quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Guiné 61/74 - P17945: Manuscrito(s) (Luís Graça) (128): O Dia de Fiéis Defuntos na Tabanca de Candoz: aqui a tradição ainda é o que era... Parte II - Fotos


Foto nº 1 > Cemitério de Paredes de Viadores, Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 >  Inscrição no belo portão, em ferro forjado > "1894"


Foto nº 2 > Cemitério de Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 > O mais sumptuoso jazigo, da família da "Casa da Igreja, em estilo revivalista, neogótico > Inscrição em latim:  "Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris" (Lembra-te, ó homem, que és pó e que em pó te hás-de tornar".... Até na morte os homens tentam reproduzir as desigualdades sociais que existiam em vida: esta capela, dos "fildalgos" da Casa da Igreja é a única que existe, para além da de outra família, neste pequeno cemitério rural... Logo nos finais do séc. XIX,  os ricos e poderosos procurara contornar a aplicação lei liberal do enterramentio público (que proibia o enterramento em espaço privado: palácios, conventos, igrejas, ermidas, capelas...) erigindo no espaço  do cemitério público uma "jazigo capela", uma  espécie de minicasa de Deus, reservada aos seus mortos queridos...

Há algo de patético neste encarniçamento em manter, na morte,  a segregação socioespacial que existia em vida... Como eu já aqui escrevi em tempos (, há 9 anos atrás),  os cemitérios públicos são (ou deviam ser) verdadeiros "campos da igualdade", já que "metaforicamente falando, a gadanha da morte ceifa tudo e todos, ceifa rente a vida, e não poupa tanto a espiga de trigo como a erva do campo, o rico e o pobre, o herói e o cobarde, o novo e o velho, o são e o doente, o herói e o cobarde, o amigo e o inimigo"...


Foto nº 3 > Recinto da capela de Nª Sra. do Socorro, Paredes de Viadores, Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 >   Duas velas, que acendi, na última fila no lado direito,  em homenagem aos nossos queridos mortos, incluindo os soldados desconhecidos de todas as guerras da nossa Pátria...


Foto nº 4 > Cemitério de Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 > Campa, em granito preto, da família Carneiro, e onde repousam os restos mortais dos pais da Maria Alice Ferreira Carneiro...


Foto nº 5 > Cemitério de Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 > A nossa amiga Alice Carneiro,  régula da Tabanca de Candoz, junto à campa onde respousam os restos mortais dos seus pais, José Carneiro (1911-1996) e Maria Ferreira (1912-1995).


Foto nº 6 > Capela de Nª. Sra. do Socorro, Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 > Aspeto (parcial) da assistência à missa (I)



Foto nº 7 > Capela de Nª. Sra. do Socorro, Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 > Aspeto (parcial) da assistência à missa (II)


Foto nº 8 > Cemitério de Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 > Aspeto parcial do cemitério. Ao fundo, do lado direito, a capela da família da Casa da Igreja.


Foto nº 9 > Parque da capela de Nª Sra. do Socorrro,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 >  As cores outonais


Foto nº 9 > Quinta de Candoz, Candoz,  Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 >  O nosso bosque... "mediterrânico"



Foto nº 10 > Quinta de Candoz, Candoz, Paredes de Viadores,  Marco de Canaveses > 1 de novembro de 2017 >  O famoso arroz de forno, especialidade gastronómica da casa...



Marco de Canaveses > União das Freguesias de Paredes de Viadores e Manhuncelos > Candoz > Quinta de Candoz  / Tabanca de Candoz > 1 de novembro de 2017 >  Dia de Finados > Quando a tradição ainda é o que era...  (*)


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2017). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

__________

Nota do editor:

Sem comentários: