quarta-feira, 18 de maio de 2016

Guiné 63/74 - P16105: Blogpoesia (448): Gadamael Porto, eu te amo, eu te odeio (Manuel Augusto Reis, ex-alf mil cav, CCAV 8350, Guileje,Gadamael, Cumeré, Quinhamel, Cumbijã e Colibuia, 1972/74)


Guiné > Região de Tombali > Guileje > Abril de 1973 > CCAV 8350 (1972/73), "Piratas de Guileje" > O Alf Mil Manuel Reis junto ao monumento erigido à memória do Alf Victor Lourenço, dos "Piratas de Guileje", morto em 5 de março de 1973, na explosão de uma armadilha.

Segundo nos conta o J. Casimiro Carvalho, "um dia, o alferes Lourenço, a manusear uma granada duma armadilha, e rodeado de militares - eu estava emboscado com o meu grupo -, a mesma explodiu-lhe na mão, tendo-o morto instantaneamente. Ficou sem meia cabeça e o abdómen aberto. Eu, já no quartel, ao ajudar a pegar no cadáver, este praticamente partiu-se em dois… Que dor!... Chorei como nunca, e isto foi o prenúncio do que nos esperava".

De seu nome completo Victor Paulo Vasconcelos Lourenço, era natural de Torre de Moncorvo, está sepultado na Caparica. Foi uma das 9 baixas mortais da companhia também conhecida por "Piratas de Guileje" e um dos 75 alferes que perdeu a vida no CTIG.

Foto: © Manuel Reis (2009). Todos os direitos reservados



1. Poema de Manuel Reis (ex-Alf Mil da CCAV 8350, (Guileje,Gadamael, Cumeré, Quinhamel, Cumbijã e Colibuia, 1972/74), escrito durante a batalha de Gadamael (maio / junho de 1973) (*)


GADAMAEL-PORTO,
EU TE AMO,
EU TE ODEIO



por Manuel Augusto Reis (**)



Na vala recordo os dias alegres da infância,
os tempos da boémia coimbrã, 

e a ti, Catarina.

Chove, troveja.
Não, não é um trovão, alerta o João.
Deito-me na vala, 
o mundo parece desabar.
Outra saída, outra e mais outra...
Ouço gemidos,
o João calara-se para sempre.

É manhã. 
Ai o café quente de Bissau!...
Os rebentamentos não param.
Abdulai, nosso guia de Guileje,
chora os nossos mortos com palavras sentidas e comoventes.

Na vala refilo,
protesto,
com palavras obscenas contra tudo e contra todos.
Abdulai, o nosso guia, o nosso amigo,
morreu.


Manuel Reis, Gadamael-Porto, junho de 1973


2. Comentário do editor L.G.:

Presto, comovido, a minha homenagem aos bravos de Guileje e de Gadamael. Leio, comovido, o surpreendente poema do Manuel Reis, escrito com sangue e raiva nas valas de Gadamael... O Manuel Reis é um dos nossos grã-tabanqueiros que pode pôr no seu currículo que desceu aos infernos e voltou à terra, à terra da alegria... Voltou, mas há memórias do inferno que não se apagam... O João, o Abdulai, o Lourenço, o Branco e tantos outros não regressaram... Às vezes carregamos esta culpa: porquê eles, porque não eu ?

Manuel, bom amigo e camarada: o blogue, se alguma importância tem, não é por ser uma "feira de vaidades", ou muito menos por publicar as narrativas épicas dos heróis... Não é o Olimpo, ou o caminho para o Olimpo. O blogue fala, em primeira mão, das nossas alegrias e tristezas, dos momentos bons e maus que nos calharam naquele tempo e naquele lugar... O blogue é seguramente importante porque procura dar voz e rosto àqueles que a terra já engoliu e comeu: o Lourenço, o Branco, o João, o Abdulai...

Obrigado, Manuel, pela teu poste e pelo teu poema... Terá lugar, por certo, na antologia poética da guerra colonial que um dia ainda haveremos de organizar, se Deus, Alá e os bons irãs nos deram vida e saúde...

PS -Um abraço para o professor Armando Gonçalves, de Torre de Moncorvo, que, ao organizar uma exposição sobre os mortos na guerra do ultramar / guerra colonial, naturais do seu concelho, como o Victor Paulo Vasconcelos Lourenço, está também a lutar contra a indiferença e o esquecimento que pesa sobre toda a nossa geração...


3. Outros comentários (*):

(i) C. Martins: A verdade dói. A verdade fere e mata consciências. Tenho a esperança que um dia ainda se vai saber a verdade..nua e crua. Um grande alfa bravo para ti, Manel Augusto.

(ii) Carvalho de Mampatá: É na verdade um poema escrito com sangue, num momento de desesperança e revolta. Está ali a demonstração da nossa impotência face à vontade do inimigo se ver livre de nós e a clara sensação de que éramos, cada vez mais, carne para canhão. Como te compreendo, Manuel Reis !
(iii) Vasco Pires (Brasil): Digo eu hoje : "...ainda bem,que não estamos em Gadamael...". Forte abraço.

(iv) Jorge Araújo:   No Expresso, a caminho de Portimão, acabo de ler esta narrativa do camarada Manuel Reis onde nos conta, em síntese, a sua experiência vivida no inferno de Gadamael, prestando, igualmente, homenagem aos que aí tombaram á sua volta. Porque fiquei comovido com o seu relato, ao qual adiciona referências ao meu amigo e companheiro das lides académicas e desportivas - Artur José de Sousa Branco (ver o meu poste 15904) - seria interessante colocar este novo texto na etiqueta com o seu nome. Obrigado pela atenção. Um abraço para todos vós.

(v) Belarmino Sardinha: A minha homenagem a todos quantos não deixam esquecer o que aconteceu e mais sentida ainda por todos que perderam a vida.  A forma de não os esquecermos é falarmos deles, lembrá-los. A quem não viveu esse tempo, mas procura hoje documentar-se, ajudar a lembrar o que se passou e levar até outros mais distraídos, o meu obrigado. Um abraço ao Manuel Reis.

(vi) Manuel Peredo (França):  Também vivi os acontecimentos de Gadamael como furriel paraquedista da CCP 122 / BCP 12. Quem deu ordens para que este pequeno grupo fosse patrulhar nas imediações do destacamento, deve sentir um grande peso na consciência. A emboscada deu-se a algumas centenas de metros do destacamento e não a cem metros,  como foi relatado no depoimento de Manuel Reis. Eu próprio carreguei os corpos para a Berliet,com a ajuda de outro furriel do meu pelotão e nesse momento houve um forte bombardeamento na zona do cais e com muita sorte não houve feridos.

(vii) Zé Teixeira: Manuel Reis,  tantos anos depois, as lágrimas, teimosamente, voltam...e eu já me tinha "safado"! Abraço!

4 comentários:

Vasco Pires disse...

Caro Manuel Augusto,
Cordiais saudações.
Mais de quarenta anos depois, é ainda com forte emoção que leio o teu poema.
Pasei a maior parte da minha comissão em Gadamael, posso avaliar o teu sentimento quando lembras as valas de lá, apesar de,por força da minha função, nunca ter tido oportunidade de entrar nelas.
Lembremos com respeito os nossos mortos e também os que voltaram estropiados (no corpo e na alma),mas demos graças que voltamos inteiros (mais ou menos,e "...ainda bem que não estamos em Gadamael... "
Forte abraço.
VP

JD disse...

Caro Manuel Reis,
A malta que andou por lá, que conviveu com tiros e rebentamentos, vai encontrar a rima mais adequada a cada um na leitura dos teus versos. São interpretações sem explicação, mas que mexem muito com as nossas sensibilidades. Lá longe, ausente, para a maioria estava a Pátria, porque a guerra para nós frequentemente parecia uma situação de absurdo. Era tão grande a distância entre um soldado de Guileje e os altos comandos militares e civis.
Um grande abraço
JD

Manuel Reis disse...


Caros amigos José Dinis e Vasco Pires,

Retribuo e agradeço esse grande abraço. De modo especial ao Vasco Pires, Bairradino de gema, a viver do outro lado do Atlântico, mas sempre ligado às origens.

Manuel Reis

Anónimo disse...

Caro Manuel Reis

Só quem sentiu "no pêlo" e passou por aquelas situações extremas, pode exprimir-se assim, nos momentos mais dolorosos da vida.

Grande abraço

JPicado