domingo, 19 de março de 2017

Guiné 61/74 - P17155: Historiografia da presença portuguesa em África (72): Subsecretário de Estado das Colónias em visita triunfal à Guiné, de 27/1 a 24/2/1947 - Parte I: A consagração do governador geral, o comandante Sarmento Rodrigues, como homem reformador e empreendedor (Reportagem de Norberto Lopes, "Diário de Lisboa", 27/1/1947)


Guiné > Bissau > Julho de 1971 > Praça do Império: o monumento ao "esforço da raça"


Guiné > Bissau > julho de 1971 > O palácio do Governador (Gabinete de Urbanização Colonial / Arquitetos João António Aguiar e José Manuel Galardo Zilhão, 1945)

Fotos: © Benjamim Durães (2011). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complemntar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


















Recorte do Diário de Lisboa (diretor: Joaquim Manso), nº 8681, segunda feira, 27 de janeiro de 1947, pp. 1 e 2 .

Cortesia de portal Casa Comum > Fundação Mário Soares > Arquivos > Diário de Lisboa  / Ruella Ramos > Pasta: 05780.044.11032

Citação:
(1947), "Diário de Lisboa", nº 8681, Ano 26, Segunda, 27 de Janeiro de 1947, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_22267 (2017-3-18)


1. Foi uma longa visita à Guiné, a do subsecretário de Estado das Colónias (sic), o engº Rui de Sá Carneiro, de 27 de janeiro de 1947 (chegada a Bissau, no navio "Guiné") a  24 de  fevereiro desse ano.

Era então governador-geral Manuel Sarmento Rodrigues (1945-1949) [, foto à esquerda, cortesia da Revista Militar]. A importância política desta visita era tanto para o governo de Salazar, na conjuntura do pós-guerra e no início do movimento de descolonização, como para o governador geral Sarmento Rodrigues, um prestigiado oficial da marinha, considerado com um "conservador liberal", com "ligações à Maçonaria" e que apoiava o Estado Novo... Tinha fama de se situar "à esquerda" do regime, com afinidades com o Marcelo Caetano, que é então o ministro das Colónias. Será o preferido de Salazar para o lugar de Ministro das Colónias, em 1950, e depois do Ultramar, em 1951 até 1949...


(...) "Membro de uma tendência conservadora liberal e maçónica que apoiou o Estado Novo, foi considerado um homem de 'esquerda' dentro do regime, que o levou a ser proposto por Marcelo Caetano para o cargo de Governador da Guiné, que exerceu entre 1945 e 1949. Aqui desenvolveu extenso trabalho na organização do território, e paralelamente impulsionou os estudos relacionados com a Guiné e a África Ocidental, criando, a colaboração de Avelino Teixeira da Mota, o Centro de Estudos da Guiné.(...)

É nessa altura que o palácio do governador, "a nova residência", segundo o enviado especial do "Diário de Lisboa", o Norberto Lopes, fica pronto, a escassos meses da visita. O edifício, que remonta aos anos 30, conheceu muitas vicissitudes e contrariedades. O projeto definitivo foi (re)desenhado em 1945 (, já que havia uma pré-existência), pelo Gabinete de Urbanização Colonial (GUC), pelos arquitetos João António Aguiar e e João Manuel Galhardo Zilhão. (O GUC tinha sido criado em finais de 1944, em Lisboa, dependente do Ministério das Colónias, cuja titular era então Marcelo Caetano.)

O palácio vai ficar pronto em 1946, por ocasião do 5º centenário do desembarque de Nuno Tristão no território, graças a um nova intervenção da brigada de Paulo Cunha. E fazia parte de um vasto conjunto de obras públicas, indelevelmente associado ao mandato do governador Sarmento Rodrigues (1945-1949) (**), o homem que é também um hábil político.

(…) “Manuel Maria Sarmento Rodrigues, oficial da Marinha portuguesa, é destacado por Marcelo Caetano para governador da Guiné, antes ainda do final da Segunda Guerra, num tempo muito próximo à formação do GUC. Durante o seu governo, a província conhece uma época de desenvolvimento, servindo de 'campo de ensaio' aos 'novos rumos da política colonial portuguesa.'(…). Este período progressista tem a sua expressão mais emblemática na revogação do 'Diploma dos Assimilados'  que valerá a Sarmento Rodrigues ser visto como tendo responsabilidades na formação de uma 'nova escola de política ultramarina' "(…). (***)

Nesta visita do engº Rui Sá Carneiro, integram-se jornalistas, um dos quais é o Norberto Lopes (1900-1989), jornalista e escritor, enviado especial do "Diário de Lisboa" que vai fazer m conjunto notável de reportagens sobre a Guiné, reportagens essas que merecem ser conhecidas dos nossos leitores: são cerca 15. Virá a  diretor do "Diário de Lisboa" entre 1956 e 1967.  Recorde-se que o "Diário de Lisboa", vespertino, publicou-se entre 1921 e 1989, e durante o Estado Novo foi sendo conotado como um jornal de referência, da "oposição democrática", O último diretor foi Ruella Ramos. 

O pretexto da visita também foi o encerramento as comemorações do descobrimento da Guiné, em 1946 (uma data, de resto, polémica, para os historiadores, a da pretensa chegada de Nuno Tristão ao território). A iniciativa era do comandante Sarmento Rodrigues,  que pôde contar com o entusiasmo e a criatividade de uma  equipe dinâmica, apostada em  conhecer, desenvolver e modernizar a Guiné, e afirmar a presença portuguesa no território, na nova conjuntura geopolítica do pós-guerra  em que os impérios coloniais se começam a desmoronar. Destaque para Avelino Teixeira da Mota, então 2º tenente, responsável pelo "Boletim Cultural da Guiné" Portuguesa" (que irá dedicar um nº especial, em outubro de 1947, a esta efeméride, o V Centenário).

Na metrópole também houve, em maio de 1946, a celebração do V Centenário do Descobrimento da Guiné. A organização da efeméride coube à Sociedade de Geografia de Lisboa, por decisão do próprio ministro das Colónias. (****).
_______________

Notas do editor:


(**) Vd. poste de 25 de abril de 2014 >  Guiné 63/74 - P13042: Manuscrito(s) (Luís Graça (26): Revisitar Bissau, cidade da I República, pela mão de Ana Vaz Milheiro, especialista em arquitetura e urbanismo da época colonial (Parte III): Sarmento Rodrigues, o seu palácio e a sua praça do império (fotos de Benjamim Durães, julho de 1971)

(***)  Milheiro, Ana Vaz, e Dias, Eduardo Costa - A Arquitectura em Bissau e os Gabinetes de Urbanização colonial (1944-1974). usjt - arq urb , nº 2, 2009 (2º semestre), pp.80-114 [Disponível aqui em pdf ]

(****) Vd. Maria Isabel da Conceição João - Memória e Império; Comemorações em Portugal (1880-1960) - I Volume. Dissertação de doutoramento em História, Lisboa: Universidade Aberta, 1999 (Disponível aqui em pdf: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/2466/4/TD_Isabel%20João.pdf )

2 comentários:

Tabanca Grande disse...



(...) no Estado Novo, o número das comemorações dos centenários aumentava e
foi preciso fazer opções. O centenário do cabo Bojador, em 1934, passou quase
despercebido. Em causa estava a Exposição Colonial, no Porto, que absorveu todas as
atenções. Três anos depois a Exposição Histórica da Ocupação traduzia a
revalorização, feita pelo Estado Novo, das campanhas africanas do final do século
XIX, vistas também como parte da “epopeia” dos portugueses. O Duplo Centenário,
de 1940, tinha como temas a Fundação e a Restauração de Portugal, mas o que
verdadeiramente estava em causa era a afirmação de uma ideia imperial da nação.
Foi, além disso, o paradigma dos centenários do Estado Novo e a comemoração, por
excelência, cuja memória continua a assombrar as realizações do género. Ainda nos
anos 40, sobressaíam alguns centenários promovidos pelos governos das colónias: o
centenário do descobrimento da Guiné (1946); o da Reconquista de Angola, por
Salvador Correia de Sá, e o nascimento de António Enes (1948). O primeiro teve
maior repercussão nacional do que os outros, mas de qualquer modo julgamos
importante analisar estes exemplos da forma como os centenários foram projectados
pelas administrações coloniais." (...)

In: Maria Isabel da Conceição João - Memória e Império; Comemorações em Portugal (1880-1960) - I Volume. Dissertação de doutoramento em História, Lisboa: Universidade Aberta, 1999 (Disponível aqui em pdf: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/2466/4/TD_Isabel%20João.pdf )

Anónimo disse...

Infelizmente, Marcelo Caetano, Sarmento Rodrigues, Teixeira da Mota...vieram tarde de mais. Em 15 de agosto de 1947, a India tona-se "independente" do Reino Unido... Os impérios coloniais começavam a desmoronar-se... Na Guiné a última guerra de pacificação tinha sido há 10 anos, em 1936... nos Bijagós. Em fevereiro de 1947, o subsecretário de Estado das Colónias ainda vai condecorar 3 heróis fulas, aliados de Teixeira Pinto na campanha de pacificação de 1913!...

Luís Graça