sexta-feira, 15 de abril de 2016

Guiné 63/74 - P15978: Nota de leitura (830): Jorge Sales Golias, um capitão eng trms, no TO da Guiné (1972/74), que teve um papel prepoderante no MFA, no 25 de abril e no processo de descolonização: escreve um livro de memórias 40 anos depois

Foi ontem feito  o lançamento oficial do livro de Jorge Sales Golias (*). Infelizmente, não nos foi possível comparecer por estarmos com aulas à hora em que se realizou a sessão. Mas aqui ficam  mais alguns elementos informativos sobre o livro, com destaque para o seu detalhado índice. 

Esperemos que alguns dos nossos leitores queira e possa fazer-nos chegar, para publicação, a sua "nota de leitura" deste livro, escrito por antigo capitão eng trms, no TO da Guiné, que teve um papel prepoderante no MFA da Guiné e no processo de descolonização. (**) LG

_________________

Título: A Descolonização da Guiné-Bissau e o Movimento dos Capitães

Editora: Colibri
Ano: 2016
Data de publicação: Abril de 2016
Temas: História ContemporâneaDescolonizaçãoRevolução
Colecção: Memórias de Guerra e Revolução
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 376
Formato: 23x16
Peço de capa: 20,00 €
ISBN: 978-989-689-570-9

Sinopse:

No caso de A Descolonização da Guiné - Bissau, MFA 72-74, de Jorge Golias, a História é o trabalho sério e rigoroso, pessoal, de colocação no seu devido lugar do que aconteceu na Guiné – "província ultramarina" de Portugal desde o início do processo que conduziu ao 25 de Abril de 1974 até ao fim da guerra que ali decorreu durante onze anos, à transferência da soberania para o PAIGC e ao içar da bandeira da República da Guiné-Bissau. É uma história complexa, tão importante como desvalorizada e, tantas vezes, adulterada.

O livro de Jorge Golias é também um resgate da verdade, feito com uma invulgar abordagem da escrita, em que o tempo da narrativa é o tempo da história e a aventura individual do autor é o fio de Ariadne que permite seguir a série de acontecimentos que vamos encontrar até ao embarque do último representante da soberania portuguesa em Bissau. O resultado é uma crónica dos dois anos de 1972 a 1974, que o autor escreve como se estivesse a vivê-los hoje. [Carlos de Matos Gomes] 

 A Descolonização da Guiné-Bissau tinha tudo para correr mal: 
– Os nossos militares na Guiné, de todas as patentes, clamavam pelo "regresso imediato a Portugal"; – O povo português em Lisboa gritava “nem mais um soldado para o Ultramar; 
– O PAIGC, muitas vezes, não se entendia e dava ordens contraditórias e provocatórias. 
 – Spínola opunha-se ao reconhecimento e defendia um referendo de continuidade numa comunidade lusíada. 
A Descolonização surge assim como a síntese destes contrários, promovida pelo MFA na Guiné e pelo governador e comandante-chefe, com o apoio do MFA em Portugal [Jorge Sales Golias]



Índice:

PREFÁCIO [, de Carlos Matos Gomes]

1. A CHEGADA A BISSAU 
O choque térmico 
As primeiras impressões 

2. AS MINHAS MISSÕES 
A minha guerra 
A missão a Jemberém 
Outras missões 
Outras actividades 
À margem da guerra 
A minha outra guerra

3. “ZOE” – A REVISTA DO AGRUPAMENTO TM

4. A SITUAÇÃO MILITAR NO TO DA GUINÉ 
A reocupação do Sul-Cantanhês 
A perda da supremacia aérea 
O cerco e a libertação de Guidage 
A retirada de Guileje 
O inferno de Gadamael 
A guerra dos 3 G’s 

5. A SITUAÇÃO POLÍTICA NO TO DA GUINÉ 
A posição do governo português 
A marca Spínola 
Reunião de Altos Comandos de 15 de Maio de 1973 
A partida do centurião 
Um estudo do Estado-Maior 
O General Bettencourt Rodrigues e os sinais do fim próximo 

6. AS ORIGENS DO MOVIMENTO DOS CAPITÃES 
As primeiras reuniões 
O papel do Agrupamento de Transmissões 
A primeira Comissão do Movimento de Capitães 
Episódio tenente-coronel Luís Ataíde Banazol 

7. O 25 DE ABRIL NA GUINÉ-BISSAU 

8. GOLPE MILITAR EM BISSAU E DIAS SEGUINTES 
A tomada do poder em 26 de Abril 
1º Encarregado de governo – ten-cor Mateus da Silva 
Incidentes no interior 
Primeira organização de estruturas de apoio ao governo 
2º Encarregado de governo – ten-cor Carlos Fabião 
O MFA na Guiné-Bissau 
Agenda do tenente-coronel Mateus da Silva para Lisboa 
Encontros de Dakar, Londres.1, Londres.2, Argel.1 e Argel.2 
Legalização de partidos políticos 
Acontecimentos deste período – até 30 de Junho 
Contratempo com ordem de desmobilização do MFA 
Institucionalização do MFA na Guiné 
Organização da Área da Informação 

9. A DESCOLONIZAÇÃO DA GUINÉ-BISSAU 
Primeiras actividades 
O Movimento Para a Paz – MPP 
Visita de trabalho da Comissão Coordenadora do Programa 
Chamada a Lisboa de oficiais do MFA 
Assembleia do MFA na Guiné de 1 de Julho 
Reunião marginal de Fuzileiros 
O Congresso do Povo 
Ultimatos do PAIGC 
Retracção do dispositivo 
A Companhia 18 
O problema das Tropas Africanas 
Reunião Extraordinária dos órgãos do MFA 
Acontecimentos até 31 de Julho 
Encontros no Cantanhês em 15, 16 e 18 de Julho 
Assembleia Geral do MFA de 29 de Julho 
A caminho da independência de jure – de 1 a 31 de Agosto 
A Transferência de Poderes – de 1 de Set a 14 de Outubro 

10. IMPRESSÕES E EMOÇÕES À DISTÂNCIA DE 40 ANOS 

BIBLIOGRAFIA E FONTES 
LISTA DE SIGLAS 
LISTA DE ANEXOS 
ANEXOS E APÊNDICES 
CALENDÁRIO DO 25 DE ABRIL NA GUINÉ 
LISTA DE NOMES 

O autor > JORGE SALES GOLIAS:

(i) nasceu em 1941 em Mirandela:

(ii) cursou a Academia Militar (Exército-Arma de Transmissões) e licenciou-se em Engenharia Electrotécnica no IST;

(iii) participou na guerra colonial (Guiné 72-74) e no 25 de Abril de 1 9 74;

(iv) foi chefe de gabinete do Encarregado do Governo da Guiné, membro da Assembleia do MFA , assistente do Conselho de Administração dos CTT/TLP e adjunto do Chefe de Estado- -Maior do Exército;

(v) tem o posto de Coronel, reformando-se em 1992 e fazendo depois uma carreira de gestão de empresas nas áreas de investigação e desenvolvimento de electrónica.

 (vi) é sócio de: A25A, Liga dos Amigos do Arquivo Histórico Militar, Casa de TMAD e Academia de Letras de Trás-os-Montes;

(vii) integra a Comissão da História das Transmissões Militares e o Grupo de Amigos do Museu das Transmissões; 

(viii) é co-autor das seguintes obras: Vinte e Cinco de Abril – 10 anos Depois, As Transmissões Militares – da Guerra Peninsular ao 25 de Abril, Mirandelês” e “Bicentenário do Corpo Telegráfico 1810-2010. Coordena a Tertúlia Transmontana na Casa de Trás -os-Montes e Alto Douro;

(ix) elo seu papel no 25 de Abril é citado na História de Portugal, de José Mattoso,  e tem o seu nome inscrito no monumento aos Capitães de Abril, em Grândola: 

(x) é  cronista regular do Notícias de Mirandela, e tem colaborado com a "Revista Raízes", com o Notícias de TMAD e "O Referencial", da A25A.


______________

Notas do editor:

(*) vd. poste de 7 de abril de 2016 Guiné 63/74 - P15948: Notas de leitura (825): "A Descolonização da Guiné-Bissau e o Movimento dos Capitães", de Jorge Sales Golias (a lançar na 5ª feira, dia 14, em Lisboa): pré-publicação de um excerto por cortesia do autor: A perda da supremacia aérea – Março de 1973
(**) Último poste da série > 15 de abril de  2016 > Guiné 63/74 - P15977: Nota de leitura (829): “A África começa mal”, de René Dumont, edição portuguesa de 1965 (Mário Beja Santos)

1 comentário:

Vasco Pires disse...

Ainda não tive o prazer,de ler o livro em pauta (o que espero poder fazer tão breve quanto possível).
Contudo chamou minha atenção um comentário do Ilustre Prefaciador:
"O livro de Jorge Golias é também um resgate da verdade..."
Enfim,alguém resgata a verdade de um processo de mais de quinhentos anos!!!
Forte abraço a todos.
VP