segunda-feira, 26 de julho de 2021

Guiné 61/74 - P22407: CCAÇ 1439 (Xime, Bambadinca, Enxalé, Porto Gole e Missirá, 1965/67): A “história” como eu a lembro e vivi (João Crisóstomo, ex-alf mil, Nova Iorque) - Parte XI: A partir de junho de 1966, e até 20 de agosto, primeiro ataque a Porto Gole, com metralhadora pesada 12.7


Mini-guião da CCAÇ 1439. Colecção particular: Coretsia de
© Carlos Coutinho (2011). Todos os direitos reservados.





João Crisóstomo (a viver em Nova Iorque desde 1977)


1. Continuação da publicação da publicação das memórias do João Crisóstomo, ex-alf mil, CCAÇ 1439 (1965/67)


CCAÇ 1439 (Xime, Bambadinca, Enxalé,
Porto Gole e Missirá, 1965/67) : a “história”
como eu a lembro e vivi
(João Crisóstomo, luso-americano,
ex-alf mil, Nova Iorque) (*)


Parte XI: A PARTIR DE UM  DE JUNHO  de 1966 ATÉ 20 DE AGOSTO, ATAQUE A PORTO GOLE


Para que fique registado vou mencionar todos os dias e operações que constam deste relatório. Verifico que algumas (que lembro bem mas sem poder dar detalhes acurados),  pela sua importância, mereciam e deviam ter sido objecto de maior atenção e mais pormenorizado relato. Outras nem deles me lembro, talvez por estar na altura destacado em Missirá ou em Porto Gole. Mas para os fins que hipoteticamente possam servir, aqui ficam mencionados alguns desses dias de Junho a Agosto de 1966.


Dia 2 de junho de 1966/64 — Mina A/C

As NT acionaram uma mina anticarro tendo ficado destruída uma viatura GMC. O engenho explosivo rebentado estava colocado em terreno duro por baixo de uma raíz, absolutamente camuflado sem vestígios de terra mexida.

Do rebentamento resultaram os seguintes feridos:

1º cabo 166/65 Carlos Tibúrcio Nunes

Polícia  Administrativo 173/64 Laio Embaló

Polícia Administrativo 243/64


Dia 10 de junho de 1966— Op Golo1

A CCaç 1439 realizou a Op Golo1, a qual consitiu em montar emboscadas a Norte do Chão Balanta, vizinhança da estrada Porto Gole - Mansoa, armadilhamento da picada norte da mesma e batida às tabancas do Chão Balanta, Bissá, Funcor, Sée, Nafo e Chubi.

Segue-se um lacónico relato sem detalhes importantes nem mais alguma informação relevante, salvo que “houve um morto confirmado” (. E o mesmo se pode dizer do “elogio" do Agrupamento nº 24.)


Dia 5 de julho de 1966 
 Op Golo2

Batida a N de Cherel. Devido ao "volume de água" e falta de um bom guia não se chegou ao objectivo nem houve qualquer contacto com o IN.

Dia 9 de agosto de 1966 
— Op Girafa 

Consistiu numa batida a Colicunda, Chubi e Sée. Nada de importante; que foram feitos vários prisioneiros , entre estes uma mulher de nome Mariana da Silva e depois entre os detalhes menciona o facto de ter sido feito um prisioneiro, “tendo-se verificado que estava devidamente documentado”…

Dia 17 de agosto de 1966 
Op Golo3

A CCaç 1439 efectuou a Op Golo  3 que consistiu num cerco e limpeza na tabanca de Bissá.

O facto de, em resultado desta operação terem sido louvados e condecorados com cruzes de guerra quatro elementos das NT, sugere que a operação foi muito mais importante do que está descrito neste relatório. Sem grandes pormenores, descreve que a chegada das NT foi detectada, o IN esquivou-se ao combate e menciona ter sido capturado material diverso de enfermagem, cartas e algum material bélico como cartucheiras, cartuchos, uma carabina semi-automática.

A memória não me ajuda, mas, sem desprimor para os outros, apraz-me ver entre os nomes dos distinguido o de Agostinho Trindade Baptista que eu lembro ser um soldado valente e destemido, cuja coragem eu desde o início testemunhei,  nomeadamente durante a Operação Avante, de 29 e 30 de Agosto de 1965, quando ainda estávamos no Xime. Nessa ocasião sugeri que ele fosse distinguido, mas isso não sucedeu.

Os distinguidos com louvores e condecorações foram os seguintes:

Soldado 118/65 Fernando Macedo Rodrigues

1º cabo 184/65, João Fernandes Barradas

Soldado 230/65 Agostinho Trindade Baptista e

Soldado cozinheiro n 37155/65, Manuel Eusébio Nascimento Fernandes.


Dia 20 de agosto de 1966 - Ataque a Porto Gole com Met Pes 12.7

"O IN atacou violentamente o Destacamento de Porto Gole,  empregando pela primeira vez Met Pes 12,7."

Copio textualmente o descrito neste relatório:

"(O IN) fez fogo com várias armas automáticas bazuca e morteiro. Todo o pessoal reagiu convenientemente e com valentia."

Infelizmente é só o que consta, sem mais pormenores.

Continuo o relatório:

"Resultados obtidos - O IN abandonou um morto nas posições atacantes. Há várias baixas confirmadas de testemunhas por pessoal das tamancas onde o IN se retirou.

Das NT foi atingido com estilhaços de bazuca o 1o cabo 184/65, Barradas e com tiros os soldados da Pol Adm nºs 218 e 146, respectivamente Adjanca Baldé e Juntam Sanhá.

Foi capturado o seguinte material:

3 carregadores de Met Lig  m/52

1 carregador c/munições de PM PPSH

1 pedaço de fita da Met Pes 12,7

Milhares de invólucros de Met Lig

Centenas de invólucros de Met Pes

Uma granada de bazuca não rebentada.

Durante a defesa do quartel foi distinguido o Alferes Mil António Dias de Carvalho, da 1ª CCaç.

Fica para a próxima a Op Gorro, em 21, 22 e 23 de agosto de 1966.

(Continua)
___________

Nota do editor:

28 de junho de 2021 > Guiné 61/74 - P22322: CCAÇ 1439 (Xime, Bambadinca, Enxalé, Porto Gole e Missirá, 1965/67): A “história” como eu a lembro e vivi (João Crisóstomo, ex-alf mil, Nova Iorque) - Parte X: Op Garrote, 23 de maio de 1966, golpe de mão na região de Madina / Belel

1 comentário:

Tabanca Grande Luís Graça disse...

João, era uam arma tenível, a metralhadora pesada Degtyarev, 12.7... Com balas incendiárias, punha a arder uma tabanca inteira... Lembro-me de Candamá e de outras, no sul do setor L1 (Bambadinca)...


https://blogueforanadaevaotres.blogspot.com/2016/09/guine-6374-p16444-manuscritos-luis.html