quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16458: Patronos e Padroeiros (José Martins) (36): Forças Armadas e Segurança - Nossa Senhora da Encarnação, Padroeira do Batalhão de Infantaria n.º 7 (1917/1918)

1. Em mensagem do dia 4 de Setembro de 2016, dia do seu aniversário, o nosso camarada José Marcelino Martins (ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5, Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70), dá-nos a conhecer mais um Patrono das nossas Forças Armadas, Nossa Senhora da Encarnação.

Boa tarde e continuação de bom Domingo.
Não podia deixar terminar o 69.º ano de vida sem enviar uma colaboração: mais um Patrono ou Padroeiro das nossas FFAA.
Desta feita, reporta-se ao ano de 1917/1918 e a Padroeira do Batalhão do Regimento de Infantaria n.º 7, de Leiria, que fez parte do Corpo Expedicionário Português, até 6 de Abril de 1918, data em que foi dissolvido, por insubordinação.
Trata-se de Nossa Senhora da Encarnação, que é Padroeira da cidade, cuja festa é celebrada a 15 de Agosto. É de realçar a colaboração do meu sobrinho João Paulo, que foi o autor das fotos, a pedido expresso meu.

Abraço
José Martins


Patronos e Padroeiros XXXVI

Forças Armadas e Segurança

Nossa Senhora da Encarnação

Nossa Senhora da Encarnação, no exterior da Capela
© Foto: João Paulo Martins – Leiria - 2016


Padroeira do Batalhão de
Infantaria n.º 7 (1917/1918)

Nossa Senhora da Encarnação é uma das muitas invocações de Nossa Senhora. Neste caso, refere-se à Encarnação do seu Filho, que veio ao mundo feito Homem, como lhe anunciou o Anjo Gabriel.

No local onde se situa a Capela ou Santuário de Nossa Senhora da Encarnação, em Leiria, num dos montes que circunda a cidade, existia uma ermida em honra de São Gabriel, desconhecendo-se quem a construiu e quem lá colocou uma imagem da Santa. Foi D. Braz de Barros, primeiro Bispo da Diocese de Leiria que, a custas suas, mandou levantar outra, que ficou concluída em 1554.
Na Ermida se rezavam, manhã muito cedo, missas nos nove dias que antecediam a data da Festividade da Anunciação, correspondendo cada dia a cada mês que Nossa Senhora transportou Jesus no seu ventre. Porém, no dia 11 de Julho de 1588, levaram para assistir à missa que era rezada no altar de Nossa Senhora da Encarnação, Susana Dias, uma mulher que habitava na localidade das Cortes, e se encontrava aleijada das pernas havia 28 anos, e que, por milagre da Santa, se levantou e começou a andar. Na Ermida estava, além de muito povo que ali acorria às missas no altar de Nossa Senhora, a esposa do Marquês de Vila Real, Dona Filipa.

O milagre foi logo reconhecido, o Cabido da Catedral foi em procissão até à Ermida, dar graças, tendo a presença de muita gente, os milagres continuaram, afirmando-se que, numa tarde véspera de festa e na noite seguinte, foram vinte e oito.
Começaram a ser recolhidos donativos para ali, na Ermida de invocação a S. Gabriel, se levantar a Ermida de Nossa Senhora da Encarnação, cuja primeira pedra foi colocada no local, com toda a solenidade, com missa cantada e bênção, foi colocada da parte do evangelho, junto da porta principal, sendo D. Pedro Castilho Bispo, o quarto desta diocese.

Ermida de Nossa Senhora da Encarnação, parte sul da Capela
© Foto: João Paulo Martins – Leiria - 2016

O quartel de Infantaria n.º 7 dispôs até 20 de Abril de 1911, data em que foi publicado o decreto que ficou conhecido como Lei de Separação da Igreja do Estado, de Capela Regimental, que era a actual Igreja de Santo Agostinho. É provável que os soldados passassem a frequentar a Ermida de Nossa Senhora da Encarnação.
Talvez por essa razão, ou outra, ao embarcarem para França, integrados no Corpo Expedicionário Português, os militares do Batalhão, levaram consigo uma imagem da Santa, que os acompanhava sempre que iam para a frente, onde tinha o seu nicho e era procurada pelos seus devotos.
Este facto foi noticiado no semanário católico “O Mensageiro”, de Leiria, no ano de 1917, pela pena do seu director, Padre José Ferreira Lacerda, Alferes Capelão do RI7/CEP que, de França, ia enviando crónicas e noticias para o seu jornal.

A Nossa Senhora da Encarnação é a padroeira da cidade de Leiria, pelo que no dia 15 de Agosto é realizada a festa em sua honra, organizando-se, durante as mesmas, uma procissão que, saindo da Igreja de Santo Agostinho vai até à Ermida.

Odivelas, 4 de Setembro de 2016
José Marcelino Martins
____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10173: Patronos e Padroeiros (José Martins) (35): São Lourenço de Brindisi, Frade, combatente e Santo

2 comentários:

Tabanca Grande disse...

Bom, Zé, obrigado, a tua Leiria é também terra de amigos meus, costumo por lá passar... Já foi mais devota. diga-se de passagem ... Os tempos mudam, e com eles as gentes. Que o diga o Eça de Queirós que ali passou, como administrador do concelho, no início dos anos de 1870, e a aí se inspirou e escreveu a primeira obra-prima do realismo português, "O Crime do Padre Amaro" (1875).

Mas o RI 7, tanto quanto sei, já não existe...

José Marcelino Martins disse...

Quanto a Infantaria 7:
Tem origem no Terço de Setúbal, em 1660, passando a usar o nome de Regimento de Infantaria nº 7, em 1806, até à sua TOTAL extinção.
Em 1806, quando houve reorganização do Exército, surge o Batalhão de Caçadores do Porto, que anos mais tarde se vai ver ligado ao RI7.
Aqui surge um caso curioso e, quanto ao meu conhecimento, único.
Em 1899 é dissolvido, em Lisboa, o Regimento de Infantaria nº 7, que se encontrava aquartelado na Cova da Moura.
Os militares "desse" regimento, dois batalhões, ficam em Lisboa, integrados nos Regimentos de Caçadores aquartelados em "Vale Pereiro" e no "Castelo S. Jorge", enquanto o nome é "enviado para Leiria" substituindo o Regimento de Caçadores nº 6.
Resumindo: o Regimento que esteve em Leiria de 1899 a 1975, herdou as tradições do Regimento de Infantaria nº 7, pelo nome, e as tradições de Caçadores nº 6, pelos homens que passaram a constituir a sua guarnição.
Em 16 de Março de 1974, foi mandado "reprimir" o RI 5, e foi "tido como inimigo" no 25ABR74.
Deixou de existir em 1 de Maio de 1975, mas só foi extinto no ano de 1977, por Decreto-Lei.
A sua história, sob o título de "O Regimento de Aljubarrota" é provável que esteja, brevemente, disponível num "blogue perto de si".