sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Guiné 61/74 - P18257: Memória dos lugares (372): Cachil, na altura da extinção do aquartelamento, em 1 de julho de 1968 (Manuel Cibrão Guimarães, ex-fur mil, CCAÇ 1620, Bissau, Cameconde, Cacine, Sangonhá, Cacoca, Cachil e Bolama, 1966/68)


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 1: posto de vigia


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 1A: posto de vigia


 Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 1B: posto de vigia


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 2:  instalações


 Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 2A:  instalações


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 2B:  instalações... "grafitadas"...


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 3:  1 de julho, retração do aquartelamento


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 3A:  1 de julho, retração do aquartelamento. O fur mil Manuel Cibrão Guimarães à direita


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 3B:  1 de julho, retração do aquartelamento. O fur mil Manuel Cibrão Guimarães à direita


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 4:  1 de julho,  partida


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 4A:  1 de julho,  partida


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 4B:  1 de julho,  partida.


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 5:  1 de julho,  partida


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 5A:  1 de julho,  partida


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Foto nº 5B:  1 de julho,  partida


Guiné > Região de Tombali > Cachil > CCAÇ 1620 >  1968 > Em 20 de março de 1968, por troca com a CCAÇ 1621, assumiu a responsabilidade do subsector de Cachil, ficando então integrada no dispositivo e manobra do BART 1913, tendo entretanto, cedido um Grupo de Combate para reforço de forças daquele batalhão em operações, de 22 de março a 27 de abril de 1968.  Em 1 de julho de 1968, por retirada das forças aquarteladas em Cachil e consequente extinção do subsector, a CCAÇ 1620 recolheu a Bolama, onde permaneceu até ao embarque de regresso, no T/T Uíge. A ordem de retirada (e consequente destruição) do aquartelamento foi dada por Spínola, que esteve no local quinze dias antes. De há muito que o Cachil não oferecia condições para a permanências das NT: por exemplo, não havia água potável; o abastecimento era feito a partir de Catió, através de uma lancha, que vinha num dia, na maré-cheia, e só podia regressar no dia seguinte...


Fotos (e legendas): © Manuel Cibrão Guimarães (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem, de 22 do corrente, do novo membro da
Manuel Cibrão Guimarães:
 vive em Rio Tinto, Gondomar
Tabanca Grande, nº 766, Manuel Cibrão Guimarães, ex-fur mil, da CCAÇ 1620 (Bissau, Cameconde, Cacine, Sangonhá, Cacoca, Cachil e Bolama, 1966/68):

Caros colegas,
Espero que esteja tudo bem convosco.

Conforme vosso pedido, envio em anexo fotos com identificação dos locais [Sangonhá, Cacine e  Cachil] em que foram tiradas.

As fotos no Cachil são do momento da extinção do aquartelamento [, em 1 de julho de 1968, já no tempo de Spínola] (*).

Grato pela postagem de fotos no blog!

Um abraço,

Manuel Cibrão Guimarães

_________________

Notas do editor:

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Camarada Manuel:

As tuas fotos quase não precisavam de legenda... Mas ganham ainda mais dramatismo com a precisão do detalhe: tempo, espaço... E seria, de facto, uma pena não serem publicadas no nosso blogue... (que é a grande montra, o grande expositor, o grande mural onde nós, ex-combatentes, deixamos, para todos, as nossas memórias, seja em texto, seja em fotografia)...

O Spínola chegou a visitar-vos no Cachil antes de decidir a retração do "aquartelamento" (que devia ser, de facto, um dos piores buracos da Guiné, pelas fotos que já temos publicado, do Zé Colaço ao João sacôto)... Houve mais retiradas nesta época (2º semestre de 1968, da Ponta do Inglês a Beli)...

Manda mais fotos do teu álbum, sempre com boa resolução... Tive que ampliar as fotos... Como vês, são todas "editadas"... O ideal é 0,5 a 1 MG, sempre em formato jpg... Tens fotos de Cameconde e Cacoca ? As de Cacine e Sangonhá serão publicadas oportunamente... Faz os que os comentários que achares relevantes... Pode ser na caixa de comentários ou podes mandar por email...

Um alfbravo, Luís Graça

Valdemar Silva disse...

Mais um excelente lote de fotografias de Cachil.
De Cachil têm sido publicadas grandes fotos no nosso blog e realmente um aquartelamento naquelas condições não podia resistir.
Esta foto da sentinela vigia é muito boa, mas militarmente pouco recomendável.
Se a ideia era para vigiar/detetar o IN, também era um alvo muito fácil de ser atingido.
Um alvo fixo, mesmo a coberto de chapas, era facilmente atingido com um PRG7.

Valdemar Queiroz

Tabanca Grande disse...

Tínhamos pouca "tralha", pouca roupa, poucos objetos pessoais... E a "mobília de casa" era meia dúzia de tarecos... Mas quando vinha a ordem de "despejo" ou de "mudança", era preciso uma logística razoável: lanchas de desembarque, viaturas, etc. As fotos nºs 3, 4 e 5 dão uma ideia da ázafama daquele dia... Será que as "mudanças" foram feitas num só dia ? Presume-se que a rapaziada da CCAÇ 1620 ficou no "hotel" de Catió, á espera de transporte marítimo para Bolama...

E o que fizeram aos restos do "Bu...rako" ? Foi armadilhado, foi bombardeado ? Talvezo Manuel Cibrão Guimarães possa acrescentar algo mais...

José Botelho Colaço disse...

Parece que o Hunimogue não queria abandonar o Cachil? A legenda nas fotos até para quem fundou o "Far West" são elucidativas para ver a pouca evolução que houve com a excepção de algum cimento e de uma outra que não aparece aqui em pormenor a do caminho para o cais revestida a pranchas metálicas.
Um abraço.