sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16759: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (106): meninos do Xime: a Sene Sancó era minha prima porque a irmã mais nova da minha mãe era madrasta dela e a tia dela (irmã mais nova do pai dela) era minha madrasta (José Carlos Mussá Biai, engenheiro florestal, Lisboa)



1. Mensagem do José Carlos Mussá Biai, "menino do Xime" em 1970, hoje engenheiro florestal radicado em Lisboa, membro da nossa Tabanca Grande desde a primeira hora:

Data: 25 de novembro de 2016 às 13:39

Assunto: fotos de José Nascimento e Domingos Fonseca

Olá, Luís, viva
Foto nº 1

O pai da minha prima Sene Soncó, chamava-se Ansu Soncó, nunca foi picador, era mais ou menos da idade do meu pai.

O meu pai tinha um irmão (do mesmo pai e mãe),  de nome Mancaman,  e um primo-irmão (os pais é que são dois irmãos) com o mesmo nome. Foi este último que era picador, o Mancaman Biai.

A Sene era minha prima porque a irmã mais nova da minha mãe era madrasta dela e a tia dela (irmã mais nova do pai dela) era minha madrasta.

O meu irmão que casou com ela era o Fodé Biai,  o primeiro a contar da direita para esquerda nesta foto do Domingos Fonseca [foti nº 1].

Um abraço e bom fim de semana,
Zé Carlos

Foto nº 2 

2. Pergunta anterior do editor:

Zé Carlos:
O pai da tua prima Sené Sancó era o picador e guia que aparece na foto [nº 2]? Se sim, era o teu tio Mancaman Biai ? Ou a Sene era tua prima pelo lado materno, da tua mãe? Donde lhe vinha o apelido Sancó? E qual dos teus irmãos casou com ela ? [oto nº 1]... 

3 comentários:

Tabanca Grande disse...

Zé Carlos:

Trocando por miúdos, para o "tuga" entender o vosso sistema de parentesco:

a Sene Sancó era tua prima porque...

(i) a tua tia, irmã mais nova da tua mãe, era madrasta dela (era mulher do pai dela);

(ii) e a tia dela (irmã mais nova do pai dela) era tua madrasta (era mulher do teu pai)...

Bate certo ?

Temos um provérbio que, esse, sim, mandinga entende: "Filho de minha filha, meu neto é; filho de meu filho, será ou não."


Mantenhas, LG

José Nascimento disse...

Se não era pai, seria padrasto, pelo menos apresentavam-se como pai e filha e puto é que deve ser filho dele. Não me lembro o nome, mas que era picador, era, portanto até se apresenta de camuflado, o que era raro entre o pessoal da tabanca, pelo menos naquele tempo. O chefe deles é que se chamava Mancaman. Tenho pena de já não me lembrar do nome dele.Para estar eu e o Monteiro na foto com este indivíduo, tinha que ser uma pessoa muito próximo de nós.
Um abraço.

Tabanca Grande disse...

Zé:

Os guias e picadores do Xime não eram "milícias"... Eram "civis assalariados"... Confesso que não sei fazer a distinção... Ambos vestiam a farda do exército português e tinham G3 distribuído, +pno meu tempo...

Quando morriam em combate, os guias e picadores , não entravam na contabilidade das baixas, a não ser no relatório de operações... Não era, considerados nem "militares" nem "milícias"... Julgo que não recebiam instruçãop formal, nem faziam juramento de bandeira...

Tens o caso do mítico Seco Camará, que morreu na antiga picada do Xime-Ponta do Inglês, em 26/11/1970, vai fazer amanhã 46 anos!...Uma vida ao serviço das NT e foi tratado como um cão, um mercenário!... O seu nome, ao que eu saiba, na consta da lista dos mortos da guerra do ultramar em Belém!... Eu fui um dos que recolhei os seus restos mortais: tronco, cabeça, tripas, pedaços de perna e braços... Coube tudo num embrulho feito com um dos nossos dólmens...

Em dezembro de 1969, no Xime tens a seguinte guarnição:

(i) a CART 2520, a tua companhia, a 3 pelotões,

(ii) há um quarto pelotão no Enxalé;

(iii) 1 esq do Pel Mort 2106;

(iv) e o 20º Pel Art / BAC 1 (obus 10,5)...

Quem tem pelotões de mílícias no teu subsetor, ou ali à volta ?

(v) o Pel Mil 203 em Amedalai;

(vi) o Pel Mil 242 em Taibatá;

(vii) e o Pel Mil 243 em Demba Taco...

Fonte: História da Unidade - BCAÇ 2852, Bambadinca, 1968/70.

PS - Uma questão importante: a população do Xime tinha abrigos e armas ? Estava em autodefesa ? Não me parece, mas tu é que lá viveste... Nós, CCAÇ 12, quando íamos ao Xime, para operações, não tínhamos tempo (muito menos disposição!) para andar a passear na tabanca...Confesso que mal conheci a tabanca... e fui muitas vezes ao Xime!