quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16701: Caderno de notas de um mais velho (Antº Rosinha) (49): quatro apontamenmtos: (i) Angola, as boas famílias e os seus desertores; (ii) o nosso presidente em Havana; (iii) o desertor guineense da Força Aérea; e (iv) o ministro das obras públicas de Luís Cabral, Tino Lima Gomes, a camarada Milanka e o meu velho patrão Ramiro Sobral, que não precisava de subir ao alto do poilão para ver ao longe...


Guiné > Bissau > s/d [, meados dos anos 60] > Aspecto parcial do centro histórico, Câmara Municipal à direita, Palácio do Governador ao fundo à esquerda... Bilhete postal, nº 133, Edição "Foto Serra" (Colecção Guiné Portuguesa")...

O António Rosinha pede-nos para "enriquecer o poste com esta  lindíssima foto  onde se vê a casa que o Luís Cabral queria que a Tecnil lhe adaptasse, antes de ser deposto em 1980 (...).  Essa foto (de helicóptero, penso eu,) é das mais bonitas sobre Bissau (...): uma lindíssima residência, r/c  e 1º andar com um Jeep Villis da nossa tropa junto à entrada de casa (...).  Foi essa casa que o Luís Cabral queria adaptar para sua residência, e que o Ramiro Sobral, o patrão da Tecnil, lhe agoirou o destino.

Colecção: Agostinho Gaspar / Digitalizações e edição: Bogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2010)


Foto à direita,  Antº Rosinha (Pombal, 2007):

(i) é beirão; 

(ii) é um dos nossos 'mais velhos';

(iii) andou por Angola, nas décadas de 50/60/70, do século passado;

(iv) fez o serviço militar em Angola, foi fur mil, em 1961/62;

(v) diz que foi 'colon' até 1974;

(vi)  'retornado', andou por aí (, com passagem pelo Brasil), até ir conhecer a 'pátria de Cabral', a Guiné-Bissau, onde foi 'cooperante', tendo trabalhado largos anos (1987/93) como topógrafo da TECNIL, a empresa que abriu todas ou quase todas as estradas que conhecemos na Guiné, antes e depois da 'independência'; 

(vii) o seu patrão, o dono da TECNIL,  era o velho africanista Ramiro Sobral; 

(viii) é colunista do nosso blogue com a série 'Caderno de notas de um mais velho'';

(ix)  pelo  seu bom senso, sensibilidade, perspicácia,  cultura e memória africanistas, é merecedor do apreço e  elogio de muitos camaradas nossos, é profundamente estimado e respeitado na nossa Tabanca Grande, mesmo quando as nossas opiniões podem divergir;

(x) Ao Antº Rosinha  poderá aplicar-se  o provérbio africano, há tempos aqui citado pelo Cherno Baldé, o "menino e moço de Fajonquito": "Aquilo que uma criança consegue ver de longe, empoleirado em cima de um poilão, o velho já o sabia, sentado em baixo da árvore a fumar o seu cachimbo".    


1. Então era assim: no tempo feliz africano, em que até parecia que era fácil governar Angola, independente, havia umas famílias angolanas antigas que,  sem exagero, representavam uma verdadeira aristocracia.

O povo, desde o indígena ao colono, ao comerciante e ao fazendeiro, olhava para essas famílias de baixo para cima com o maior respeito (merecido).

Eram, por alto, os Van Dunem, os Páduas, os Laras, os Cochat, os Ribas, os Mascarenhas, os Cardona, os Peyroteo, Vos an der Kellen, os Almeida (Demóstenes) Boavida e muitas outras boas e lindas e numerosas famílias e a maioria grandes portugueses.

Havia médicos, poetas, agrónomos, geógrafos, geólogos, advogados, notários, desportistas.

Contam-se pelos dedos aqueles que tiveram o comportamento de Mário Pádua, Lúcio Lara ou Pepetela ou Pinto de Andrade, por exemplo.

No entanto,  eram a maioria por uma independência de Angola, no caso destas famílias, mas não por uma selvajaria, e a maioria ficou do lado certo, do nosso lado, porque não era aquela guerra internacional que eles queriam na sua terra.

Eu vi, conheci, assisti, e como essas famílias e mesmo Mário Pádua, estamos a maioria em Portugal,  outros no Brasil.

Curioso que no caso dos guineenses, os indígenas,  e o próprio PAIGC, não se mostram muito agradecidos a esses «heróis». Talvez porque de alguma maneira esses personagens (estudantes do Império) roubam protagonismo ao povo.

Salazar,  como não tinha filhos, criou a «Casa dos Estudantes do Império: berço de líderes africanos em Lisboa», foi uma espécie de João VI que tinha o filho Pedro IV nosso.

Também os brasileiros sentem falta de heróis próprios.

Não quero ser fracturante, mas temos que contar a História, tal qual, bem esmiuçada.

_______________

(*) Vd. poste de 8 de novembro de 2016 >  Guiné 63/74 - P16699: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (21): Mário Moutinho Pádua, o primeiro oficial português a desertar, em Angola, em outubro de 1961... Será, mais tarde, médico do PAIGC, no hospital de Ziguinchor, entre fevereiro de 1967 e setembro de 1969... Regressou a Portugal em novembro de 1974, e cumpriu o resto do serviço militar... Aposentou-se em 2003 como médico do Hospital Pulido Valente (Juvenal Amado)



2.  É preferível este encontro [, Marcelo Rebelo de Sousa-Fidel Castro] agora, pois mais tarde algum dos dois podia já ter "desencarnado". Se Castro ainda estiver bem lúcido,como parece, e se informar bem, vai como muita outra gente deglutir sozinho, com os seus botões, uns sapitos.

Palmas para a coragem de Manuel Luís Lomba, mas também para a oportunidade aproveitada do nosso Presidente. Devagarinho a História está a ser contada, e muitas vezes já é gritada.

Lembro-me de ver,  durante a Guerra do Ultramar, numa reportagem numa sala de cinema em Luanda, o pai do nosso Presidente actual, [Baltazar Rebelo de Sousa, governador-geral de Moçambique, em 1968-1970]  inaugurar um baile de cerimónia, com a primeira dama do Malawi, e vice-versa, Hasting Banda, presidente do Malawi, com a primeira dama de Moçambique.

(Essas coisas não aparecem em guerras do género Joaquim Furtado).

_________________


Vd. poste de 7 de novembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16693: Carta aberta a... (14): ...ao Comandante Supremo das Forças Armadas Portuguesas, Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Manuel Luís Lomba, ex-Fur Mil da CCAV 703 / BCAV 705, Bissau, Cufar e Buruntuma, 1964/66)


3. Pessoalmente conheci um desertor guineense, ou que ficou para a história da Guiné como desertor, e que levou com ele uma avioneta de Bissau para Conacry.

Tinha o seguinte currículo popularmente conhecido na sociedade de Bissau:

(i) era furriel da Força Aérea, guineense, da minha idade, portanto foi para a Força aérea antes da Guerra do Ultramar;

(ii) era guineense de uma família antiga,  «colonialista», que se foi amestiçando;

(iii) como era menino bonito e inteligente, era um desperdício ir lutar para o mato como os indígenas.(Isto o povo pensava em crioulo, mas eu traduzo.)

Foi de armas e bagagens estudar com bolsa para a Jugoslávia e regressou com bagagem pesada, canudo de engenheiro/arquitecto, após a independência.

O PAIGC, reconhecido, atribui-lhe mais que uma pasta governamental, e também agradecido o governo português também lhe concedeu bolsas de estudo para os filhos nos Pupilos do Exército em Lisboa.

Já faleceu. em acidente com arma de caça.

Chamava-se Tino, Tino Lima Gomes. Era um português como milhares de transmontanos, açorianos, angolanos, etc., nunca foi indígena, nasceu «assimilado».
_____________

Vd. poste de Guiné 63/74 - P16686: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (18): Mais um caso "atípico", o de David [Ferreira de Jesus] Costa, ex-sold at art, CART 1660, Mansoa, 1967/68 (Virgínio Briote)



4. Luís Cabral pretendia reformular uma residência bastante moderna que foi propriedade de um antigo cólon que eu não conheci, para sua residência, penso eu. Essa residência ficava atrás do gabinete do primeiro ministro, e tinha uma portaria que era preciso adaptar, na cabeça de Luís Cabral, para receber o Volvo presidencial, bem junto à porta da residência.

Só que havia um pedaço de jardim e duas colunas à entrada da residência que era preciso derrubar, construir noutra disposição, e isso Luís Cabral não queria.

E, agora,  vou falar em nomes de gente muito simpática e não quero de maneira nenhuma fazer «politiquice» nem com as pessoas nem com a atitude das mesmas nem do momento. O ministro das Obras Públicas era Tino Lima Gomes que era arquitecto e ainda chegou a dar uma vista de olhos na portaria mas sem qualquer solução.

Mas a esposa dele, a camarada Milanka, de nacionalidade jugoslava, arquitecta nas Obras Públicas,  é que foi encarregue de descalçar a bota, e eu no campo executar o impossível. Só que a camarada Milanka não tinha coragem de dizer ao presidente que era impossível executar como ele queria, e eu descarreguei o meu fardo para o meu patrão Ramiro Sobral que se encontrava em Bissau. Onde ia,  mês sim, mês não.

E o velho,  de 75 anos, e muitos anos de África, habituado a resolver casos bicudos, analisou e solucionou:
– Senhora Dona Millanka, (toda a gente dizia "camarada Milanka"), sabe porque ando nesta vida com esta saúde aos 75 anos? Porque a porta da minha casa em Viseu tem 3 degraus. E subir e descer esses 3 degraus dão-me imensa saúde. Convença o senhor presidente que com 3 degraus resolve o problema e dá-lhe imensa saúde para daqui a muitos anos continuar com o meu dinamismo.

Passados uns instantes,  já só comigo no automóvel, Ramiro Sobral, como que a falar para os próprios botões, previa:
– Com degraus ou sem degraus,  não vais envelhecer aqui, não.

Talvez uns 15 dias depois, dá-se o golpe a 14 de Novembro de 80 que derruba Luís Cabral.

________


___________

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Rosinha, alguém me disse (mas eu não tenho a certeza...) que nesse belo edifício da Bissau colonial dos anos 50/60, terá funcionada a Câmara Municipal...

O que faria o jipe junto à porta ? Será que o edifício foi ocupado pela tropa no tempo da guerra ? Tens olho clínico... E o Luís Cabral teve bom gosto... mas não chegou a gozar do conforto e da largueza de espaço da casa, ao que parece, e segundo o reu relato... O poder não é eterno, nem convém que a cadeira do poder crie raízes como os poilões... Ab. Luís

Tabanca Grande disse...

O "Bilhete postal, nº 133, Edição "Foto Serra" (Colecção Guiné Portuguesa) tem como legenda "Bissau: aspecto parcial e Câmara Municipal"...

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2010/03/guine-6374-p5928-memoria-dos-lugares-72.html

Antº Rosinha disse...

Luís, em frente à casa vê-se um telhado baixo era onde estava o gabinete do primeiro ministro (Nino, quando deu a golpada ao Luís)e que teria sido aí a Câmara Municipal.

Aquilo era uma área bem grande fechada, que se vê o muro.

A casa, morou lá um engenheiro, diziam, mas sabemos que os engenheiros militares é que pontificavam nas Obras Públicas e nas Câmaras e até os empreiteiros usavam os seus serviços (pagos)

Assim como os médicos militares também prestavam serviços privados e até faziam de delegados de saúde.

Onde se Vê o Jeep Willis, junto ao pórtico sobre a entrada da casa, queria o Luís Cabral que o Volvo presidencial entrasse dentro do pórtico.

Mas não dava de maneira nenhuma, só fazendo obras, a Tecnil evidentemente, e estragavamos a estética.

Não se conseguia meter a Av. da Liberdade na rua da Betesga, salvou-nos o golpe do Nino.

Mas eu, pessoalmente achei mal o golpe, mas era tudo muito mau, e muito triste com o Luís, mas não melhorou.

Manuel Agostinho disse...

Rosinha, pois também eu tive o prazer de conhecer, numa visita que fiz à Guiné em 1992, o Tino Gomes e a Malinka. Fui com mais três amigos, um de Matosinhos e dois de Lisboa. Um dos de Lisboa tinha uma ligação familiar com o Tino Gomes, dai os filhos como dizes terem estudado em Lisboa, através dessa ligação. Então quando chegamos a Bissau tivemos direito a Jeep e motorista (o Marciano), que nos esperou no aeroporto e nos levou para onde queriamos nos 8 dias da visita.
Pois então estivemos em casa dele em Bissau, uma casa normal numa rua próxima ao Palacio do Governador, onde tomamos uns wishys, depois almoçamos num restaurante também com ele, próximo à chapa Bissau e fomos convidados por ele, para no sabado passarmos o dia com ele na casa de campo, próximo ao Xitole, onde o seu motorista, aliàs, do Ministério das Obras Públicas, nos levou.
Fomos recebidos com uma lagosta para cada um ao fim da manhã, visitamos um amigo dele que estava a fazer uma tabanca turistica em Cussilinca, onde aviamos mais umas cervejinhas, para depois voltarmos ao almoço feito pela Malinka, que foi uma caldeirada de cabrito espectacular, bem regada por vinho Francês de Bordeux.Tivemos algumas conversas à mesa, onde falamos da guerra e de outros assuntos também.
A Malinka semeou estátuas pela Guiné, substituindo as do nosso tempo, que tive oportunidade de ver dentro do Forte do Cacheu no meio do capim. Fiquei triste em saber que o Tino tinha morrido.
Um abraço ao mais velho Rosinha.
Ribeiro agostinho.