quinta-feira, 3 de maio de 2012

Guiné 63/74 - P9844: Memórias da minha comissão (João Martins, ex-alf mil art, BAC 1, Bissum, Piche, Bedanda e Guileje, 1967/69): Parte II_ Batismo de fogo em Bissum-Naga até às férias...





Guiné > Bissau > BAC 1 > Dezeembro de 1967 > Peça de museu, de arilharia, possivelmente do tempo da(s) "guerra(s) de pacificação", à entrada da messe de oficias > Foto nº 23/199 do álbum do João Martins (ex-Alf Mil Art, BAC1, Bissum, Piche, Bedanda e Guileje, 1967/69) .





Guiné > Bissau > BAC 1 > Dezeembro de 1967 >  Obuses 10.5 > Foto nº 31/199
 



Guiné > Bissau > Bissau > c. meados de 1968, tempo das chuvas > Avenida marginal, dando ao acesso ao porto de embarque >  Foto nº 56/199.






Guiné > Bissau > Bissau > c. meados de 1968 >  Instalações da marinha, junto ao porto >  Foto nº 57/199.






Guiné > Bissau > Bissau > c. meados de 1968 > LDM no Rio Geba, ao fundo  do  lhéu do Rei, frente ao porto de Bissau. (Distância aproximada: 1,5 km) [... e não "Ilha do Príncipe"] > Foto nº 62/199.





Guiné > Região do Cacheu > Bissum-Naga > 1968 > "Eu em Bissum - à esquerda ainda se vê o 'canhão' de um obus 8,8cm e a entrada do aquartelamento virada a Nordeste; ao fundo, um abrigo onde dormia, com um posto de vigia em cima, e à direita e em primeiro plano, no meio da parada, e danificado pelas granadas de morteiro do IN que caíam com muita frequência, estava o paiol das munições". 



Fotos (e legendas): © João José Alves Martins (2012) / Blogue Luís Graça & Camaradas da  Guiné. Todos os direitos reservados. (Fotos editadas e parcialmente legendadas por L.G.)



Memórias da minha comissão na Província Ultramarina da Guiné - Parte II (*)




Por João Martins  (ex-Alf Mil Art, BAC1, Bissum, Piche, Bedanda e Guileje, 1967/69) . 


(Continuação)

4 – Chegada à Guiné e partida para Bissum-Naga

Na manhã do dia 19 de Dezembro de 1967 (*), chegámos e atracámos ao cais de Bissau. Vieram-nos buscar e conduziram-nos à nossa nova unidade, a BAC 1 (Bateria de Artilharia de Campanha nº1). 


Apresentámo-nos ao Capitão Abreu Faro, comandante da unidade, que nos deu as boas-vindas e teve uma breve conversa connosco. Perguntou-nos quais as nossas perspectivas, comecei por ouvir os meus dois camaradas. Um, disse que sofria do estômago e que agradecia um lugar em que se comesse bem, o outro, que tinha mulher e um filho de modo que lhe dava jeito um local onde não houvesse muita “porrada”.

Depois de ter pensado duas vezes, e já que não fazia sentido pedir o mesmo que os meus camaradas, se bem que fosse essa a minha vontade, resolvi pedir as férias em Agosto [, de 1968], na Metrópole, para as poder gozar em S. Martinho do Porto, porque, sem praia e sem mar, as férias para mim não são férias. E assim aconteceu tanto em 1968 como em 1969.

A seguir, o capitão mandou-me vestir o camuflado e mandou-me para a Lancha de Desembarque Média (LDM) que já se encontrava no cais,  com um pelotão de 3 obuses 8,8 cm.

Não me lembrei da ração de combate, pelo que, na ida para Bissum-Naga pelo rio Cacheu, passando por Joanlandim [, o João Landim, na travessia do Rio Mansoa], durante dois dias praticamente não soube o que era comer nem beber, nem mesmo os da lancha me deram o que quer que fosse.

Era esta a falta de solidariedade que se vivia entre militares de ramos diferentes, o que mostra a falta de espírito de “unidade nacional” sem a qual não se vencem guerras, e, quanto ao dormir, faz-se ideia do que é dormir ao ar livre, numa noite bem escura para não sermos vistos pelo IN, em cima de um colchão de espuma.







Guiné > Região do Cacheu > Carta de Bula (1953) > Escala 1/50 mil > Posição relativa de Bissum-Naga e de Biambe.



5 – Bissum-Naga

Chegámos a Bissum a 21 de Dezembro [de 1967], portanto, na semana que precede o Natal, pelo que, como de costume, e talvez para esquecer as saudades das famílias que nessa quadra ainda são mais intensas, iniciámos a operação “Bolo Rei”, a que se seguiu a operação “Cavalo Orgulhoso”.

Tive uma adaptação particularmente difícil, porquanto logo nos meus primeiros dias tivemos feridos e mortos, e, na véspera de Natal, de forma imprópria de gente civilizada, houve um elemento considerado afecto ao inimigo que foi muito, mas muito maltratado, pelo que fiquei a saber da selvajaria de que também éramos capazes. Foi um dos piores locais da Guiné por onde passei.

Terra de balantas, etnia altiva e independente, nunca me senti muito bem visitando as palhotas e interagindo com a população, dir-se-ia que, ao longo de cerca de 500 anos de convivência os nossos povos tiveram muito poucos contactos.

A tabanca localizava-se entre o aquartelamento e o rio Cacheu, ao longo da estrada, de modo que eramos atacados apenas dos quadrantes Sul e Este. Nós e a população éramos frequentemente sujeitos a flagelações por parte do IN que nos atacava tanto de dia como de noite, pelo que, durante os meses que estive lá, dormi sempre sem saber o que eram uns lençóis e um pijama.

Recordo vários episódios:

Uma vez, numa operação, um dos nossos soldados tropeçou num ninho de abelhas. Ficou com a cara de tal maneira picada e inchada que estava completamente irreconhecível, é claro que teve que ser imediatamente evacuado para Bissau.

Todos os dias era necessário ir buscar água à bolanha que não ficava longe, cerca de 800 metros a Nordeste, e estava rodeada de palmeiras que tapavam a visibilidade. Era uma rotina normalmente sem incidentes, pelo que os nossos soldados iam com sapatilhas, descontraídos, sem qualquer preocupação em montar segurança, e iam mais preocupados em apanhar algum pássaro que pudessem comer ao almoço já que a comida escasseava.

Aconteceu que, certa vez, depararam-se com uma emboscada; o IN estava à espera deles e apanhou-os completamente desprevenidos. Quando começou o tiroteio corri para o obus que estava voltado para Este e dei ordem de fogo na direcção da orla da bolanha calculando que não atingiria nenhum dos nossos. Creio que o disparo e o barulho do rebentamento das granadas pô-los em fuga, mas não evitou algumas baixas.

Noutra altura, na sequência de uma operação, trouxeram para o aquartelamento uma rapariga muito “bonita e jeitosa”, uns tantos abusaram dela, dei-lhe todo o apoio que me foi possível e lamentei o sucedido.

Mais tarde, vi um dos principais responsáveis com a cabeça muito inchada, porque, a jogar futebol, tinha batido com ela, tinha perdido os sentidos e a memória, e não se lembrava de nada. Não sei se foi castigo de Deus… Mas não descarto essa hipótese…

Uma vez, num ataque que fizeram ao quartel, entrámos em tiro direto, estávamos a ver se descortinávamos onde se encontrava o IN pela observação dos disparos das espingardas quando ouvimos um tilintar no canhão; aberta a culatra, encontrámos uma bala que tinha entrado pelo cano, o alvo eramos nós mas não tiveram essa sorte.

Outra vez, estava a tomar banho de chuveiro à hora do almoço dos soldados, porque era a melhor hora para estar completamente nu e mais à vontade. Quando começou o ataque ao aquartelamento pensei que não iria durar muito, estando completamente nu, não estava em condições de ir para onde quer que fosse.

Decidi esperar pacientemente pelo final da flagelação. Esta porém estava a prolongar-se mais do que poderia esperar e as balas e as granadas de morteiro passavam cada vez mais próximo pelo que já me estava a aborrecer… Estava eu nesta conjectura quando ouço um som sibilino que, pela minha já longa experiência de flagelações ao aquartelamento,  me levou a concluir que se tratava de uma granada que se aproximava perigosamente. Só tinha uma decisão a tomar, atirar-me para o chão, a granada caiu a menos de dois metros e felizmente do outro lado de um tronco de palmeira que delimitava a zona do duche. Depois, já recomposto do susto, e constatando que tinham parado de disparar, resolvi fugir para dentro de um abrigo como Deus me deitou ao Mundo. Foi então que alguém reparou que eu estava a deitar sangue de uma perna, felizmente que estava apenas ligeiramente ferido.

Dias mais tarde, vieram-me dizer que o PAIGC tinha dado a informação na rádio de que me tinham abatido. Eles bem fizeram por isso em tiro direto, estilo tiro ao alvo e o alvo era eu, percebi então porque é que as tinha sentido a passar tão perto de mim, mas não tinha chegado a minha hora…

Era raro sair do aquartelamento, aquela gente não me inspirava grande confiança, talvez porque ainda era “periquito”, mas uma vez vieram-me dizer que havia “ronco” na aldeia. Decidi ir ver como era. Compreendi que era dia de festa estilo S. João e com a particularidade dos habitantes das redondezas (“turras”) também virem participar na festa. Não fiquei nem muito à-vontade nem muito descansado, e menos fiquei quando em plena “sala do baile” me vieram avisar que “eles” andavam à minha procura. Resolvi não armar em herói e regressar rapidamente ao quartel. No caminho, ainda houve quem me apontasse um arco com uma flecha, mas não teve coragem para me atingir.

Recordo que para melhor ocupar o tempo decidi ensinar os soldados [, guineenses,] do meu pelotão que eram iletrados, a ler e a escrever. Contrariamente ao que eu poderia supor, alguns opuseram-se radicalmente, parecia que atentávamos contra a sua liberdade de optarem pela ignorância e que muito mal lhes queríamos.

Expliquei que o nosso único desejo quando largávamos os nossos familiares na Metrópole era irmos defendê-los dos terroristas ficando sujeitos a sermos feridos ou mesmo a morrermos e o facto de nos dispormos a ensiná-los a ler e a escrever era o de pretendermos para eles uma vida melhor. Também argumentei que teriam a possibilidade de escrever aerogramas às suas famílias.

Não ficaram convencidos, o que muito me entristeceu na medida em que revelava pouca confiança relativamente aos nossos verdadeiros propósitos e também uma certa dose de estupidez, porque, no fundo, era um esforço adicional a que nos dispúnhamos tendo em vista a melhoria das suas condições de vida. Só depois de falarem uns com os outros é que alguns aceitaram fazer o esforço de aprendizagem, dir-se-ia que estavam satisfeitos com o que tinham, um vencimento ao fim do mês com pouco trabalho e que lhes dava para viver.

Não mostravam estar muito preocupados com o seu futuro nem como iriam sustentar as suas famílias, talvez contassem que fossem as mulheres a trabalhar para os sustentar… ou então, seriam os europeus.

A certa altura, o capitão da companhia de cavalaria que defendia Bissum e que era miliciano (**), resolveu construir uma pista para avionetas, e como não tinha os meios adequados, resolveu pôr a viatura do pelotão de Artilharia a puxar um tronco de árvore. A pista, vista do ar podia ser muito bonita, mas em terra era notória a existência de lombas acentuadas, o que não podia ser do agrado dos pilotos.



João Martins


(Continua)
________________


Notas do editor:


(*) Vd. primeiro poste da série > 30 de abril de 2012 > Guiné 63/74 - P9834: Memórias da minha comissão (João Martins, ex-alf mil art, BAC 1, Bissum, Piche, Bedanda e Guileje, 1967/69): Parte I: De Mafra (EPI) a Bissau (BAC1)

(**) Provavelmente, o Cap Mil Inf Manuel Carlos Dias, comandante da CCAV 1747: mobilizada pelo RC 7, partiu partiu para o TO da Guiné em 20/7/1967 e regressou à metrópole em 7/6/1969. Esteve apenas em dois sítios, segundo a respetiva ficha de unidade: Farim e Bissum. 


A CCAV 1747 é contemporânea da CCAV 1748 (Bissau, Bula, Contuboel, Bissau, Farim; Comandante: Cap Mil  Inf Emílio  Augusto Pires); e da CCAV 1749 (Mansoa, Mansabá, Quinhamel; Comandante: Cap Mil Inf  Germano da Silva Domingos). 


Nenhuma destas três companhias - que se presume fossem independentes - está devidamente representada da nossa Tabanca Grande. O nosso camarada José Nunes, do BENG 447 (15jan68 / 15jan70), confirma - através de uma foto aqui publicada - que a CCAV 1747 - "Unos e Firmes" - esteve em Bissum-Naga (em 1968). Também sabemos, por outras fotos do José Nunes, que em 1966/67, esteve aqui a CCAÇ 1497, pelo menos com três grupos de combate (o 1º,  o 2º e o 3º).

5 comentários:

Luís Graça disse...

Cinco parágrafos para comentar, dentro do espírito da Tabanca Grande que proíbe a emissão (pública) de juízos de valor sobre o comportamento (humano, operacional, disciplinar, moral, social...) do camarada A, B ou C (desde que identificado) no TO da Guiné...

No dia em que passarmos a ser juízes de nós próprios matamos o espírito do blogue e acabamos com o blogue...

Citando João Martins;

1.(…) Era esta a falta de solidariedade que se vivia entre militares de ramos diferentes, o que mostra a falta de espírito de “unidade nacional” sem a qual não se vencem guerras, e, quanto ao dormir, faz-se ideia do que é dormir ao ar livre, numa noite bem escura para não sermos vistos pelo IN, em cima de um colchão de espuma. (…)

2.(…) [Bissum-Naga,] terra de balantas, etnia altiva e independente, nunca me senti muito bem visitando as palhotas e interagindo com a população, dir-se-ia que, ao longo de cerca de 500 anos de convivência os nossos povos tiveram muito poucos contactos. (…)

3.(…) Era raro sair do aquartelamento, aquela gente [, os balantas, ] não me inspirava grande confiança, talvez porque ainda era “periquito”, mas uma vez vieram-me dizer que havia “ronco” na aldeia. Decidi ir ver como era. Compreendi que era dia de festa estilo S. João e com a particularidade dos habitantes das redondezas (“turras”) também virem participar na festa. Não fiquei nem muito à-vontade nem muito descansado, e menos fiquei quando em plena “sala do baile” me vieram avisar que “eles” andavam à minha procura. Resolvi não armar em herói e regressar rapidamente ao quartel. No caminho, ainda houve quem me apontasse um arco com uma flecha, mas não teve coragem para me atingir.

4.(…) Noutra altura, na sequência de uma operação, trouxeram para o aquartelamento uma rapariga muito “bonita e jeitosa”, uns tantos abusaram dela, dei-lhe todo o apoio que me foi possível e lamentei o sucedido. (…)

5.(…) [Os meus soldados guineenses] não mostravam estar muito preocupados com o seu futuro nem como iriam sustentar as suas famílias, talvez contassem que fossem as mulheres a trabalhar para os sustentar… ou então, seriam os europeus. (…)

Anónimo disse...

Quero apenas pedir para que confirmem se a localização do aquartelamento de Bissum-Naga é o indicado no recorte do mapa postado ou se este aquartelamento não ficava mais para W, quase no limite superior esquerdo da folha em questão, cerca do meridiano 15º 40´.
Jorge Picado

Anónimo disse...

Caro camarada artilheiro J.Martins

Com que então na apresentação no Bac 1,no meu tempo GA 7,os Senhores Alferes escolhiam para onde queriam ir consoante as suas conveniências..mas que "ganda sortudos".
Olha no meu tempo foi assim..tivemos um briefing com um capitão e depois com um sargento "mecânico",que nos ensinou os rudimentos de mecânica dos obuses, e a cada duas frases de índole técnico-mecânica,repetia..Tomem atenção,srs.alfs, que lá no mato vão ter que se desenrascar..não têm lá "mecânicos"...OUVIRAM.Sim nosso 1.º..OOUUUUVIMMMOOOSSS.
Amanhã é vos comunicado o vosso destino..
Então oh "pira" pa onde vais..vou para...eh pá tás foo...isso é o maior buraco da guiné...e assim sucessivamente..
Outros tempos,meu caro.
Um alfa bravo e que viva S.Bárbara.

C.Martins

Aníbal Magalhães disse...

A localização do quartel de Bissum-Naga não é o indicado no recorte do mapa postado, ficava mais para W. Aliás na carta de Bula está indicado Bissum. Jorge Picado está correto.

Aníbal Magalhães
(Bissum-Naga, 1969/1970)

Anónimo disse...

Meu nome é Élio Gonçalves, fui integrado na C.Cav. 1747 com a patente de Furriel Miliciano e embarcamos com destino á Guiné em 20 de Julho de 1967 e regressamos com desembarque em Lisboa a 13 de Junho de 1969. Privei com o Alferes miliciano de artilharia João Martins aquando da sua prestação em Bissum Naga. Participei nas operações " Bolo Rei " e " Cavalo Orgulhoso " no Insumeté. Na primeira tivemos uma baixa - soldado Rodrigues da Silva - e ficou ferido o 2º.sargento do Q.P. Joaquim dos Santos Rodrigues. Na emboscada da fonte, em 15 de Maio de 1968, o meu grupo de combate ( 3º. ) comandado pelo Alferes Espirito Santo que na altura estava em Bissau, fui ferido com estilhaços de granada de morteiro. A companhia esteve em quadricula após a chega a Bissau, em Farim durante dois meses. Foi colocada em Bissumm Naga em Setembro de 1967. Quando a companhia desembarcou do navio Uige nem sequer pôs os pés em Bissau, foi de imediato encaminhada para uma lancha LDG com destino a Farim. Bissum Naga era dos piores locais na Guiné, no primeiro mês da nossa presença lá, fomos atacados 27 vezes.Em 11 de Setembro de 1968 tivemos a segunda baixa o militar Francisco Ferreira Frederico que pertencia á minha secção.