sábado, 17 de novembro de 2012

Guiné 63/74 - P10687: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (41): Poemas da juventude (IV): Desgraçada esperança, Kiev, novembro de 1988... (E tão atual: Vivemos tempos difíceis, tão difíceis que fazem pensar na descrição bíblica dos tempos derradeiros quando o irmão se vira contra o irmão e o filho contra o pai)

1. Comentário do nosso amigo Cherno Baldé, ao poste P10674 (*)

Caros amigos,

Vivemos tempos difíceis, tão difíceis que fazem pensar na descrição bíblica dos tempos derradeiros quando o irmão se vira contra o irmão e o filho contra o pai.

Tenho estado a tentar levar a minha vida normal, apesar dos sobressaltos à volta,  com o seu rasto de medo e de angústia.

Tenho acompanhado diariamente o nosso blogue, inserindo de quando em vez um pequeno comentário a fim de marcar presença.

Mas a minha atenção estava concentrada na leitura do livro com que (vocês) nos premiaram, do Idálio Reis, um testemunho pungente e de altos brados que nos incomoda pela sua franqueza, lealdade e sofrimento.

Também, no ar, sopra um ar insano e maquiavélico que nos quer empurrar para a arena do ódio e da incompreensão, de Guineenses contra Guineenses ou Guineenses contra portugueses, caboverdianos, etc.

Mas, quem acredita em Deus,  também pode e deve acreditar em milagres e pode ser que, depois da tempestade,  venha a bonança pois a esperança é sempre a ultima a morrer. Eu acredito.

Também estou solidário com a sociedade civil e com a plataforma das ONG da Guiné-Bissau, embora pense que deviam assumir uma postura mais neutral e apolítica.

Um grande abraço,

Cherno Baldé

2. Mais um "poema da juventude", escrito pelo Cherno em Kiev, em novembro de 1988 (**)


____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de  15 de novembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10674: (In)citações (44): Imagens da minha terra, tão bela e tão sofrida (Cherno Baldé)

(**) Último poste da série > 25 de setembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10423: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (40): Poemas da juventude (III): Natureza louca (Bissau, 1985)

8 comentários:

Luís Graça disse...


"Sagrada Esperança" é uma expressão que ainda hoje se ouve em Angola, mesmo se já ninguém se lembra que é o título de um coletânea de poemas do [António] Agostinho Neto (recolha essa publicada em Portugal, já em 1985, se não me engan0)...

Há, em Luanda, pelo menos uma Clínica Sagrada Esperança, e um dos aviões da TAAG tem ou tinha esse nome (acho que já viajei nele, há uns anos).

Cherno e Torcato, a esperança, se calhar, não se deve adjetivar...

Luís Graça disse...

Meu caro Torcato: Por lapso, inadvertidamente, eliminei o teu comentário!... Volta a repô-lo!... Ia a sair, a correr... LG

Torcat Mendonca disse...

O comentário para um amigo é o sentimento de um impulso. Ele merecia, para mim, o envio de um abraço fraterno.
Sei lá repor e por onde andarão as palavras então escritas.

Ab T.

Luís Graça disse...

Torcato:

Estás lista dos "privilegiados" grã-tabanqueiros que recebem automaticamente os comentários inseridos no blogue...

O número desses "privilegiados" não excede os 10 (os nossos editores + mais os colaboradores permanentes)... Eu perdi mesmo o teu comentário, automaticamente, ao eliminá-lo do sistema... Mas tu, o Carlos Vinhal ou o Helder Sousa, por exemplo, todos vocês devem ter ficado com um registo na vossa caixa de correio...

Vamos recuperá-lo, prometo!

Anónimo disse...

Torcato, afinal aqui nada se perde, tudo se transforma... Eis o teu comentário, que eu fui "recuperar ao caixote do lixo" (onde eu deveria ter ido logo, diretamente)... Só não consigo é pôr-te todo janota, no passepartout, com a pose de grave pensador... Desculpa a maçada, tu e o Cherno. LG

_____________

Li e senti a preocupação a entrar.
Os tempos, este nosso tempo, não está fácil, não se vive no lado correcto da vida. Nunca perder a esperança, o sonho, o acreditar que os dias melhores virão.

Aí ou cá e ainda mais acolá, onde tudo devia estar bem, onde tudo devia estar correcto, é onde se acoita mais o mal.

Dizes "desgraçada esperança", juntas poema de tempos certamente difíceis de Kiev e, mais difíceis hoje aí (ou cá) em ódios fratricidas, em desrespeito pela condição humana.

O Homem é forçoso que não perca a esperança. Acreditar que não pode viver abaixo ou no limite da dignidade é preciso pois a razão, mesmo que isso custe muito e gere fortes perturbações, deve estar a querer, em breve,a aparecer por aí.

Mando-te um abraço fraterno,
Ab. T.

Torcat Mendonca disse...

Olha Luís já não tens idade para correr ou acabas como eu. Menos ainda para te preocupares assim devido a um "acidente". Nem eu, nem o Cherno ficávamos tristes. Somos amigos e eu tenho estima por ele, por ti e pelo Carlos Vinhal que encontrou as palavras desaparecidas. Ponto final, tudo bem -nunca esteve mal -tudo como dantes quartel general...puseram-me como "X??" á esquerda (sou homem de esquerda) com foto (tirada por ti)no Blogue. Recebo o correio sim senhor leio e faço logo a triagem.Tenho andado um pouco afastado da escrita e etecetera por óbvias razões...mas não me sinto "privilegiado". Sou efectivamente algarvio por nascimento, alentejano por vivência, pensamento e todo o resto.A residência no Fundão, oficialmente desde 1998.
"Filho do vento", Português até ao tutano. Escrevo assim em aberto e um dia vos conto o que quero fechado. Bom resto de fim de semana e um Abração, T.

Luís Graça disse...

A 1ª. edição do livro de Agostinho Neto, "Sagrada Esperança", é da União dos Escritores Angolanos, Luanda, 1977.

À edição de 1977, logo se sucedeu uma 2ª. edição, a da Livraria Sá da Costa (Lisboa, 1979). Só mais tarde vem a edição brasileira da Editora Ática (São Paulo, 1985).

Estão disponíveis aqui os poemas do Agostinho Neto:

http://agostinhoneto.org/index.php?option=com_content&view=section&id=14&Itemid=233

Torcat Mendonca disse...

Já cá canta, nos "favoritos" a poesia de Agostinho Neto. Parece-me que os Russos não gostaram dela...outros tempos e, com tempo, vou dar uma vista de olhos. Já li poesia?, não sei, escritos dele sim.
Obrigado Luís Graça e Ab. T.