sexta-feira, 14 de maio de 2021

Guiné 61/74 - P22199: Memória dos lugares (421): O Café Ronda (que também era pensão... e "casa de câmbio"), e outras "espeluncas" de Bissau (João Candeias / Valdemar Queiroz)


Guiné > Bissau > Café Ronda > Esplanada com cobertura de chapa de zinco > s/d> Fotos de Francisco Carrola (, da página do Facebook), recolhidas por Hélder Sousa, com a devida vénia. O Cafe Ronda situava-se na Av da República, um pouco mais abaixo do cinema UDIB e do lado contrário ao deste, segundo informação do Abílio Magro (*).


1, Comentários de João Candeias e de Valdemar Querioz sobre o Café Ronda (*)


(i) João Candeias Silva  [ ex-fur mil at inf, CCAV 3404 (Cabuca, 1972), CCAÇ 12 (Bambadinca, 1973) e CIM Bolama, 1973/74]

O Café Ronda não era apenas café, era também pensão com quartos colectivos, tipo caserna, onde pernoitavam muitos militares de passagem a caminho da metrópole, de férias, ou de regresso à província. O que foi o meu caso em Novembro de 1972.

Era um ponto de encontro dos militares colocados em Bissau e também de malta como eu, vindos do mato. No tal balcão para o exterior, além das cervejas, café, etc,.  vendia-se  sorvetes muitos procurados por serem bons e porque o calor estimulava o consumo.

Sobre a explosão no café , em 26 de fevereiro de 1974 e no autocarro da Força Aérea , em 22, a notícia correu por toda a província causando alarido especialmente na tropa sediada em Bissau. O autocarro passou a ser vasculhado antes de entrar em serviço.

Embora sendo da Força Aérea,  o autocarro era muito utilizado pelo pessoal do Exército, principalmente por quem estava no QG e ia assistir ao cinema na base aérea [BA 12, Bissalanca]. O que foi várias vezes o meu caso.  receio de o usar não durou muito tempo.

O caso da piscina do QG   [, em Santa Luzia], numa sessão de cinema, foi uma consequência da estado de espírito dos militares. A piscina que podia ser utilizada, com condicionalismos, pelos sargentos,  era em algumas noites usada como cinema ao ar livre e foi numa desses sessões que o pânico se generalizou com a caixa de fósforos a arder. Uns diziam que foi uma brincadeira parva,  outros que foi um acidente a caixa começar a arder.

Como a malta tinha 20 e poucos anos,  em poucos tempo tanto o Café Ronda como a piscina voltaram à normalidade.

Ainda sobre o Café Ronda que eu conheci e frequentei, acrescento que  era um ponto de encontro de militares, do exército,  e paraquedistas, na sua grande naioria,  e em passagem de ida ou regresso à metrópole ou às respectivas unidades.

Mas destacava-se pelas dormidas tipo caserna,  onde fiquei umas noites em Novembro de 1972 a quando da minha vinda de férias a Portugal ao fim de 7 meses em Cabuca,  e por ser simultaneamente Casa de Câmbio. 

O dono cambiava a 110% o escudo da metrópole pelo "peso" da Guiné. No fim da comissão em maio de 1974 o câmbio já estava a 20%. Muitos militares usaram o estatuto e trocar em Lisboa, ali para o lado da Estefânia, a ela por ela. Eram os comerciantes que a troco da comissão  usavam os militares no negócio.

No fim da comissão com a entrega da guia de marcha,  recebiamos uma boa maquia de patacão que, no meu caso, usei uma parte para comprar bilhete na TAP, o restante cambiei em Lisboa.

Concluindo,  o Café Ronda não era um lugar muito aprazível em comparação com o Café Bento, batizado pelos militares como a 5ª REP onde, à sombra de árvores frondosas, passávamos algumas horas em tertúlia, bebendo enquanto nos engraxavam as  botas e os sapatos.

Noutro estilo, tínhamos o Pelicano, na orla marítima com ementa extensa e lugar obrigatório para jantar.


(ii) Valdemar Queiroz [ex-fur mil, CART 2479 / CART 11, Contuboel, Nova Lamego, Canquelifá, Paunca, Guiro Iero Bocari, 1969/70]

Candeias: em 1969 e 1970, também em passagem para férias, lembro-me de ficar numa Pensão em frente das instalações da  Metereologia [, devia ser o Chez Toi, sito na Rua Eng Sá Carneiro , (***) ] , mas julgo não ter nenhum Café-Esplanada, só se o Café Ronda era afastado da casa da Pensão ou era noutro sítio. Não me lembro desse Café Ronda, ou então ainda não existia. [O Carlos Pinheiro não menciona o Café Ronda no seu roteiro de Bissau, pelo que não deveria existir no seu tempo, 1968/70. (**)]

A Pensão parecia uns adidos da tropa: camas da tropa, lençóis da tropa, falta de almofadas como na tropa e o dono também era um tropa. Parece que funcionava como se fosse em comissão de serviço e quando acabava havia o "trespasse" a outro tropa interessado que chegava.

Sobre o câmbio do escudos do BNU (pesos),  também funcionava os 10%, mil escudos do BdP custavam mil e cem do BNU. No avião TAP no regresso, no fim da comissão,  foram esturradas as últimas notas de mil do BNU em compras no avião e julgo que o comissário de bordo não fazia acertos de câmbio no preço dos produtos.

Sobre Cabuca, por lá passei várias vezes e foram Pelotões da minha CART 11 "Os Lacraus" que, além de segurança a colunas e de operações na vossa zona, montaram a segurança durante o período de tempo da construção dos vários pontões da estrada que ligava até à de Nova Lamego-Piche.

Abraço e saúde da boa
Valdemar Queiroz

(iii) João Candeias:

Valdemar.

Ao ler o teu comentário recordei - me que o dono  [do Café e Pensão Ronda ].era um militar de carreira, da marinha, nós milicianos dávamos-lhes outro nome. A espelunca e o recheio condizem, camas da tropa, os lençóis não recordo. Utilização era tipo cama quente e, como a malta preferia dormir na cidade, ia ficando e pagando.

Eu só fiquei dessa vez. Nas outras vezes que vim a Bissau,  fiquei na pensão no primeiro andar por cima da Casa das Ostras um pouco mais cara, sem ser luxo, mas nada tinha em comum. (****)

Um abraço, João Candeias

________


(**) Vd. poste de 9 de agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18908: Estórias de Bissau (20): A cidade onde vivi 25 meses, em 1968/70: um roteiro (Carlos Pinheiro)... [Afinal o "Chez Toi" era a antiga casa de fados "Nazareno"...]

Sem comentários: