quarta-feira, 23 de maio de 2018

Guiné 61/74 - P18669: Guiné 61/74 - P18626: Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capítulos 50 e 52: (i) tivemos o primerio ferido em combate, numa sexta-feira, 13 de abril de 1973, sendo evacuado por helicóptero; e (ii) o correio está a chegar atrasado depois de aparecerem os Strela...


Guiné > Região de Quínara > Fulacunda > 3ª CART / BART 6520/72 (1972/74) > 1973 > O José Claudino da Silva junto  a um bagabaga.

Foto: © José Claudino da Silva (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Continuação da pré-publicação do próximo livro (na versão manuscrita, "Em Nome da Pátria") do nosso camarada José Claudino Silva [foto atual à esquerda] (*) 

(i) nasceu em Penafiel, em 1950, "de pai incógnito" (como se dizia na época e infelizmente se continua a dizer, nos dias de hoje), tendo sido criado pela avó materna;

(ii) trabalhou e viveu em Amarante, residindo hoje na Lixa, Felgueiras, onde é vizinho do nosso grã-tabanqueiro, o padre Mário da Lixa, ex-capelão em Mansoa (1967/68), com quem, de resto, tem colaborado em iniciativas culturais, no Barracão da Cultura;

(iii) tem orgulho na sua profissão: bate-chapas, agora reformado; completou o 12.º ano de escolaridade; foi um "homem que se fez a si próprio", sendo já autor de dois livros, publicados (um de poesia e outro de ficção);

(iv) tem página no Facebook; é avô e está a animar o projeto "Bosque dos Avós", na Serra do Marão, em Amarante;

(ix) é membro n.º 756 da nossa Tabanca Grande.

2. Sinopse dos postes anteriores:

(i) foi à inspeção em 27 de junho de 1970, e começou a fazer a recruta, no dia 3 de janeiro de 1972, no CICA 1 [Centro de Instrução de Condutores Auto-rodas], no Porto, junto ao palácio de Cristal;

(ii) escreveu a sua primeira carta em 4 de janeiro de 1972, na recruta, no Porto; foi guia ocasional, para os camaradas que vinham de fora e queriam conhecer a cidade, da dos percursos de "turismo sexual"... da Via Norte à Rua Escura;

(iii) passou pelo Regimento de Cavalaria 6, depois da recruta; promovido a 1.º cabo condutor autorrodas, será colocado em Penafiel, e daqui é mobilizado para a Guiné, fazendo parte da 3.ª CART / BART 6250 (Fulacunda, 1972/74);

(iv) chegada à Bissalanca, em 26/6/1972, a bordo de um Boeing dos TAM - Transportes Aéreos Militares; faz a IAO no quartel do Cumeré;

(v) no dia 2 de julho de 1972, domingo, tem licença para ir visitar Bissau, e fica lá mais uns tempos para um tirar um curso de especialista em Berliet;

(vi) um mês depois, parte para Bolama onde se junta aos seus camaradas companhia; partida em duas LDM para Fulacunda; são "praxados" pelos 'velhinhos' (ou vê-cê-cês), os 'Capicuas", da CART 2772;

(vii) faz a primeira coluna auto até à foz do Rio Fulacunda, onde de 15 em 15 dias a companhia era abastecida por LDM ou LDP; escreve e lê as cartas e os aerogramas de muitos dos seus camaradas analfabetos;

(viii) é "promovido" pelo 1.º sargento a cabo dos reabastecimentos, o que lhe dá alguns pequenos privilégio como o de aprender a datilografar... e a "ter jipe";

(ix) a 'herança' dos 'velhinhos' da CART 2772, "Os Capicuas", que deixam Fulacunda; o Dino partilha um quarto de 3 x 2 m, com mais 3 camaradas, "Os Mórmones de Fulacunda";

(x) Dino, o "cabo de reabastecimentos", o "dono da loja", tem que aprender a lidar com as "diferenças de estatuto", resultantes da hierarquia militar: todos eram clientes da "loja", e todos eram iguais, mas uns mais iguais do que outros, por causa das "divisas"... e dos "galões"...

(xi) faz contas à vida e ao "patacão", de modo a poder casar-se logo que passe à peluda; e ao fim de três meses, está a escrever 30/40 cartas e aerogram as por mês; inicialmente eram 80/100; e descobre o sentido (e a importância) da camaradagem em tempo de guerra.

(xii) como "responsável" pelo reabastecimento não quer que falte a cerveja ao pessoal: em outubro de 1972, o consumo (quinzenal) era já de 6 mil garrafas; ouve dizer, pela primeira vez, na rádio clandestina, que éramos todos colonialistas e que o governo português era fascista; sente-se chocado;

(xiii) fica revoltado por o seu camarada responsável pela cantina, e como ele 1º cabo condutor auto, ter apanhado 10 dias de detenção por uma questão de "lana caprina": é o primeiro castigo no mato...; por outro lado, apanha o paludismo, perde 7 quilos, tem 41 graus de febre, conhece a solidariedade dos camaradas e está grato à competência e desvelo do pessoal de saúde da companhia.

(xiv) em 8/11/1972 festejava-se o Ramadão em Fulacunda e no resto do mundo muçulmano; entretanto, a companhia apanha a primeira arma ao IN, uma PPSH, a famosa "costureirinha" (, o seu matraquear fazia lembrar uma máquina de costura);

(xv) começa a colaborar no jornal da unidade (dirigido pelo alf mil Jorge Pinto, nosso grã-tabanqueiro), e é incentivado a prosseguir os seus estudos; surgem as primeiras dúvidas sobre o amor da sua Mely [Maria Amélia], com quem faz, no entanto, as pazes antes do Natal; confidencia-nos, através das cartas à Mely as pequenas besteiras que ele e os seus amigos (como o Zé Leal de Vila das Aves) vão fazendo;

(xvi) chega ao fim o ano de 1972; mas antes disso houve a festa do Natal (vd. capº 34º, já publicado noutro poste); como responsável pelos reabastecimentos, a sua preocupação é ter bebidas frescas, em quantidade, para a malta que regressa do mato, mas o "patacão", ontem como hoje, era sempre pouco;

(xvii) dá a notícia à namorada da morte de Amílcar Cabral (que foi em 20 de janeiro de 1973 na Guiné-Conacri e não no Senegal); passa a haver cinema em Fulacunda: manda uma encomenda postal de 6,5 kg à namorada;

(xviii) em 24 de fevereiro de 1973, dois dias antes do Festival da Canção da RTP, a companhia faz uma operação de 16 horas, capturando três homens e duas Kalashnikov, na tabanca de Farnan.

(xix) é-lhe diagnosticada uma úlcera no estômago que, só muito mais tarde, será devidamente tratada; e escreve sobre a população local, tendo dificuldade em distinguir os balantas dos biafadas;

(xx) em 20/3/1973, escreve à namorada sobre o Fanado feminino, mas mistura este ritual de passagem com a religião muçulmana, o que é incorreto; de resto, a festa do fanado era um mistério, para a grande maioria dos "tugas" e na época as autoridades portuguesas não se metiam neste domínio da esfera privada; só hoje a Mutilação Genital Feminina passou a a ser uma "prática cultural" criminalizada.

(xxi) depois das primeiras aeronaves abatidas pelos Strela, o autor começa a constatar que as avionetas com o correio começam a ser mais espaçadas;

(ssii) o primeiro ferido em combate, um furriel que levou um tiro nas costas, e que foi helievacuado, em 13 de abril de 1973, o que prova que a nossa aviação continuou a voar depois de 25 de março de 1973, em que foi abatido o primeiro Fiat G-91 por um Strela

3. Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capºs 50 e 52


[O autor faz questão de não corrigir os excertos que transcreve, das cartas e aerogramas que começou a escrever na tropa e depois no CTIG à sua futura esposa. E muito menos fazer autocensura 'a posterior', de acordo com o 'politicamente correto'... Esses excertos vêm a negrito. O livro, que tinha originalmente como título "Em Nome da Pátria", passa a chamar-se "Ai, Dino, o que te fizeram!", frase dita pela avó materna do autor, quando o viu fardado pela primeira vez. Foi ela, de resto, quem o criou. ]



50º Capítulo  > O PRIMEIRO FERIDO EM COMBATE

Escrever hoje as mesmas palavras que escrevi entre os 21 e 24 anos, num contexto completamente diferente, colide um pouco com a minha actual maneira de ser. Chamar ““turras”” aos guerrilheiros do PAIGC, fora do contexto em que o fiz na época,  faz-me sentir um pouco insensível e aproveito este momento para dizer que não me identifico, passados estes anos, com o que já escrevi e que,  devido ao modo como decidi desenvolver este livro, provavelmente vou continuar a escrever.

O dia 13 de Abril de 1973 foi a uma sexta-feira. Mesmo que não acreditem em superstições, deviam ler o relato que fiz. Eis o texto na íntegra:

Hoje tive a felicidade de receber uma foto tua, contudo meu bem não posso dizer que estou alegre, pois houve algo que ofuscou um pouco este dia que noutra altura seria maravilhoso. É que meu amor, os meus camaradas os meus camaradas saíram hoje às duas da manhã e caíram numa emboscada. 

"Um furriel levou um tiro nas costas tendo que ir um helicóptero busca-lo ao mato mas só depois de vários aviões terem largado bombas sobre os 'turras', pois os meus camaradas estavam completamente cercados e durante cerca de duas horas não se puderam mexer. Logo que os aviões entraram em acção então os meus colegas puderam abrir fogo em abundância e abrir um espaço onde o hélio aterrou para levar o ferido. 

"Nós éramos 80 e eles cerca de 160. Felizmente só houve um ferido que decerto se safará, nós pelo nosso lado. Aliás os meus camaradas pois como sabes não saio daqui, pois como ia dizendo a minha malta matou um e feriram alguns. Apanharam uma metralhadora e algumas granadas o que significa que aqui não lutamos em vão. É claro querida que estas coisas nos arrasam os nervos e é lógico que me sinta um pouco triste pois não é nada agradável saber que um de nós está ferido e que muitos outros poderiam ter perecido na luta”.
Enviei nesta carta uma foto de um Bagabaga (Ninho de formigas).

Disse que, no sábado seguinte, me iria embebedar com whisky, mas não o fiz. Ainda estava doente. No dia seguinte (Domingo de Ramos), tomei o meu primeiro comprimido para dormir.

“Se eu pudesse tomar uma droga que me fizesse esquecer o período que agora atravesso acredita que tomava, embora eu seja contra o uso da droga pois gosto de enfrentar as realidades e a droga torna a vida irreal”.

No dia 16 soube que o nosso furriel estava livre de perigo. Também recebemos as peças para reparar os geradores. Provavelmente, domingo de Páscoa  já teríamos luz eléctrica. [Vd. capº 50, já publicado no poste P18475 (**).


52º Capítulo > CARTA DE AMOR

Tal como era de prever, o correio começou a demorar mais tempo a chegar. Os pilotos civis estavam com receio de voar e nós estávamos a começar a ficar esquecidos neste recôndito lugar.

Já todos nós lemos que as cartas de amor são ridículas. Que dizer, então, das cartas que em média têm entre 500 a 600 palavras e que escrevi diariamente, como já o disse mais de uma vez? Fazendo um pequeno cálculo, em Maio de 1973, só para a minha namorada eu terei escrito cerca de 170.000. Eu próprio estou tremendamente admirado com o teor da maioria das missivas escritas. Devia amar muito esta mulher. Não se riam de mim.

“Toda a minha vida será dedicada a viver para a nossa felicidade e em todos os dias da vida sorriremos juntos para assim afastarmos os dissabores que nos surjam, poderás pensar que por vezes sou um existencialista e que só procuro complicar as coisas mas nota isto que a seguir te digo e vê se não será uma boa maneira de ajudar no futuro a nossa felicidade.

"Fazemos ambos uma lista imaginária dos erros que perdoamos um ao outro e quando algum de nós errar o outro vê se o erro está na lista dos que devem ser perdoados, ora como a lista é imaginária todos os erros estão lá e por isso sempre que um de nós cometa um erro, o outro perdoa-o, se fizermos isso assim, ou seja se perdoarmos sempre os erros que um ou outro tenha de certeza que só isso evitará muitos aborrecimentos na nossa vida conjugal e ajudará muito a sermos felizes. Saber perdoar não é difícil, mas é preciso saber-se perdoar sempre, o perdão ajuda a sentirmo-nos sempre cientes de que temos uma moral cheia de bondade e capaz de compreender os erros dos outros.

"Eu não pretendo com estas palavras ensinar-te; a minha intenção é para que saibas que tenho um coração capaz de amar até à loucura, capaz de odiar intensamente mas que também é capaz de perdoar e se a oportunidade surgir tu verás que saber perdoar ajuda muito a construir a felicidade.

"Antes de terminar por hoje desejo enviar-te muito amor através das palavras que escrevo e desejo sobretudo reconfirmar que cada vez me encontro mais contigo própria, ou seja que cada momento da minha vida tu estás mais dentro de mim e eu sinto-te como se fizesses parte do meu próprio corpo.

"Eu te amo com fervor.

"Envio-te um beijo cheio de ternura, sou teu eternamente Dino.


"Fulacunda 2/5/1973”.

Um dia, talvez a minha neta divulgue na totalidade tudo o que escrevi à avó dela ou pura e simplesmente alguém deite tudo numa empresa de reciclagem. Afinal, não passam de palavras escritas em folhas que estavam em branco e que eu paulatinamente fui preenchendo e o papel pode ser reutilizado.

_____________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 13 de maio de 2018 >  Guiné 61/74 - P18626: Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capítulos 47/48/49: "Quero dizer-te que só em quinze dias os turras derrubaram cinco aviões"

(**) Vd. poste de 1 de abril de 2018>  Guiné 61/74 - P18475: Efemérides (271): A minha Páscoa no mato, há 45 anos (José Claudino da Silva, ex-1º cabo cond auto, 3ª CART / BART 6520/72, Fulacunda, 1972/74)

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Dino, não há conflito(s) sem a "diabolização" do outro... Numa guerra, tens que alimentar o ódio e a negação do outro, transformado em teu "inimigo"... Que razões tenho eu para matar um balanta, que eu nunca vi na vida ?... "É turra", dizem-te, é "inimigo" da Pátria, está a soldo dos "inimigos" da Pátria... E ele,por sua vez, chama-te "tuga", "colonialista", "salazarista", "fascista" e outros palavrões que tu não entendes...

Dino, não há guerras sem "insultos"... Começamos por nos insultar uns aos outros e depois matamo-nos uns aos outros... "Turras" e "tugas", na Guiné; "rojos" e "blancos", na guerra civil espanhola; "malhados" ou "jacobinos e "miguelistas ou "absolutistas, nas lutas liberais de 1828-1834; "faschos" e "comunas", no verão quente de 1975 em Portugal... Na I Guerra Mundial, os franceses usavm o termo injurioso "boche" paar designar o alemão... É assim, em todo o lado, em todas as guerras, em todos os tempos... Se eu não aprender a odiar, não serei capaz de matar...

Tabanca Grande disse...

Álvaro Campos / Fernando Pessoa foi "definitivo"...

_____________________

Todas as Cartas de Amor são Ridículas
T
odas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

Álvaro de Campos, in "Poemas"
[Heterónimo de Fernando Pessoa }

Tabanca Grande disse...


Registe-se, da leitura dos excertos das cartas do Dino à sua namorada:

Em 13 de abril de 1973, apesar dos atrasos do correio, a FAP continuou a desempenhar as suas missões:

(i) apoiar as operações terrestres, com os T-6 e os Fiat F-91;

e (ii) proceder a evacuações de feridos, no mato, através do Heli Al III...

Tabanca Grande disse...

Dino, espero que a tua neta saiba merecer este legado, que são as tuas cartas da Guiné... Seria um crime lesa-património... que a tua correspondência, e nomeadamente as tuas cartas (e aerogramas), que chegaram a bom porto (e estão salvaguardadas, por enquanto), não sobrevivam à tua morte (física)...

Temos de arranjar maneira, institucional, de fazer chegar os documentos da nossa geração, que fez a guerra na Guiné, às gerações vindouras... LG