quarta-feira, 20 de julho de 2016

Guiné 63/74 - P16319: Álbum fotográfico de Francisco Gamelas, ex-alf mil cav, cmdt do Pel Rec Daimler 3089, ao tempo do BCAÇ 3863 (Teixeira Pinto, 1971/73) - Parte VI: Em louvor dos camaradas da 35ª CCmds e das nossas velhas e gloriosas Daimlers


Foto nº 56 A >  Março de 1972 > Estrada Teixeira Pinmto. Cacheu > Eu, à direita, com o Alferes Comando Alfredo Campos  



Foto nº 56




Foto nº 57A  .


Foto nº 57 > Foto nº 57 > Março de 1972 > Estrada Teixeira Pinmto - Cacheu > Eu com o então Alferes Comando ui Andrade [ que empunha uma Kalash,,,]


FGoto nº 58A 


Foto nº 58 > Março de 1972, durante a protecção aos trabalhos de desmatagem das margens, ou da pavimentação, da estrada entre Teixeira Pinto e o Cacheu.  Eu, nas costas de uma Daimler, tendo do meu lado esquerdo o então Furriel Comando  Paquete  e à minha direita o então Alferes Comando Alfredo Campos, comandante do Pelotão da 35ª a que ambos pertenciam.




Foto nº 58B >  Alferes Comando Alfredo Campos, a quem convidamnos para integrar a nossa Tabanca Grande.



Foto nº 58C > Furriel  Mil Comando Paquete, da 35ª CCCmds, que infelizmente já não está entre nós. Segundo informação do Ramiro de Jesus, também ele ex-fur mil comando da 35ª CCmds, natural de Aveiro (e , portanto, meu conterrâneo), o Paquete,  depois do regresso à matrópole, morreu atropelado por um comboio em Vila Franca de Xira.



Foto nº 57B > Outro cmaarada da 35ª CCmds, Alferes Comando Rui Andrade  (mais tarde, após a evacuação do Capitão comandante da 35ª CCmds, ferido em combate, graduado em Capitão para assumir o Comando daquela companhia)

Guiné > Região do Cacheu > Teixeira Pinto > 35ª CCmds e Pel Rec Daimler 3089 (Teixeira Pinto, 1971/73)

Fotos (e legendas): © Francisco Gamelas (2016). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do Francisco Gamelas, ex-alf mil cav, cmdt do Pel Rec Daimler 3089 (Teixeira Pinto, 1971/73), adido ao BCAÇ 3863 (1971/73)  (*).


Francisco Gamelas, que é engenheiro eletrotécnico de formação,  quadro superior da PT Inovação reformado, vive em Aveiro, e publicou recentemente "Outro olhar - Guiné 1971-1973" (Aveiro, 2016, ed. de autor, 127 pp. + ilust; preço de capa 12,50 €). Os interessados podem encomendá-lo ao autor através do seu email pessoalfranciscogamelas@sapo.pt. O design é da arquiteta Beatriz Ribau Pimenta, a partir da foto. nº 29. Tiragem: 150 exemplares. Impressão e acabamento: Grafigamelas, Lda, Esgueira, Aveiro.


2. Mensagem do Francisco Gamelas, com data de 5 do corrente:

Bom dia,  Luís.

Sobre a questão da 35ª  CComandos, naturalmente, confirmo o que o então furriel Ramiro de Jesus (também residente em Aveiro, portanto meu conterrâneo) escreveu sobre a sua companhia. [O Ramiro Jesus, fur mil comando da 35.ª CComandos (Teixeira Pinto, Bula e Bissau, 1971/73),  é membro da nossa Tabanca Grande desde 9/12/2012][, foto à esquerda]. (**) 

Sobre a 38ª, se o António Graça de Abreu a menciona [, no seu "Diário da Guiné"], provavelmente terá sido esta que substituiu a 35ª às ordens do CAOP 1, após este se ter retirado de Teixeira Pinto, tanto quanto me recordo, na mesma altura em que a 35ª foi fazer a segurança do General em Bissau. 

Com a saída do CAOP1 e da 35ª de Teixeira Pinto, deixaram de existir ali tropas especiais. Tempos houve - antes da minha chegada - que em Teixeira Pinto estavam sediados Fuzileiros, Paras e , segundo creio, também Comandos. 

Por curiosidade, junto envio uma foto [nº 58]  onde estou no centro, nas costas de uma Daimler, tendo do meu lado esquerdo o então Furriel Comando Paquete e à minha direita o então Alferes Comando Alfredo Campos, comandante do Pelotão da 35ª a que ambos pertenciam. 

A foto foi tirada em Março de 1972, durante a protecção aos trabalhos de desmatagem das margens, ou da pavimentação, da estrada entre Teixeira Pinto e o Cacheu. 

A 35ª e o meu Pelotão Daimler eram os responsáveis pela protecção a estes trabalhos. 

Na foto nº 57 figuro eu com o então Alferes Comando  Rui Andrade, mais tarde, após a evacuação do Capitão comandante da 35ª, ferido em combate [, cap QEO comando Ribeiro da Fonseca, hoje cor ref], foi graduado em Capitão para assumir o Comando daquela companhia [57]. 

Na foto 56 figuro eu com o então Alferes Comando Alfredo Campos. Ambos, o Campos e o Rui, eram meus especiais amigos do peito daqueles tempos. [O Ramiro de Jesus era também do pelotão do alf Campos].

Um abraço.

FG



Guiné > Zona leste > Estrada Bambadinca - Bafatá > 1969 > Coluna da CCAÇ 12, a caminho de Bafatá, vendo-se ao fundo uma AM (autometralhadora) Daimlerdo Pel Rec Daimler 2046, instalado em Bambadinca, e que era comandado nesse tempo pelo alf mil cav Jaime Machado, nosso grã-tabanqueiro. Em primeiro plano,  malta  do 2º Gr Comb da CCAÇ 12.  A viatura, de matrícula ME-31-37, de pneus completamente carecas, fazia habitualmente escolta ao nosso tranquilo "passeio" até  Bafatá... O PAIGC nunca ousou atacar-nos neste troço (alcatroado, o primeiro do CTIG),pelo menos no tempo da CCAÇ 12 (1969/71).


Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Giiné]



3. Comentário de LG:

Obrigado, Francisco... A confusão foi minha... O António Graça de Abreu esteve no CAOP1, em Teixeira Pinto, de 26/6/1972 a 1/2/1973... Nesse período apanhou a 35ª CCmds e a 38ª CCmds. 

Quando o CAOP1 muda para Mansoa (em 3/2/1973), ele vai com a malta da 38ª CCmds (onde se incluía o nosso grã-tabanqueiro, o 1º cabo comando Amílcar Mendes, herói de Guidaje...). Portanto,deves ter ainda apanhado a 38ª CCmds, em Canchuingo, o alf Paiva, e outro malta...

Peço desculpa a todos pela confusão. E obrigado pelas novas fotos com as tuas Daimlers e os teus/nossos camaradas da 35ª CCmds, vão dar outro poste ...

Confesso que tenho uma grande "ternura" pelas Daimlers e o seu pessoal.. Em Bambadinca apanhei "cavaleiros" excionais como o Jaime Machado (Pel RecDaimler 2046 (1968/70) e o Zé Luís Vacas de Carvalho (Pel Rec Daimler, 2206, 1970/72). E vou confessar um "pecado moratl": um dia, completamente "apanhado do clima", e já mais para o fim da comissão, conseguiu convencer um dos homens do J. L., Vacas de Carvalho a ir ao Xime... beber uma bejeca...

A estrada estava em construção, e nós montávamos segurança à empresa TECNIL, mas havia sempre risco de minas e emboscadas. Eram 12/14 km para lá e outros tantos para cá... E ainda levei o Tchombé, que era a nossa mascote, um puto de 4/5 anos, adotado por nós... Eu, o Tchombé e o condutor... Loucuras, quem não as fez, com 23 anos, no teatro de operações da Guiné ?

Julgo que nunca contei esta ao Zé Luís... E espero que ele me perdoe... Ou será que o condutopr era ele mesmo ? Não juro, nem acredito, mas era menino para "alinhar"... Tem alma e voz de fadista...Mas, não, não era ele... o condutor.. O apontador da metralhadora foi dispensado; não cabíamos todos na "lata de sardinhas"...Estou a imaginar a "porrada" que levaria se as coisas tivessem dado para o torto... Mas nessa altura o troço em construção, Bambadinca-Xime (mais tarde alcatroado) era todo nosso, e os "gajos" do PAIGC, donos da nargem direita do Rio Corubal,  pesnavam duas vezes antes se meteram com os "nharros" (brancos e pretos) da  CCAÇ 12...

 As "vossas" Daimlers podiam ser um "bocado de lata", mas davam-nos sempre um grande "conforto" nas nossas colunas logísticas... Ou até na simples e rotineira viagem a Bafatá, por estrada alcatroada (30 km), que era o nosso dia de glória ("comer o ovo a cavalo com batatas fritas" na Transmontana, "dar dois dedos de conversas com as libanesas", "mudar o óleo no Bataclã!, "rezar na catedral", "fazer umas compritas na Casa Gouveia!", "dar um mergulho na piscina municipal", enfim, "respirar a civilização cristã e ocidental da Princesa do Geba"...).

E como eram "bailarinas" as vossas Daimlers, nunca as vi atascadas, nem nunca nos deixaram mal,mesmo ocm os pneus carecas... Glória às nossas velhas Daimlers!...

Ab. Luis

4. Comentário do Jaime Machado (Pel RecDaimler 2046, Bambadinca, 1968/70)




Caro Luis

As tuas doces palavras fazem-me recuar no tempo. Tudo o que escreves me volkta à memória.
Será estranho dizer que quase tenho saudades desse tempo? Pudera , quem não gostaria de voltar aos 23 anos?

Faria tudo na mesma,  tenho pena do que deixei por fazer.
Ai as minhas Daimlers, que vaidade, que orgulho, que saudade.

Um abraço do Jaime.

____________

Notas do editor:

(*) Ultimo poset da série > 5 de julho de 2016 > Guiné 63/74 - P16272: Álbum fotográfico de Francisco Gamelas, ex-alf mil cav, cmdt do Pel Rec Daimler 3089, ao tempo do BCAÇ 3863 (Teixeira Pinto, 1971/73) - Parte V: (Des)encontros... E em louvor das velhas Daimlers, que a sorte protege... quem tem olhinhos!

(**)  Vd. poste de 9 de setembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10356: Tabanca Grande (358): Ramiro Jesus, ex-Fur Mil Comando da 35.ª CComandos (Teixeira Pinto, Bula e Bissau, 1971/73)

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Francisco:

Pode ser impressão minha, mas as tuas "Daimlers" (1971/73) são de um modelo mais "avançado" do que as do Jaime Machado, do Pel Rec Daimler 2046 (Bambadinca, 1968/70). Ou se calhar, não: sei que tinhas um grande capricho nas tuas máquinas, em matéria de manutenção... Mas o Jaime também.. ~

Provavelmnete sou induzido em erro pela foto, do Humberto Reis, que publiquei, de uma Daimler, na estrada de Bambadinca-Bafatá... Mando-te outra, em anexo, esta é do Jaime, em que tens uma viatura em melhor plano... E os pneus não estão carecas... Quando cheguei a Bambadinca (julho de 1969) o Jaime já tinha um ano e meio e meio de comissão... Ab. Luis


https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2015/08/guine-6374-p15037-album-fotografico-de.html

Anónimo disse...

Jaime Machado
20 jul 2016 14:05

Caro Luis

As Daimlers eram todas iguais à nascença.

Tinham uma torre em aço blindado para proteção "ou não".

Digo isto porque em caso de mina os ocupantes embatiam no teto da dita torre se ela estivesse colocada e era morte quase certa.

Em Bambadinca e porque o perigo quase não existia, retiramos a dita torre e daí umas Daimlers parecerem diferentes de outras.

Penso que, quando cheguei a Bambadinca, algumas das viaturas já não tinham a torre e eu terei recomendado a retirada das restantes.

Um pelotão Daimler tinha 5 viaturas Daimler mais um jeep.

Espero ter desfeito a tua dúvida.

abraço do sempre amigo


jaime

Tabanca Grande disse...

Ora aqui estás mais um tema sobre o qual temos várias referências no nosso blogue: a inegável (e aqui documentada) atração doss nossos militares /tropa especial e não só)m durante a guerra colonial, pela famigerada Kalashnikov, talvez a arma mais tristemente famosa do mundo.... Inclsuive já deu aqui algumas (amigáveis) polémicas.


https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/search/label/kalashnikovmania

Tabanca Grande disse...

Houve originalmente uma lamentável troca de nomes, que já corrigimos: confundimos o Alfredo Campos (fotos nº 56 e 58) com o Rui Andrade (foto nº 57). Os dois eram grandes amigos do peito do Francisco Gamelas que pede desculpa aos dois como aos nossos leitores. Os editores reforçam o pedido de desculpa. Estas trocas não são invulgares quanto isso... Afinal, já se passaram quase 50 anos... Obrigado ao Ramiro Jesusm, ex-fuir nil comamdo do pelo do alf mil comando Alfredo Camposm da 35ª CCmds, que nos alertou parta o lapso... LG