domingo, 9 de abril de 2017

Guiné 61/74 - P17227: Álbum fotográfico de Luís Mourato Oliveira, ex-alf mil, CCAÇ 4740 (Cufar, dez 72 / jul 73) e Pel Caç Nat 52 (Mato Cão e Missirá, jul 73 /ago 74) (14); Uma horta em Missirá, no regulado do Cuor:


Foto nº 1 > Horta


 Foto nº 2 > Horta


Foto nº 3 > Horta 


Foto nº 4 > Horta


Foto nº 5 >  Mascote, um pequeno babuino (macaco-cão)


Foto nº 6 >  Ponto de cambança

Guiné > Zona leste > Região de Bafatá > Setor L1 >  Missirá>  Pel Caç Nat 52 > c. 1973/74 >  A horta,

Fotos (e legendas): © Luís Mourato Oliveira (2016). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].




1. Continuação da publicação do  álbum fotográfico do Luís Mourato Oliveira, nosso grã-tabanqueiro, que foi alf mil da CCAÇ 4740 (Cufar, 1972/73) e do Pel Caç Nat 52 (Mato Cão e Missirá, 1973/74). (*)

Foi o último comandante do Pel Caç Nat 52. Irá terminar a sua comissão em Missirá, depois de Mato Cão, e extinguir o pelotão em agosto de 1974.

Em Missirá fez um horta para poder ter legumes frescos, e onde toda a gente trabalhava... porque quem não labuta, não manduca... E havia alfaias agrícolas de todo o género, até um pulverizador... Bambadinca, sede do batalhão, ficava do outro lado do rio, na margem esquerda do Rio Geba Estreito. Como a formiguinha, armanzenava-se comida para a estação das chuvas (de maio a outubro).

Sobre Missrá, no regulado do Cuor,  tenos cerca de 160  referências.  Por lá passaram grã-tabanqueiros ilustres como o Mário Beja Santos "Tigre de Missirá" ou Jorge Cabral ("alfero Cabral"). este no comando do Pel Caç Nat 63 (1969/71), Sem esquecer o primeiro de todos os comandantes do Pel Caç Nat 52, que passou por Missirá, e que foi o Henrique Matos.

2 comentários:

alma disse...

Curiosamente a horta está no mesmo local, onde o meu Furriel Amaral( já falecido),fez a sua. Quando a chuva a destruiu, ele até chorou. Abraço J.Cabral

Tabanca Grande disse...

Meu caro "alfero Cabral": a verdade ´(histórica...) é que eu nunca de ti de enxada na mão... E também é verdade de não me lembro de alguma vez te ver a comer alface ou outras verduras... Não sei como muitos de nós não apanharam o escorbuto... como os nossos antepassados... Nunca vi, e vivi lá quase dois anos, mas diziam.me que a "horta de Bambadinca" era um antigp cemitério de triste memória...