sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Guiné 61/74 - P18203: Notas de leitura (1031): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (17) (Mário Beja Santos)


Escola Missionária de Bolama


1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 4 de Outubro de 2017:

Queridos amigos,

Este documento é intencionalmente extenso, não conheço melhor comprovante, relatório tão meticuloso e protesto quase virulento, como este.
Trata-se de responder ao governador do BNU sobre uma alegada revolta de Felupes que ocorreu em Novembro de 1933, fruto da queda de um avião francês, que se presumia ter acontecido na região de Susana. O que aqui se expõe,  demonstra de forma eloquente que era precária a posição portuguesa em toda aquela região, cambiava a violência, não se pagava o imposto de palhota, cortavam-se cabeças por tudo e por nada. É um episódio tão impressionante que o historiador René Pélissier lhe dedicará inusitada atenção, como veremos mais adiante.

Um abraço do
Mário


Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (17)

Beja Santos

O ano de 1933 vai ser dominado pela chamada revolta dos Felupes. Em 10 de Novembro desse ano o BNU sede envia o seguinte telegrama:

“Este telegrama é absolutamente confidencial e só poderá ser decifrado pelo gerente devendo na sua ausência ser devolvido indecifrado ao expedidor – telegrafe se o gentio se revoltou – telegrafe se ordem restabelecida quem e como foi sufocada alteração. Telegrafe as notícias que puder pormenorizando. Este telegrama é absolutamente confidencial para toda e qualquer pessoa seja como for a sua categoria.

A 13, por carta talhada, o gerente de Bissau escreve ao governador relativamente à revolta dos Felupes:  

“Há cerca de três meses levantou voo de Dakar, com destino a Ziguinchor, um avião francês tripulado pelo aviador Gatti, acompanhado de um observador.

Por qualquer razão desconhecida – diz-se que fugindo a um tornado, o avião desviou-se da sua rota e presume-se que por falta de gasolina tenha caído em território desta colónia, a uns 40 ou 50 quilómetros da fronteira Norte, na região dos Felupes, área do posto civil de Susana, circunscrição de Canchungo.

O governo francês, supondo que o avião tenha de facto caído nesta região, solicitou do nosso que mandasse proceder às necessárias pesquisas. Diz-se que essas pesquisas foram efetuadas sem resultado. Há 20 dias, pouco mais ou menos, apareceram na área do posto de Susana a mulher do aviador desaparecido e uma outra senhora francesa acompanhadas de um sargento aviador francês e ainda de um outro indivíduo que se dizia comerciante de Dakar, para fazerem, por sua vez, novas pesquisas.

O administrador da circunscrição não consentiu nessas diligências sem autorização superior, e essa equipa francesa foi a Bolama conferenciar com o governador, regressando ao posto de Susana acompanhada pelo ajudante de campo deste.

Em breve começaram a circular boatos sobre o aparecimento de vestígios do avião e dois ou três dias depois seguia também para Susana o Diretor dos Serviços e Negócios Indígenas, Capitão Velez Caroço. Afirma-se que este oficial, depois de iniciadas novas pesquisas, notando certo retraimento do gentio, receando qualquer agressão dos Felupes (gentio da região) que desde sempre se tem mantido mais ou menos rebelde, pagando o imposto positivamente quando e como quer, sem que lhes tenha sido aplicado o corretivo necessário por falta de recursos, cobardia ou desleixo, resolveu de acordo com o governador, não continuar as suas diligências sem se fazer acompanhar de uma pequena força militar.



No dia seguinte ao da ida daqueles oficiais a Bolama, regressaram a Bissau com um pequeno contingente, e daqui partiram de novo para Susana, armados e municiados. Os Felupes receberam-nos hostilmente, travando-se um combate em que morreram dois soldados, ficando vários feridos. O facto foi comunicado ao governador, seguindo imediatamente para o local, com reforços, o Capitão Sinel de Cordes, comandante da polícia. Chegado este a Susana, e posto ao corrente do que se tinha passado, entendeu, e muitíssimo bem, que era preciso castigar energicamente os revoltosos, tanto mais que já o ano passado, na mesma região, tinham cortado a cabeça a cinco soldados, presumindo-se que outro tanto tivessem feito aos tripulantes do avião desaparecido.

O Capitão Sinel de Cortes veio a Bissau conferenciar com o governador, no dia 4 do corrente, e no dia seguinte regressava a Susana com mais reforços, sendo expedidas ordens para de Bolama virem todos os oficiais e soldados disponíveis que aqui chegaram cerca de meia-noite desse dia, seguindo ato contínuo por via marítima para a região revoltada.

Entretanto, era mandado chamar o nosso [, do BNU,] chefe dos contínuos, Bora Sanhá, alferes de 2ª linha, com bons serviços prestados em anteriores campanhas, para se lhe ordenar que organizasse o mais rapidamente possível um grupo de irregulares Fulas, com o fim de coadjuvarem com as tropas regulares na ação decisiva que o momento impunha contra os Felupes. Poucas horas depois, Bora Sanhá escolhia 100 homens da sua confiança, alguns deles seus antigos companheiros de armas, dos 300 que se lhe ofereceram, depois de armados e municiados, embarcaram para Jufunco (povoação revoltada). Ao mesmo tempo, foram expedidas ordens para em Bambadinca serem mobilizados mais 200 irregulares Fulas, também comandados pelo Tenente de 2.ª Linha Bonco Sanhá, primo de Bora, um dos quais foi a Lisboa o ano passado, à Exposição Industrial.

Corriam os mais desencontrados boatos sobre o que se estava a passar com os Felupes. Dizia-se que aos aviadores desaparecidos tinham sido cortadas as cabeças, operação de especial simpatia dos Felupes, para, depois de descarnadas por elas beberem vinho de palma com sangue de galinha, como manda o ritual.

Tinham sido mortos dois soldados nossos e feridos outros, em combate; foram mandados para a região revoltada, todos os soldados disponíveis, 100 ou 120; mobilizaram-se irregulares, etc; mas as autoridades, guardando uma reserva que nada justifica, a nosso ver, informavam que nada se passava de anormal, que se tratava de um simples caso de polícia! O Capitão Sinel de Cortes assumiu o comando de regulares e irregulares, ao tudo cerca de 400 armas e cinco metralhadoras, começando a bater os revoltosos com a energia que o momento impunha. Os revoltosos, porém, batidos mas não derrotados, refugiavam-se entre pântanos de onde era difícil desalojá-los por falta de artilharia, visto estarem fora do alcance das metralhadoras e espingardas, fazendo pequenos ataques de guerrilhas, dizimando dezenas de auxiliares. A região é muito pantanosa e portanto moroso o avanço das nossas forças.

O governador seguiu para o campo de operações, e durante quatro dias estivemos, em Bissau, sem quaisquer notícias. Sua Excelência regressou a esta cidade em 11, à noite, e no dia seguinte, aproveitando o convite que nos fez para irmos falar, tivemos ocasião de trocar impressões sobre o que se passava com os Felupes.

Disse-nos que, apesar das grandes dificuldades de avanço das nossas tropas, o gentio, desalojado, se tinha posto em fuga, sofrendo importantes baixas; resolvera dar por findas as operações, deixando apenas na região uma pequena força para policiamento, visto que os acontecimentos não tinham a gravidade que se lhes atribuía; que se tratava apenas de um caso de polícia, já solucionado, e que se iniciaria uma política de atração do indígena, que se deve ter refugiado no território francês, criando-se para início dessa política, a circunscrição civil de S. Domingos, que abrangerá toda a região dos Felupes.

Ao senhor Ministro das Colónias devem ter sido prestadas outras informações mais claras e precisas, pois nós julgamos saber que a situação de Susana, conquanto não seja grave, é, todavia, um tanto melindrosa. As nossas tropas, à custa de sacrifícios grandes, têm efetivamente avançado e arrasado todas as povoações por onde têm passado, incendiando as palhotas e destruindo as culturas, dizimando os revoltosos sem contudo os derrotar.

A revolta, que teve início na tabanca (povoação indígena) de Jufunco, estendeu-se a outras povoações, como Egino, Bolor e Lala, engrossando, consequentemente, o número dos rebeldes, que a princípio se calculavam entre 1500 a 2000, número que hoje deve ser muito mais elevado, oferecendo mesmo poucas garantias toda a região dos Felupes. 

A ação das nossas tropas está longe, muito longe mesmo, segundo as informações que temos, de se poder considerar decisiva. Ainda nos últimos dias foi assaltada pelos rebeldes uma camioneta que conduzia auxiliares, escapando, por milagre, o condutor do carro; aos outros foi a todos cortada a cabeça e membros, e os troncos decapitados deixados na estrada, alinhados, numa demonstração de ameaça e requintada selvajaria. As cabeças foram levadas para, consoante o uso, servirem de taças.


Bolama- Interior de uma escola

É curioso notar, e convém não esquecer para melhor se poder aquilatar do caso de polícia em questão, que, até hoje, as nossas tropas não conseguiram ver nem uma mulher nem uma criança. Quer isto dizer que o gentio está perfeitamente decidido a tudo e disposto a combater até ao fim. O gado também desapareceu, na sua quase totalidade, o que não é menos significativo. Só por manifesto desconhecimento dos usos e costumes gentílicos se poderá atribuir significado diferente a estes detalhes. O senhor governador, porém, resolveu, e possivelmente com muito acerto, mandar recolher as tropas em operações, deixando na região revoltada, porventura batida mas não derrotada – não é demais frisá-lo – um destacamento de polícia.

Não desejamos comentar esta medida governamental, porque isso não está na nossa índole, nem temos fundamento bastante para considerar desastrosa a ordem de retirada. Não percebemos nada de assuntos militares, nem dos altos problemas de administração ou de política indígena e muito menos de política internacional.

Mas, talvez justamente por isso, permitimo-nos discordar absolutamente – perante V. Exa., nesta carta confidencial –, da atitude assumida pelo senhor governador. A saída das nossas tropas da região revoltada sem ter infligido um exemplar castigo aos revoltosos é desprestigiante e será, necessariamente, mal interpretada pelos vizinhos franceses, que estabeleceram postos militares ao longo da nossa fronteira, guarnecidos por tropas senegalesas rapidamente transportadas para lá em camiões e bicicletas, como fomos informados.

Sabe-se que em Ziguinchor um francês que acompanhou as duas senhoras a que atrás fizemos menção ao referir-se à nossa ação nas pesquisas do avião desaparecido nos alcunhou de cobardes. Talvez tenha sido por isso que o Capitão Sinel de Cordes, calmo e sereno, mas decidido, tivesse tido a intenção de acabar de vez, com a lenda dos Felupes, lenda que tem custado a vida a soldados e auxiliares indígenas”.

Nunca até agora me fora dado ler documento tão contundente e exposição tão pormenorizada de gerente para governador do BNU. Fala-se em vergonha, na arrogância Felupe que no ano anterior tinham feito sofrer um revés na mesma região às nossas tropas, cortando cabeças, era completamente incompreensível deixar os Felupes sem uma punição severa. E o gerente da filial de Bissau recorda ao governador em Lisboa os Bijagós da ilha de Canhabaque e a falta permanente de respeito dos Papéis na ilha de Bissau, os Papéis recusavam-se à reparação das estradas da ilha e à limpeza da cidade mandando fazer este trabalho os Balantas e os Mancanhas, considerados os intrusos do “seu chão”. E mais criticava o governador por não ter acedido à proposta do ministro das Colónias de dispor de dois aviões para acompanhar as operações. E assim se despede o gerente de Bissau:

“O efeito moral seria ótimo, sendo esta a melhor forma de mostrar aos franceses que também dispomos dessa arma de guerra”.

Mas não fica por aqui esta saga da revolta dos Felupes, como veremos a seguir.

(Continua)
____________

Nota do editor

Poste anterior de 5 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18175: Notas de leitura (1029): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (16) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 8 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18188: Notas de leitura (1030): A Guiné-Bissau, os acontecimentos de 14 de Novembro de 1980 e um relatório do CIDAC de Dezembro do mesmo ano (Mário Beja Santos)

9 comentários:

Tabanca Grande disse...

Obrigado, Mário, por teres "desenterrado" estes "relatórios" esquecidos, enviados para Lisboa, pelos responsáveis do BNU na Guiné... São um fonte preciosa de informação, para a compreensão de uma época em que só muito lentamente se "consolida" a autoridade política, administrativa e militar de Portugal. E os acontecimentos que referes, a alegada revolta dos felupes, em novembro de 1933, já no Estado Novo, são relatados com pedido de sigilo...

Já agora um pequeno: qual a fonte das imagens que publicas ? E de que ano é a foto dos putos na escola em Bolama ? Anos 30, também, muito provavelmente... Vejo só um miúdo branco, em toda aquela, três por carteira... As carteiras não eram muito diferentes das minhas, na escola primária, na Escola Conde Ferreira, da Lourinhã, em meados dos anos 50...

Abraço, obrigado, Luís

Tabanca Grande disse...

Joaquim Sinel de Cordes (1890-1936): Vd. entrada na Wikipédia:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Joaquim_Sinel_de_Cordes


Estado Novo (...)

Foi de novo nomeado Adido Militar por ter sido requisitado para desempenhar serviço dependente do Ministério das Colónias por Portaria de 15 de Julho de 1933 (...), e colocado na Colónia da Guiné Portuguesa, para onde embarcou a 8 de Julho de 1933, desembarcando no Porto de Bolama a 19 de Julho desse ano e sendo colocado como Comandante da Companhia de Polícia Indígena (...).

Foi louvado por Sua Excelência o 32.º Governador da Colónia da Guiné Luís António de Carvalho Viegas pela disciplina e conduta das forças do seu comando durante a insurreição dos Felupes da região de Cauchungo em Novembro de 1933, não se poupando, ainda, nem a fadigas nem a perigos para bem desempenhar a sua missão (....) e louvado pelas suas boas qualidades de Oficial do Exército, tendo demonstrado ponderação, energia, zelo, competência e dedicação com que desempenhou o cargo de Chefe da Repartição Militar e ainda a de Comandante de Polícia Indígena, tendo evidenciado as suas qualidades de comando na ilha de Canhabaque onde, por ocasião da revolta do gentio, por várias vezes, até como exemplo, expôs briosamente a sua vida, por Portaria do Governo da Colónia da Guiné de 9 de Março de 1936. (...)

Antonio Rosinha disse...

Grande BS.
Aquela de os franceses acharem os portugueses um tanto cobardes, (por não dar porrada nos felupes)ainda hoje e para toda a vida seremos para os europeus uns fraquitotes, pensam, dizem e são acompanhados por ingleses e toda a gente para lá dos pirineus.

Mas nós sempre na nossa.

Não tem cão, caça com gato, como não tinhamos dinheiro para manter como os franceses que criaram a sua louca "Legião Francesa", mercenários sem nome, e a rainha inglesa liquidou os zulus com um exército digno de uma batalha napoleónica, nós recorríamos aos comandos africanos e ao fenómeno do "lusotropicalismo" nosso exclusivo produto, que existiu e foi posto em prática até no Brasil contra holandeses e franceses.

Se os felupes em 1933 eram assim, em Angola em 1939 os mucubais foram terríveis, muitos foram "transferidos" para São Tomé.

Os franceses são valentes, mas em Dien Bien Phu, foi mais triste do que em Goa, nós contra Neru.

Há grupos que não são facilmente integráveis, como felupes, mucubais, mas não se julgue que em certos lugares da ilha de Bissau, os Papeis...ainda hoje!

Os guineenses podem não estar muito contentes com o país que têm, mas que deu muito trabalho para o formar, e juntar aquela gente toda num molho, foi um país que ficou caro.

Este post é uma das muitas e boas de BS.

abilio duarte disse...

Naqueles tempos o BNU, era um estado dentro do Estado, no meu (1969/7) era a Casa Gouveia (CUF).

abilio duarte disse...

Naqueles tempos o BNU, era um estado dentro do Estado, no meu (1969/7) era a Casa Gouveia (CUF).

abilio duarte disse...

Naqueles tempos o BNU, era um estado dentro do Estado, no meu (1969/70) era a Casa Gouveia (CUF).

patricio ribeiro disse...

As coisas estão quentes, mais uma vez, lá para os lados de Varela. Como se pode ler hoje no blog Conosaba/Notabanca

Após o ataque em Boffa Bayottes na Casamansa, que vitimou 13 pessoas e feriu sete, a forças armadas senegalesas multiplicam as operações de “rastreio” em busca dos presumíveis autores do massacre.

Apesar de ainda não terem terminado as investigações e o Movimento das Forças Democráticas da Casamansa (MFDC) ter negado qualquer implicação no drama, a organização armada nacionalista, e especificamente a frente comandada por César Atoute Badiate, é já apontada como responsável pelos militares senegaleses.

Determinados em perseguir os presumíveis autores do massacre, os militares senegaleses concentram as suas operações nas aldeias na fronteira com a Guiné-Bissau, entre quais Kassolol que, segundo os mesmos, acolhe o Quartel-general das forças do MFDC de César Atoute Badiate.

Conforme e-global, durante estas operações e ao abrigo de acordos assinados em 1995, os militares senegaleses podem penetrar no interior da Guiné-Bissau até uma distância de 10 quilómetros, lembrou o jornal senegalês Le Temps que consultou fontes militares.

Um “direito” que as forças armadas senegalesas estão dispostas a “beneficiar” no quadro da operação “Raio” contra supostas bases do MFDC em Santhaba Manjack, Kassalol e Djirack, na Casamansa, mas também no interior norte da Guiné-Bissau, onde os militares senegaleses acreditam que os “rebeldes” recolheram após a acção em Boffa Bayotte.

Conosaba/Notabanca

Tabanca Grande disse...

Também "nós", os chamados lusitanos, não somos "pera doce" para as legiões romanas....Depois deixámo-nos romanizar... E hoje falamos português, ao menos isso!...

E batemos o pé a mouros, castelhanos, holandeses, franceses e seus mercenários... E andámos à batatada por esses mares fora, com engenho, arte, manha, valentia e fé... em Deus!...

Pergunta: o que somos hoje ? Quem pergunta, não pode responder... Ou tem mais dificuldade em responder... LG

Cherno Balde disse...

Caros amigos,

Antes de mais muito obrigado ao nosso incansavel MBS e tambem ao nosso Cota "mais velho" A. Rosinha, pela insistencia e pelas licoes de vida e do saber.

Sobre o tema em apreco, diria que, ou o escrivao do BNU Bolama nao sabe ou nao quer saber que, na Guine, nunca houve vitorias verdadeiramente retumbantes se excluirmos os 3 anos do Cap. Teixeira Pinto e, aquilo de castigar o gentio faria rir muitos historiadores sobretudo aos mais exigentes e mais criticos como o R. Pelissier.

Escrever acomodado no seu gabinete em Bolama nao eh a mesma coisa que enfrentar o gentio nos tarrafos de Nhambalam. O Cap. Sinelo de Cordas sabia muito bem o que estava a fazer e, exactamente, ao estilo habitual, o lusotropicalismo, com comandos africanos ou auxiliares fulas perfeitamente descartaveis, para nao variar. E depois!?...

Com um abraco amigo,

Cherno AB.