quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Guiné 63/74 - P15323: Em busca de... (262): Pessoal de Pirada ao tempo do BCAV 8323/73... Quem ouvir falar do episódio em que o ten cor cav Jorge Matias terá recebido, em janeiro de 1974, por intermédio do comissário político do PAIGC, em Velingará, um tal Biai, um pedido de Luís Cabral para entabular conversações com as autoridades portuguesas? (José Matos, historiador)


Guiné > Zona leste > Setor L6 > Pirada > c. 1973/74 > 14 de Fevereiro de 1974, ten cor cav, cmdt do batalhão e o  célebre comerciante Mário Soares (este em primeiro plano:  dizia-se que tinham contactos privilegiados com os "dois lados da guerra", as NT e o PAIGC. O  ten cor cav ten cor cav Jorge [Eduardo  Rodrigues y Tenório Correia] Matias, cmdt do BCAV 8323/73, que estava sediado em Pirada (, o comando, a CCS e a 3ª C/BCAV 8323/73) faz aqui uma homenagem, emocionada aos bravos de Copá, o 4º pelotão, da 1ª C/BCAV 8323/73, comandado pelo alf mil at cav Manuel Joaquim Brás,  e a que pertencia o António Rodrigues, e reforçada por mais uma secção, do 1º pelotão, comandada pelo fur mil Carlos Eugénio A. P. Silva.

Foto: © António Rodrigues. (2015). Todos os direitos reservados. [Edição: LG]

1. Mensagem do nosso amigo José Matos 

[José Matos, nosso grã-tabanqueiro, investigador independente em história militarm, autor entre outros do artigo "A ameaça dos MiG na guerra da Guiné", originalmente publicado na Revista Militar, nº 2559, abril de 2015, pp. 327-352, e no nosso blogue em quatro postes recentes]


Data: 9 de outubro de 2015 às 20:19
Assunto: Pirada

Olá,  Luís

Precisava de uma pequena ajuda tua,  no sentido de divulgares uma situação que se passou em Pirada em janeiro de 74.

Nessa altura, o comandante do Batalhão de Cavalaria 8323/73, o ten cor Jorge Matias,  recebeu uma informação do delegado político do PAIGC, em Velingará, um tipo chamado Biai, de que Luís Cabral queria falar com as autoridades portuguesas.

Perguntava se algum dos camaradas que estava em Pirada nessa altura ouviu alguma coisa sobre isso e se pode contar...

Ab

José Matos


PS - Olha, já agora saiu, em França, um livro sobre a Operação Mar Verde... Podes clicar aqui para saber mais.


2. Comentário do editor:

O BCAV 8323/73 foi mobilizado pelo RC 3 (Estremoz), partiu para o TO da Guiné em 22/9/1973 e regressou 10/9/1974. Esteve sediado em Pirada, setor L6. Comandante: ten cor cav Jorge Eduardo  Rodrigues y Tenório Correia Matias. Unidades:  1ª C/BCAV 8323/73; Bajocunda; 2ª C/BCAV 8323/73:  Piche, Buruntuma, Piche;  3ª C/BCAV 8323/73: Pirada. O facto mais saliente dessa época foi a heroica defesa e depois retirada de Copá em 12/13 de fevereiro de 1974, por ordem de Bissau.

Temos três dezenas e meia de referências, no nosso blogue,  a este batalhão, a maior parte relacionadas relacionadas com os acontecimentos de Copá, e aos bravos de Copá. Como se sabe, este destacamento acabou por ser retirado pelas NT em 14/2/1974. Pertencia à 1ª C/BCAV 8323/3, sedidada em Bajocunda.

Alguns camaradas deste Batalhão que integram a nossa Tabanca Grande, e que referenciamos numa pesquisa rápida pelo blogue (,,, nas há mais!);

(i) Amílcar Ventura, ex-fur mil da 1.ª C/BCAV 8323/73 ("Os cavaleiros do Gabu"), Bajocunda, 1973/74, natural de (e residente em) Silves, membro da nossa Tabanca Grande desde maio de 2009;

(ii) António Rodrigues, ex-soldado condutor auto 1.ª C/BCAV 8323/73  (Bolama, Pirada, Paunca, Sissaucunda, Bajocunda, Copá e Buruntuma); é o autor da notável série "Memórias de Copá" (de que se publicaram pelo menos 6 postes):

(iii) Fernando [Manuel de Oliveira] Belo, ex-soldado condutor da 3.ª CCAV/BCAV 8323/73, Pirada, 1973/74; 

(iv) Manuel Valente Fernandes, ex-alf mil médico do BCAV 8323 (Pirada, 1973/74).

______________

2 comentários:

antonio disse...

Em Janeiro de 1974, vivia-mos os dias "quentes" de Copá onde eu me encontrava, portanto não estava em Pirada, mas também nunca ouvi falar desse episódio entre o Tenente coronel Jorge Mattias e o comissário político do PAIGC.

Um abraço do António Rodrigues.

Amilcar disse...

O abandono de Copá foi a 12 Fevereiro de 74, nunca mas nunca se falou em Pirada e fui muitas vezes a Pirada de tal coisa que o Luís Cabral queria falar com as NT. Se Copá estava a ferro e fogo como queriam eles falar connosco, se a 31 Janeiro de 74 deitaram abaixo um Fiat, como queriam eles falar conosco, se a 7 Janeiro de 74 mais de cem elementos do PAIGC emboscaram uma coluina de Bajocunda para Copá com dois Camaradas nossos mortos e muitos feridos e danos em três Berliett, como queriam eles falar connosco, é uma noticia inventada.