domingo, 25 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17509: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (43): o coronel médico, meu bisavô, Francisco Augusto Regalla (Aveiro, 1871 - Mindelo, 1937): pedido de utilização de foto da fortaleza da Amura de cuja guarnição ele fez parte em 1915 (Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto, Cascais)


Capa do livro de Ricardo Regalla Dias-Pinto, em preparação. Cortesia do autor



1. Mensagem do nosso leitor Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto

Data: 17 de maio de 2017 às 22:37
Assunto: Fotografia

Exmo. Senhor
Prof. Luís Graça

Estou a escrever um livro sobre a minha família.

O meu bisavô Francisco Augusto Regalla, combateu em 1915 na Coluna de Operações em Bissau pelo que gostava muito de pedir autorização para colocar uma vossa fotografia, mais propriamente a nº 3 da Fortaleza de Amura de cuja guarnição o meu bisavô fez parte durante algum tempo.

Naturalmente que, caso autorizem, terei o maior prazer em nomear o vosso blogue nos agradecimentos do referido livro que terá o título:

Família Regalla: A Hora da Verdade!

Agradeço desde já o tempo por vós dispensado aguardando com confiança a breve resposta.


Melhores e mais respeitosos cumprimentos,

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto



 Guiné > Bissau >Fortaleza da Amura > Entrada do lado sul (frente ao porto e ao rio Geba).  Foto (º 3)  de Manuel Caldeira Coelho (ex-fur mil trms, CCAÇ 1589 / BCAÇ 1894, Nova Lamego e Madina do Boé, 1966/68)

Foto ( e legenda): © Manuel Coelho (2011). Todos os direitos reservados. (Edição:  Blogue Luís Graça &  Camaradas da Guiné)


2. Resposta do nosso editor, em 22 do corrente:

Ricardo:

Em primeiro lugar, obrigado pelo seu contacto.

Em segundo lugar, parabéns pelo seu projeto: todos temos o "dever de memória", e no seu caso acho lindo que esteja a escrever a história de vida do seu bisavô Francisco Augusto Regalla.

Será que é o coronel médico Francisco Augusto Regalla, nascido em 1871, em Aveiro, e falecido em 1937, no Mindelo ? Pai de Agnelo Augusto Regalla; Mário Augusto Monteiro Regalla; Armanda Monteiro Regalla; Crizanta Monteiro Regalla e Hélia Regalla ?

Alguns dos meus camaradas (e eu próprio) passaram por Galomaro, estiveram em Galomaro ou fizeram operações no regulado do Cossé. Boa parte dos meus soldados africanos (da CCAÇ 12) eram oriundos do Cossé (, outros de Badora).

Em 1969/71, esse seu bisavô já não era vivo. Em todo o caso, nessa altura, havia um comerciante, casado e com família, que dava pelo nome de Regala (ou Regalla)...Seria mais provavelmente seu avô ou um dos seus tios-avôs... Não me lembro do nome próprio, só do apelido de família. Tinha em Galomaro um café e restaurante muito frequentado pelo tropa portuguesa, e em geral com agrado...Naturalmente, não se livrava da suspeita de simpatia pelo PAIGC...

Vou pô-lo em contacto com alguns dos meus camaradas que conheceram pessoalmente esses seus parentes, o sr. Regala e a família de Galomaro...

Quanto ao pedido que me faz, não tenho qualquer objeção, pelo contrário, em satisfazê-lo. Pode usar a foto, com indicação da fonte (autor e blogue)... Mas tenho dúvidas quanto à foto em causa... Será esta a foto nº 3 (Fortaleza da Amura, Bissau, entrada do lado sul, frente ao porto e ao rio Geba) ?

Se sim, os créditos fotográficos são de Manuel Coelho, a quem vou dar conhecimento do seu pedido. Gostaria que ele também lhe desse o seu OK, como autor da foto.

Para já é tudo, embora eu gostasse de saber, muito sumariamente, a razão de ser do título do seu livro: "Família Regalla: A Hora da Verdade!"...E, se nos der autorização, gostaríamos de divulgar também, no nosso blogue, o seu pedido. Haverá com certeza mais camaradas nossos que conheceram o sr. Regala (ou Regalla) de Galomaro e que podem até ter fotos dele (ou com ele) que disponibilizem, digitalizadas, para o seu projeto.

Disponha sempre,

Boa saúde, bom trabalho. Luís Graça

3. Mensagem do Ricardo Regalla Pinto-Dias na sua página do Facebook, de 22/12/2016, sobre o livro que está a escrever com a história da família:

Este é já mais do que um desejo, é uma realidade que surgirá a público no ano de 2017.

Será o livro que contará a história da minha família e o seu contributo para a sociedade portuguesa desde o ano de 1670!

Família essencialmemte de médicos e militares mas também de alguns homens de direito que, por junto, maravcaram aqui e ali a vida de portuguieses e até mesmo de Portugal.

_____________

7 comentários:

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto disse...

Caros amigos,

Venho apenas agradecer a autorização dada para a utilização da fotografia pedida, bem como pela divulgação do livro que espero ter pronto para publicar até ao final do corrente ano de 2017.

Aproveito para comunicar a minha intenção de convidar o Luís Graça e todos os seus camaradas de armas para o lançamento do referido livro, pelo que o anunciarei a todos atempadamente.

Devo explicar que neste livro retrato a vida de cerca de 40 personagens da minha família e o seu percurso desde 1670 até aos nossos dias, cabendo alguma ênfase a 4 militares com reconhecidos méritos:

O meu bisavô Coronel Médico Francisco Augusto Regalla
O meu tio bisavô Major João Augusto Regalla
O meu tio bisavô Tenente Francisco de Rezende (morto em combate em Angola 25/09/1904
O meu tio bisavô Coronel José Celestino Regalla

Um reconhecido abraço a todos

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto

Tabanca Grande disse...

Meu caro Ricardo, obrigado desde já pelo seu generoso convite à nossa Tabanca Grande para o lançamento do seu livro, lá mais para o fim do ano... Vamos mantendo-nos em contacto.

Contudo, falar de 40 pessoas da família, desde 1670, é obra e ao mesmo tempo um privilégio. No que pudermos ajudar conte desde já connosco. Entretanto, sobre o seu bisavô encontrámos esta "entrada" que é, por certo parcial (, e já do seu conhecimento), ao restringir a história de vida do seu bisavô ao Mindelo.

A sua investigação, por certo, irá trazer novos elementos e abrir novas pistas. Boa saúde, bom trabalho. LG
______________________

Dr. Francisco Augusto Regalla

(i) Nasceu em 1871;
(ii) veio do Norte de Portugal (Aveiro) para Cabo Verde, por imposição de serviço,
(iii) passou a viver definitivamente nesta ilha de São Vicente, aqui constituindo família;
(iv) e aqui morrendo, em 1937, contando 66 anos.
Doutor Regalla, como era conhecido, tinha chegado, muito novo ainda, a Cabo Verde, no primeiro quartel deste século, para exercer funções de médico, graduado em oficial subalterno do Exército, como era uso e costume naqueles tempos.
O jovem tenente viria a atingir o alto posto de coronel, e nessa qualidade, como oficial de patente mais elevada, residente na cidade do Mindelo quando da revolução do "Capitão" Ambrósio, no mês de junho de 1934, desempenharia, junto do povo amotinado e das autoridades civis e militares locais, uma ação apaziguadora de ânimos, que evitou o agravamento da sublevação e, possivelmente, contribuiu para salvar vidas.
Como médico foi muito dedicado a população de S. Vicente, a peste bubônica que flagelou a ilha de São Vicente, logo no início da segunda década do século, entre 1920 a 1921. Esse surto epidêmico, de proporções graves, generalizou-se dentro de pouco tempo e ameaçou subverter a ilha numa onda de morte. Dr. Regalla fez mais do que humanamente seria de esperar: ministrava socorros aos atingidos, estava presente à cabeceira dos moribundos e procurava, ao mesmo tempo, neutralizar a marcha acelerada do flagelo. Com os fracos recursos médicos e medicamentosos existentes então, operou um verdadeiro milagre.
O seu funeral, foi uma grande manifestação de pesar. A juventude mindelense estava representada por delegações de alunos do Liceu, dos Falcões e dos Boy Scouts, as duas últimas sendo organizações cívicas de grande projeção. Abria o cortejo o pároco da freguesia, Rev. Artur Nunes, de cruz alçada.
A Câmara Municipal de São Vicente, de que o Doutor Regalla fora anteriormente presidente, fez depor sobre o seu ataúde coberto de flores uma coroa em cujas fitas estavam gravadas as seguintes palavras:
"AO BENEMÉRITO DOUTOR FRANCISCO AUGUSTO REGALLA, SAUDOSO PREITO DO MUNICÍPIO E DA CIDADE DO MINDELO".

Fonte:
Página do Facebook > who's who of cabo verde islands, nos terra, nos gente https://www.facebook.com/WhoswhoofCaboVerde1460/

Anónimo disse...

O capitão/major-médico Francisco Augusto Resgalla vem largamente referido no meu livro "A Presença Portuguesa na Guiné,História Política e Militar, 1897-1926" (Caminhos Romanos, 2016).

Armando Tavares da Silva

Patricio Ribeiro disse...

Meus amigos,
Na a família Regala é muito grande, desde; Golomaro, Cabedu,Cubumba e Bissau, com quem privo com frequência.
A são pessoas influentes e muito envolvidas com Guiné em diversos sectores,
e fazem o favor de serem meus amigos.

Desde o calor de Bissau,
O vosso amigo

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto disse...

Desde já e mais uma vez o meu agradecimento a todos.

Certamente o livro que estou prestes a publicar irá esclarecer muito mesmo sobre este personagem que é meu bisavô, pai da minha avó Idalina com quem tive a sorte de privar durante longos anos e marido de minha bisavó e sua mulher Palmira Alice Pinheiro Sanches Moreira Regalla (Corujeira) de Mira que infelizmente morreu muito cedo.

Muito gostaria de poder adquirir o livro publicado por Armando Tavares da Silva, "A Presença Portuguesa na Guiné, História Política e Militar, 1897 - 1926)pelo que peço que me digam onde o poderei comprar.

Cumprimentos e um caloroso abraço a todos,

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto

Anónimo disse...

O livro "A Presença Portuguesa na Guiné,..." pode sempre ser pedido ao editor (Porto, Caminhos Romanos), e encomendado em qualquer Bertrand ou Fnac que não o tenha. Adquiri-lo em Lisboa é talvez mais fácil, pois algumas livrarias ainda o devem ter à venda (Ferin, Leya no Rossio, e outras).

Armando Tavares da Silva

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto disse...

Assim o farei, muito obrigado

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto