quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Guiné 63/74 - P14976: Memória dos lugares (312): Recordo, entre outros, o rio Ungauriuol, afluente do rio Cumbijã, onde fui alvejado pelo IN com uma 22 milímetros, e onde o N/M Gouveia 16 sofreu uma tremenda flagelação (Rui Santos, ex-alf mil, 4.ª CCAÇ, Bedanda e Bolama, 1963/65)


1. Mensagem de Rui Santos [ex-alf mil, 4.ª CCAÇ, Bedanda e Bolama, 1963/65]


Data: 3 de julho de 2015 às 20:29

Assunto:  Sondagem sobre ss nossos rios da Guiné

 Amigo Luis:

Percorri diversos, atravessei diversos, rios principais, afluentes e ribeiras, ou braços de rio, começando pelo Geba, foi aí que apanhei a primeira desilusão, era um país esquecido, lá "para baixo", no Atlântico, onde já tinha passado em 1961,  rumo a Luanda como civil, do Geba apenas isso,  o meu contacto com a Guiné.

Enviado para o sudoeste (Bedanda),  tomei contacto com o afluente do Cumbijã,  o Ungauriuol (nossa fronteira com o IN),  subi o Cumbijã em operações de vigilância, e destruição de canoas, para dificultar a vida do IN.

Pelo Ungauriuol recebíamos os batelões com os mantimentos, passei de canoa pelo rio acima e alvejaram-me com uma 22, claro que estou aqui ... não me acertaram, por vezes também recebiamos os mantimentos no cais de Cobumba, era a sete quilómetros do aquartelamento.

Neste afluente do Cumbijã, o Gouveia 16 foi flagelado terrivelmente, morrendo o rádiotelegrafista e ficando pelo menos 20 feridos,  dos quais 4 eram militares que faziam protecção ao NM-G16.

Mais para leste, numa missão que me incumbiram,  levei o meu pelotão pelas bolanhas, tarrafes, ribeiros, numa dessas travessias tive que me atirar á água (castanho esverdeado a cinsentado opaco) para salvar vários militares de se afogarem, mergulhando para os ir buscar sem os ver... mas salvei-os graças a Deus, não me lembro do nome desse braço de rio ou mesmo ribeiro, pois a noite caiu e só queria tirar os meus soldados de uma possivel retaliação do IN.

Mais tarde já em Bolama,  o canal de Bolama, os rios e ribeiros dessa ilha e o canal que separa a Ilha das Cobras da Ilha de Bolama, que atravessava na vazante, antes de minha filha nascer, eu e minha mulher embarcámos em Bolama no Bor e fomos pelo canal de Bolama, os outros canais cujo nome não me recordo e entramos no Geba com uma noite de temporal que tive medo por minha mulher, pois íamos sentados em cima de cordas junto da amurada e a chuva caía se Deus a dava.

Por aqui me fico,

Abraço

Rui G dos Santos

___________________

Nota do editor:

Sem comentários: