terça-feira, 17 de novembro de 2015

Guiné 63/74 - P15377: Agenda Cultural (437): "A Rua Suspensa dos Olhos", ternurenta coletânea de estórias e memórias, de Ábio de Lápara (pseudónimo literário de José A. Paradela): sessão de lançamento, domingo, dia 22, às 16h, na Biblioteca Municipal de Ílhavo



Conviet para o lançamento do livro. Vd. Facebook de Ábio de Lápara




"A Rua Suspena dos Olhos", de Ábio de Lápara (pseudónimo literário de José António Boia Paradela) Capa e ficha técnica.


 


Excerto do livro de estórias e memórias "A Rua Suspensa dos Olhos" (pp. 7-9), de Ábio de Lápara, com a devida vénia. O ivro poderá ser encomendado através do correio eletrónico de José Paradela. As receitas provenientes da venda  dos seus livros têm fins de beneficência.


José A. Paradela. Foto de LG
1. O meu amigo José António Paradela, arquiteto, vai lançar na Biblioteca Municipal de Ílhavo, no domingo, dia 22, às 16h, mais um dos seus livros. Trata-se de uma edição de autor. A apresentação é do jornalista e escritor Viriato Teles, também ilhavense. E os todos os amigos e conhecidos do José A. Paradela estão convidados.

O José António Paradela é irmão de Tibério Paradela, que se estreou na escrita com o romance "Neste Mar é Sempre Inverno"
(ed. autor, Aveiro, agosto de 2014,  262 pp.), e é grande amigo de infância de Valdemar Aveiro, o capitão Aveiro,  um dos míticos capitães da pesca do bacalhau, de quem já aqui publicámos notas de leitura dos seus livros.

Todos os três são por sua vez conterrâneos e amigos do nosso camarada Jorge Picado. o únco de resto que não andou na pesca do bacalhau. (Em contrapartida, fez um comssão na Guiné como cap mil, CCAÇ 2589/BCAÇ 2885, Mansoa, na CART 2732, Mansabá e CAOP 1, Teixeira Pinto, 1970/72).

Um simples olhar de relance pelo índice do livro, de 164 pp., permite advinhar quanto humanidade, ternura, inocência, traquinice, generosidade   e poesia havia na rua suspensa dos olhos...Com a autorização do autor, iremos publicar aqui, no todo ou em parte, o relato da sua viagem de seis meses na safra do bacalhau, nas costas da Terra Nova e da Groenlândia, quando ainda adolescente, aos 16 anos, e dois anos depois de ter frequentado, com boas notas,  a Escola Profissional de Pesca,  em Pedrouços, Lisboa,  é chamado para embarcar e fazer "A Viagem":...

"Corria  [, então, ] o ano de 1954, longe ainda dos tempos da emigração maciça e da guerra colonial" (p. 92). Sim, porque filho de marinheiro ou de pescador, naqueles tempos que não favoreciam nem promoviam a mobilidade social, só podia ser marinheiro ou pescador... Contrariando o estino, perdemos se calhar um mau marinheiro e ganhámos  um promissor escritor,um grande arquiteto, e ainda um melhor amigo...

2. Tenho pena de não poder estar no domingo na sessão do lançamento do livro do Zé António, em Ílhavo, mas reservo-me para a próxima sessão em Lisboa. Aí apresentarei, com todo o gosto, ao vivo, a minha "nota de leitura" desta ternurenta coletânea de estórias que são, ao fim e ao cabo, também as da infância de muitos de nós, sobretudo dos mais velhos, daqueles de nós que nasceram em meados dos anos 30, e fizeram-se homens na dureza das condições de vida e de trabalho das décadas de 1940 e 1950.

De resto, este não é o seu primeiro nem será o último. Se não erro, é o terceiro... E é bom recordar que o Zé António, como bom ilhavense, é, também ele, filho e neto de gente do mar, tendo passado, aos 16 anos, pela pesca do bacalhau, e feito a tal "viagem" que muitos dos seus antepassados fizeram ao longo de 13 séculos (!), desde talvez o séc. VII... Essa viagem foi também a sau tropa, a sua guerra da Guiné... Uma experiência, duríssima, de seis meses, que o marcou para sempre... Homem de múltiplos talentos, escreveu  um primeiro livro, a pensar nos amigos, com o belíssimo título Uma Ilha no Nome: Crónica dos Dias Líquidos, que eu tive a honra e o prazer de prefaciar. (LG)

"A Rua suspensa dos olhos", de Ábio de Lápara (Aveior, ed. de autor, 2015): índice  elaborado por LG

1 comentário:

Anónimo disse...

Jose Paradela
23 nov 2015 12:10

Muito obrigado Luis, por esta divulgação do evento. Pena que não estejas cá. Um dia destes será, em Lisboa. Grande abraço