quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16436: (Ex)citações (316): Em Fá Mandinga e Missirá, costumava declamar, de Reinaldo Ferreira, o poema "Receita para fazer um herói" (Jorge Cabral, ex-alf mil art, Pel Caç Nat 63, 1969/71)


1. Na Guiné, costumava declamar, de Reinaldo Ferreira, o poema "Receita para fazer um herói" (*).

Abraço J.Cabral

Receita para fazer um herói


por Reinaldo Ferreira

Tome-se um homem,
Feito de nada, como nós, 
E em tamanho natural.
Embeba-se-lhe a carne,
Lentamente,
Duma certeza, aguda, irracional,
Intensa como o ódio ou como a fome,
Depois, perto do fim,
Agite-se um pendão
E toque-se um clarim.

Serve-se morto.

In; Reinaldo Ferreira [Barcelona, 1922 - Lourenço Marques, 1959] > Poemas > Livro I - Um voo cego a nada > 3) Epigramas (**)

_____________

Notas do editor:

(**) Ùltimo poste da série > 31 de julho de 2016 > Guiné 63/74 - P16349: (Ex)citações (315): A minha faca de mato... Esta não foi emprestada para a foto, fazia parte do meu equipamento e tive que a devolver no final da comissão... Foi disponibilizada a todo o pessoal da minha companhia (Souisa de Castro, ex-1º cabo cripto, Xime e Mansambo, 1972/74)

5 comentários:

José Botelho Colaço disse...

Não há adjectivos que não pequem por defeito para qualificar este poema mas direi apenas forte, real, verdadeiro e actual.
A música atenua...

Anónimo disse...

Jorge a brindar-nos com um dos melhores das nossas letras.
Digo um dos melhores porque não sei quem é e nunca serei capaz de dizer quem é o melhor.
Eu sei que não devia dizer nunca.
Mas digo.
Um abraço.
BS

Valdemar Silva disse...

Nós, todos os do nosso tempo e outros que nunca deveriam esquecer :

MENINA DOS OLHOS TRISTES,
O QUE TANTO A FAZ CHORAR?
- O SOLDADINHO NÃO VOLTA
DO OUTRO LADO DO MAR.
....................
....................
....................

(de Reinaldo Ferreira, O Poeta)

Valdemar Queiro

Tabanca Grande disse...

Há algo de premonitório neste poeta, que não chegou a "viver" a guerra colonial, não chegou a vivber duas décadas em Lourenço Marques onde morreu em 30 de junho de 1959... Nasceu em Barcelona, em 1922, tendo sido marcado pela guerra civil de Espanha (1936-1939)...

Aqui vai a letra completa da "Menina dos olhos tristes"


Menina dos olhos tristes,
O que tanto a faz chorar?
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Senhora de olhos cansados,
Porque a fatiga o tear?
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Vamos, senhor pensativo,
Olhe o cachimbo a apagar.
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Anda bem triste um amigo,
Uma carta o fez chorar.
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

A Lua, que é viajante,
É que nos pode informar
- O soldadinho já volta
Do outro lado do mar.

O soldadinho já volta,
Está quase mesmo a chegar.
Vem numa caixa de pinho.
Desta vez o soldadinho
Nunca mais se faz ao mar.

Nota: existe um versão musicada por Zeca Afonso e cantada por Adriano Correia de Oliveira e uma outra por Luís Cília


http://alfarrabio.di.uminho.pt/reinaldo/reinaldo2.html#47

Hélder Valério disse...

Olá "Alfero"

Se o costumavas fazer.... fazias (fizeste) muito bem!
Em toda e qualquer circunstância é sempre necessário fazer alguma coisa para contrariar a rotina e o 'cinzento' dos dias.
Hélder Sousa