segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16477: História de vida (11): Augusto Mota: nasceu no Porto, começou a trabalhar aos 10 anos, foi 1º cabo do Grupo Material e Segurança Cripto (Bissau, 1963/66), foi homem dos 7 ofícios em Bissau, como civil, foi para o Brasil em 1974, tem hoje dupla nacionalidade, tendo-se formado em ciências económicas... Trabalhou como gerente de empresas, foi empresário, entrou por concurso para a função pública, está reformado...

1. Mensagem do nosso novo grã-tabanqueiro Augusto Mota, ex-1º cabo Grupo Material e Segurança Cripo (Bissau, QG, CTIG, 1963/66):

Data: 10 de setembro de 2016 às 02:51

Assunto: mais informações

Oi, amigo!

Realmente, a culpa foi minha. Eu que não dei as devidas informações, eu que não segui o "caminho das pedras" que tão bem está visível no blog. Na verdade sou avesso a formalidades e é no que dá,  rsss.

Aqui estou para lhes mandar mais algumas notícias que se perderam aquando da última missiva:


MATERIAL SEGURANÇA CRIPTO - 

Não me surpreende que desconhecesses a especialidade. (*) Como disse, a regra era ser discreto. Nós produziamos os vários sistemas de cifra.


BRASIL - 

Sim, tenho dupla nacionalidade. Saí da Guiné em 74, fui trabalhar como chefe de escritório em uma empresa inglesa (Molyslip), em Lisboa (Campo Grande), mas era pacífico demais para o meu tipo de caráter. Eu me via naquela mesma atividade passados cinquenta anos. Essa perspetiva não era para mim.

A única coisa que trouxe da Guiné foi um carro importado do Japão, que levantei no cais; passados alguns meses, os "trecos" usados em casa (eletrônicos, panelas, etc), que embarcaram em navio militar depois de muito tempo de chuva no cais de Bissau. Tiveram o descaramento de cobrarem despacho com os respectivos impostos. Para tal efeito parece não ter existido uma situação anômala...

Aí... resolvi vir para o Brasil. 

Aqui me formei em Ciências Econômicas, [fiz] outros estudos de pós-graduação, trabalhei muitos anos como Gerente de Indústria (áreas plástico e papel), também tive várias empresas e, finalmente, há cerca de 15 anos atrás entrei, por concurso público, na área pública.

Sou Técnico de Finanças e trabalhei no Setor da Dívida Pública no Estado de Alagoas. A equipe se deu bem e durante o período recuperamos valores pagos à maior e evitamos pagamentos "loucos". Pela nossa ação entraram nos cofres do Estado algo como cerca de meio bilhão de Reais .[ou bilião, em Portugal, sendo 1 bilhão no Brasil  igual a mil milhões, enquanto 1 bilião, em Portugal, quer dizer 1 milhão de milhões; à cotação de hoje (1 euro = 3,6780 reais), 500 milhões de reais seriam cerca de 136 milhões de euros].

Foi um bom trabalho.

No Brasil, servidor público só trabalhava até aos 70 anos [ saiu uma alteração, no ano passado, que transformou para setenta e cinco; ´é compulsório; mas aí eu já tinha saído; como comecei a trabalhar aos 10 anos de idade (Fábrica de Produtos Estrela, Senhora da Hora, Porto) resolvi descansar].

Comprei um sítio em um lugar bem desconhecido (Desterro de Entre Rios-MG, Mato Grosso), e lá fomos nós.

O descanso foi ledo engano, hehehehe!

Bom... para outra vez conto mais.

Em Janeiro do presente ano vendi a chácara: ao fim de quatro anos a área não era exatamente um sítio. Eu a transformei em chácara. Era realmente uma pérola.

Presentemente estamos na praia do Janga, grande Recife. 


Brasil, Minas Gerais (MG) > Desterro de Entre Rios > "Represa que construi na chácara. Tem cerca de  400 kg de peixe. A tela, em redor, é para que a lontra não coma os  peixes de noite".

Foto (e legenda): © Augusto Mota (2016). Todos os direitos reservados


FOTOS ANTERIORES (*)-

Nº 2: em Carmópolis, cidade com 20.000  habitantes e a cerca de 100 km de Belo Horizonte, capital de MG [Minas Gerais, não confundir com Mato Grosso];

Nº  3, em Resende Costa, cidade com cerca de 12000 habitante, distando 170 km de Belo Horizonte, MG;

Nº 4 >  Almoço entre amigos. Para mim, "amigos" é a mesma coisa que "empregados" e vice-versa.

Tchau, amigos!

Mota
____________

PS: a foto de hoje é da represa que construi na chácara. Tem cerca de  400 kg de peixe. A tela, em redor, é para que a Lontra não coma os  peixes de noite.
_________________

Nota do editor:

Último poste da série > 16 de março de 2008 > Guiné 63/74 - P2651: História de vida (10): A Luta Incessante de António Teixeira Mota

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Augusto, uma vida feita a pulso, com coragem, determinação, força de vontade, lucidez... Um a história de vida como muitas outras da gente da nossa geração, que começou a trabalhar logo no duro, mal feita a escola... E para mais feita longe da pátria, há mais de meio século.

Augusto, tu mereces as nossas palmas!


PS - Diz-me só o que quer dizer "rsss", que usas no fim das frases... nos teus textos, mais do que uma vez... Por exemplo: "Realmente, a culpa foi minha. Eu que não dei as devidas informações, eu que não segui o "caminho das pedras" que tão bem está visível no blog. Na verdade sou avesso a formalidades e é no que dá, rsss."

Hélder Valério disse...

Luís, esse "rsss" é o que o pessoal utiliza na actual 'linguagem económica' nos telemóveis e comentários no Face e que pretende significar 'risos' ou 'risadinhas'.....
Hélder Sousa

Tabanca Grande disse...

Hélder, estou a ficar "kota"...

Tinha obrigação de conhecer essa nova "algaraviada", sem ofensa para os algarvios... Ou "buzzword".... Mas ainda sou muito clássico na redação das mensagens de telemóvel, instrumento que de resto utilizo parcimoniosamente... (Ainda há tempos me caiu na sargeta da bomba de gasolina, quando estava a utilizar a lanterna; arregacei a manga da camisa, salvei-o de uma morte anunciada, e lá continua a trabalhar até hoje!... é um telemóvel daqueles de vinte e tal euros, se fosse da última geração, bifava logo!)...

Anónimo disse...

augusto mota
12 set 2016 18:18

Caríssimo Luís,

Acabei de ler nosso último contato. Temos algumas retificações:

DESTERRO DE ENTRE RIOS - É em Minas Gerais (MG) e não em Mato Grosso. "MG" é a sigla. Em consequência a foto do lago ou represa tem o mesmo erro. A foto 2, em Carmópolis (também em mg), idem.

Aproveito para mandar algo "escrito" de minha lavra [, para eventual publicação].

Tchau, amigo!