segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P17005: Manuscrito(s) (Luís Graça) (111): O editor do blogue, artesão da palavra e da imagem, autor desta série, jubilou-se no dia 29 de janeiro de 2017, de tudo, exceto da vida, do amor, da amizade, da camaradagem... (Parte I)



O editor do blogue, fotógrafo e autor da série "Manuscrito(s)"... Uma "selfie" tirada na Tabanca de Candoz, no já longínquo ano de 2008 , para  mais tarde recordar... Ah!, jubilou-se ontem, dia 29 de janeiro de 2017...  Declaração de conflito de interesses, para os efeitos que forem devidos: jubilou-se de tudo,  exceto da vida, do amor, da amizade, da camaradagem...    "Retirement", dizem os anglo-saxónicos, leia-se "ato de sair de cena"... 


Foto e legenda): © Luís Graça  (2008). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Foi um segredo  guardado a sete chaves, esta  minha festinha dos 70 anos... Um "partida" que a Alice e a Joana me pregaram... Estava eu a imaginar (e a antecipar)  um discreto almoço em família, à beira-mar, embora em dia tristonho, "com o céu cinzento e o astro mudo",  tempo de resto propício para um homem se jubilar...

Quando cheguei ao hotel com a Alice e a Joana, começaram aparecer  caras conhecidas e amigas de todos os lados: (i) o meu filho João e a sua companheira; (ii) as minhas manas (Graciete e Zairinha) e os meus cunhados da Lourinhã (Calado e Mário): (iii)  a minha irmã Béu, mais nova 18 anos do que eu,  e o meu cunhado António, casal   que vive no Fundão (mais os respetivos filhos, meus sobrinhos, Pedro e Diogo)...

Surpresa das surpresas, lança-se nos meus braços,no "hall" do hotel,  o meu amigo, camarada  e mano de Bambadinca Tony Levezinho (mais a sua querida Isabel), para não falar já dos  amigos de uma vida, e visita habitual da minha casa,  Zé António Paradela e Matilde (e o filho Jorge,  que o  mais velho, o Marco,  esse, anda agora a trabucar na Terra Nova, a pescar bacalhau para a gente...). E, como se não bastasse para se fazer a festa com uma mesa grande, ruidosa e alegre, eis que apareceram de supetão os manos mais novos da Alice, e meus queridos cunhados do Norte, a Nitas e o Gusto, o Zé e a Teresa (e a mãe)...

Enfim, uma mesa comprida de 23 pessoas, "em cima do mar"...Que poderia eu desejar mais, neste dia  dia 29 de janeiro de 2017, ao km 70 da picada da vida, com tantas provas de amor e amizade ?!

Hotel Golfo Mar, 29/1/2017 > Um dos amigos que fiz "para sempre", na Guiné,
o Tony Levezinho, aqui com a sua (e)terna Isabel... Os convites foram
feitos pela Alice, "uma mulher do Norte", diz o Tony... Foto de LG
Tinha preparado um discurso para 5 pessoas, tive que esticar o "lençol" (, originalmente , de 5 páginas...)  e ter, para os restantes convivas. uma palavrinha de agradecimento e de apreço...

Quando cheguei a casa, à noite, e abri o computador, havia mais uma "companhia" de camaradas e amigos que não se esqueceram de mim neste dia, e para quem tenho a obrigação também de agradecer de todo o coração os votos de parabéns.

Uns telefonaram, outros deixaram mensagens no blogue e na página do Facebook da Tabaanca Grande. Não poderei mencionar os nomes de todos, aqui neste espaço... mas dir-lhes-ei, enfim, que nestas ocasiões especiais nada como ter ao nosso lado, ou ao alcance de um clique, as pessoas que gostam de nós, da família aos amigos que fomos fazendo ao longo da vida, incluindo os amigos e camaradas da Guiné que se reúnem à volta do poilão da Tabanca Grande...

2. Mas esta tarde quero aqui começar por reproduzir as palavras (escritas) que tive  de pessoas, que são muito especiais para mim:

(i) uma, deixada logo de manhã, ontem,  no Facebook da Tabanca Grande, e que é da Alice, a mulher da minha vida; (ii) duas outras, dos  meus cunhados Nitas e Gustos (com quem tenho, desde há 40 anos, passado muitos dos bons e menos bons momentos que marcam a história das nossas famílias); e  (iii) ainda duas "épicas estrofes camonianas" escritas pelo meu amigo arquiteto Zé António. em seu nome e da restante família Paradela...

Last but the least, por fim mas não menos importante (, embora correndo o risco de isto descambar para o indesejável  "culto da personalidade"...), não quero (nem posso) deixar de reproduzir aqui, desvanecido, as cinco quadras populares de outro homem do Norte, um dos régulos da Tabanca de Matosinhos, o Zé Teixeira (**): aceito-as como uma singela mas original homenagem, dele e dos demais grã-tabanqueiros que se sentam comigo à volta do nosso mágico e fraterno poilão...


Maria Alice Carneiro, Hotel Golfo Mar, 29/1/2017,
foto de Zé António Paradela

(i) Maria Alice Carneiro ("Chita")

Estou a pensar que o homem da minha vida chegou à idade... adulta (70 anos) e por isso não podia deixar de recordar o primeiro poema de amor que tu me leste e eu sem perceber onde é que isto iria parar!!! 

Já lá vão 42 anos!!!...

Agora já podes publicar todos os poemas que me foste escrevendo ao longo desta vida. Parabéns por tudo o que fizeste e pelo que não fizeste. Não importa o deve e o haver. ,o que importa é que continuemos a caminhar juntos pela estrada da vida fora!


"Les enfants qui s’aiment" 

por Jacques Prévert

Les enfants qui s’aiment s’embrassent debout
Contre les portes de la nuit
Et les passants qui passent les désignent du doigt
Mais les enfants qui s’aiment
Ne sont là pour personne
Et c’est seulement leur ombre
Qui tremble dans la nuit
Excitant la rage des passants
Leur rage leur mépris leurs rires et leur envie
Les enfants qui s’aiment ne sont là pour personne
Ils sont ailleurs bien plus loin que la nuit
Bien plus haut que le jour
Dans l’éblouissante clarté de leur premier amour.


Jacques Prévert (1900-1977) | Spectacle, 1951


As crianças que se amam, beijam-se de pé
Contra as portas da noite,
E os que passam na rua apontam-nas a dedo,
Mas as crianças que se se amam,
Não estão lá para ninguém,
E é apenas a sua sombra
Que treme na noite,
Provocando  a raiva dos que passam,
A sua raiva, o seu desprezo, os seus risos, a sua inveja.
As crianças que se amam, não estão lá para ninguém,
Estão algures, bem mais longe do que a noite,
Bem mais alto que o dia,
Na deslumbrante claridade do seu primeiro amor.

Tradução de L.G.:


Zé António Paradela, Costa Nova, 25/8/2008.
Foto de LG
(ii) José António Paradela,  ex-marinheiro, ilhavense, arquiteto, escritor ("Ábio de Lápara"), amigo do peito, amigo do blogue, que só por lapso meu ainda não entrou para a Tabanca Grande ( e agora autor de mais duas estrofes dos "Lusíadas", lidas no Hotel Golfo Mar, pelo homenageado, em 29/1/2017)








A Nitas, a priomeira à direira, com 4 dos seus 5 irmãos, no
Hotel Ipanema Park, em 15/1/2017,
no dia do seu 70º aniversário. Foto de LG
(iii)  Ana Carneiro Soares ("Nitas), cunhada, técnica superior de laboratório do ISEP, reformada (palavras lidas no   Hotel Golfo Mar, 29/1/2017, pela própria)


Querido cunhado e amigo Luís

Só gratidão é pouco… muito pouco!


Aproveitamos este lindo dia, para toda a família lá do Norte te dizer: Obrigada!!!

Obrigada,
por teres sempre posto tanta cuidada sabedoria (porque todos reconhecemos que a tens), imaginação e amor na nossa amizade, por compartilhares tantas coisas boas e marcar tantas lembranças ao longo destes 42 anos, em que já fazes parte desta família que é linda… Ferreira e Carneiro.


Obrigada,
pela tua sempre excelente companhia, com ótimas lições de História, nas muitas e muitas viagens que fizemos juntos, com os nossos filhos… (enquanto eles eram pequenos e viajavam connosco)!


Obrigada, por seres um ser humano maravilhoso, honesto connosco, gentil, e estar sempre presente e disponível, quando precisamos do teu trabalho de fotografia, exemplar… de tudo quanto mexe no nosso cantinho comum, que é a “A Nossa Quinta de Candoz”.

Obrigada, pelo trabalho no blog “A Nossa Quinta de Candoz”que diriges, mas que também é nosso, por todos os versos, frases e cantilenas que, graciosamente redigiste ao longo destes anos, em diferentes situações, para toda a nossa família, (mas eu neste aspeto sinto-me a mais sortuda… a mais privilegiada é verdade…) porque só para mim fizeste muitos, muitos versinhos!

Obrigada, por seres um cunhado, que representa tanto para todos nós, de tantas, diferentes e significativas formas, por seres esse cunhado e amigo tão especial!

Por tudo isto que ficou dito, e muito mais que tu merecias, neste dia do Aniversário dos teus 70 anos de vida, nós, mesmo sem ser convidados, quisemos surpreender-te com a nossa presença, para te dar um abraço, bem apertado, de toda a Família Ferreira e Carneiro, e partilhar com todos o cântico “PARABÉNS A VOCÊ”

A cunhada que muito te admira e estima,

Anita (Hotel Golfo Mar. Vimeiro, 2017-01-29)


O Gusto (à direita) com o nosso Zé Manel Lopes »("Josema"),
na Quinta da Senhora da Graça, em 28/8/2008. Foto de LG
(iv) Augusto Pinto Soares ("Gusto") [, dedi-catória, escrita no livro "Silêncio", do escritor japonês Shusaku Endo (Lisboa, Dom Quixote, 3ª edição, 2017)]:








(v)  Cinco saborosas e fraternas quadras populares do Zé Teixeira, que o homenageado aceita, com vénia e tudo, na condição de serem também e  sobretudo uma homenagem à Tabanca Grande, obra coletiva, orgulho de todos nós:


Luís Graça, grande amigo,
Companheiro e camarada,
Eu quero estar contigo
Em mais uma caminhada.

O tempo passa a correr,
E isto não é miragem,
Tu acabas de meter
Mais' ma roda na engrenagem.

Neste dia especial,
Penso em ti com muito afeto,
L'vanta-me bem esse astral,
Meu amigo predileto.

Um abraço muito estreito
Te envia este “morcão”,
Sai de dentro de um peito,
Escoltado por uma oração.

Que a saúde não te escasseie
Desejo-te, irmão, com carinho,
E, por ti, eu beberei
Um saboroso copo de vinho.


Zé Teixeira

_________________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 15 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16955: Manuscrito(s) (Luís Graça) (110): Relembrando os nomes de dois portugueses para quem tenho uma palavra de apreço cívico e de gratidão, Mário Soares (1924-2017) e Catanho de Menezes (1926-1985)... bem como as eleições legislativas de 26/10/1969 e o meu voto em branco, em Bambadinca...

(ª*)  Vd. 29 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16999: Parabéns a você (1202): Luís Graça, ex-Fur Mil Armas Pesadas de Infantaria da CCAÇ 12 (Guiné, 1969/71)

5 comentários:

Anónimo disse...

Luís

A TERNURA DOS SETENTA...

Abraço
Alerto Branquinho

Anónimo disse...

Antonio Levezinho
30 jan 2017 21:46


Quem assim ultrapassa o Km 70 só tem boas razões para continuar a viagem com aquele sorriso de quem sabe que não é viajante solitário.
Aquele Abraço que está sempre apertado.
Tony Levezinho

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camarada

Não relacionei o aniversário com a "jubiladura".
Creio que agora poderás "partir a loiça" e gozar da liberdade de dizer o que te apetecer sem que te perguntem nada e, se o fizerem serão devidamente "corridos a pau".
Agora ék vai ser...

Um Abraço e bem-vindo ao club dos "Homens (mais) Livres"
TZ

Chapouto disse...

Companheiro amigo grande comandante tu mereces tudo o que te fizeram com a surpresa felicíssima nos teus 70 Km fico radiante pela esposa que tens grande companheira.
Estou a escrever estas palavras e lembrando que foste tu com a tua força que me deste para aliviar o meu stresse daquela guerra que pairava no meu cérebro, mas ainda não estou completamente recuperado.
O meu muito obrigado do fundo do coração
Um grande abraço
Fernando Chapouto

Antº Rosinha disse...

Um abraço e força que o caminho é longo.