quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Guiné 63/74 - P2343: PAIGC - Quem foi quem (5): Domingos Ramos (Mário Dias / Luís Graça)




Guiné > PAIGC > Manual escolar, O Nosso Livro - 2ª Classe, editado em 1970 (Upsala, Suécia). Exemplar cedido pelo Paulo Santiago, Águeda (ex-Alf Mil, comandante do Pel Caç Nat 53, Saltinho , 1970/72). Lição nº 23: Um grande patriota...

Destaque: "Ele gostava muito dos seus soldados e não gostava de maltratar os prisioneiros".

Fotos: © Luís Graça & Camaradas da Guiné (2007). Direitos reservados.

Continuação da série PAIGC - Quem foi quem (1)



Guiné > Bissau > 1959 > Os 1ºs Cabos Milicianos Mário Dias (português, nascido na Metrópole, o primeiro, de pé, do lado direito, assinalado com um círculo a verde) e Domingos Ramos (natural da Guiné, o primeiro da frente, do lado esquerdo, assinalado a vermelho).

Foto: © Mário Dias (2006). Direitos reservados.

Domingos Ramos é um dos nomes míticos da fase inicial da guerrilha do PAIGC. Infelizmente, poucos jovens guineenses deverão saber, hoje em dia, quem ele foi... Domingos Ramos era filho de um quadro local da administração colonial portuguesa, com o estatuto de assimilado, expressão cínica usada na época pelas autoridades portuguesas, para distinguir os guineenses civilizados e não-civilizados.

O Domingos e o Mário (que foi para a Guiné no início dos anos 50, tendo assistido à modernização e crescimento de Bissau, capital da Província desde 1943) fizeram juntos a recruta e depois o 1º Curso de Sargentos Milicianos (CMS) que se realizou em Bissau, em 1959, e no qual participaram os os primeiros filhos da Guiné. Este curso foi um alfobre de quadros...para o PAIGC (2).

1959

8 de Maio > Início da recruta de Domingos Ramos e Mário Dias, no quartel da Bateria de Artilharia de Campanha em Bissau, Santa Luzia, defronte ao que viria a ser mais tarde o Quartel General.

Neste quartel funcionou pela primeira vez uma escola de recrutas seguida de um Curso de Sargentos Milicianos (CSM) para europeus e guineenses considerados civilizados ou assimilados, já com formação escolar de, pelo menos, o 2º ano do liceu, na época chamado 1º ciclo liceal.

A unídade designava-se por Centro de Instrução de Civilizados (CIC) por se destinar a africanos considerados civilizados. O comandante era o capitão Teixeira, pai do conhecido historiador Severiano Teixeira. Nos anos seguintes, passou a chamar-se Centro de Instrução Militar (CIM) e foi transferido para Bolama.

Segundo o depoimento de Mário Dias, "o Domingos Ramos era um indivíduo bem constituído fisicamente e, sobretudo, moralmente. Aquilo que se pode chamar, um bondoso gigante. Desde o início da nossa vivência comum que por ele tive uma especial estima. Tornámo-nos bons amigos em todas as situações e na caserna, nas horas de descanso, trocávamos opiniões sobre os mais variados assuntos, com especial interesse da minha parte por tudo relacionado com os usos e costumes dos guineenses. Muito aprendi com ele. Recordo ainda com saudade e emoção as paródias, próprias da irreverência da nossa juventude. E da célebre água pú que ele me ensinou e a que aderi com entusiasmo" (...) (2)

10 de Agosto > Juramento de bandeira, uma semana depois dos célebres acontecimentos do Pijiguiti (Local do porto de Bissau onde, a 3 de Agosto de 1959, foi duramente reprimida uma greve dos marinheiros, estivadores e outros trabalhadores portuários, reivindicando aumentos salariais e melhores condições de trabalho. Esta data (histórica) passou a ser considerada pelo PAIGC como o início (oficial ou oficioso) da luta de libertação da Guiné.

14 de Agosto > Início do 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM) que houve na Guiné. Este curso foi uma alfobre de quadros para o PAIGC. De entre os camaradas do Mário Dias, destacam-se, além do Domingos Ramos, o Constantino Teixeira, mais conhecido por Chucho ou Axon, que foi igualmente figura importante do PAIGC ("Chegou a ser ministro da segurança interna, salvo erro, no tempo imediatamente a seguir à independência.Apareceu, algum tempo depois, morto dentro do carro numa rua de Bissau"...).





Guiné > Bissau > 1959 > 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM)> O Domingos Ramos na Semana de Campo...

Comentário do M.D.: "Aqui, como se pode ver pelos apetrechos que levam nas mãos (cantil e marmita) iam a caminho do carro que nos trazia o almoço durante a semana de campo. O Domingos Ramos é o segundo da direita"

Foto: © Mário Dias(2006). Direitos reservados.


Guiné > Bissau > 1959 > 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM)> O Domingos Ramos montando a tendaAqui está o Domingos Ramos nos exercícios finais do CSM (semana de campo), atarefado na montagem da barraca que era feita com 3 panos de tenda ligados entre si por botões metálicos. Certamente que alguns tertulianos se recordam deste primitivo sistema. A fotografia não tem grande qualidade mas não deixo de mostrá-la, por se tratar de uma pessoa que muito estimei.

Foto: © Mário Dias(2006). Direitos reservados.


Guiné > Bissau > 1959 > 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM) > Em baixo, a partir da esquerda: O Mário Dias e a seguir o Domingos Ramos apontando a velha Mauser (assinalado por um círculo a amarelo).

Foto: © Mário Dias(2006). Direitos reservados

28 de Novembro > Terminou o 1º CSM


29 de Novembro > Domingos Ramos e Mário Dias são promovidos a 1ºs cabos milicianos ("Fazíamos sargentos de dia, frequentávamos a messe e tínhamos as responsabilidades inerentes mas… ganhavamos como cabos"). A seguir, o Domingos Ramos é colocado em Bolama, a fim de ir ministrar uma recruta. O Mário Dias fica em Bissau. Presume-se que tenha sido em Bolama que o Domingos Ramos tomou a decisão de aderir ao PAIGC (2).

Comentário de M.D.:

"Na verdade, enquanto com ele convivi em Bissau, nem o mais leve indício de descontentamento, nem o mais pequeno sinal de revolta ou discordância com o status quo existente demonstrou. Se algo havia na sua mente, disfarçava muito bem, o que não creio, dada a sua rectidão de carácter.

"O mesmo já não se passava com outros como, por exemplo, o Rui Demba Jassi, que tinha atitudes incorrectas para com os europeus sem que houvesse razões para tal e não conseguia disfarçar animosidade contra nós".

Foto: © rio Dias (20006).Direitos reservados

1960

Ao que sugere o Mário, o Domingos ter-se-á alistado nas fileiras do PAIGC, em Novembro de 1960, depois de ter sido vítima de uma grave injustiça enquanto 1º cabo miliciano, por parte de um oficial português (2).

Juntamente com o Rui Jassi, Constantino Teixeira (que também era do 1º CSM, de 1959) e outros, Domingos Rampos partiu para Pequim, Praga, Moscovo e demais escolas de guerrilha tornando-se um dos primeiros e mais importantes dirigentes político-militares do PAIGC.

Guiné-Bissau > A efígie de Domingos Ramos numa nota de 100 pesos. Emissão de 1975.

Fonte: © Kristian CHIDUCH > Billetes del moundo / Wordbanknotes > Guinea-Bissau (2003) (com a devida vénia...)


1964

Cria, na Zona Leste, a primeira base da guerrilha.


1965

O Domingos haveria de encontrar-se com o seu amigo e ex-camarada de armas Mário Dias, pela última vez, em 1965... Em circunstâncias insólitas... É uma das estórias mais fantásticas que já li sobre a guerra e a grandeza humana que pode haver mesmo numa situação de guerra....

Foi na região do Xitole, na zona entre Amedalai e os rápidos de Cussilinta, perto da estrada Xitole-Aldeia Formosa-Mampatá... Vale a pena reler o segredo que o Mário guardou estes todos e revelou, em primeira mão, aos seus amigos e camaradas de tertúlia (4). Foi um dos momentos altos do nosso blogue (5).


1966

Morreu prematuramente em combate, em 10 de Novembro de 1966, em Madina do Boé, tendo-se tornado num dos heróis da luta de libertação nacional. Está sepultado no Boé.

2006

O Mário Dias tem palavras de grande apreço e admiração pelo Domingos Ramos, reveladoras da sua grandeza como homem e como português e que a mim muito me orgulham, na minha qualidade de fundador e editor deste blogue (Estou certo que os demais amigos e camaradas da Guiné me acompanham neste sentimento). Diz ele:

"Se um dia tiver a oportunidade de regressar à Guiné, é meu firme propósito ir visitar a sua campa e prestar-lhe merecida homenagem. Não é pelo facto de termos combatido em campos opostos que deixei de ser seu amigo e de o admirar"(sic).

São palavras sinceras., de grande humanidade e grandeza, que nos tocam a todos, e reforçam a ideia de que esta tertúlia é muito mais do que um simples rede virtual de veteranos de guerra, de ex-combatentes, de velhos saudosistas...

______

Notas de L.G.:

(1) Vd. postas anteriores:

30 de Setembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2142: PAIGC - Quem foi quem (1): Amílcar Cabral (1924-1973)


30 de Setembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2143: PAIGC - Quem foi quem (2): Abílio Duarte (1931-1996)

6 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2159: PAIGC - Quem foi quem (3): Nino Vieira (n. 1939)

18 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2190: PAIGC - Quem foi quem (4): Arafan Mané, Ndajamba (1945-2004), o homem que deu o 1º tiro da guerra (Virgínio Briote)


(2) Vd. posts de:

2 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCI: Domingos Ramos, meu camarada e amigo (Mário Dias)

2 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCIII: Domingos Ramos e Mário Dias, a bandeira da amizade (Luís Graça / Mário Dias)

2 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCIV: O segredo do Mário Dias, ex-sargento comando

2 comentários:

Abreu dos Santos disse...

...
«capitão Teixeira, pai do conhecido historiador [Nuno]Severiano Teixeira», sendo este nascido na (então) capital da Guiné Portuguesa.

Anónimo disse...

Chamo me Adilson Adolfo Mendes Ramos... tanto pesquisei sobre historias da minha familia, e este blog é certamente o que mas me ajudou.. obrigado por o ter criado... grande abraço