quinta-feira, 10 de junho de 2010

Guiné 63/74 - P6573: Memória dos Lugares (81): Memorial aos bravos da Ponte de Caium... Para o Jacinto Cristina, 3º Gr Comb da CCAÇ 3546, com um Alfa Bravo (Eduardo Campos / Luis Graça)


Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Ponte Caium > Memorial aos mortos da CCAÇ 3546 (1972/74): "Honra e Glória: Fur Mil Cardoso, 1º Cabo Torrão, Sold Gonçalves, Fernandes, Santos, Sold AP Dani Silva. 3º Gr Comb,  Fantasmas e Lestos (?). Guiné- 72/74"...

O Fur Mil Op Esp Amândio de Morais Cardoso, natural de Valpaços,  morreu aqui, vítima de uma aramdilha que ele montava e desmontava com regularidade, na margem do rio...A trágica ocorrência foi no dia 19 de Fevereiro de 1973 (*). Os restantes morreram numa emboscada entre a Ponte Caium e Piche, em data em que ainda não consegui apurar.


1. Mensagem do  Eduardo Campos, enviada em 31 de Maio de 2010:

Luís: As minhas desculpas por estar a "tirar" algum tempo ao meu amigo.

Ao tentar identificar algumas fotos, tiradas da minha recente ida à Guiné, recorri ao blogue e descobri que tenho em meu poder uma foto que foi tirada na ponte do rio Caium, que fica situada entre Piche e Buruntuma.

Vi o Poste P6042,  de 24/03/2010,  onde  Jacinto Cristina, outras coisas,  diz que fez a loucura de ter permanecido nesse local durante 14 meses.

O "brasão" de homenagem aos mortos, além da sua beleza arquitectónica, surprendeu-me pelo seu estado de conservação.

E tudo isto para te dizer que gostaria que esta foto chegasse até ao Jacinto Cristina, mas como o mail dele não consta na  listagem do blogue, pode ser que o meu amigo encontre uma solução.

Um Abraço. Até Monte Real, dia 26. Eduardo Campos

2. Resposta ao Eduardo:

O Jacinto Cristina, alentejano, estabelecido como padeiro em Figueira de Cavaleiros, Ferreira do Alentejo,  não tem... endereço de correio electrónico. O que é "contra natura", contra as regras do nosso blogue... Abri uma excepção, no caso dele (e de mais um ou outro), por ser meu amigo e amigo da filha (que é engenheira) e do genro (que é médico), que são meus grandes amigos...

Tens o telemóvel dele no blogue: 964 346 202 (ligar de manhã, que ele à tarde dorme, para poder trabalhar à noite)...Não podes imaginar como ele vai ficar feliz até às lágrimas de ouvir falar de (e ver) a "sua ponte de Caium"...  Eu próprio vou ligar-lhe, a ele ou à filha.

O que é espantoso, para além da conservação do monumento (quase 40 anos depois!), é a matéria-prima que foi usada (parece-me mármore!) e o profissionalismo do artista (anónimo)... É uma verdadeira obra-prima!...

______________

Nota de L.G.

(*) Vd. post de 24 de Março de 2010 > Guiné 64/74 - P6042: Tabanca Grande (209 ): Jacinto Cristina, natural de Ferreira do Alentejo, CCAÇ 3546 (Piche e Caium, 1972/74): Foi soldado atirador, mas a guerra fê-lo padeiro...
 
(...) Em data que o Cristina já não pode precisar, a sua companhia [, o 3º Gr Comb a que ele pertencia e que estava destacado na Ponte de Caium,] sofreu uma violenta emboscada, entre Piche e Buruntuma, montada por um grupo "estimado em 400" elementos IN (ou "turras, como a gente lhe chamava")...Um RPG 7 atingiu a viatura da frente da coluna, que ia relativamente distanciada do grosso da coluna, e que explodiu...Houve de imediato 4 mortos: O Charlot e o Fernando [ou Fernandes ?]  foram dois deles... Dos outros dois o Cristina já não se lembra.


Com as granadas de mão dos mortos, o Wolkswagen conseguiu aguentar o ímpeto da emboscada, mas chegou a ter uma Kalash apontada à cabeça... Ninguém sabe como ele se safou... O Silva por sua vez levou um tiro no pé, fugiu, e mesmo ferido fez 18 km até ao aquartelamento (...).

6 comentários:

Anónimo disse...

Caro Camarigo Luís Graça
Fiquei agradávelmente surpreendido por ver uma foto da "minha" Ponte Caium, onde passei alguns tempos, e também pela beleza e estilo arquitetônico do Memorial. Há muitos monumentos espalhados pelo País, muito piores em estilo.Sinceramente gostava de saber quem foi o artista escultor desta obra que eu considero de arte. A Caç.3545 do Cristina rendeu a minha CCav.2749 em Pitche.
Em relação ao nosso camarada Cristina aí vai alguns comentários que ele vai gostar de ler.
Em relação à emboscada, foi no dia
14 de Junho de 1973, tendo falecido em combate os seguintes camaradas:
1º Cabo Ap. Metralhadora David Fernandes Torrão
Sold.At.Carlos Alberto Graça Gonçalves
Sold.At.Hermínio Esteves Fernandes
Sold.At.José Maria dos Santos
Em relação ao falecimento do Fur.Mil.Op.Esp.Amândio de Morais Cardoso, foi no dia 19 de Fevereiro de 1973, ao manusear mal uma armadilha que ele estava a desmontar.
Concerteza que o nosso camarigo Cristina vai gostar de recordar o nome dos seus camaradas.

Um Alfa Bravo do tamanho do Corubal para ti e para o Cristina
Luís Borrega
Ex-Fur.Mil.Cav.MA CCav.2749/BCav.2922
Pitche 1970/1972

Anónimo disse...

Caro Luís
No comentário anterior enganei-me a companhia do Cristina não era a CCaç. 3545 como referenciei mas sim a CCaç. 3546.
Alfa Bravo
Luís Borrega

Anónimo disse...

Não me parece "fantasmas e lestos", mas "fantasmas a Leste".
Abraço,
Carlos Cordeiro

Hélder Valério disse...

Caros Camaradas

Vá lá, não é assim tão difícil ler "FANTASMAS DO LESTE"!

Até está todo aquele conjunto em surpreendente bom estado e impressiona pelo seu volume.
É pena não se saber (ainda.., que como o Blogue é grande...) quem foi ou foram os autores. Merecem ser conhecios e reconhecidos.

Abraços
Hélder S.

Anónimo disse...

Ok. Ampliado dá para ver que só falta o "D". A lógica é mesmo "fantasmas do leste".
Seria mesmo interessante saber quem foi o autor do desenho e quem esculpiu o monumento, que só poderá ter sido numa oficina especializada.
Um abraço,
Carlos Cordeiro

Anónimo disse...

Luis Borrega:

Obrigado pelas tuas preciosas informações que vão colmatar uma lacuna na memória do Jacinto. Estou pela costa vicentina (neste momento, à 1h da norte, perto da Zambujeira do Mar, não sei se no sábado ainda passarei por Figueira de Cavaleiros para dar um abraço ao Cristina. Tentei telefonar-lhe. Já falei, não com ele, mas com o genro. Estavam com dificuldade em aceder à Net, em Figueira. De qualquer modo, temos a certeza que ele está (ou estará) muito feliz por poder rever a sua "ponte de Caium" e o monumento aos mortos do seu Gr Comb (resta saber se foi feito no seu tempo, quem financiou, quem executou...).

E ficará muito grato a ti, por passar a saber os nomes completos dos infortunados camaradas que perderam a vida em 14 de Junho de 1973...

Quanto à inscrição no monumento, tudo indica, de facto, que seja "Fantasmas do leste"... Com as pressas de sair de casa, mal tive tempo de olhar a fotografia do Eduardo Campos, com olhos de ver...

Alguém, entretanto, que nos ajude a responder às nossas dúvidas e perplexidades: (i)foi trabalho para custar bom patacão; (ii) aquele tipo de pedra (mármore ?) não era fácil de encontrar na Guiné ; (iii) será que o trabalho foi encomendado e executado na Metrópole ?; (iv) (iv) haveria alguém, nomeadamente em Bissau, com a necessária tecnologia para executar aquele tipo de trabalho ? (v) que terá sido o "arquitecto" ; e (vi) o executante ?

Obrigado. Luís Graça