terça-feira, 2 de março de 2021

Guiné 61/74 - P21961: Blogpoesia (722): "Como eu te vi Guiné" (Albino Silva, ex-Soldado Maqueiro da CCS / BCAÇ 2845)

1. Mensagem do nosso camarada Albino Silva, ex-Soldado Maqueiro da CCS/BCAÇ 2845 (Teixeira Pinto, 1968/70) com data de 23 de Fevereiro de 2021:

Olá Carlos Vinhal

De novo o chato do costume e para te enviar mais este trabalho. Espero que os Tertulianos gostem e só para o 01100467 não desanimar.

Mais trabalhos guardo aqui e prontos para a Tabanca Grande, da qual faço parte, e da mesma que gosto.

Sem mais e para não te maçar mais, paro aqui mas antes envio um bom abraço para todos os Tertulianos e, de uma forma muito Especial para os Chefes de Tabanca, Luís Graça, Carlos Vinhal e companhia.

Sou o Albino Silva

____________

Nota do editor

Último poste da série de 28 de fevereiro de 2021 > Guiné 61/74 - P21955: Blogpoesia (721): "Atracção fatal"; "Lago dos Cisnes" e "Carlos Paredes", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728

1 comentário:

Tabanca Grande Luís Graça disse...

Bino:

Esse entranhado amor
Não tem igual, p'la Guiné,
Parabéns, tiro-te o boné,
És poeta, sim, senhor!...

És o último africanista,
Tiveste em Camabatela,
Tens direito a gabadela
Do camarada bloguista.

E não querendo ser chato,
Pergunto ao nosso maqueiro
No Cachungo sempre o primeiro,
Se conheceu o Paparrato.

Era um soldado comando,
Da décima sexta, certo ?!
No CAOP lá foi estando,
Esse Gabriel que era esperto.

Chegou a ser condutor
Do nosso doutor Pardete,
Mas levava raspenete
Por se armar em sedutor.

Mantenhas. Luís Graça

PS - No seu livro de memórias, "O Paparratos", o teu conhecido alferes mil médico José Pardete Ferreira, recentemente falecido, e com quem trabalhaste nos serviços de saúde, em Teixeira Pinto, criou essa personagem, um tal Gabriel, de alcunha "Paparratos"...Uma figura "castiça", popular, mas truculenta, que se metia na tabanca e nos copos... Terá morrido com um tiro, à porta de armas, à noite, por não ter respondido à ordem de "Alto!... Quem vem lá ?", do sentinela...

Onde acaba a ficção e começa a realidade ?