quarta-feira, 21 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17496: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (42): o caso do colono Fausto Teixeira (1900-1981), deportado político em 1925, empresário de sucesso até ao 25 de Abril... Depoimentos do neto Fausto Luís Teixeira, formador, e Fernando Gouveia (ex-alf mil rec e inf, Cmd Agr 2957 Bafatá, 1968/70)


Gabriel Pedro, pai de Edmundo Pedro, com outros deportados para a Guiné, em 1925, alegados membros da misteriosa "Legião Vermelha". O Gabriel Pedro é o quarto da segunda fila, a contar da esquerda (assinalado a vermelho). O Fausto Teixeira seria o segundo, de boina (assinalado a verde).

"Curiosa esta fotografia das alegados membros da 'Legião Vermelha' - Todos engravatados e de camisa branca!" (Armando Tavares da Silva).. "Na época tiravam-se fotos com a melhor roupinha que se tinha... Pode parecer insólito... Como não chegaram a ser julgados, temos de presumir a sua inocência... E, no entanto, alguns poderão ter cometido crimes de sangue...Quem vê caras não vê corações... Por outro lado, ainda não há investigação historiográfica séria sobre esta alegada rede terrorista" (Luís Graça)...


[Fonte do fotograma: You Tube > A Legião Vermelha - Portugal 1920/1925, documentário da RTP, com a devida vénia...]


1. A nossa curiosidade sobre este colono que viveu meio século na Guiné (entre 1925 e o 25 de Abril de 1974), e tem uma notável história de vida (*), espicaçou-se com o pedido de informação do neto, Fausto Luís Teixeira:

(...) Chamo-me Fausto Luís Teixeira, nasci em Ponte Nova, Bafatá (onde vivi até aos 3 anos) e sou neto de Fausto da Silva Teixeira, que mal conheci e de que gostava saber algo mais. Uma pergunta: sabeis como ele foi parar à Guiné? (...).

Temos mobilizado e trocado informações e conhecimentos, com contributos vários de camaradas e amigos nossos (Luís Graça, Armando Tavares da Silva, José Manuel Cancela, Jorge Cabral, Manuel Amante da Rosa, Fernando Gouveia...), além do próprio neto que ainda se lembra de ir de automóvel até à casa do Edmundo Pedro, filho de Gabriel Pedro, talvez dois dos mais conhecidos "hóspedes" do campo de concentração do Tarrafal, nos anos 30 e 40.

2. Publicam-se três das mais recentes mensagens que trocámos:

(i) Fausto Luís Teixeira, formador  na área hotelaria e restauração (e quem o editor convida desde já para integrar a nossa Tabanca Grande)

Data - 19/06/2017

Olá!... Imensamente obrigado pelos seus esforços. Lamento andar sem tempo - e paciência,diga-se, em abono da verdade,e não fazer esforços equivalentes aos vossos, mas... um final de ano lectivo é sempre um pouco stressante.

Ainda assim (a propósito de algo referido por Sr Cancela):

- António Teixeira, meu tio, tinha um irmão mais velho, Adriano  (além de duas irmãs, uma mais velha e outra mais nova);

- o Adriano é o meu pai, de quem por graça se pode dizer que  "foi comprar cigarros", a Setúbal, em 1965, para só reaparecer após o 25 de Abril,  em 1976/77; viveu em países de leste e na Alemanha (onde ainda hoje vive), e não em Palmela, na Quinta dos Carvalhos (que era da família);

- além de eu próprio, também nasceram em Bafatá os meus irmãos, mais velhos (em 1957 e 1958);

- falei telefonicamente com a minha mãe,  e espero outra oportunidade para mais obter detalhes;

-  o meu avô Fausto Teixeira teve várias mulheres, donde os meus tios terem diferentes mães: Paula Vitória das Neves, viúva de um militar, capitão,  a prestar serviço na Guiné,  e Agostinha, de que já se falou:

- e, por fim, o Fausto Teixeira nasceu a 31 de março de 1900 e faleceu a 30 de dezembro de 1981.

Até breve e muito obrigado
Fausto Luís

PS - A ser alguma daquelas personagens, io meu avô parece-me ser o de boina em cima. Sem dúvida que era fascinante e nunca esquecerei ele a contar histórias de fuga à polícia  com grande gozo e sentido de humor...e muito riso.

Como sabeis, ele só tinha as falanges de ambas as mãos; sempre pensei que tivesse sido um acidente na serração...mas faz sentido, cada vez mais sentido, um "diz que"...  "terá sido por causa de uma bomba", uma vez dito por minha mãe.

Continuo a achar algum exagero nas diversas idades que lhe vão atribuindo....Vou ver se pergunto a uma tia (irmã mais nova de António), quando esta vier de férias.


(iii) Pedido de informação do editor LG  ao Fernando Gouveia [ex-alf mil rec e inf, Cmd Agr 2957 Bafatá, 1968/70: arquiteto da CM Porto, reformado; e membro da nossa Tabanca Grande desde 9/4/2009]

 (...) Assunto: Madeireiro "amigo" do PAIGC ? Fausto [da Silva] Teixeira, deportado para a Guiné em 1925... Um barco dele é atacado no Rio Geba c. 1970...

Preciso de um favor teu, mais um esforço de memória... Este homem tinha uma serração mecânica (desde 1928), em Bafatá, Fá e Banjara (esta abandonada com a guerra...). Era um próspero madeireiro nos anos 40/50, tinha barco(s) que fazia(m) o Geba... Ajudou o Luís Cabral a fugir para o Senegal... Relacionava-se com o Amílcar Cabral e a esposa Maria Helena (que era transmontana como tu)...

Era um "tuga", e possivelemnte teria duas famílias, uma em Palmela e outra em Bafatá... No final dos anos 60, hospedava-se no Hotel Portugal e tinha uma companheira cabo-verdiana, muito mais nova do que ele, de nome Agostinha...

Esta história diz-te alguma coisa, sobretudo a parte relativa a Bafatá ? Em 1947, em 7 de fevereiro, o subscretário de Estado das Colónias, mais o Sarmento Rodrigues e comitiva, fazem um paragem em Fá, vindos de Bafatá, para visitar a empresa deste "colono", que se "fixara" na colónia há cerca de 20 anos... Ora, ele fora deportado, sem julgamento...Na história do PC, ele é considerado como um dos primeiros militantes a ser preso e,  para mais , deportado...


(iv) Resposta de Fernando Gouveia

Data - 20 de junho de 2017, 23:43

Luís: Por aqui tudo bem. Só respondo agora pois estive para o "meu" Nordeste {Transmontano], sem Net.
Quanto ao madeireiro de Bafatá, dir-te-ei o mesmo que em tempos te disse em relação ao Sr. Teófilo: dadas as minhas funções nas Informações nunca me abri com pessoas controversas.
O único contacto que tive com o madeireiro foi quando precisei de umas tábuas para fazer uma mesa para a minha casa. Fui à serração, fui muito bem atendido (era tropa e oficial), não me tendo cobrado nada pela madeira que me forneceu.

E é tudo. Um grande abraço
Fernando Gouveia

_________________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:

20 de junho de  2017 > Guiné 61/74 - P17489: (De) Caras (85): o testemunho de Manuel Amante da Rosa, embaixador plenipotenciário de Cabo Verde em Itália, sobre o Fausto Teixeira: "era uma figura distinta, opositor ao regime de Salazar, vigiado pela PIDE/DGS, amigo do meu pai que lhe comprou, no início dos anos 70, o último navio que ele levou para a Guiné, um antigo cacilheiro que fazia carreiras regulares para o Xime e para os Bijagós ...Morreu depois do 25 de Abril em Portugal".

(...) Este Senhor, Fausto Teixeira, era uma figura distinta na Guiné. Um empedernido opositor ao regime de Salazar, por vezes incómodo, e permanentemente seguido pela PIDE/DGS. Conheci-o através do meu Pai, de quem era amigo. De baixa estatura, conversador, rijo apesar da idade e pertinaz em todas as opiniões que proferia.

Era originário de Setúbal, tendo sido deportado para Bissau (...). O meu Pai  comprou-lhe o último navio que ele levou para a Guiné nos inícios dos anos 70. Registou o navio, um antigo "cacilheiro", com o nome de "O Amanhã". Nessa altura, [o Fausto Teixeira] estaria já nos seus 70 anos e denotava esperanças em tudo o que fazia ou dizia. O meu Pai conservou o nome e ele fazia carreiras regulares para o Xime diariamente. Eu fiz muitas viagens nele, não para o Xime como para os Bijagós.

Julgo que o Sr. Fausto terá vivido o seu amanhã com o 25 de Abril ainda na Guiné e terá morrido anos depois na sua terra natal. (...)


18 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17482: (De) Caras (84): Fausto Teixeira, deportado político em 1925, empresário em Bafatá, de quem o 2º tenente Teixeira da Mota, ajudante de campo do governador Sarmento Rodrigues dizia, em 1947, ser um "incansável pioneiro da exploração de madeiras da Guiné"... Mais três contributos para o conhecimento desta figura singular (José Manuel Cancela / Jorge Cabral / Armando Tavares da Silva)

(...) O Fausto Teixeira faria parte de um grupo de 26 membros da Legião Vermelha que, a bordo do cruzador Carvalho Araújo, foram deportados para a Guiné, onde chegaram em Junho de 1925.

A Legião Vermelha era um grupo anarco-sindicalista que varreu o país com uma onda de atentados bombistas contra figuras de destaque no campo do comércio, indústria, etc., supostamente conservadoras. A 15 de Maio de 1925 atentam contra a vida do comandante da polícia, coronel João Maria Ferreira do Amaral, que fica ferido. É na sequência deste atentado que um grupo destes anarquistas é deportado para a Guiné [, entre eles, Gabriel Pedro, pai de Edmundo Pedro]. Era presidente do ministério Victorino Máximo de Carvalho Guimarães.

Foi o mesmo grupo que, em 1937, atenta contra a vida de Salazar. (...)


16 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17477: (De) Caras (83): Ainda o madeireiro Fausto da Silva Teixeira, com residência familiar em Palmela, amigo do "tarrafalista" Edmundo Pedro... Apesar da "amizade" com Amílcar Cabral e Luís Cabral, teve um barco, carregado de madeiras, atacado e incendiado no Geba, a caminho de Bissau...



(**)  Último poste da série > 22 de março de 2017 > Guiné 61/74 - P17168: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (41): Pedido de ajuda para tese de doutoramento sobre "o papel dos negros que combateram nas tropas especiais" (Sofia da Palma Rodrigues)

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Fausto, para já sabemos pouco sobre si... Presumo que seja formador ou professor. Desejo-lhe um bom fim de ano lectivo... Eu próprio sei quanto é stressante!...

As suas (in)confidências sobre o seu avô e a sua família têm-nos ajudado a compreender melhor um período obscuro da nossa história, e em particular da Guiné. E o meu amigo merece desde já integrar a nossa Tabanca Grande, o blogue dos amigos e camaradas da Guiné.

Em relação à sua observação, deixe-me dizer-lhe que a perda das mãos dos dedos, infelizmente, era corrente nas serrações mecânicas, no tempo em que ainda não havia sistemas automáticos de proteção coletiva dos operadores... É mais provável que o seu avô tivesse perdido os dedos das mãos nas suas máquinas do que a manipular bombas de dinamite ( que era o que a rapaziada, operária, da "Legião Vermelha", usava na época)... Com explosivos não se brinca: é que não vão só os dedos...

Quanto à Quinta dos Carvalhos, em Palmela... Foi comprada pelo avô ? Era uma casa grande de família ? Ainda está na vossa posse ? Alguém continuou o negócio do avô, ligado à exploração de madeira ?... Sinta-se à vontade, não tem que responder a todas as nossas perguntas...

Quanto à amizade com o Edmundo Pedro, já está explicada a sua origem: o seu avô foi "companheiro de infortúnio" do pai dele, Gabriel Pedro...

Um abraço, LG

Anónimo disse...

Armando Tavares da Silva
21 jun 10\7 12:42

Luís, Muito interessante! Como a partir de uma notícia do BCGP de 1947 se vai se vai desenrolando uma história que dava um filme fantástico!..
Ab.Armando

Tabanca Grande disse...

Meu caro Fernando:

Entendo perfeitamente as tuas cautelas... Tanto o Teófilo (que eu conheci em Bafatá) como o Fausto (, também nosso contemporâneo em Bafatá, mas de quem eu não tenho nenhum ideia, de resto em 1969/70 podia já estar a viver em Bissau...), eram portugueses "sob suspeita", tanto da tropa como da PIDE/DGS... Ambos deportados: o Fausto, em 1925, o Teófilo, mais tarde, talvez em 1930, nunca consegui apurar ao certo...

No teu caso, sendo tu oficial rec info do Comando de Agrupamento nº 2957, comandado pelo temível e temperamental cor inf Hélio Felgas, não te podias dar o luxo de ter relações sociais, para além do mínimo indispensável, com estes dois "colonos", mesmo numa cidade pequena (ainda vila, no teu tempo) como Bafatá onde "toda a gente se conhecia"...

O curioso é que em 1947 o passado "político" do Fausto Teixeira parece estar esquecido (pu posto entre parêntesis), quando, à falta de melhor na região, o subsecretário de Estado das Colónias, o governador Sarmento Rodrigues e restante comitiva, lhe fazem , em 7/2/1947, uma visita ao "estaminé" em Fá!... Com honras de Estado!...

Claro que o Fausto foi sempre do "reviralho" e os agentes da PIDE/DGS de Bafatá (de que eu conheci um, por acaso...), deviam estar de olho nele, a partir da 2ª metade dos anos 50... Tudo indica que ele não fosse, na juventude, anarcossindicalista mas já fosse comunista quando foi preso e deportado, "sem julgamento", é bom que se saiba... (O PCP e as respetivas Juventudes Comunistas nascem logo em 1921, e o Fausto é apontado, pela própria organização, como sendo um dos primeiros dos "seus" a ser preso, torturado e deportado... A Polícia Cívica Republicana, sob o comando do cor Ferreira do Amaral, não foi nada "meiga" no tratamento dos "suspeitos" de pertencerem à famigerada "Legião Vermelha"... Basta consultar o "Diário da Câmara dos Deputados", das últimas legislaturas (1925-1926)...

http://debates.parlamento.pt/catalogo/r1/cd

Observadores da história, devemos hoje manter a devida distância em relação aos acontecimentos e aos atores... Recorde-se pr outro lado que o "perigoso terrorista" Manuel Viegas Carrascalão (1901-1977), deportado para Timor, mais tarde (outubro de 1927), mas também ligado ao caso "Legião Vermelha", acabou por ser recebido por Salazar, em Lisboa, no pós-guerra, em fevereiro de 1946, reabilitado e tratado como herói nacional pela resistência ao invasor japonês... Ele e os demais "deportados" que foram parar a Timor, também sem julgamento... O líder da "Legião Vermelha", de alcunha "Bela Kun", o Joaquim António Pereira, apontado como o autor do atentado ao chefe da polícia, e que vai morrer em 1932 em circunstâncias nunca esclarecidas...

https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2016/01/12/cronologia-provisoria-de-manuel-viegas-carrascalao-1901-1977/

Tabanca Grande disse...

Obrigado, Fausto, pelas datas que me enviou, do nascimento (1900) e morte (1981) do avô... Batem certo com as minhas contas anteriores...Sempre achei que o seu avô teria nascido no início do século XX... Era portanto 18 anos mais velho do que o Edmundo Pedro, filho do Gabriel Pedro... Vou ter que ler as memórias do Edmundo, são 3 volumes... Deve haver referências ao seu avô... Já agora diga-me onde é que ele nasceu e onde morreu... Em Palmela ?

Preciso de tempo para juntar as fotos de Bafatá, temos muitas no blogue... e com bastante detalhe... Farão, por certo, as delícias da sua mãe...

Já agora, sabe onde é que era a rua onde morava o avô e tinha o escritório e oficina de serração, em Bafatá ?

Temos 330 referências a Bafatá no nosso blogue... Através deste link apanha as mais recentes:

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/search/label/Bafat%C3%A1

Faça "copy and paste" deste link...


Pesquise também no Google, tem centenas de fotos de Bafatá, praticamente todas nossas, da malta do blogue que fez a guerra na Guiné e/ou que lá esteve depois da independência... (O meu filho, por exemplo, esteve lá em finais de 2009, e tem belíssimas fotos de Bafatá, já na decadência; eu voltei à Guiné em março de 2008 mas não fui a Bafatá).

E mostre essas fotos à sua mãe, que ela vai adorar...

Google > Imagens > Bafatá

A mãe vive fora de Portugal ?

Ainda não me respondeu se aceita o nosso convite para integrar o nosso blogue... Somos 746 membros registados... Só preciso de uma foto sua, atual, e se tiver alguma mais antiga, com o avô, melhor...

Desejo-lhe tudo de bom. Ab, Luis Graça