante uma flagelação. Era o 4.º ataque para o meu registo “curricular”. Mas o que ficou para sempre na minha memória, não foi a flagelação em si, mas um episódio um pouco bizarro e enigmático, que me deixou assim numa espécie de desconsolo piedoso.

Conversávamos despreocupadamente encostados ao balcão do bar, julgo que se chamava “Flor do Cumbijã”, cada um com o seu copo na mão, quando caiu a primeira granada, lá para os fundos do aquartelamento e longe do arame farpado. A primeira reacção foi largar o copo e correr para a vala mais próxima, sem medo nem precipitações, ainda duvidoso de que fosse mesmo um ataque. Mas não tardou a segunda granada, a terceira e as seguintes, cada vez mais próximas do arame farpado, para um lado e para o outro do aquartelamento. Saltei para dentro da vala, creio que era quase no meio aquartelamento, junto ao Comando e outras dependências, e já lá estava o Major D. M. com o Capitão de Operações e outros. Já dentro da vala e ao virar-me para a frente, o lado do bar, fiquei estupefacto ao ver ainda encostado ao balcão o Cap. B. C. com o seu copo de gin na mão, como se não fosse nada. Surpreso, por momentos alheei-me dos rebentamentos e a minha mente vagueou à procura de uma explicação para aquela atitude, recusando a ideia de uma bravata despropositada, que não condizia com a personalidade que lhe reconhecíamos, ou de uma postura suicida, mas não encontrando mais nenhuma explicação. Fiquei meio sem reacção, podia ter tido alguma iniciativa mas estava bloqueado. Porquê aquilo? Não lhe conhecia problemas que merecessem um tal despreendimento da vida, ainda mais na frente de todos. Mas, o que sabemos nós do foro íntimo dos outros? E de nós mesmos? Vamo-nos revelando conforme o meio e as circunstâncias inusitadas, ao ritmo em que as vamos ultrapassando. Que sei eu?

Despertou-me do devaneio, o berro do Major, “Capitão B. C. venha imediatamente para a vala!”. Ele, impávido, fitava-nos de lá onde estava, enquanto levava o copo à boca, com uma expressão que não era de desdém nem superioridade, mas de uma serenidade que não batia certo com o momento. Pareceu-me ver-lhe aflorar um sorriso mas, por certo, foi impressão minha. Entretanto o Major insistiu para que saísse dali e ele, aos poucos, foi-se aproximando de nós, sempre com uma expressão natural, nem apática nem enfática. Não estava a desafiar nem a provocar, apenas mostrava desprezo pela vida, com naturalidade.

Não recordo se chegou a entrar na vala, até porque uma das últimas granadas caía agora do lado da estrada, fora do arame farpado, e tudo acabava por essa tarde sem que houvesse sequer feridos. Entretanto os camaradas da artilharia, que haviam começado a resposta à flagelação quase no início desta, continuaram a disparar o obus por mais algum tempo e o último disparo foi também o ponto final naquela tarde de sobressalto.


Histórias marginais (1): Abelhas assustadoras. 

Por um destes dias saímos pela estrada nova, não asfaltada ainda, em direcção a Nhacobá para depois nos embrenharmos na mata num patrulhamento que já não recordo. Era apenas o meu grupo de combate e caminhávamos em fila indiana, guardando grandes distâncias, pelo meio da estrada. A via paralela à estrada, mais baixa e de terra batida, só se podia usar após picagem e nessa ocasião não era necessária. A tarde estava tão amena e solarenga que a disposição de todos era óptima, parecia até que íamos para um passeio. Uma grande recta com a mata alta de ambos os lados e próxima da estrada. Parecia que estávamos no Bussaco. A verdade é que, desde o princípio, tivemos a percepção de que tudo iria correr bem, e quando isso acontecia, tudo corria bem mesmo. Excluindo os percalços...

Indo entre os primeiros homens, vi que o da frente parou, recuou uns passos e o segundo fez o mesmo. Depois viraram-se para trás e, hesitantes, fizeram-me sinal. Apreensivo, fui à frente saber o que se passava mas, ainda distante, comecei a ouvir uma zoada intensa e que aumentava à medida que me aproximava dos dois homens da frente. Chegado junto deles, de novo virados para a frente e muito temerosos, vi com espanto uma nuvem de abelhas tão compacta e volumosa, que fazia uma grande sombra na estrada a cerca de dois metros do chão. A nuvem de abelhas, - não lhe posso chamar enxame porque seriam muitos enxames -, cobria quase toda a largura da estrada e, embora fervilhassem em reviravoltas loucas fazendo uma zoada de meter respeito, mantinham-se estáticas em relação à estrada. Nunca tinha visto nada assim nem voltei a ver, embora tropeçasse muitas vezes ainda em enxames de abelhas. Estávamos a vinte ou trinta metros das abelhas e recuámos um pouco mais para aguardar a evolução daquele imprevisto, ou eu ter de decidir o que fazer.

Nesse compasso de espera fui avaliando as hipóteses e, uma a uma, fui-as descartando. Estava a ficar num impasse e elas continuavam ali. Mesmo que tivesse uma granada de fumos, não a utilizaria naquelas circunstâncias, pois isso poderia desencadear o ataque delas em vez de as afugentar. Ocorreu-me a história que me contaram em Nhala do único burro que lá havia e que morreu com um ataque de abelhas. Acho que tive um estremecimento. Mas também não podia comunicar ao Comando que estava bloqueado com uma nuvem de abelhas, por parecer ridículo e porque eles não compreenderiam. Passar na faixa de terra batida adjacente à estrada estava fora de questão porque teríamos de fazer uma picagem à minha responsabilidade e, ainda assim, não teria garantia de passar ao lado das abelhas sem que nos atacassem. Juntei o grupo e decidi o seguinte: vamos passar um a um, lentamente, o mais agachados possível e sem movimentos bruscos. Os que aguardam mantém-se quietos assim como os que passam para o outro lado. Se as abelhas atacarem durante a passagem, deitar de barriga para baixo, imóveis e com a cara protegida. A distância segura manter a vigilância para a mata.

Pela reacção da maioria do grupo, nada convencidos, pareceu-me que com melhor ânimo aceitariam a ordem para um golpe de mão. Sentindo que era meu dever passar à prática as instruções que lhes comunicara, avancei eu para aquele turbilhão vivo e aterrador, que persistia ali. Quico enterrado na cabeça até às orelhas, golas para cima e mangas para baixo, avancei. Não tenho vergonha de confessar que, já sob a nuvem de abelhas e com aquela zoada de entontecer, embora calmo, levava o sangue gelado. Mas não aconteceu nada e eu afastei-me, sempre na defensiva, até quase as deixar de ouvir. Virei-me para trás e fiz sinal para que avançasse o seguinte. Passámos todos, embora a operação demorasse mais do que eu supusera.

A descompressão que se seguiu foi tal que parecia que caminhávamos para uma festa, mesmo se quase em silêncio. De tal modo que, já não muito longe de Nhacobá, encontrámos uma granada do nosso morteiro 60 por rebentar na berma da estrada e eu, com alguma irresponsabilidade tendo em conta a zona em que estávamos, pu-la de pé com “pinças” num monte de terra da berma e tentei acertar-lhe de longe com dois tiros de G3, falhados, quem sabe se para meu bem... O problema é que eu sabia como era delicado manusear aquele tipo de granada na situação de encravamento do dispositivo de percussão: falara-se disso quer em Mafra, quer em Tancos. Já não recordo bem mas suponho que me resignei a deixá-la assinalada na berma para, numa oportunidade melhor, a accionar com um petardo. Também já não recordo o nosso destino nesse patrulhamento, nem o regresso a Cumbijã mas, tenho a certeza, não voltámos a ver as horríveis abelhas em tal situação. Tivemos outros casos, - que mais tarde talvez conte -, mas nunca mais vimos nada parecido. Felizmente.

(continua)
____________

Nota do editor

Poste anterior da série de 28 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P15050: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (17): De 8 a 21 de Julho de 1973

2 comentários:

Anónimo disse...

Caro Murta

Mais dois deliciosos episódios aqui narrados, com uma riqueza de pormenores que nada fica por dizer. Aquela do Cap. B C. é de fazer pensar na complexidade do ser humano.Eu também conheci este Cap.

Um abração

Carvalho de Mampatá.

António Murta disse...

Olá, amigo Carvalho.

Obrigado pelos teus comentários. Votos de saúde.

Grande abraço do
A. Murta.