sábado, 25 de dezembro de 2010

Guiné 63/74 - P7497: O Mural do Pai Natal da Nossa Tabanca Grande (15): Que o Natal seja sempre que um camarigo quiser ! (Editores)


© Miguel Pessoa (2010)




1. Camaradas, amigos, camarigos: Eu, que não gosto de me armar em valente, embora seja uma alma sensível, mas também não tenho a lágrima fácil, fiquei comovido até às lágrimas, com as muitas dezenas e dezenas de mensagens que tenho recebido a desejar as nossas melhoras,  colectivas e individuais... Verdadeiras mensagens da melhor camarigagem de que nós, às vezes, somos capazes.


Na quadra a que eu chamo de grande stresse natalício, em que praticamente é proibido abrir o computador, houve gente que conseguiu arranjar um bocadinho de tempo, roubado à família e aos amigos mais íntimos, para emprestar o seu ombro amigo àqueles de nós que, na Tabanca Grande, estavam a precisar de uma palavrinha de atenção, consolo, esperança, ânimo... Enfim, aquilo a que nós chamamos a nossa blogoterapia...

Na ausência, em "estúdio",  do Vinhal (que "vive e sofre" com o que o aqui se passa, 24 horas por dia!!!), o Mural do Pai Natal da Tabanca Grande está uma m..., uma confusão dos diabos... Eu nunca poderei pôr isto tudo em ordem,  arrumadinho como só ele pode e sabe fazer... e tem feitio todos os anos... Mesmo assim, não quero deixar de postar, por estes dias,  no nosso mural, algumas das palavras bonitas e sobretudo sentidas que nos têm escrito, tanto velhinhos como piriquitos... 

Não tenho mais notícias do Rui Ferreira cujo estado de saúde espero esteja a evoluir favoravelmente, e que era o tabanqueiro que mais nos preocupava este Natal... Mas o Paulo Santiago e o Carlos Santos, os nossos dois bons gigantes (mais o Victor Barata, também seu amigo e vizinho), estão atentos... O António Paiva, espero bem,  deve ter encontrado um porto de abrigo neste Natal. O Carlos, por sua vez,  já lhe senti um pouco mais de ânimo num mail particular que me mandou a chamar-me madraceiro, ontem às 10h da manhã, e que eu tomo a liberdade de reproduzir aqui...

Luís: Estás então em Gaia a passar o Natal? Na cama? Não tens vergonha? As melhoras, rápidas e definitivas.... Acerca dos teus sábios provérbios, mando esta máxima, à troca, que recebi hoje do Carlos Cordeiro: "As coisas são como são em virtude de serem assim mesmo"... É muito profunda, não achas?

Vou fechar o estabelecimento e vou ver a minha velhota. Até logo. Deixa-te de malandrar e levanta-te para comeres as batatas. Um abraço para ti e um beijinho à Alice. Dá cumprimentos nossos à tua família de Gaia. Boas Festas. Carlos






© Miguel Pessoa (2010)




2. Eu, próprio, consegui ontem ao fim da tarde escrever as quadras natalícias de que estou incumbido todos os os anos... É o meu pequeno, modestíssimo, contributo para que a noite da Consoada da Madalena seja, todos os anos, um momento bonito de amor e amizade entre sete famílias que, putos incluídos, este ano juntou duas mesas com vinte e tal pessoas, incluindo dois "tabanqueiros" da nossa Tabanca Grande, eu e o João Graça mais o seu violino... 


Tirando a ciática, espero que o vosso Natal tenha sido tão ou mais lindo que o meu... Agora vou-me levantar por que é preciso comer a "roupa velha"...  Em meu nome, e do resto da equipa que faz este blogue o melhor que pode e sabe  (Carlos Vinhal, Eduardo Magalhães Ribeiro, Virgínio Briote e... Miguel Pessoa!), a continuação das boas festas de Natal... o tal Natal que é sempre quando um camarigo quiser. 


As quadras, de sete sílbas, foram o que que se pôde arranjar este ano... São dedicadas aos morcões dos meus cunhados Gusto e Nitas, que eu considero há muito como meus irmãos de verdade (são, além disso, os donos da "clínica da Madalena", onde eu estou em convalescença por estes dias...):

No Natal da Madalena,
Foi-se a musa de sabática,
Tenham pena, muita pena,
Está o poeta c’o a ciática

Está o poeta c’o a ciática,
Mas temos o cavaquinho,
Revolve-se a problemática,
E chama-se o Joãozinho.

E chama-se o Joãozinho,
Tiago, Pedro, Tia Nita,
E logo num instantinho,
Forma-se um grupo catita.

Forma-se um grupo catita,
Do jazz à gente fadista,
E até a Joana imita
A bela Júlia florista.

A bela Júlia florista
Via caras, mas não c’roas,
Pois é, ó economista,
Lá sem  guita não há… broas,

Lá sem guita não há… broas,
Mas ó da casa, ó patrão,
Tantas coisas e tão boas,
Vão p’ró rol da gratidão.

Vão p’ró rol da gratidão,
Vão p’ró deve e p’ró haver,
Calam fundo no coração,
Dão sentido ao viver.

Dão sentido ao viver
Destas nossas sete famílias,
Uma história p’ra escrever,
Tão bonita, sem quezílias.

Tão bonita, sem quezílias,
Palavras não são despesa,
Marias e até Emílias
Ficam bem à nossa mesa.

Ficam bem à nossa mesa,
Os nossos anfitriões,
Amizade e gentileza,
Disso são os campeões.

Disso são uns campeões
Um exemplo de beleza,
Muito pouco comilões,
Ficam bem em qualquer mesa.

Ficam bem em qualquer mesa,
Com linho, seda ou papel,
É sempre a mesma nobreza,
Jingle bell, jingle bell.

Jingle bell, jingle bell,
Que o jantar nem estava mau,
Muitos doces com papel,
Nem faltou o bacalhau.
 
Nem faltou o bacalhau,
Que já foi mais fiel amigo,
Anda com cara de pau,
Estando agora em perigo.

Estando agora em perigo,
Nas mãos dos noruegueses,
Quiçá até inimigo,
À mesa dos portugueses,

À mesa dos portugueses,
Pai Natal da Madalena,
Tens crianças, teus fregueses,
Trazes prendas e uma rena.

Trazes prendas e uma rena
Meu querido Pai Natal,
Cá na nossa Madalena,
Não faltou o essencial.


Luís Graça, 24/12/2010


_____________________

Nota de L.G.:

Último poste da série > 24 de Dezembro de 2010 > 

5 comentários:

paulo santiago disse...

Luís
A ciática deve estar a dar as despedidas...se continuasse não
escreverias quadras.

Iniciei o dia com umas pedaladas,
era essencial baixar a glicémia...
não encontrei um café aberto entre
Aguada e Mealhada,acabei por ir beber uma"bica"a casa de uma tia
onde estava a minha prima Rita Palma que faz parte da equipa de
realização do filme"as mulheres na
guerra"que a Alice conheceu dias
atrás.A Giselda também entra no
filme,e segundo a Rita,ela é
excelente cozinheira,e daí vêm
uns quilitos a mais no corpo do
Miguel.

Cheguei a casa,e após um banho
retemperador liguei para o télélé
do Ruizinho,atendeu-me a filha
Patrícia.O Rui almoçou bem,está
animado,e a família sente a
recuperação.Gostou da visita do
António Paiva,que ele não conhecia

Abraço

Torcato disse...

VIM AGORA A CASA VER O "CORREIO":

TUDO A CAMINHAR, CAMINHANDO COM RUMO CERTO...FELIZMENTE.

O RUI TERÁ PARA UNS DIAS... A OUTRA CAMARIGAGEM IRÁ, CALMAMENTE, VOLTAR AO "SITIO"...FALTA O VINHAL, FALTA O VINHAL E NADA LHE DIGO...REPOUSA E APANHA UM POUCO DE AR DO MAR...SABE BEM!

LUÍS SE TIVERES SORTE, VAIS TER, A COMPRESSÃO DESAPARECE, COMO APARECEU!

BOM RESTO DE DIA DE NATAL E ESPERO QUE SE PROLONGUE, COMO DIZES, POR TODO O ANO QUE VEM...E OUTROS SE SEGUIRÃO

(não vi e estava em maiúsculas, não é grito ou berro aflito é erro...)

Abraço a todos os Camarigos e Camarigas
T.

Luís Graça disse...

Paulo, Torcato... Faço o que os médicos mandam: nada de pesos, nada de sofás, nada de movimentos bruscos, descanso, uns passinhos e ... mezinhas para as dores... No princípio de 2011, faz-se uma ressonância magnética. Até lá, santa paciência...

como diz o provérbio africano, "Lifanti ki nguli kuku, i pa bia i fiansa na si bunda" (o elefante engole coco porque confia no seu cu")... O que é um gajo há-de fazer se não confiar nos médicos ? Vai-se sorrindo com meia-cara...

Obrigado pelo vosso cuidado

PS - Paulo, parabéns por essas "pedaladas" que o coração agradece...

A Alice manda uma beijinho para a tua prima, Rita Palma, que ela de facto conheceu nas filmagens do documentário "As mulheres na guerra", da realizadora Marta Pessoa...

Anónimo disse...

Camarigos,

Continuação de Bom Natal e melhoras para todos os doentinhos
em especial para o Rui Ferreira, que parece ser o que precisa mais.
Força para que na passagem de Ano já alguns, senão todos possam dar ao pé.
Um grande abraço para todos.

Adriano Moreira

manuelmaia disse...

Caro Luís,

Parabéns ao neo poeta repentista popular.
Abraço e votos de fuga para a ciática.
manuelmaia