sexta-feira, 28 de junho de 2013

Guiné 63/74 - P11772: Crónicas de uma viagem à Guiné-Bissau: de 30 de abril a 12 de maio de 2013: reencontros com o passado (José Teixeira) (7): O Xitole e o "alfero" Francisco Silva (CART 3492, 1971/73), a emoção de um regresso



Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >  Antiga casa do comando, agora transformada em morança particular. "Com que emoção o Francisco Silva descobriu as pinturas nas paredes que alguém,  muito antes dele, ali pintou" (1)


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > Antigas instalações das NT, agora edifício do "Comissariado da Polícia de Ordem Pública, Sector do Xitole".



Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >  "Descer à fonte e beber da água do poço que o outro Silva, o básico, como foi identificado pelo Mamadu, ia esvaziando todos os dias, arrastando a água para o quartel".


Fotos (e legendas): © José Teixeira (2013). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: LG]


1. Crónicas de uma viagem à Guiné-Bissau (30 de Abril - 12 de maio de 2013) - Parte VII

por José Teixeira


O José Teixeira é membro sénior da Tabanca Grande e ativista solidário da Tabanca Pequena, ONGD, de Matosinhos; partiu de Casablanca, de avião, e chegou a Bissau, já na madrugada do dia 30 de abril de 2013; companheiros de viagem: a esposa Armanda; o Francisco Silva, e esposa, Elisabete; no dia seguinte, 1 de maio, o grupo seguiu bem cedo para o sul, com pernoita no Saltinho e tendo Iemberém como destino final, aonde chegaram no dia 2, 5ª feira; na 1ª parte da viagem passaram por Jugudul, Xitole, Saltinho, Contabane Buba e Quebo; no dia 3 de maio, 6ª feira, visitam Iemberém, a mata di Cantanhez e Farim do Cantanhez; no dia 4, sábado, estão em Cabedú, Cauntchinqué e Catesse; hoje, 5, domingo, vão de Iemberém, onde estavam hospedados, visitar o Núcleo Museológico de Guileje, e partem depois para o Xitole, convidados para um casamento ] (*)... Uma crónica, especial, é devida para celebrar o emocionante reencontro com o passado, por parte do ex-alf mil Franscisco Silva, que esteve no Xitole,  ao tempo da  CART 3942 / BART 3873 (1971/73), antes de ir comandar o Pel Caç Nat 51, Jumbembem, em meados de 1973,[LG]


Parte VII > Encontros e reencontros no Xitole, em 1 de maio de 2013


Palmilhar religiosamente a terra onde estava localizado o quartel, tentando reencontrar as dimensões das casernas, outrora existentes. Calmamente. Saboreando passo a passo o tempo e o solo que pisava. Olhando com nostalgia para os vigorosos poilões que continuam a dar vida e sombra à tabanca. Olhos cravados nos rostos que se aproximam esperando lobrigar um sorriso conhecido, que o tempo não ousara apagar da sua mente.

Localizar os postos dos morteiros 81, eram dois. Um ali, o outro acolá, afirmava convicto.

As valas, salva vidas, cujos contornos ainda estão bem marcados no terreno baldio, onde outrora os corações batiam apressadamente e hoje são um pasto verdejante para alimento das pachorrentas cabras que deambulam perdidas entre as moranças.

O betão dos abrigos, nas extremidades do quartel que resistiu às intempéries e à malevolência dos vencedores. São hoje estranhos monumentos perdidos no tempo e no terreno para a juventude. São um perene testemunho das lutas de vida ou morte que ali se travaram.

A densa floresta que envolve a Tabanca do Xitole, com bandos de pássaros de linda penugem que em revoada se passeiam no céu azul numa algaraviada permanente, continua a guardar bem dentro de si os terríveis mistérios de vida e morte dos tempos da luta.



Guiné-Bissau > Bissau > Hotel Azarai > 30 de abril de 2013 > Um primeiro encontro inesperado com o passado




Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > O regresso ao passado, à magia da tabanca do Xitole. O Francisco Silva junto ao que resta de um momnumento à CART 2413.



Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > O Aliu do Xitole que reconheceu de imediato o Alfero “paraquedista” , o “Sirva”. Amena cavaqueira com o Aliu a falar do “Alfero Sirva”, "manga de bom pessoal"

Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >  O Aliu (antigo menino da messe dos sargentos)  e o Francisco Silva

Fotos (e legendas): © José Teixeira (2013). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: LG]


Ainda em Bissau o primeiro encontro com o passado. Passeávamos pela antiga messe dos oficiais, numa viagem de regresso às origens no que hoje é um hotel de luxo – Hotel Azarai, quando um senhor bem vestido o encara de frente e provoca uma conversa. Era o Diretor de um instituto estatal.

Ao tempo, estudava em Bissau e passava as férias na tabanca natal. Pergunta-lhe de repente: 
Você não era o Alferes paraquedista que esteve em tal parte?

Espanto geral do Francisco Silva, hoje médico no Hospital Amadora Sintra. De facto,  era conhecido como o “alferes paraquedista”.

Seguiram-se os primeiros embates com a memória que restou do tempo vivido no Xitole, logo ali alimentados pelo cavalheiro bem vestido e continuaram na tarde do dia seguinte, naquele local sagrado: A Tabanca do Xitole.

Naquele peregrinar numa tarde em que o Sol se esqueceu de nós, as histórias de cada lugar reencontrado, guardadas com acuidade no sótão da sua mente, assaltam-lhe a memória presente e toldam-lhe o pensamento.

Memória alimentada pelo Mamadu Aliu, outrora o menino da messe dos sargentos, que identificou à primeira vista o “Alfero paraquedista”. Sempre ele, calmo e sereno, observador de ouvido atento, como no tempo em que comandava os seus soldados perdidos na selva da guerra.

Os ataques, as reações e os seus efeitos…

A história do “turra” que pretendia matar a sentinela. Para o efeito trazia consigo uma faca afiada nos dois gumes. Morreu com um tiro certeiro, mesmo ali à porta do abrigo, quando se preparava para exercer a sua nefasta ação. O trabalho que tiveram depois para se libertarem do corpo…
“guerra é guerra, meu ermon, como me disse o Braima Camará em 2008, meu inimigo de outros tempos.

A história do saariano apresentado ao Silva como um perigoso cubano. Ele tinha ligado tão pouco a esta cena do saariano, que a deixou escapar da memória, mas veio agora o menino da messe, o Aliu,  recordar-lha com todos os pormenores e quanto o ficaram a admirar pelo seu acto. Contou ele que o Alfero paraquedista se apresentou junto do prisioneiro e lhe fez umas perguntas. Depois mandou que lhe dessem uma cerveja e o mandassem embora. O prisioneiro agradeceu, mas recusou,  alegando que era muçulmano. Então o Silva ordenou que lhe dessem um sumo e deixou-o ir em paz. O Alfero Silva era uma boa pessoa…

A história do ataque sofrido, debaixo de uma terrível tempestade, sem resposta pronta, com muitas granadas a rebentar dentro do quartel. O estrondo da tempestade abafou o ruido das primeiras bombas e só não morreu muita gente no Xitole porque os deuses da guerra estiveram do nosso lado. Não foi no tempo do alferes Silva, mas o Aliu trouxe-o à ribalta

História confirmada nessa mesma noite na Residencial do Saltinho em amena cavaqueira com o guarda noturno da pousada. Não é que ele mesmo foi um dos atacantes, nessa tarde maldita.

Graças a Deus que estamos aqui os dois. Palavras sentidas do antigo inimigo, que também esteve no célebre ataque às cinco da manhã com tentativa de penetração à tabanca, para raptar o régulo, segundo afirmou. Este ataque sofreu-o o Silva com toda a intensidade, competiu-lhe a ele comandar a defesa, como comandante.

O Alferes paraquedista lembrou que viu, neste ataque,  um inimigo em cima de uma árvore e enviou-lhe os seus cumprimentos através de um dilagrama.

O agora amigo e grato a Deus pelas duas vidas que se salvaram confirma que o ataque com as armas pesadas estava a ser comandado de cima de uma árvore. O rebentamento do dilagrama assustou o comandante que caiu abaixo da árvore e partiu uma perna.

Sentados no chão traçaram as linhas de defesa e ataque. Um e outro entenderam-se na perfeição. Ainda se recordam do terreno palmo a palmo e da localização das máquinas que vomitando fogo semearam a morte e a dor. Localizaram as posições das armas pesadas de uns e de outros. A fuga com as granadas a rebentarem nas suas costas. O arrastar dos feridos e foram bastantes. Foi dia de ronco para os tugas comandados pelo Alfero paraquedista.




Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > > Bajudas (1)


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > Bajudas (2)


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > Junto ao poço. O velho mecânico, o Seido Baldé, contente por abraçar o "alfero Silva".


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > Antiga casa do comando, agora transformada em morança particular.  Pinturas (2)


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >  Antiga casa do comando, agora transformada em morança particular.  Pinturas (3)


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >Antiga casa do comando, agora transformada em morança particular.  Pinturas (4)


Fotos (e legendas): © José Teixeira (2013). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: LG]



Descer à fonte e beber da água do poço que o outro Silva, o básico, como foi identificado pelo Mamadu, ia esvaziando todos os dias, arrastando a água para o quartel.

As mulheres e as bajudas a tomarem banho como antigamente com os peitos generosamente descobertos, agora um pouco envergonhadas. Será que é por já estarmos velhos, ou mudaram-se os tempos…

A Casa do Comando, transformada em morança. Os seus habitantes aceitaram o desafio e deixaram o Silva entrar no espaço que foi seu por algum tempo. Com que emoção descobriu as pinturas nas paredes que alguém muito antes do Silva ali pintou. Fotografei-as para a posteridade.

O velho mecânico, o Seido Baldé, veio dar uma ajudinha, a este deambular pela história do alferes Silva relembrando outras cenas vividas num tempo que já passou há muito tempo, mas que continua bem presente nas nossas mentes e só vão desaparecer com a morte que o destino nos marcou.

Braços abertos e sorrisos de quem se bateu por uma Pátria que os abandonou na primeira oportunidade.
Estávamos no dia primeiro de Maio – dia do trabalhador. Um grupo de cidadãos festejava com uma batucada bem regada este grande dia. Não se podia perder esta oportunidade. Há que chamar as nossas mulheres para participarem na festa. Há que cantar e dançar. Há comer e beber à saúde da classe do trabalho que enriquece o mundo, mantendo-se pela sorte maligna que a persegue. Sempre pobrete, mas alegrete.



Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > Restos do aquartelamento


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >Restos do aquartelamento: a vala que corria para o Rio Corubal


Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 >; Seido Baldé  e Francisco Silva



Guiné > Região de Bafatá > Xitole > 1 de maio de 2013 > Amigos posam para a posteridade: Seido Baldé, Francisco Silva e Mamadu Aliu... Ao fundo, uma antena de telecomunicações.

Fotos (e legendas): © José Teixeira (2013). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: LG]


Para completar tão gratificante tarde, o menino da messe de sargentos convida o Silva para o casamento da sua filha que se realizará no sábado seguinte, sem que primeiro tenha tido o cuidado de ir junto da esposa do Silva para a informar que o alfero Silva era boa pessoa e muito estimada pelos africanos do Xitole.

A saga continuou. Desde o motorista que nos acompanhava, antigo cabo do exército português e nos fala com entusiasmo desmedido dos amigos que viu partir, ao Galissa que em Iemberém se identifica como “bandido que vai na mato” e hoje é o diretor da rádio local.

Não foi por acaso que esteve nas matas de Jumbembem exatamente no tempo em que o Silva comandava o Pelotão de Nativos aí estacionado. Não foi por acaso que estiveram frente a frente num terrível ataque que o PAIGC desenvolveu. Aninhados no chão reestruturam de novo as suas linhas de defesa e de ataque, como se tivesse sido hoje.

Apreciei todas estas (re)vivências do Francisco Silva neste seu regresso à Guiné. Ouvi um antigo soldado português dizer: 
Tive muitos amigos portugueses que caminharam e combateram a meu lado. Grandes amigos. Tenho manga de sodades. Gostava de os poder abraçar de novo…

Perante tantas emoções, eu,  o Zé Teixeira, senti-me na obrigação de abrir a minha veia poética e deixar que a esferográfica deslizasse pelo papel, escrevinhando algumas linhas que pretendem traçar o meu estado de espírito.


GUERRA É GUERRA
por Zé Teixeira

Guerra é guerra, meu 'ermon' (a)
Quando passa, não deixa saudades.
Mas, muitas amizades, neste mundo perdido
Os antigos inimigos se procuram,
Para saldar as contas com um abraço sentido.

Armas caladas,
Em mãos armadas,
Cantam horrores,
Silenciam com a morte,
Quem por má sorte
Lhe sofre as dores.

Sangue e pranto,
Em jorro constante,
Num jardim sem flores,
E na última despedida,
Clamam pela vida,
Que queriam viver.
E pelos seus amores,
A sua razão de ser.

A esperança, essa resiste,
Num corpo ainda quente,
Até aos últimos estertores.
…E uma vida se perdeu.

A seu lado ainda há vida,
E de armas na mão.
Não acredita,
No sangue que correu,
Chora uma lágrima sentida,
E avança.
Destemida.
Na vingança de quem morreu.

Verte a raiva que lhe vai no sangue
Para dentro da palavra
Que transpira asperamente.
Põe o dedo no gatilho,
E com que raiva lavra,
O destino de quem matou.
Inutilmente.

Até que a guerra tem seu fim,
Finalmente.
Inimigos de ontem,
Hoje perguntam, num abraço de paz,
Selado eternamente.
Que fiz eu?
E tu meu irmão,
O que nos aconteceu?

Choram lágrimas de alegria,
Caldeadas com lágrimas de dor,
Não pelo que sofreram,
Já passou,
Sem desejos de vindita,
Mas pelos amigos que perderam,
Na guerra maldita.
Que alguém sem rosto criou.

Zé Teixeira

(a) Braima Cassamá (Antigo guerrilheiro do PAIGC) meu inimigo. Reencontrado em 2008

______________

Nota do editor:

Último poste da série > 22 de junho de 2013 > Guiné 63/74 - P11745: Crónicas de uma viagem à Guiné-Bissau: de 30 de abril a 12 de maio de 2013: reencontros com o passado (José Teixeira) (6):De Iemberém a Guileje, a caminho de um casamento no Xitole

6 comentários:

Luís Graça disse...

Francisco e Zé:

Fico agradavelmente surpreendido por estes "achados", representados pelas pinturas de parede, na antiga casa de comando no Xitole... É verdadeira arte "naif", feita pro alguém que por lá passou, muito provavelmente do tempo da CART 2413 ou anterior...

Recorde-se que CART 2413 (Xitole, 1968/70) foi uma companhia com quem a minha CCAÇ 12 (1969/71) fez diversas operações no seu sector, entre elas, a Op Bodião Decididio, a seguir descrita.

Esta subunidade, que será substituída pela CCART 2716 (1970/72), ã que pertenceu o nosso Dabiv Guimara~es (que lá voltou em 2001, mas não me lenri de ter visto fotso dele com estas pinturas).

Antes, passaram pelo Xitole a CCAÇ 1551 / BCAÇ 1888 (20/4/1966 - 17/1/68) e a CART 1646 / BART 1904 (1967/68)...

Fui lá muitas vezes, mas nunca entrei no edifício do comando, pelo que estas pinturas de parede são, para mim, um verdadeiro achado!

Quem terá sido o talentoso autor ?

Luís Graça disse...

No Saltinho também havia gente com jeito para o desenho e para a pintura... Ainda a há vestígios no Clube de Oficiais do Saltinho... Alguns de nós já lá voltarm...

Estou-me a lembrar de malta do meu tempo:

CCAÇ 2406 (Os Tigres do Saltinho, 1968/70)

CCAÇ 2701 (1970/72)...

Que me dizem, camaradas do Xitole e do Saltinho ?

Anónimo disse...

Torcato Mendonca
15:51 (h


Olá Luís Graça: não faço ideia. Passei pouco pelo Xitole e devo ter dormido lá uma ou duas vezes. Ao certo, recordo uma quando fiz uma daquelas colunas malucas - Bambadinca, Galomaro. Saltinho e Xitole.

A estrada de Bambadinca, Mansambo, Xitole não estava ainda "aberta". Iam viaturas civis e militares, o alferes dos reabastecimentos do Bart 1904 ou já do Bcaç 2852, o 1º sargento do Xitole e, eram eles, a "cuidarem dos abastecimentos"...nós cerca de trinta com alguns africanos(picadores) com a segurança.

Numa dessas colunas fizemos Saltinho ao Xitole já ao cair da noite. Aí chegados havia banho e jantar para o oficial, não recordo se para os furrieis. Claro que,como era usual, comíamos e dormíamos todos de igual modo e assim sendo creio nem ter ido visitar messe ou aposentos do hotel...ainda o Sol não nascera e estávamos a sair...

Almoçamos bem á conta de certos "manjares" oferecidos ou esquecidos (seria? ) certamente pelas gentes ou pelo Nosso Primeiro do Xitole. Nunca soube...há "coisas" que nunca sabemos ou não recordamos...

Assim sendo, nestas colunas ou em operações não tratava a minha "cultura" visitando exposições de pintura...haviam outras em vários lados. Aqui no Blogue apareceu uma feita por um alferes, hoje creio que arquitecto em New York, confirmado por outro ex alferes que pertencia a essa Companhia e reside aqui numa aldeia satélite do Fundão. Em Catió? ou noutro local do Sul...

Tínhamos uma obra de arte, que era
o nosso Memorial aos Nossos Mortos, em Mansambo...a arte está sempre presente...os olhos - alto!

Porra pá...só para dizer: não me lembro...!

Abraço, T.

Anónimo disse...

Parabéns Zé Teixeira!
Gostei muito do poema

Abraço fraterno da

Felismina.

Anónimo disse...

Passei pela área do Xitole,- 3º Pelotão da 412-, onde estava estacionado um pelotão de caçadores independente, do qual não me lembro o número, onde estivemos desde Maio/1963 até Agosto do mesmo ano. Patrulhavamos a pé ou de jipão, toda essa vasta zona desde o Saltinho para a esquerda seguindo o rio corubal até Ché-che, em frente ao Boé, Bagancia (Duas Fontes). Nota- Galomaro e Mansabo ainda não existiam- Para a direita do xitole patrulhamos ,Mina até às pontas de Luis Dias e do Inglês, Fiofioli até Amedlai até à estrada de Bambadinca-Xitole-Saltinho.Por vezes andavamos 4 a 5 dias, no mato.
Nessa altura estava no saltinho o furriel Armando Teixeira com a sua secção do 1º Pelotão. Anos mais tarde este camarada fez parte da comitiva do Alpoim Galvão, aqundo da ida a Conacri, pois ele ficou, depois do nosso regresso, nos comandos (2º Sargento Teixeira)
No Xitole, o nosso quartel era uma casa civil que ficava na parte mais alta do xitole, fora da tabanca
Alcidio Marinho CC412
9/Abril/1963 a 29/Abril/1965

David Guimarães disse...

Sobre as gravuras que aparecem na fotografia - ontem mesmo escrevi para esclarecimento o seguinte pelo que deverá ser dada a relevância que se impõe:

Amigos Luis Graça e camaradas da Guiné...

Em relação ao post e fotografias do amigo Silva que visitou o Xitole - vem efectivamente registado em fotografias umas pinturas que perguntam agora pelo autor... Quando lá fui em 2001, aquela porta estava fechada, visitei muitas coisas não deu para tudo. Ao ver agora as pinturas e sabendo quem provavelmente teria pintado logo fui ter com o meu amigo que logo disse que tinha sido ele... Datas 1965 ou 66 tempo em que ele (A. Ribeiro) esteve no Xitole. Na altura era ainda o Saltinho um destacamento desta companhia...
Bem hoje passei na casa comercial de meu amigo e perguntei - isto é seu? Ele disse que sim, que se lembrava de ter pintado essas coisas e na messe dos oficiais.. talvez que na altura a Formação e Comando do nosso tempo fosse isso mesmo...

Deixo em baixo o nome do estabelecimento de meu amigo Armando Ribeiro - e ficam desvendados os mistérios que vão enriquecendo o nosso blogue... Naturalmente que aquelas pinturas não apareceram por acaso e alguém tinha sido - pronto é meu vizinho e amigo... Abraço e agora vou me vestir depressa para rumara Castelo de Paiva - Vou ter lá serenata...

Abraço a todos com amizade e fica o esclarecimento que é oportuno...

David Guimarães, ex. Furr Mil At Art e Minas,
Xitole 1970/1972

Pinturarte Armando Ribeiro
Morada: Rua 18, nº 943 rés-do-chão Espinho, Espinho, Aveiro, 4500-246