segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Guiné 61/74 - P17967: Álbum fotográfico de Luís Mourato Oliveira, ex-alf mil, CCAÇ 4740 (Cufar, dez 72 / jul 73) e Pel Caç Nat 52 (Mato Cão e Missirá, jul 73 /ago 74) (22):A população de Cufar


Foto nº 1 > Casamento balanta: o fotógrafo à esquerda da noiva


Foto nº 2 >  Dia de festa na tabanca: vai um cigarrada para todos



Foto nº 3 > Debaixo do poilão


Foto nº 4 > Pesca (1)


Foto nº 5 > Pesca (2) [ou balanta a trabalhar na bolanha com o "kebindé"  ?]


Foto nº 6 > A lavadeira Sábado com o seu bebé


Guiné > Região de Tombali > Cufar > CCAÇ 4740 > 1973 > População de Cufar

Fotos (e legendas): © Luís Mourato Oliveira (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


1. Mais fotos do álbum do Luís Mourato Oliveira, nosso grã-tabanqueiro, que foi alf mil inf, de rendição individual, na açoriana CCAÇ 4740 (Cufar, 1.º semestre 1973) e, no resto da comissão, comandante do Pel Caç Nat 52 (Mato Cão e Missirá, 1973/74).

São fotos da população. O nosso camarada António Graça de Abreu, que lá esteve . de fins de junho de 1973 a princípios de abril de 1974, descreve Cufar nestes termos, no seu "Diário":


(...) " Cufar, 26 de Junho de 1973

Adapto-me, moldo-me a um novo quotidiano ingrato. Podia ser pior, pode sempre ser pior.

Estou no sul da Guiné em zona de muita guerra. Os guerrilheiros continuam a dispor de boas hipóteses para vir a Cufar chatear quem cá vive, de resto, eles também não moram longe. De momento creio que têm mais com que se preocupar mas qualquer dia voltam cá, de certeza.

Em Cufar não existe propriamente um quartel, as instalações militares são pouco mais do que uma dezena de pequenas casas separadas umas das outras, vivemos praticamente misturados com a população o que é uma vantagem em caso de flagelação. Os africanos, das etnias balanta, beafada, mandinga, fula coexistem com a tropa, nem muito, nem pouco amigos. São frequentes pequenos sarilhos entre as NT e as gentes da terra mas sem gravidade, cada um trata de si". (...) (**).

Não encontro no diário do António Graça de Abreu nenhum referência ao Luís Mourato Oliveira. mas um e outro chegaram a estar juntos em Cufar (em junho/julho de 1973), o Abreu a chegar (a 25 de junho) e o Oliveira a partir, umas semanas depois.

__________________


(**) Vd.  2 de fevereiro de  2012 > Guiné 63/74 - P9437: Excertos do Diário de António Graça de Abreu (CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74) (7): Andava-se de sintex, com motor de 50 cavalos, no Cumbijã, nas barbas do PAIGC... e fazia-se esqui aquático no Cacine...

2 comentários:

antonio graça de abreu disse...

É verdade, não falo no Oliveira,embora o cite sem o nomear, numa estrondosa palhaçada quando recebemos em Cufar, com praxe e circunstância, o pelotão de piras,o pelotão de canhão sem recuo, a 19 de Agosto de 1973.
É um texto divertido, no meio das desgraças da guerra. Aí vai, talvez o Luís Graça ache que a minha prosa terá direito a um post no blogue:

Cufar, 19 de Agosto de 1973

No meio dos infortúnios quotidianos, a guerra também pode ser divertida. Esta semana tivemos um dia de grande comédia, com uma espectacular encenação e actores de primeira.
Em Cufar existe um pelotão de canhão sem recuo comandado pelo alferes nascimento, de Alpiarça, do meu curso de Mafra, que reencontrei na Amadora e mais tarde em Bissau. São trinta homens que têm por missão defender o aquartelamento com a pequena artilharia de que dispomos. Acabaram agora a comissão e na LDG chegou o pelotão de “periquitos” que os vem substituir. Os alferes, furriéis e soldados da companhia de açoreanos, eu também, resolveram ir esperá-los ao porto grande do Cumbijã e encenar uma espectacular paródia de modo a que os “piras” ao chegar aqui se borrassem de medo.
Montámos segurança ao cais, brutalmente armados, o que nunca é necessário fazer porque no porto o IN não actua. Os “periquitos” desembarcaram sob um assustador aparato bélico e foram postos a caminhar em fila por um, de ambos os lados da estrada que conduz a Cufar, com as armas apontadas para a vegetação e as bolanhas. Conseguimos convencê-los de que o desembarque era perigosíssimo, costumava haver flagelações, já haviam morrido muitos homens naquele quilómetro de estrada o que, na realidade, é uma refinadíssima mentira. A recepção foi medonha, os “periquitos” estavam amedrontados e eu pensei se seria coisa acertada fazer os rapazes passar por tamanhos apertos.
Assumimos personagens que não são as nossas. Um alferes da companhia 4740,(alf. Mafra?) já com mais de trinta anos e uma razoável barriga metamorfoseou-se em major, comandante do CAOP 1 e de toda a zona sul da Guiné. O meu coronel, verdadeiro, estava em Bissau por isso foi mais fácil engendrar e montar a cena. Um outro alferes (Luís Mourato de Oliveira) assumiu-se como cabo especialista em minas anti-pessoal e anti-carro que deviam estar espalhadas na estrada porto-Cufar e era necessário desmontar, um soldado com imenso jeito para actor fez de alferes velhinho, comandante do pelotão a substituir, outro soldado interpretou o papel de alferes médico e, chegados a Cufar, deu consulta a uns tantos soldados “piras”, passou-lhes atestados e encheu-os de tintura de iodo e adesivos, o furriel enfermeiro fez de alferes capelão, figura religiosa que não temos cá. Já em Cufar, o alferes “periquito” pediu ao falso capelão que o confessasse. O meu papel neste filme que se prolongou por umas três horas foi o de cabo atirador guarda-costas e segurança pessoal do alferes acabado de chegar. Andei sempre ao lado dele, a minha G 3 pronta a disparar, uma faca de mato à cinta, às vezes virava a cara e encolhia o riso. Os “periquitos” chegaram a Cufar e foram para a sua caserna, uma tabanca a cair de podre onde colocámos quatro caixões.
Mas alguns dos “piras”começaram a desconfiar, qualquer coisa não batia certo. O alferes do novo pelotão acreditou em tudo até ao fim. Ao jantar, em sua honra e em honra dos seus homens, dissemos-lhe que havia rancho melhorado, arroz com quadrados de marmelada. Sentámo-nos à mesa, veio a comida, o homem engoliu aquilo e quase vomitou. Era altura de voltarmos a ser quem somos, apareceu o capitão da 4740 (João Dias da Silva, hoje advogado em Alcobaça), deu-lhe um abraço e disse-lhe que tudo não havia passado de uma grande brincadeira. Surpreso, o rapaz reagiu bem, riu, mudou por completo de semblante, parecia outro. E jantámos bifes com um ovo estrelado, batata frita e arroz. A sobremesa foi marmelada.

Tabanca Grande disse...

António: Já tinha sido publicado este trecho...a propósito de praxes.

Vd. aqui:

16 DE FEVEREIRO DE 2013
Guiné 63/74 - P11100: Sondagem: "As praxes aos piras, no meu tempo, só lhes fizeram bem"... (3): Também praxei "periquitos", em Cufar... (António Graça de Abreu)

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2017/11/guine-6174-p17967-album-fotografico-de.html

Mas vou voltar a publicar com as tuas notas entre parênteses... E afinal em agosto de 1973 o Luís Mourato Oliveira ainda estava em Cufar!... Tenho que esclarecer este ponto com ele...

Um abraço e obrigado por estares atento ao que se publica... Luís