quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Guiné 61/74 - P18905: Historiografia da presença portuguesa em África (126): Exposição Colonial do Porto, 1934: imagens inéditas para o nosso blogue (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 23 de Fevereiro de 2018:

Queridos amigos,
A comitiva guineense impressionará as populações nortenhas, outras comitivas se seguirão, sempre abrilhantadas, com régulos, moranças, reprodução de ambientes, assim será no Parque Eduardo VII, na Exposição Industrial de 1937, na Exposição do Mundo Português, passarão a ser uma atração permanente, darão também brado na efeméride do VIII Centenário da Tomada de Lisboa, em 1947. Há, felizmente, um excelente repertório destas participações, impunha-se no nosso blogue este material esteja convenientemente inventariado. Aqui fica mais uma peça para o inventário.

Um abraço do
Mário


Exposição Colonial do Porto, 1934: imagens inéditas para o nosso blogue

Beja Santos

Publicação encontrada na Biblioteca do Arquivo Histórico do BNU, o guia da mais importante exposição colonial que precede a Exposição do Mundo Português. Realizou-se no Porto, em 1934, o seu coordenador foi Henrique Galvão, contou com uma plêiade de colaboradores de primeira água, logo o fotógrafo Domingos Alvão, de que podemos ver abaixo algumas imagens.

Para Francisco Vieira Machado, Subsecretário de Estado das Colónias, era uma manifestação inequívoca da vitalidade do Terceiro Império, tratava-se do chamamento africano, ia a par da regeneração nacional que se dotara de uma missão civilizadora sem precedentes, transportar os ideais pátrios, a Cruz de Cristo e os valores culturais para abraçar os indígenas com os padrões das quinas, a mítica miscigenação que será tão propalada pelo luso-tropicalismo, sem qualquer ressonância, aliás, em território guineense, a presença branca era bem minguada.

O que para o caso interessa é que a Guiné deu brado, e no blogue já juntámos algumas peças elucidativas. O Augusto irá aparecer em publicidade ao tabaco; a Rosinha foi a beleza eleita, as meninas Bijagós, de peito ao léu e a bambolear-se nas suas saias de ráfia, causaram uma onda de protestos das senhoras que percorriam todo aquele certame e se sentiram vexadas com o público atentado ao decoro e bons costumes. Ainda não tínhamos publicado esta fotografia do régulo Mamadu Sissé, Tenente de 2.ª linha e companheiro de jornada do Capitão Teixeira Pinto que no livro aparece como régulo de Susana, coisa estranha de um Mandinga de quatro costados aparecer implantado em chão Felupe, vemos igualmente a imagem da frontaria da exposição, bem bonita por sinal e arrojada para aqueles anos 1930 em que a Arte-Déco não era vista com bons olhos pelos adeptos da casa portuguesa, com beirais imaginados por Raul Lino.

O BNU fora oportunamente interpelado para enviar elementos sobre as indústrias, a agricultura e os serviços, de Bolama e de Bissau informaram o governo em Lisboa de que havia pouca coisa capaz de ser prantada no certame, fizeram-se uns gráficos e mandaram-se imagens do que havia de melhorzinho, como sinais de progresso.

Foi, indiscutivelmente, uma mostra singularíssima, junto do Palácio de Cristal acorreu muita gente, era hora de ver o que se fazia no tal Império Português, lá tão longínquo, prestaram-se informações sobre negócios, era uma comunicação não só destinada às empresas como procurava seduzir gente disposta a partir para África. A apresentação artística da exposição foi muito cuidada, já aqui falámos do trabalho de Eduardo Malta e de outros na decoração dos diferentes pavilhões[1].
Sem dúvida alguma, foi um grande ensaio para a exposição de 1940.







____________

Notas do editor:

[1] - Vid postes: P8253; P13511 e P17775

1 de agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18887: Historiografia da presença portuguesa em África (125): 1917: O BNU na Guiné e as convulsões republicanas (2) (Mário Beja Santos)

1 comentário:

Fernando de Sousa Ribeiro disse...

Posso estar muito enganado, mas em 1934 a "casa portuguesa" de Raul Lino, com os seus telhados e telhadinhos e beirais e beiraizinhos, ainda não tinha sido imposta como padrão oficial do regime do Estado Novo, ao país e às suas colónias. Em 1934, era mesmo o estilo "art déco", nas suas versões modernista e fascista, que dominava a arte e a arquitetura oficiais em Portugal. António Ferro não era nenhum boçal, nem pouco mais ou menos.

De resto, vale sempre a pena recordar aquele tempo, em que o regime ainda não tinha vergonha de chamar colónias às colónias e império ao império. As "províncias ultramarinas" ainda não tinham sido inventadas e os seus habitantes eram considerados "indígenas", que o regime exibia com total falta de pudor em "aldeias" de faz-de-conta, que mais não eram do que um vergonhoso zoo humano.

Vale a pena visitar a seguinte página sobre a Exposição Colonial do Porto. Está lá quase tudo.

https://doportoenaoso.blogspot.com/2014/02/o-porto-dos-anos-30a-exposicao-colonial.html.