terça-feira, 6 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16452: Tabanca Grande (493): Augusto Mota, grã-tabanqueiro nº 726... Especialista em material de segurança cripto (Quartel General, CTIG, Bissau, 1963/66), gerente comercial da Casa Campião em Bissau, agente do Totobola (SCML), agente e correspondente do "Expresso" e de outros jornais e revistas, livreiro, animador cultural, português da diáspora a viver no Brasil há mais de 40 anos...


Foto nº 1 > 

Emblema da CCAV 488, desenhado com "garrafas de cerveja" (?).. O Augusto Mota, pelas funções no QG, nunca saiu de Bissau... Tinha um amigo na CCAV 488 (Bissau e Jumbembem, 1963/65) a quem enviava jornais e revistas.


Foto nº 2: Equipa de futebol... O Augusto Mota, na primeira fila, é o quinto da esquerda para a direita.




Foto nº 2A  > Augusto Mota, assinalado a amarelo, integrando uma equipa de futebol (presume-se que seja de militares do QG).




Foto nº 3 > Uma brincadeira com as "marmitas",,,  O Augusto Mota é o segundo da direita para a esquerda, assinalado a amarelo.


Foto nº 4 > Trabalhos de construção ... Não sabemos onde...


Foto nº 5 > Cartune: "Na Guiné todos os bichos... picam!" ... Repare-se no quadro, na parede: "Sociedade  Protectora dos Maçaricos"... Nessa época, os novatos eram "maçaricos" (como em Angola), só mais tarde, provavelmente, é que se popularizou o vocábulo "periquito"... E nos aquartelamentos ainda não haveria geradores, por volta de 1963, a malta deitava-se à luz da vela... Era assim, camaradas veteranos ?

Fotos: © Augusto Mota  (2016). Todos os direitos reservados


1. Tudo começou com uma mensagem de Augusto Mota, enviando-nos uma cópia de uma "preciosidade", o programa das comemorações do 45º aniversário da UDIB, Bissau, em 28/6/1974. O endereço de email que usa é brasileiro:

Assunto: PROGRAMA UDIB 29.06.1974

Caríssimo Luís Graça,
Remexendo em coisas antigas, que em casa guardo ciosamente, encontrei o "PROGRAMA" em anexo que, no mínimo, é uma raridade. Como ignoro onde encontrar o Valdemar Rocha [, poeta do grupo do caderno de poesias "Poilão"] mas estou seguro de que gostará de receber, agradeço lhe remeta o referido documento.
Antecipadamente grato.

Atentamente,
Augusto Mota




2. Resposta do editor em 4 de agosto último:

Caríssimo Augusto: Vamos ver se o Valdemar Rocha ("Nobre Luso") te reconhece... bem como o resto da malta do "Poilão" (Albano Matos, Luís Jales de Oliveiora...) (*)... Vamos ficar em contacto, estou de férias, com menos disponibilidade para o blogue... Ab, Luís Graça


3. Novo mail do Augusto Mota, de 23 de agosto

Caríssimo Luís Graça:

Já vai sendo tempo de corresponder à sua curiosidade:

As minhas atividades na UDIB se resumiram ao sarau inerente aos JOGOS FLORAIS.

Na época era proprietário de uma livraria, representante da Santa Casa da Misericórdia (totobola), abastecia a província de jornais e revistas e era representante/correspondente do EXPRESSO, outros jornais e revistas.

Fui para a Guiné como militar, no período de 63/66, compondo o primeiro GRUPO DE MATERIAL E SEGURANÇA CRIPTO.

Regressei ao continente e voltei para a Guiné como gerente comercial (Casa Campião) [, fundada em Lisboa em 1840 por Pedro José Pereira Campião, sendo hoje a casa de lotarias mais antiga do mundo, como tal registada no Guiness Book of World Records.]

Presentemente encontro-me no Brasil (há mais de 40 anos), como funcionário público. Estou aposentado.

Tenho centenas de fotos e estou anexando algumas.

Aplausos para o blog. É bom para que a turma recorde os caminhos traçados... para mim não, que já não tenho memória.

Um abraço para todos vocês.
Augusto Mota

PS: Em "marmita" [. foto nº 3,] sou o segundo da direita para a esquerda; no futebol [, foto nº 2,] , estou na fila dos abaixados. Sou o quinto da esquerda para a direita.


4. Comentário do editor:

Augusto, temos poucos veteranos como tu, da época de 1963/65... Mas, pegando nas tuas palavras, mal de nós quando deixarmos de ter memória...

Pois muito bem, procurando interpretar a tua vontade, passas a honrar-nos com a tua presença na Tabanca Grande... Contigo passamos a ser 726 membros da Tabanca Grande, entre vivos e mortos. Somos uma espécie em vias de extinção. Espero que o Valdemar Rocha ("Nobre Luso") nos dê notícias em breve e aceite o nosso convite para se juntar a ti e a nós, neste espaço dos camaradas e amigos da Guiné,

Da CCAV 488, onde tinhas um amigo, fez parte o nosso camarada, grã-tabanqueiro, natural de Águeda,  Armor Pires Mota  [ex-alf mil  CCAV 488/BCAV 490, Bissau e Jumbembem, 1963/65; escritor, autor dos livros, entre outros, o "Tarrafo", 1965 (com edição facsimilada, com as anotações do "lápis azul" dos censores, em 2013); "Guiné, Sol e Sangue, 1968; "Cabo Donato, Pastor de Raparigas", 1991; "Estranha Noiva de Guerra", 1995: e a "Cubana que dançava flamenco", 2008].(**)

Lembras-te dele? E de mais camaradas?

Se puderes manda uma foto atual da tua pessoa. E, claro, manda as fotos que quiseres do teu tempo de militar e civil na Guiné... Com boa resolução (c. 400/600 DPI)... Muita saúde e longa vida. que os camaradas da Guiné merecem tudo!
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 4 de agosto 2016 > Guiné 63/74 - P16360: Memória dos lugares (341): UDIB, Bissau, II Jogos Florais, Programa, 28 de junho de 1974 (Augusto Mota)

(**) Sobre as CCVAV 488 (Bissau e Jumbembem, 1963/65), vd. os seguintes postes de Armor Pires Mota:

25 de novembro  2013 > Guiné 63/74 - P12341: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (1): Diário de bordo - A primeira grande desilusão

27 de Novembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12351: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (2): Diário de bordo - Ó mar salgado!

29 de Novembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12360: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (3): Diário de bordo - Manhã azul e Deus ao leme

2 de dezembro  de 2013 > Guiné 63/74 - P12378: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (4): Cinco dias no Niassa; A primeira grande experiência e Dois alferes de uma só vez

4 de dezembro de  2013 > Guiné 63/74 - P12386: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (5): Ilha do Como - Operação Tridente

6 de Dezembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12397: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (6): O casamento do Jaime e da Manuela, A macaca ciumenta e O dia de santo avião

9 de dezembro de  2013 > Guiné 63/74 - P12419: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (7): Os macacos vermelhos

11 de dezembro de  2013 > Guiné 63/74 - P12432: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (8): Aerogramas para a Lili (1)

13 de dezembro de  2013 > Guiné 63/74 - P12444: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (9): Aerogramas para a Lili (2)

16 de dezembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12458: Últimas Memórias da Guiné (Armor Pires Mota) (10): Crónicas (ausentes) de "Tarrafo" (1): Bandeira branca, O Vicente e Palhota sem luz

2 comentários:

José Botelho Colaço disse...

Felicitar o Augusto e dar os parabéns pela entrada de mais um elemento para a tertúlia, além disso um meu contemporâneo, ele em Caiar ou Cauan eu no Cachil mas tudo na Ilha do Como Operação Tridente. Tu de certeza pelo teu passado e especialidade de cripto poderás nos satisfazer muitas curiosidades daqueles dois meses passados na Ilha do Como. Um abraço, Colaço C. caç. 557.

Tabanca Grande disse...

Augusto, que sejas bem vindo à Tabanca Grande, o nosso repositório
comum de memórias dos anos 60/70 na Guiné...

Vê se os dados a teu respeito estão corretos... Falta uma foto tua, atual...

Temos diversos camaradas que vivem aí no Brasil, como é o caso do Vasco Pires, um
"periquito" a teu lado... E da tua companhia, a CCAV 488, temos por exemplo o Armor Pires Mota, hoje escritor (e um dos grandes escritores) da guerra colonial. Lembras-te dele ?...

Presumo que tu fosses 1º cabo cripto, correto ? Se sim, não alinhaste na Op Tridente, ou alinhaste ? Não era normal os criptos saírem para o mato..

Do mesmo batalhão mas da CCAV 489 é o nosso coeditor Virgínio Briote...

Enfim, tens que.nos dizer por onde andaste na Guiné entre 1963 e 1965...

E, já agora, como se chamava a livraria que tinhas em Bissau ?

Quando é que deixaste a Guiné-Bissau ? Lembras-te da malta dos cadernos de poesia "Poilão": além do Valdemar Rocha, o Albano Matos, o Luís Jales ?

Lê aqui a tua apresentação aos nossos camaradas da Tabanca Grande... E
não estranhes o tratamento por tu, que faz parte das nossas regras...

Um abraço fraterno. Luís Graça