domingo, 21 de maio de 2017

Guiné 61/74 - P17383: Notas de leitura (959): Prefácio de António Graça Abreu, ao livro "Guiné: um rio de memórias", de Luís Branquinho Crespo, lançado em Leiria no passado dia 6 com a presença do Presidente da Câmara Municipal local, Raul Castro, também ele ex-combatente


Capa do livro do Luís Branquinho Crespo, "Guiné: um rio de memórias".
 Leiria, Textiverso, 2017


Leiria > Celeiro da  Casa do Terreiro > 6 de maio de 2017 > Sessão de lançamento do livro "Guiné: um rio de memórias" (Leiria, Textiverso, 2017) > Da esquerda para a direita, eng Carlos Fernandes, escritor,especialista em história local e regional (ele próprio natural das Cortes, tal como o Branquinho Crespo, e aqui presente na qualidade de editor),  o  dr. António Graça de Abreu, apresentador da obra, o  dr. Luís Branquinho Crespo, autor, o  dr. Raul Castro, presidente da Câmara Municipal de Leiria,  e José Cunha, presidente da União de Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes



Leiria > Celeiro da  Casa do Terreiro > 6 de maio de 2017 > Sessão de lançamento do livro "Guiné: um rio de memórias" (Leiria, Textiverso, 2017) >  O  dr. Raúl Castro, presidente da Câmara Municipal de Leiria,   ele próprio antigo combatente na Guiné, aqui no uso da palavra. (Nasceu em Abrantes, em 1948, é presidente da autarquia leiriense , desde 2009).


Leiria > Celeiro da  Casa do Terreiro > 6 de maio de 2017 > Sessão de lançamento do livro "Guiné: um rio de memórias" (Leiria, Textiverso, 2017) > O eng Carlos Fernandes, representante da editora,  no uso da palavra.



Leiria > Celeiro da  Casa do Terreiro > 6 de maio de 2017 > Sessão de lançamento do livro "Guiné: um rio de memórias" (Leiria, Textiverso, 2017) > O dr. António Graça de Abreu, membro da nossa Tabanca Grande, apresentador da obra, e o  dr. Luís Branquinho Crespo, autor.


Leiria > Celeiro da  Casa do Terreiro > 6 de maio de 2017 > Sessão de lançamento do livro "Guiné: um rio de memórias" (Leiria, Textiverso, 2017) >  Aspeto da assistência


Leiria > Celeiro da Casa do Terreiro > 6 de maio de 2017 > Sessão de lançamento do livro "Guiné: um rio de memórias" (Leiria, Textiverso, 2017) > Sessão de autógrafos, com o Luís Branquinho Crespo, à direita. (Ex-alf mil, CART 2413, Xitole e Saltinho, 1968/70, advogado em Leiria, passou a integrar a nossa Tabanca Grande desde 18/5/2017, com o nº 744).

Fotos : © Luís Branquinho Crespo (2017). Todos os direitos reservados.[Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

1. Mensagem, de 18 do corrente, emviada pelo António Graça de Abreu,membro da nossa Tabanca Grande;


Meu caro Luís:

Segue o meu prefácio às "Memórias" do Luís Branquinho Crespo.

Na apresentação do livro, baseei-me neste meu texto, mais umas notas e improvisos. Saímo-nos todos muito bem, para uma sala cheia, aí com 60 pessoas. 

Para publicar no blogue, faltam as fotos do acontecimento. Espero que o Branquinho tas envie em breve. Esteve lá o Presidente da Câmara, dr. Raul Castro, nosso camarada da Guiné, e mais gente grada e de qualidade, de Leiria e arredores.

Este mail também vai para conhecimento do Branquinho Crespo.

Abraço amigo,
António Graça de Abreu


2. Guiné: um rio de memórias, de Luís Branquinho Crespo (Leiria, Textiverso, 2017) > Prefácio de António Graça de Abreu 

Nós todos, ex-combatentes na guerra da Guiné, apanhados na verdura dos anos pelas convulsões do fim do império, somos hoje pacatos cidadãos com bonitas idades entre os sessenta e muitos, setenta e os oitenta anos. Temos trajectórias sinuosas e extremadas por bolanhas, tarrafos, florestas e rios dessa fantástica terra verde e amarela onde delapidámos e construímos os dias, e que permanece em nós, na memória serena ou exaltada de um passado como pequenos ou grandes guerreiros numa guerra que aparentemente nada tinha a ver connosco, mas onde fomos dignos portugueses, como sempre dando corpo a uma enorme e implacável gesta, com séculos de história, eivada de heroicidade, medos e loucura.

Alguns de nós temos tido a ventura de, quase cinquenta anos depois, regressarmos aos lugares onde derramámos sangue, muito suor e algumas lágrimas, onde assumimos uma vez mais este singular sortilégio de um povo estranho e excelente a quem, como recordou o padre António Vieira, já em 1670, “Deus deu pouca terra para o nascimento e tantas outras para a sepultura; para nascer pouca terra, para morrer, toda a terra; para nascer Portugal, para morrer, o mundo.” [1]

Os livros de memórias, diários, relatos factuais escritos pelos velhos combatentes das guerra de África (1961-1974) continuam a aparecer regularmente nos escaparates das livrarias sempre com novas abordagens, objecto do entendimento de cada um, em retratos exemplares de um passado distante mas que continua vivo, está no tutano dos nossos ossos e só se extinguirá quando levarmos connosco para uma outra vida os retratos esfusiantes da nossa quase meninice, com uma espingarda nas mãos, os olhos tracejados a sangue e o esvair de mil sonhos.

Quanto ao conflito bélico, no que à antiga Guiné Portuguesa diz respeito, todos os que por ela passámos, somos porventura os eleitos dos deuses da guerra, pelo extremar das situações de combate, pela inclemência de um clima hostil, pela dificuldade de inserção do nosso combatente num quotidiano onde as chagas e o sofrimento corriam em catadupas, onde, contraditório como tudo o que a Portugal costuma dizer respeito, acabámos por encontrar a harmonia possível, o entendimento fraterno com os nossos camaradas de armas e com as populações nativas. Foi a quase mágica adaptabilidade portuguesa, experimentada, testada pelos quatro cantos do mundo, essa capacidade de inventarmos mais vida, de estarmos de bem connosco e com as mais desvairadas gentes a quem, por tantas singulares razões, ligámos a nossa existência.

O Luís Branquinho Crespo, na tropa, em 1964
Luís Branquinho Crespo é um dos nossos, um excelente oficial miliciano na Companhia de Artilharia 2413 que fez a guerra da Guiné aquartelada no Xitole e depois no Saltinho, terras do interior do território guineense, entre 1968 e 1970.

Ao publicar agora o seu livro Guiné, Rio de Memórias, Branquinho Crespo desdobra-se em descrições iluminadas sobre esse período único da sua vida. Logo nas primeiras páginas temos o relato emocionado da despedida de Carlos Viegas, o alter ego que o autor utiliza como nome nestes textos, ao despedir-se da sua mãe, uma senhora rasgada pelo sofrimento da partida para a guerra do seu filho querido, agarrando-se ao estribo do comboio “branca, lavada em lágrimas e contendo as golpadas da dor da despedida num silêncio que lhe gritou dentro do peito. Tinha a alma cheia de labaredas, como a flor da blusa.”

Esta mãe, é por certo a mãe de todos nós, os que um dia partimos para a guerra da Guiné.

Mas este livro de Luís Branquinho Crespo, ao contrário do que eventualmente possa parecer, não corresponde apenas a um caudal de memórias sobre um passado cada vez mais distanciado das nossas vidas.

Luís Branquinho Crespo, em 2002,
com 57 anos
Branquinho Crespo regressou à Guiné em 2010 para, de bem com a sua consciência, de bem consigo próprio, recordar o passado e empreender depois uma fascinante viagem por terra,
de volta a Portugal. Nesta sua obra mostra-nos um pouco das realidades da Guiné-Bissau, do dia a dia do país trinta e sete anos após a independência, com todos os problemas subsequentes a uma má descolonização e aos quase permanentes conflitos internos numa terra já soberana e dona do seu destino.

O autor lembra a tragédia dos fuzilamentos, em 1975, de centenas e centenas de guineenses que combateram na guerra ao lado das tropas portuguesas. Conversa com um africano que a quase tudo assistiu e que se refere aos homens “descarregados vivos e nunca mais ninguém os viu. Percebes? Nunca mais foram vistos, mas todas noites acordam comigo.” São marcas terríveis num filho da Guiné.

Nas suas andanças recentes pelas terras guineenses, Luís Branquinho Crespo encontra uma figura de português exemplar, de seu nome ou alcunha António Pouca Sorte, homem do barrocal algarvio, expatriado na Guiné-Bissau pós-independência, por obtusas razões, impossibilitado de voltar a Portugal e que se começa a esquecer gradualmente da pátria portuguesa. Depois de 17 anos de vida na Guiné-Bissau, quando perguntado “Afinal o que se passa contigo?” António Pouca Sorte responde: “Eu sou como a Guiné, o meu nome é todo o mundo me esquece.”

Como referi, Branquinho Crespo fez a viagem por via terrestre no regresso da Guiné-Bissau a Portugal, no ano de 2010, num jipe com mais dois amigos através da Guiné, o Senegal, a Mauritânia, o antigo Sahara Espanhol, Marrocos, Espanha e finalmente Portugal. Foram quase cinco mil quilómetros de jornada pelas franjas marítimas do deserto do Sahara, por terras abrasadas pelo calor, distantes de tudo excepto do coração dos raros homens que por aí viajam, se reencontram e em solo quente e inóspitos retalham pedaços de vida.

Este “Guiné, Rio de Memórias” transforma-se então num livro de viagens, entrelaçando ficção e realidade no exaustivo jornadear, de terra em terra, de floresta em floresta, de deserto em deserto, desde a Guiné-Bissau até à “doce pátria” lusitana. São páginas curiosíssimas que se lêem com espanto, numa escrita rica, acutilante, descomplexada mas intensamente trabalhada. De resto, o autor escreve todo este livro com uma limpidez e uma qualidade rara nestas obras que vão sendo publicadas sobre as nossas guerras em África.

Em Goré, no Senegal, ao encontrar os antigos entrepostos de escravos que no passado eram levados para as américas em condições infra-humanas na travessia do Atlântico, Branquinho Crespo debruça-se sobre o infamante comércio de escravos e fala-nos nos “negreiros árabes que ali os descarregavam, depois de terem desbastado à catanada todos os que estivessem cansados (…) Impressionante o número dos que por aquela janela, aquela porta de saída tinham partido. E os que morreram? E como morreram? E como sofreram antes de morrer? E os lançados ao mar? (…) Vão lá e digam o que vão sentir. Ali está uma parte da miséria da humanidade. No meio daquelas cores quentes sente-se frio, muito frio. Tanto frio.

E apenas três almas portuguesas, de jipe, para atravessar o Sahara.”

Guiné, Rio de Memórias, o livro de Luís Branquinho Crespo é uma obra sobre um regresso a África. Mas como recorda o autor “nunca se regressa completamente”, a Guiné da nossa vida de quase meninos, no calor da guerra, no calor do tempo, no calor da fraternidade entre todos, permanecerá dentro de nós, para sempre.

Essa terra onde, como o autor escreve, “a ideia de Estado é uma coisa vaga ou desconhecida. Aliás na Guiné existe Nação, o que parece um contrassenso, mas é assim mesmo. E o Estado está a nascer ou vai nascendo. Ou nunca mais nasce. Ou vai morrendo, mas ainda está imberbe e não é recomendável. Talvez tudo isto espante, mas é verdade.”

E no entanto este livro é igualmente uma obra de confiança nas sinuosidades do comportamento humano, também de crença num futuro melhor para as multifacetadas gentes da Guiné-Bissau que como recorda Branquinho Crespo “Tem uma população jovem alegre, disponível e apesar de tudo cheia de esperança. E vai mudar, começa a haver sintomas de que algo vai mudar. Vão, vejam, sintam.”

Que se cumpram os bons augúrios de Luís Branquinho Crespo nessa espantosa terra verde e amarela, a que todos nós, ex-combatentes na Guiné-Bissau estamos ligados pela memória que nos circula no sangue e no bater ritmado do coração. (**).

António Graça de Abreu

[1] Padre António Vieira, Sermão sobre a fama de Santo António, a 13 de Junho de 1670, em Roma.


3. Onde e como adquirir o livro:

O  livro pode ser pedido à editora que tem a seguinte direcção:

Textiverso, Unipessoal, Lda
Rua António Augusto Costa, n.º 4
Leiria Gare
2415-398 LEIRIA
Contactos telefónicos:
244 - 881 449
966 739 440

E também ao autor:

Luís Branquinho Crespo

Largo da Infantaria 7, n.º 129 - 1.º Andar
2410-111 LEIRIA
Contactos telefónicos
244 843 270
918 353 265

Os interessados não se esqueçam de indicar a direcção...

O livro “ Guiné – Um Rio de Memórias” importa no valor de € 15,80 já com portes e esse valor pode ser transferido para o seguinte IBAN 0010 0000 1888 8110 0015 3

Caso pretendam pagar por cheque pode ser enviado para qualquer uma das direcções acima indicadas,

1 comentário:

Tabanca Grande disse...

O autor e/ou o editor tem/têm que nos indicar o preço de capa do livro mais os eventuais encargos de correio. Já pedimos essa informação. LG