sábado, 24 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17507: Memória dos lugares (361): Mindelo em plena II Guerra Mundial, visto por Manuel Ferreira (1917-1992) (João Serra)


Manuel Ferreira (1917-1992), cap SGE reformado, escritor, professor universitário 
(Foto: cortesia de João  Serra / Página do Facebook Antifascistas da Resistência)


 


Capa da 1ª edição de Morabeza: contos de Cabo Verde, Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1958.





João Serra

1. M
ensagem de João Serra, com data de 20 do corrente:


Caro Luis Graça,


Preparei este texto sobre o Manuel Ferreira no Mindelo, em complemento da publicação e apelo que fizeste recentemente na tua Tabanca (termo aliás também referido pelo MF nesta selecção que te envio). (*)


Se achares que vale a pena publicá-lo, fica à tua disposição. (**)


Segue também duas fotos das capas de Morabeza.

Um forte abraço,
João Serra



2. Mindelo 1941-1946, visto por Manuel Ferreira

por João Serra



Capa da 2ª edição, refundada
e aumentada (Lisboa, Ulisseia, 1965)

Data de 1958, a 1ª edição de Morabeza, o livro de contos de Manuel Ferreira, escrito no ano anterior, nas Caldas da Rainha, onde chefiava a secretaria do Regimento de Infantaria 5.

A obra foi em 1957 distinguida com o prémio Fernão Mendes Pinto e editada pela Agência Geral do Ultramar. Uma segunda edição, “refundida e aumentada”, saiu em 1965, com prefácio de José Cardoso Pires. Desta edição não constam os textos iniciais da primeira, uma espécie de crónica da chegada e encontro do autor, furriel miliciano do exército expedicionário português, com São Vicente e o Mindelo. 

Recorde-se que Manuel Ferreira permaneceu em São Vicente entre 1941 e 1947, ali concluiu o antigo curso liceal (secção de letras), casou [,  com Orlanda Amarílis,] e teve o seu primeiro filho.

O texto que se segue é uma pequena antologia sobre a experiência cultural de Manuel Ferreira nesses longínquos anos 40 do século passado, organizada a partir dos textos da 1º edição de Morabeza (e que não constam da 2ª).


(i) A primeira impressão: 
terra de solidão


A primeira impressão que se colhe quando se fundeia no Porto Grande de São Vicente é a de estarmos diante de uma terra áspera, ardente, dominada pela solidão e pela tristeza, como se tivesse sido colocada em meio do oceano para penitência perpétua. [p. 11]

Por assim dizer, terra sem árvores, a ilha de São Vicente, por onde os cicerones de ocasião rebentam por todos os lados, na esperança de magras moedas, encaminhando, muitas vezes, o turista a locais de amor duvidoso - não possui nenhuma daquelas atracções que prendem logo de entrada o visitante. Há nela um ar tristonho, baço, em certos dias; carregado de luz crua, noutros. Pensões improvisadas, casas de café e chá sem espavento; desguarnecida de pontos tornados aprazíveis pela arborização cuidada ou jardinagem de esmero - forasteiro que a percorra mais do que uma escassa hora encontra-se saciado e convencido de que Mindelo está visto - e Cabo Verde é aquilo. Terra de calor. De montes secos e requeimados. Terra de solidão. [p. 13]


(ii) Impressão corrigida: 
amorabilidade


Não, poderei agora afirmar. Cabo Verde não era apenas a terra de solidão. A terra de calor. Terra de còladera e rochedos vulcânicos talhados a pique sobre o mar. Não, não era, amigos.

E além do que procurei dizer, dando uma tosca ideia de alguns aspectos e anotando, ao de leve, vários episódios, há ainda qualquer coisa mais que me escapa e não saberei definir, concretizar. [...].

Mas aquilo que assinalei a esse encanto indefinível e lírico que anda esparso, ao cair de certas tardes macias, ao pôr do Sol, mesmo ao rés do mar, e ainda a simplicidade das gentes, formarão, de algum modo, aquele conjunto de elementos que me levaram a admirar a também a amar, de maneira estranha, a terra mestiça plantada a meio do oceano Atlântico. [p. 37]

Por isso se precavenha o passageiro apressado, o turista à procura de exotismo. Cabo Verde não será apenas aquilo que os seus olhos observam quando o navio fundeia no Porto Grande de São Vicente. Nem tão-pouco a pobreza que depois se depara na cidade. Mesmo que vá a Santo Antão e oiça a toada plangente do trapiche e dê uma saltada ao interior de Santiago para se surpreender com o batuque ou a tabanca, corra à Brava a admirar as belas mulheres de tez clara - está longe de saber o que é a terra mestiça.

Cabo Verde tem de grande, e isso deve ser motivo de orgulho, uma afectividade que nos amarra e seduz. É a "morabeza", sentimento intrínseco do povo crioulo. Amorabilidade, característica da raça e se traduz nos seus modos ternos, na sua dedicação, na afabilidade da sua gente simples:


Gente do Mindelo
Nô abri nô braço
Nô pô coraçon na mão
Pá nô dâ um abraço

Abraço de morabeza
De nôs de São Vicente
...

Xavier Cruz, Morna [p. 39-40]




(iii) Encontro e descoberta: identificação 

com a gente das ilhas


Mas certa vez, na pensão nha Camila confraternizava um grupo de rapazes, moços do liceu, que se reencontravam em São Vicente, regressados de férias nesse dia. Brindes, abraços, canções. E, pressentindo-nos desembarcados de recente data, quiseram que se lhes juntássemos e bebêssemos em comum. Violas, cavaquinhos, e violinos deliciaram-nos com sambas e mornas. Retribuir-lhes com fados, como propuseram, não foi possível. Nem com uma simples canção popular - o mais apropriado ao ambiente. [p. 19]

Muitos de vocês, nos seus verdes dezassete anos, viviam um período de curiosidade e alguns mesmo de autêntica inquietação.

Eram poetas esses rapazes que eu fui encontrar. Novos, todos alunos do liceu, estudantes de sonho, queiriam descortinar e interpretar o mundo que os rodeava, nesse tempo ensanguentado pelas invasões nazis. [p. 20]

Nada conhecia de Cabo Verde, e nesse tempo, muito longe andava se pensar que ali começava a germinar uma literatura característica, mas de feição universalista. [p. 22]

E, um belo dia, apareceram com três números de Claridade. Revelação que me deu fundo contentamento por verificar fenómeno de inteligência e sensibilidade tão eloquentemente documentado naquelas terras distantes. Pouco depois lia Arquipélago e Ambiente, do Jorge Barbosa, nesse tempo "na ilha tão desolada rodeado pelo Mar" [Ilha do Sal] a ver passar os barcos, ficando

"... por instantes
construindo
fantasiando
cidades
terras distantes
..."


T
udo isto me dava uma sensação íntima, o gozo de imprevista descoberta! [p. 24]

Em resumo: um mundo novo nascia para mim, ali no meio do mar nas ilhas solitárias:
...

que não são
San Sebastian, Carlton ou Palm-Beach
Tantas
quantos
os dedos compridos da mão
...
Atentas vigias do mar

Nuno Miranda, nº 1 da Certeza, [p. 26]


E
ntretanto lia Chiquinho em folhas dactilografadas, o bom romance de Baltasar Lopes da Silva. [p. 26]

Ouvia de António Aurélio Gonçalves novelas de sua autoria e recebia dele os primeiros e grandes conselhos sobre o fenómeno da criação literária, técnica de romance, factura do conto - a propósito de capítulos e pequenas histórias que lhe levava a casa, trémulo e feliz, nas tardes serenas e pacatas do Mindelo... [p. 26]

... Mindelo, cidade sem imprensa, sem tertúlias, sem rádio durante o dia - e, de noite, só quando a central Bonnoci se dignava. [p. 26]

Eis como descobrira a grande, a bela face de Cabo Verde: a sua espiritualidade. A sua vida criadora, a sua integração no mundo do progresso das ideias, a sua participação no domínio da Cultura. [28]

Durante a última guerra, com a presença da tropa, o ritmo da vida do arquipélago, em muitos aspectos foi alterado, e daí terem surgido várias mornas alusivas a factos que mais chocaram a população, principalmente a de São Vicente [Bèlèza, pseudónimo de Xavier Cruz, compôs uma morna intitulada “punhal de vingança” onde refere que as moças agora só se encantam com “furrié”]. [p. 30]

E houve um momento em que comecei a sentir a morna na própria carne, comunicando-me emoção profunda, virgem. Ouvia um fado - e ele pouco me dizia à minha saudade de emigrante. Ouvia uma morna e sentia a força emocional a dominar-me, a percorrer-me de alto a baixo, como se este canto trouxesse o mistério da minha raça. E então chegava à conclusão de que se assim acontecia era porque eu estava identificado com a gente das ilhas. É porque lhes sentia o sofrimento, os anseios, comungava das suas dores, vivia o seu drama e a sua luta. [p. 31]

Evidentemente que para esta identificação com o povo cabo-verdiano muito contribuiu também a sua hospitalidade, o convívio. [p. 33]

O cabo-verdiano faz questão de receber a gente do Continente. Sem subserviências, sem mesuras. De coração nas mãos. Ama as reuniões íntimas, com chá, com música, com historietas e conversas alegres, limpas de linguagem. É um povo comunicativo e expansivo. [p. 33]


_________________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:

21 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17499: Agenda cultural (568): Exposição comemorativa do 1º centenário do nascimento de Manuel Ferreira (1917-1992), a ser inaugurada em 18 de julho próximo, no Museu José Malhoa, Caldas da Rainha, e que deverá seguir depois, em setembro, para a terra natal do escritor e oficial do exército, Leiria (João B. Serra)

5 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17434: Efemérides (255): centenário do nascimento do escritor, investigador e professor de literatura africana de expressão portuguesa, o leiriense Manuel Ferreira (1917-1992), capitão SGE reformado, ex-furriel miliciano, expedicionário em Cabo Verde, São Vicente, Mindelo, mobilizado em 1941 pelo RI 7 (Leiria)...Também fez comissões na Índia (1948-54) e em Angola (1965-67). "Creio que se pode perceber que estamos perante uma trajectória humana singular" (disse-nos o seu biógrafo, João B. Serra)

7 comentários:

Tabanca Grande disse...

"Eram poetas esses rapazes que eu fui encontrar. Novos, todos alunos do liceu, estudantes de sonho, queiram descortinar e interpretar o mundo que os rodeava, nesse tempo ensanguentado pelas invasões nazis. [p. 20]...

Entre esses finalista de liceu estava tanmbém Amílcar Cabral, sete anos mais novo do que Manuel Ferreira... Recorde-se que o futuro escritor e especialista em literatura africana de expressão portuguesa vai aproveitar a sua comissão de serviço militar no Mindelo para tirar o 7º ano do liceu, em 1944.

A sua futura mulher, e também, escritora, notável contista, Orlanda Amarílis (1924-2013), natural de Santiago, era da turma do Amílcar Cabral (1924-1973), natural da Guiné (Bafatá), mas filho de pais cabo-verdianos.

O único liceu que havia em Cabo Verde era no Mindelo, o Gil Eanes. Baltazar Lopes e Aurélio Gonçalves são dois dos professores que vão marcar Manuel Ferreira, em termos de formação cultural e literária.

Tabanca Grande disse...

Encontrei uma referência a essa morna, "Punhal de vingança", do B.Leza, aqui... (Será que algum dos nossos leitores conhece a letra ? ... Na Net, não a consegui descobrir...):



http://fonoteca.cm-lisboa.pt/cgi-bin/info3.pl?3372&BIB&0


Título:

Aspectos político-sociais na música de Cabo Verde do século XX

Autor:

Alveno Figueiredo e Silva

Outros Responsáveis:

José Bernardo Alfama; Eugénio Tavares; Kim de Santiago; José da Rocha Silva; Luis Rendall; Pedro Cardoso; B Léza; Ti Goy; Antône Tchitche; Adolfo Silva; Eddy Moreno; Rato de Almeida; Jorge Monteiro; Djô de Baluca; Djidjungo; J. Medina; Kaká Barbosa; Frank Cavaquim; Jorge Barbosa; Abílio Duarte; Fernando Quejas; Nhô Balta; Waldemar Lopes da Silva; Armando de Pina; Manuel Faustino; Renato Cardoso; Bulimundo; Norberto Tavares; Tonecas Marta; Manuel de Novas; Gau; Zéca di Nha Reinalda; Ramiro Mendes; Antero Simas; Rui Machado; Nando da Cruz; Francisco St. Aubyn Mascarenhas

Publicação:

Praia-Mindelo : Instituto Camões. Centro Cultural Português, 2003

Colecção: (História da música em Cabo Verde)
Aquisição: Oferta Centro Cultural Português. Polo do Mindelo
Descrição Física: 149 p. : il.; 18 cm
Notas: Contém partituras.
Disponível na Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro - Serviço de Fonoteca
Existências:
Notas Conteúdo:

1. Violeta. 2. Rabecada. 3. Serafim Jon. 4. Pobres crioulas. 5. Tambradinha. 6. Canção ao mar (mar eterno). 7. Despedida. 8. Ó nino. 9. Andorinhas de bolta. 10. Saudaçon nhô D. Luiz Felipe. 11. Kem ki bem, ki ta bai. 12. Qu'importan lá. 13. Para o céu. 14. Hora di bai (morna de despedida). 15. Vapor alemão. 16. As donairosas crioulas. 17. Morna de aguada. 18. Apolo. 19. Gripe. 20. Os altos feitos dos aliados. 21. Lumy. 22. Contam nha cretcheu. 23. Passarinha. 24. Doutor Regala. 25. Nha becintinha. 26. Nha silver Mariana. 27. Nho donote. 28. Miss floriana. 29. Mudjer bonita. 30. Dois aeronautas. 31. Maria barba. 32. Ê ca sissi. 33. Pumbinha esquiva. 34. Note di Mindelo. 35. Chinha Bonga. 36. Mã Bia matá bebé. 37. Traiçoêra di Dacar. 38. Abissínia. 39. Terra minha. 40. Hitler. 41. Punhal de vingança. 42. 27 de Setembro. 43. Boa vista, nha terra. 44. Valsa Matilde. 45. Fedagosa. 46. Sodade. 47. Tempe de guerra. 48. Vitória. 49. Puli rua. 50. Fidjo maguado. 51. Juvita de praça. 52. Brasil. 53. Nhô gobernador. 54. Saia travada. 55. Distino d'home. 56. Areia de Salamansa. 57. Mensagem crioula. 58. Black Daisy. 59. Nhô Galvon. 60. Nova aurora. 61. Seis one na Tarrafal. 62. Ess mundo. 63. Saikô daiô. 64. Frá brók. 65. Nova coladeira. 66. Firvura. 67. Mini-jupe. 68. Mar é morada di sodade. 69. Oh! África (adaptação de Malaica). 70. Nhô Keitône. 71. Alto cutelo. 72. Pitrol. 73. Karaté. 74. Toyota. 75. Blue Jean. 76. Tarrafal. 77. 5 de Julho. 78. Cusê qui nô tem ki fazê. 79. Democracia. 80. Kodjéta. 81. Mundo sta di boita. 82. Mocinhos. 83. Bote, broce e linha. 84. Coba craqui. 85. Mundo ca bu caba. 86. Hey morena. 87. Apocalipse. 88. Joana. 89. Democracia. 90. Si manera. 91. Compáde Ciznóne. 92. Angola na paz. 93. Mandela. 94. Saraui. 95. Perguntem a Xanana. 96. Petit pays. 97. Cá nô dexâ nôs morna morrê.
Cota: 805.019.SIL

Tabanca Grande disse...

(...) "Francisco Xavier da Cruz, mais conhecido por B.Léza, nasceu a 05/12/1905 na Ilha de São Vicente, Cabo Verde e faleceu a 14/06/1958 na sua terra natal. As suas mornas são experiências de reinvenção de coladeras, fados e tangos. As suas composições não eram alheias à realidade sua contemporânea, como seja a II Guerra Mundial ou o Colonialismo. É com B.Léza que a morna caboverdeana ganha o estilo cadenciado que conhecemos actualmente (é aí que surge a morna vicentina). Foi músico, compositor, intérprete, escritor, investigador, pedagogo e poeta." (...)

Fonte: Página de Humberto Ramos > Letras e cifras de Cabo Verde

http://www.humbertoramos.net/cifras/

Tabanca Grande disse...

Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa:

amorabilidade
a·mo·ra·bi·li·da·de
sf
Estado, condição ou qualidade do que é amorável.
ETIMOLOGIA
der de amorável+i+dade.

http://michaelis.uol.com.br/busca?id=vLBE

... noutros dicionários, como Prioberam, o vocábulo (ainda) não consta...

Anónimo disse...

João Serra
24 de junho de 2017 16h29


(...) Eram poetas esses rapazes que eu fui encontrar. Novos, todos alunos do liceu, estudantes de sonho, queriam descortinar e interpretar o mundo que os rodeava, nesse tempo ensanguentado pelas invasões nazis. [p. 20]

(...) Nada conhecia de Cabo Verde, e nesse tempo, muito longe andava se pensar que ali começava a germinar uma literatura característica, mas de feição universalista. [p. 22]


queriam em vez de queiram
universalista em vez de universaliza

Tabanca Grande disse...

João, OK. Está corrigido.

São uma praga estas gralhas. Cada vez temos menos tempo e vagar para tudo... Costuma-se dizer que quando tivermos tempo, estamos mortos... Quando tivermos todo o tempo do mundo...


Bom trabalho, bom domingo, dia do senhor... Sem ironia: sei que vais à Gândara dos Olivais, freguesia de Marrases, Leiria, explorando um contacto que te dei. DE facto, ainda há lá familiares, vizinhos e conhecidos que não só se lembram do Manuel Ferreira como o conhececeram e até privaram com ele...Pelo menos uma sobrinha que é médica...

Um alfabravo (à moda da tropa)... Luís

João B. Serra disse...

Assim fiz. Fui ontem a Gândara dos Olivais. Tive uma cicerone excelente, no trato e no conhecimento, a tua prima Glória Gordalina. O encontro e a conversa com a Dra. Piedade, sobrinha de Manuel Ferreira, foi muito proveitoso. Esclareci melhor ambientes, referências e circunstâncias familiares e fundamentei algumas pistas pelo que ouvi e pelos silêncios que também escutei. Obrigado, Luis.