segunda-feira, 7 de maio de 2018

Guiné 61/74 - P18612: XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande (22): bem hajam, camaradas e amigos/as, que não puderam vir, e tiveram a gentileza de nos mandar uma mensagem de saudações ou uma simples palavrinha de explicação...


Monte Real > XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande > 5 de maio de 2018 > Aspeto parcial do grupo de cerca de 130 que este ano marcou presença...

Foto (e legenda): © Luís Graça (2018). Todos os direitos reservados [Edição; Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Vários camaradas e amigos que não puderam estar presentes (, uma boa parte por razões de saúde, outros por compromissos de agenda, outros ainda por imprevistos de última hora) telefonaram ou mandaram mensagens a desejar um bom encontro em Monte Real, uns no próprio dia, outros na véspera, ou até uns largos dias antes. 

Correndo o risco de não me lembrar de todos, foi o caso do Joaquim da Silva Jorge e Esmeralda (Ferrel / Peniche), Sousa de Castro e Conceição (Viana do Castelo), C. Caria (Penamacor),  António Fernando Marques e Gina (Cascais), João Crisóstomo (Nova Iorque), Rui Chamusco (Timor), Eduardo Jorge Ferreira (Vimeiro / Lourinhã), Diana Andringa (Lisboa), João Martins (Lisboa), João Sacôto (Lisboa), Manuel dos Santos Gonçalves e Maria de Fátima (Tucha) (Carcavelos / Cascais),  Alcides Silva (Oliveira de Azeméis), Humberto Reis (Alfragide / Amadora), António Estácio (Sintra), Raúl Albino (Setúbal), José Cancela (Penafiel), Carlos Mota Ribeiro (Maia), António Rosinha (Alverca e Torres Vedras), Jorge Ferreira (Paço de Arcos / Oeiras), Virgílio Teixeira (Vila do Conde)...

Destaco estes três últimos:

(i) António Rosinha (Alverca):

Luís, almoços prolongados já não combinam com indicações médicas há uns anitos para cá, uma das razões de não comparecer em Monte Real.

Habito temporariamente entre Alverca hoje, Torres Vedras amanhã, 50/50.

Um abraço, Antº Rosinha

(ii) Jorge Ferreira (Oeiras);

Luís, tabanqueiro mor, votos de que o nosso Encontro esteja a decorrer como desejavas. Eu também estou aí em espírito,

Não te esqueças de apelar a todos os que têm fotos da sua passagem pela Guiné para que as disponibilizem para que as possamos divulhgra através do FOTOBOX, o programa de fotografia do Luís Carvalho, na RTP 3.

Aquele abraço para todos os nossos camaradas. JF

(iii) Virgílio Teixeira (Vila do Conde):

Caro amigo Luís:

Obrigado pela tua mensagem de ontem [, 4 de maio], não prometo que para o ano aí estou, em Monte Real, onde espero e desejo que passem um bom sábado,  de confraternização e camaradagem, com os nossos camaradas da Guiné, que tudo merecem.

Com certeza será mais certo eu ir ao encontro da Tabanca da Linha, pois resolvo o meu problema de transportes. Temos o Alfa, vou com a minha mulher calmamente no dia anterior, fico num hotel até o dia seguinte, posso comer e beber à vontade, e depois vou ficar no hotel até ao dia seguinte, e faço no Alfa a viagem de regresso, sem stress, sem problemas do condução, que já não aguento tantos quilómetros e com os problemas de dormir.

Está na hora da vossa convivência, por isso se receberes esta mensagem, manda aí um Alfa Bravo para todos, incluindo o Antº Rosinha se estiver também em Monte Real, (parece-me que ele não alinha muito com os meus postes, está sempre a lançar piadas, pois, tal como eu, também não é politicamente correcto, por isso o aceito tal como ele escreve, além disso merece o meu respeito pela sua mais longa idade, mas não é caso de estar sempre a lançar piadas sobre 'a minha guerra', os meus postes de Bissau, é preciso colocar mais uns, de São Domingos, Nova Lamego, Susana, Cacheu e outros sítios, tipo guerreiro, para merecer mais consideração, afinal todos andamos por lá, não tenho culpa de me darem uma função no Comando do Batalhão, que não era para todos, como é óbvio, eu sei).

Um bom regresso, e até a próxima,

Abraço do
Virgílio
____________

Nota do editor:

3 comentários:

Anónimo disse...

Obrigado, a todos, pelas saudações, encorajamnento e explicações...

Quanto a ti, Virgílio, deixa-me repetir o que já escrevi, em comentário no poste em quetsão: pelo que conheço do nosso "mais velho", António Rosinha, posso garantir-te o seguinte: ~

(i) é um homem afável;

(ii) é um bom camarada (, que fez a guerra em Angola, em 1961/63, mas eu não te sei dizer se foi mais "tropa" do que "guerra", e se ele chegou mnesmo a ter o "batismo de fogo");

(iii) tem uma grande vivência de África e ama a Guiné, tanto quanto Angola;

(iv) é um "retornado", como ele próprio se considera a si mesma;

(v) tem uma cultura africanista acima da média;


(vi) gosta de dizer e escrever o que pensa...

Em caso algum ele queria ofender-te,ofender a tua pessoa... Quando é assim, eu corto os comenbtários... Aqui ninguém se insulta. Estiveste no "back office" da guerra, como muitos outros camaradas (dos médicos aos capelães...) mas sempre em zonas operacionais, e de risco (Nova Lamego, São Domingos)... Quem é que não gostava (e precisava) de dar uma "escapadela" até Bissau, para voltar a respirar fundo ?

Não sejas tão suscetível, reagindo a quente a a estes e outros comentários...

Claro que eu vou publicar as tuas fotos de São Domingos e de Nova Lamego, mas esta semana não... Sê paciente... Primeiro quero acabar as de Bissau... As tuas fotos de Bissau ajudam-nos a "recompôr" o "puzzle!" da memória... A grande maioria dos nossos camaradas mal conheceram Bissau, só à chegada e à partida...

Um abração à moda do Norte!... Luis Graça

Anónimo disse...

Ok Luís, obrigado por essas doutas palavras já estou recomposto, e já comentei sobre isso. Tive uma reacção a quente (a minha mulher que é mais sábia do que eu sempre me diz a todo o momento para não reagir a quente, mas eu continuo a fazer sempre igual, até um dia, sou assim, vou ver se me emendo com esta idade).
Ontem lá estive em família a festejar o dia da mãe, é um hábito que não posso deixar passar em branco, apesar de eu próprio já não ter a minha mãe viva.
Depois ao fim da tarde e noite fui a uma festa brava cá no Porto, não preciso de dizer mais para não ferir outras susceptibilidades, e já tudo está passado.
O camarada António Rosinha que me aceite como sou, eu vou fazer o mesmo.
Mas estas picardias, eu já as pressentia antes, foi preciso quase 5 anos para entrar nesta grande Tabanca, e não estou arrependido de nada, só agradeço. Mas sabia que me iam 'apertar' alguns menos informados, vou ter de conviver com isto, não desarmo assim facilmente, gosto de ir à "luta".

Um grande abraço e parabéns por essa grandiosa festa.
Virgilio

Tabanca Grande disse...

Assim é que é, Virgílio... Ès um homem do Norte habituado a chamar os bois pelos cornos...

Do futebol não falo, tenho portistas, benfiquistas, sportinguistas e até "belenses" na família... pelo que tenho que saber gerir os afetos e as emoções... A família do Norte (tal como a do Sul) divide-se em maytéria de política, religião e futebol... Não somos por isso menos amigos... E ainda que as "alegrias" se vão repartindo uns pelos outros...

Na Tabanca Grande temos a mesmoa situação: somos já uma "grande família"... Acho que, ao fim destes anos de "convíbio" (virtual e real) apernder todos a respeitarmo-nos uns aos outros... Acima somos "camaradas da Guiné", e isso faz a diferença...Nem sequer temos que ser "amigos"... Mas "camaradas" (de armas) é um termo forte, e todos nós sabemos dar o valor ao que ele significa...

Também ontem fizemos um belo "Dia da Mãe", à beira Tejo, a comer peixinho grelhado robalio e corvina) e a berber uns brnquinhos... Toma boa nota,. quando cá vieres à Tabanca da Linha: Restaurante do Centro Náutico de Paço de Arcos... Saimos de lá às 17h...Éramos cinco com a Alice... A relação qualidade/preço é imbatível... No céu não há disto...

Um abraço grande, Luís. Um beijinho para a tua epsosa, que deve ser uma "santa"...Luís