quinta-feira, 31 de março de 2011

Guiné 63/74 - P8021: Núcleo Museológico Memória de Guiledje (19): Quem ajuda a reconstruir a Casa do Comandante (Pepito)

Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Casa do Comandante

Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Casa do Comandante


1. Mensagem do nosso amigo Pepito, com data de 22 de Março de 2011:

Amigo Luís
Mais uma vez venho pedir ajuda ao pessoal de Guiledje.

Estamos na fase terminal das obras de reconstrução do antigo Posto de Comando (dentro de 3 meses).
Logo a seguir propomo-nos reconstruir aquilo que julgamos ser a casa do Comandante do quartel e que um dia foi do Capitão Neto.
Não sabemos como é que ela estava dividida internamente e quantas portas e janelas tinha.
Algum dos nossos amigos de Guiledje pode fazer o croquis?

Tencionamos fazer desta infraestrutura uma Casa de Ambiente e Cultura, onde se poderão encontrar peças de artesanato das etnias da zona, instrumentos de música tradicionais e também fotos e amostras de animais selvagens desta zona.

Penso que o Coronel Coutinho e Lima poderá dar-nos uma grande ajuda (eu perdi a morada de email dele).

abraços amigos
pepito
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 9 de Março de 2011 > Guiné 63/74 - P7914: Núcleo Museológico Memória de Guiledje (18): Mais achados 'arqueológicos' (Pepito)

2 comentários:

José Casimiro disse...

O TELEMOVEL DO CMDT DA CCAV 8350 CAP MIL QUELHAS QUINTAS É :
917582850

J CARVALHO
EX FUR MIL OP ESP

Manuel Reis disse...

Amigo Pepito:

Conforme te tinha prometido iria fazer diligências no sentido de localizares o quarto do Coutinho e Lima em Guileje. Só hoje consegui contactá-lo, mas com uma certa surpresa para mim, ele não se recorda. Apenas aí dormia e guardava os seus objectos pessoais. O posto de Comando do COP5 situava-se no mesmo local onde estava instalado o posto de Comando da Companhia.
Vou pesquisando. De certeza que há alguém na Companhia que conhece a sua localização. O maior problema é a tua urgência.
Logo que saiba algo mais envio-te um e-mail.
Um abraço.
Manuel Reis