quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16460: Os nossos passatempos de verão (12): "Amarante, princesa do Tâmega" - Parte II... Uma terra onde a natureza, a cultura, a história, a religiosidade e a gastronomia se continuam a casar com perfeição...


Foto nº 1 > Amarante >  > Cheia do Rio Tâmega de 1939 > A ponte de São Gonçalo, o rio Tâmego e a igreja e o convento de São Gonçalo, vistos da margem esquerda > Painel de azulejos, pintado à mão, assinado por A. Martinho [ou Moutinho?], 1939,  Fª [Fábrica de] Cª [Cerâmica] do Carvalhinho, Gaia. Localização., fontanário e miradouro da Rua Cândido dos Reis.



Foto nº 2 > Amarante >  Agosto de 2016 >  A igreja e o convento de São Gonçalo. do lado direito, e a a igreja de São Domingos (, hoje museu de arte sacra),  do lado esquerdo,


Foto n º 3 > Caminho de pedra que conduz à Igreja de São Domingos (Nosso Senhor dos Aflitos) e Museu de Arte Sacra. Construção barroca,  concluída em 1725, o edifício fica sobranceiro à igreja e convento do São Gonçalo,






Fotos nºs 4 e 5 > Imagem de São Gonçalo, o "casamenteiro das  velhas" (a par do Santo António de Lisboa, que é o "casamenteiro das novas")...  A velha e a nova religiosidade popular portuguesa também presente em manifestações e culturais, como a festa de São Gonçalo, a docaria local e a poesia brejeira, ioncluindo os famosos bolos fálicos, propiciatórios da fertilidade. As vendedoras locais, ambulantes, chamam-lhes pudicamente e à boa maneira nortenha,  "ferramenta do santo". São Gonçalo, português do séc. XIII, tinha fama de ser "home abonado"... Em matéria dos tais  bolinhos fálicos (e a exemplo da não menos famosa "louça das Caldas"), há-os para todos os tamanhos, gostos e feitos:  gonçalinhos, gonçalos e gonçalões...

7

Fotos nº 6 e 7 > Pintura mural numa das capelas laterais da igreja do convento de São Gonçalo. Legenda: "Esta capela é do doutor Gonçalo Borges Pinto, inquisidor e presidente da Mesa da Inquisição; e doutor Francisco  [,.,] Puha Pinto e Antas, corregedor que foi do *Porto, e suas irmãs... os quais deixarão so rendimenmtos de todo so seus bens repartidos em 3 opartes;, uma para +áfgrcia e pobres, outra para para casar orfãs e outra se distribuir em missas pelas almas deles, instituidores: 1713." 

Comentário:  a "caridade cristã", dos ricos e poderosos, no início do séc. XVIII, era para se praticar... e sobretudo ostentar. Sem ofensa para a fé dos cristãos de hoje, e procurando interpretar o sentido do provérbio popular segundo o qual "dar aos pobres é emprestar a Deus", poderia talvez concluir-se que no imaginário da época Deus poderia ser uma espécie de banqueiro celestial, pagando as "boas obras" com "juros e dividendos"... Leituras, cada um faz as suas...


Foto nº 8 > Amarante > Agosto e 20154 > Dois ícones: o rio Tâmega e a sua ponte,  vistos da margem direita.


Foto nº 9 > Amarante > Agosto de 2016 >  Uma cidade sempre fotogéncia, a quem  os amarantinos chamam a "princesa do Tãmega".

Amarante > Cidade > Agosto de 2016 >


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2016). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Camaradas e amigos/as: Nem só da guerra e da Guiné vive o nosso blogue... Por isso temos séries como "Os nossos seres, saberes e lazeres" ou esta,  "Os nossos passatempos de verão"... Acreditem, Amarante é uma terra que dá sorte.,.. Recordo-me de lá ter ido, antes de casar, no verão de 1975, quando este país estava à beira de uma guerra civil, previsivelmente medonha, como a de 1828-1834, que deixou marcas profundas no vale do Tâmega (a par do vale do Sousa, os dois vales que foram o berço de Portugal)... Em 1975, eu que não era crente, fui lá pagar uma promessa a São Gonçalo... Casei em Candoz, em 1976, sem água benta mas com a benção do santo ... e de outros bons portugueses da lei e da grei...

Enfim, Amarante continua a ser uma terra onde a natureza,  a cultura, a história, a  religiosidade e a gastronomia se casam  com perfeição... Ponham Amarante na vossa agenda,  para uma próxima "rapidinha".,. Portugal não é um país pequeno...  e fica muito mais perto de casa (e é muito mais barato) que esses "paraísos turísticos" que nos impingem por aí...

Imaginem que Amarante até tem "o melhor restaurante da Europa" em 2014 . (Passe a publicidade, e já que não é para o meu bolso nem para o  meu palato, trata-se do restaurante "Largo do Paço", do hotel de charme "Casa da Calçada", tudo muito estrelado como nas nossas noites da Guiné; antes de morrer - que fique exarado no meu testamento vital! - , quero lá ir passar a última noite, com todos os meus anjos, demónios e irãs)...(LG)

_____________


6 comentários:

Tabanca Grande disse...

A fama do São Gonçalo chegou aos Açores e, no meu tempo, à Guiné, onde j+a se cantarolavam os versos brejeiros do santo, ás tantas da noite, no bar de sargentos de Bambadinca, com muitos uísques no bucho... LG

____________________________

Com a devida vénia:

http://natura.di.uminho.pt/~jj/musica/html/popular-aoPassarARibeirinha.html




Ao passar a ribeirinha

Letra e música: popular: Açores


A D
Ao passar a ribeirinha
E A
Pus o pé, molhei a meia,
F(m Bm
Pus o pé, molhei a meia,
Pus o pé, molhei a meia!

Namorei na minha terra,
Fui casar/ em terra alheia,
Fui casar em terra alheia,
Porque não/ fiquei na minha!

Fui casar em terra alheia,
Minha mãe/ não me ralhou;
Minha mãe já não se lembra
Do tempo/ que já passou!

Do tempo que já passou,
Do tempo/ que já lá vai,
Minha mãe já não se lembra
Quando na/morou meu pai!

Minha mãe casai-me cedo,
Que me dói/ a passarinha!
Ó filha coç'à c'o dedo,
Que eu também/ cocei a minha!

O padre da minha aldeia,
No sermão/ do mês passado,
Jurou p'la saúde dos filhos
Que nunca/ tinha pecado!

São Gonçalo de Amarante,
Que estais vi/rado pr'á vila,
Virai-vos pró outro lado,
Que vos dá/ o sol na pila!

Fui um dia ao cemitério
E pisei/ as campas todas;
Levantou-se um morto e disse
«Talvez um/ dia tu morras!»

Santo António de Lisboa,
Que pr'a mim/ foste um cabrão,
Das três pernas que me deste
Só duas/ chegam ao chão!

O cão da minha vizinha
Pôs-se na/ minha cadela;
Vou fazer o mesmo à dona,
Pr'a ficar/ ela por ela...

Santo Cristo dos Milagres
Casai-me/ que bem podeis!
Que eu já tenh' as unhas gastas
De coçar/ onde sabeis!

Já tenho teias de aranha
no sítio/ que bem sabeis

Fernando Faria

Tabanca Grande disse...

Outra sugestão de leitura:

Poste de 6 de janeiro de 2013 > S. Gonçalo de Amarante.
Blogue "Penafiel, Terra Nossa", de Fernando Oliveira


http://penafielterranossa.blogspot.pt/2013/01/s-goncalo-de-amarante.html

(...)


S. Gonçalo de Amarante
Brincalhão e galhofeiro,
Vós sempre fostes das velhas
Devoto casamenteiro.

São Gonçalo de Amarante
Santo bem casamenteiro
Antes de casar as outras
A mim casai-me primeiro

S. Gonçalo de Amarante,
Casamenteiro das velhas,
Porque não casas as novas?
Que mal te fizeram elas?


Se fordes ao S. Gonçalo
Trazei-me um S. Gonçalinho.
Se não puderdes co'ele grande,
Trazei-me um pequenininho!

São Gonçalo de Amarante
Casai-me que bem podeis,
Já tenho teias de aranha,
Naquilo que vós sabeis.

São Gonçalo de Amarante
Feito de pau azevinho
Dai-me força no vergalho;
Como porco no focinho

São Gonçalo de Amarante
Que estás virado prá vila
Virai-vos pró outro lado
Que vos dá o sol na pila

S. Gonçalo já é velho,
É velho, é maganão,
Quando passa pelas moças,
Arrefia, aperta a mão!

Róla, róla, Sam Gonçalo
Por esse mundo abaixo
Que eu perdi meu amor,
Eu vou-me a ver se o acho!

As freiras de S. Gonçalo
Tocam e bailam no coro,
A culpa é da abadessa
Que não lhes faz ter miolo! (...)

Continua

Tabanca Grande disse...

Quadras alusivas ao São Gonçalo de Amarante, recolhidas por Fernando Oliveira


Poste de 6 de janeiro de 2013 > S. Gonçalo de Amarante.
Blogue "Penafiel, Terra Nossa", de Fernando Oliveira


http://penafielterranossa.blogspot.pt/2013/01/s-goncalo-de-amarante.html

(Continuação)

São Gonçalo não quer missa
São Gonçalo não quer esmola
São Gonçalo quer uma festa
De rebeca e de viola

Oh! Meu senhor São Gonçalo
Feito do pau da Cajá
Sapiranga dentro dos olhos
De quem veio pra namorar

Oh! Meu senhor São Gonçalo
Aqui tens duas donzelas
Uma já não é bem moça
E a outra já falam dela

Alcidio Marinho disse...

A legenda da foto nº 2 está errada a Igreja à direita é a Igreja de S.Domingos, que pertencia ao antigo Convento dos Dominicanos. Nesta Igreja tive aulas de catequese.
Abraços
Alcidio Marinho
C.Caç 412

Alcidio Marinho disse...

rectifico a Igreja do lado esquerdo da foto
Alcidio Marinho

Tabanca Grande disse...

Obrigado, Alcídio, por estares atento. É de facto a igreja de São Domingos (séc. XVIII), também visitei a de S. Pedro, mais à frente, que foi recentemente restaurada... Vejo que Amarante foi a tua segunda terra, ou se calhar a primeira, porque que é dela que tens as mais fortes memórias da tua infância, adolescência e juventude, antes da tropa.... Ab. grande. Luis