terça-feira, 4 de abril de 2017

Guiné 61/74 - P17207: O nosso livro de estilo (10): proverbíário da Tabanca Grande, edição revista e aumentada


Guiné > Região de Cacheu > Bula > Pel Rec Panhard 1106, "Os Cavaleiros Blindados" (1966/68) > "Os bravos não se medem aos palmos", parece querer dizer o fur mil cav António Barbosa (na foto à direita)... Natural de Gondomar, hoje reformado da Polícia Judiciária ("Judite"), é um dos nossos 739 grã-tabanqueiros que sabe  cultivar o sentido de humor... Pertence também à Tabanca Pequena de Matosinhos.

Foto: © António Barbosa  (Gondomar) (2010). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



A escassas semanas do  13º aniversário do nosso blogue (23/4/2017) e da realização do XII Encontro Nacional da Tabanca Grande (29/4/2017), está na altura de reeditar os nossos provérbios (e outros lugares comuns do nosso humor de caserna), agora em lista revista e aumentada... Esta lista, aberta,  é património de toda a Tabanca Grande.

A última edição era de 9/7/2015 (*). E muitos dos nossos "periquitos" ainda não a conheciam... Na altura eramos 693 grã-tabanqueiros, hoje somos já 739, entre vivos (686) e mortos (53).



O NOSSO PROVERBIÁRIO

A blogar é a que a gente se entende.

A 'roupa suja' lava-se na caserna, não na parada.

Ainda pior do que o inferno da guerra, é o inverno do esquecimento dos combatentes.

Amigo do seu amigo, camarada do seu camarada. 

Amigo traz amigo e amigo fica.

As nossas queridas enfermeiras paraquedistas: os anjos que desciam do céu.

Até aos cem, ainda se aguenta, depois dos cem, só com água benta. 

Até aos cem é sempre em frente!




'Bazuca': o que fazia mal ao fígado, fazia bem à alma.

Beber a água do Geba.

Boa continuação da viagem pela picada da vida!... Cuidado com as minas e armadilhas!


Cabral só há um, o de Missirá e mais nenhum.

Camarada e amigo... é camarigo!

Camarada não tem que ser amigo: é o que dorme no mesmo buraco, na mesma cama, no mesmo abrigo.

Camarada, que a terra da tua Pátria te seja leve!

Combatente um vez, combatente para sempre!

Dão-se lições de artilharia para infantes.

Desaparecidos: aqueles que nem no caixão regressaram.

Desarmados, jubilados, reformados, aposentados mas não... arrumados.

É proibido fazer juízos de valor sobre o comportamento de um camarada (do ponto de vista operacional, disciplinar, ético, moral, social).

E quem não bebeu a água do Geba, nunca poderá entender a vida, o conteúdo e o continente das estórias cabralianas.

E também lá vamos facebook...ando e andando.

Encontro Nacional da Tabanca Grande: orar, comer.. e amar em Monte Real!

Entra e senta-te à sombra do nosso poilão. 

Estás com o bioxene. [Estás com os copos.]

Estás porreiro ou vais p'ró carreiro !?...

Estorninhos e pardais, aqui somos todos iguais.

Exorcizar os nossos fantasmas.

'For the Portugese Armed Forces from Scotland with love'... [Da Escócia com amor, para as Forças Armadas Portuguesas.]

Guerra do Ultramar, guerra de África, guerra colonial (, como se queira).

Guerra ganha, guerra perdida ? Camarada, não percas tempo com a discussão do sexo dos anjos...

Guiné, de floresta verde e de chão vermelho.

Guiné ? ... Não era pior nem melhor, era diferente. 

Há comentadores e comentadores: alguns são como o peixe e o hóspede, ao fim de três dias fedem...

Havia os desertores, os refratários, os faltosos... e nós.

Humor com humor se (a)paga.

In Memoriam: para que não fiques, pobre camarada, na vala comum do esquecimento.

Lá vamos blogando, recordando, (sor)rindo, e às vezes cantando, gemendo e chorando!

Lembra-te, ó português: bandeira dos cinco pagodes, é na loja... do chinês!

Luso-lapão só há um, o Zé Belo, e mais nenhum.

Mais morto de alma do que vivo de corpo.

Mais vale andar neste mundo em muletas, do que no outro em carretas.

Mais vale um camarada vivo do que um herói...morto!

Melhor que as bajudas, era a 'água de Lisboa' que nos fazia esquecer as bajudas.

Meu pai, meu velho, meu camarada. 

Miguel & Giselda, o casal mais 'strelado' do mundo.

Muita saúde e longa vida, porque tu, camarada, mereces tudo.

Não deixes que o teu espólio de memórias vá parar à Feira da Ladra.

Não deixes que sejam os outros a contar a tua história por ti.

Não é o Panteão Nacional, é melhor, é... a Tabanca Grande. 

Não fazemos a História com H grande, mas a História não se fará sem a nossa... pequena história.

Nem medalhas ao peito nem cicatrizes nas costas.

Ninguém leva a mal: em cima o camarada, em baixo o general.

O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande!

O nosso maior inimigo: o Alzheimer (de que Deus nos livre!)...

O seu a seu dono: respeita os direitos de autor.

Ó Sitafá, deixa lá, cabeças e rabos de sardinha não são bem a mesma coisa.

O último a morrer, que feche a tampa... do caixão.

Olhe que não, sr. ministro!, olhe que não.

Os bravos não se medem aos palmos.

Os camaradas tratam-se por tu.

Os camaradas da Guiné dão a cara, não se escondem por detrás do bagabaga.

Os filhos dos nossos camaradas, nossos filhos são.

Os nossos queridos 'nharros'...

Para que os teus filhos e netos não digam, desprezando o teu sacrifício: "Guiné ? Guerra do Ultramar ? Guerra Colonial ? Não, nunca ouvi falar!"...

Partilhamos memórias e afetos.

Patrício Ribeiro, o "pai dos tugas" em Bissau.

'Periquito' salta pró blogue, que a 'velhice' já cá está!

P'rós insultos, não há contemplações nem indultos.

Que Deus, Alá e os bons irãs te protejam! 

Quem não faz 69, não chega... aos 100!

Rapa o fundo ao teu baú da memória.

Recorda os sítios por onde passaste, viveste, combateste, amaste, sofreste, viste morrer e matar, mataste, e perdeste, eventualmente, um parte do teu corpo e da tua alma...

Saber resolver os nossos diferendos, os nossos conflitos... sem puxar da G3!

Sempre presentes, aqueles que da lei da morte já se foram libertando.

Siga a Marinha!

Só há três coisas de que aqui não falamos: futebol, política e religião.

Somos uma espécie em vias de extinção.

Soubemos fazer a guerra e a paz.

Tabanca Grande: a mãe de todas as tabancas.

Tabanca Grande: onde todos cabemos com tudo o que nos une e até com aquilo que nos separa.

Tabanca Grande: onde não há portas nem janelas nem arame farpado nem cavalos de frisa

Treze anos a blogar, pois é!, são seis comissões na Guiné! 

Tuga, que Deus te livre da doença do... alemão.


'Um blogue de veteranos, nostálgicos da sua juventude' (René Pélissier dixit).

______________

Nota do editor:

4 comentários:

Anónimo disse...


Em 69/71 os operacionais do batalhão de caçadores 2898 e de duas companhias independentes eram obrigados a vigiar noite e dia os carreiros (continuação do carreiro de Guilege) que poderiam ser activados entre Buba e Aldeia Formosa. Por causa disso começou a generalizar-se o seguinte cumprimento entre camaradas: Estás porreiro ou vais pró carreiro!
Houve por lá alguns encontros desagradáveis, trágicos para alguns infelizmente, mas algum humor também ajudava a aliviar a tensão.
Francisco Baptista

José Nascimento disse...

Dei muitos mergulhos no Geba, mas não me lembro se bebi alguma água dele. Também mergulhei no Udunduma e no Mansoa.

Anónimo disse...

"Beber a água do Geba" rtem um sentido figurado, significa conhecer os sabores, os cheiros,. as cores e os sons daquela terra... É a minha interpretação...

"Estás porreiro ou vais pró carreiro ?!!- também um bomn exemplo do nosso humor (negro) de caserna... Abraço para os dois, LG

Valdemar Silva disse...

'Estás com o bioxene'
Estar com os copos. Na CART 11, Os Lacraus, generalizou-se esta expressão, por
ser cantado o refrão da canção Give Peace a Chance, de John Lenon, que parece ....'Ó bióó..xéne', Ó bióó...xéne', quando a rapaziada estava com os copos.
Julgo que se generalizou por cá, pois ouço por vezes, em vários locais comentar 'aquele está com o bioxene', ou arranje um 'bioxene' com gelo.
Valdemar Queiroz