sábado, 21 de novembro de 2015

Guiné 63/74 - P15390: In Memoriam (240): Faleceu o Mário Rodrigues Silva ‘Nascimento’ [1950-2014], ex-soldado da CART 3494 (Xime-Mansambo, 1971/74)... Era um "sem-abrigo", esteve seis meses num lar da Figueira da Foz (Jorge Alves Araújo)



1. O nosso Camarada Jorge Alves Araújo, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CART 3494, (Xime-Mansambo, 1972/1974), enviou-nos mais uma mensagem desta sua série no passado dia 12NOV. 

Camaradas,

No passado fim-de-semana estive na Figueira da Foz e, em comunhão de interesses com o camarada António Bonito, tomámos a iniciativa de tentar localizar o Mário Rodrigues Nascimento, nosso camarada da CART 3494,  ferido em combate em 01DEZ1972 na Ponta Coli.

O resultado do nosso trabalho de pesquisa é aquele que consta do texto que anexo: faleceu em 08JUN2014.

IN MEMORIAM

Mário Rodrigues Silva ‘Nascimento’ [1950-2014], ex-Soldado da CART 3494 (Xime-Mansambo, 1971/74),
ferido na ‘Ponta Coli’ em 01DEZ1972; […] “sem abrigo” até finais de 2013,faleceu no Lar de Santo António, Figueira da Foz, em 8JUN2014

1.- INTRODUÇÃO 

Camaradas, 

A notícia do falecimento do camarada Mário Rodrigues Silva ‘Nascimento’, ex-combatente da CART 3494 na Guiné [4.º GComb], mais cedo ou mais tarde haveria de chegar, na medida em que viver na rua, na condição indigna de “sem abrigo”, não augura nada de bom à saúde de ninguém, degradando as diferentes dimensões da natureza humana, quer seja física, psicológica e/ou social, agravada pelo histórico que lhe deu origem. 

De facto esta notícia peca, ainda, por tardia, já que a morte do Mário ‘Nascimento’ ocorreu há mais de dezassete meses na Figueira da Foz, onde nasceu em 05 de Abril de 1950. 

E como a ela chegámos? 

Na deslocação efectuada no passado fim-de-semana à Figueira da Foz, por compromissos familiares, encontrei-me com o camarada António Bonito [ex-furriel do 2.º GComb - Enxalé], residente em Santana, uma localidade anexada à Freguesia de Ferreira-a-Nova, pertencente ao Município Figueirense. 

De entre os vários assuntos abordados no nosso encontro, a situação do camarada Mário ‘Nascimento’ veio à nossa memória, uma vez que desde 12JAN2012 [P137-3494] nada mais soubemos da sua existência. 

No sábado, 07NOV2015, durante a caminhada que se seguiu após o meu almoço, encontrei um grupo de três indivíduos, aparentemente na mesma situação do ‘Nascimento’, perguntando-lhes se conheciam um ex-combatente na Guiné a viver na rua, na zona do Alto do Viso. A resposta foi positiva… Referiram que há já algum tempo, mais ou menos dois anos, que o deixaram de ver, e que ele era conhecido por “Sr. Mário”. Disseram-me que esta ausência de contacto poderia ter a ver com o seu internamento no Lar de Santo António, instituição da Misericórdia da Figueira da Foz. 

Antes de seguir em direcção ao Lar, muito próximo do ex-quartel da Escola Prática de Serviços e Transportes [EPST] – C.I.C.A.2 – encerrado em Junho de 2006, pondo fim a cerca de cem anos de presença militar na cidade, sito nas Abadias, tomei a iniciativa de fazer uma abordagem telefónica exploratória, indagando sobre a possibilidade de aí o encontrar.

Na sequência desse contacto de sábado, seguido de outro na segunda-feira, por dificuldades de me responderem às questões formuladas no primeiro, fui informado pelos serviços administrativos do Lar, de que o Mário Rodrigues ‘Nascimento’ havia entrado para a Instituição no dia 18OUT2013 e falecido em 08JUN2014, domingo. 

Estes dados foram igualmente confirmados pelo camarada António Bonito, em contacto pessoal ontem realizado na Figueira da Foz.

2.- HISTÓRICO SOBRE O MÁRIO ‘NASCIMENTO’ 

Porque não possuo qualquer foto que identifique o camarada Mário ‘Nascimento’, utilizarei outras imagens para enquadrar o texto. 

O Mário Rodrigues ‘Nascimento’, na qualidade de militar pertencente ao 4.º GComb da CART 3494, foi um dos dois feridos graves contabilizados durante o combate travado com o grupo especial de «Bazookas» de Coluna da Costa e o bigrupo de Mamadu Turé e Pana Djata, na segunda emboscada montada pelo PAIGC, na Ponta Coli, em 01DEC1972 [P9802+P12232] vai fazer quarenta e três anos. O outro ferido grave foi o Joaquim Moreira de Sousa [ex-soldado], de Amarante [P155-3494]. 

Os ferimentos graves em ambos os militares acima referenciados resultaram dos efeitos provocados pelo accionamento de duas minas de sopro comandadas à distância pelos guerrilheiros emboscados na orla da mata a quarenta metros do local da segurança ao tráfego da estrada Xime/Bambadinca, vulgo “Ponta Coli”.


Foto 2 – Ponta Coli (Dec1972) – Trilho utilizado para ligar os postos de vigia onde foram colocadas e accionadas as minas de sopro que atingiram, com gravidade, os dois militares do 4.º GComb, da CART 3494. 


Ambos foram evacuados no mesmo dia para o Hospital Militar 241, em Bissau, onde permaneceram algum tempo em tratamento. Seguiu-se, depois, a sua transferência para o Hospital Militar Principal, em Lisboa, também conhecido por Hospital Militar da Estrela. Desde esse momento deixámos de ter contacto com eles.


Foto 3 – Ponta Coli – Território onde ocorreram as duas emboscadas ao 4.º GComb, da CART 3494, e onde foram capturados dois guerrilheiros já cadáveres, em 01DEC1972.


Foto 4 – Ponta Coli – Posto de Comando durante a missão de segurança. 


Entretanto, em 11JAN2012, um elemento da Direcção da Associação dos Deficientes das Forças Armadas [ADFA], Delegação de Coimbra, ex-Furriel Soles Girão, contactou o camarada Espadinha Carda [ex-furriel do 3.º GComb, da CART 3494] pedindo esclarecimentos sobre o Mário Rodrigues Silva ‘Nascimento’, na justa medida em que ele vivia na rua e só sabia dizer que pertenceu à Companhia 3494, estivera no Xime, onde fora ferido e evacuado para Bissau. 

Nesse mesmo dia, o camarada da Ponte Sor, Espadinha Carda, entra em contacto com o camarada Sousa de Castro, editor do Blogue da CART 3494, que de imediato dá o alerta através do Poste 137-3494, de 12JAN2012

O movimento de solidariedade para com o camarada Mário ‘Nascimento’ nascera a partir daquele momento. Vários foram os testemunhos deixados no post, nomeadamente do camarada João Pereira da Costa, ex-furriel da CCS do BART 2857 (Piche, 1968/70) que se prontificou a contactar com o seu camarada de Batalhão, o ex-furriel Soles Girão, reforçando o pedido de apoio. 

Eu próprio contactei o camarada da ADFA procurando saber algo mais, na medida em que era necessário identificar o local mais ou menos próximo em que poderíamos encontrar o nosso camarada “sem-abrigo”. Foi-me dito que ele vagueia pelas ruas da Figueira da Foz e que a morada constante nos registos anteriores era a Rua do Viso, curiosamente a mesma rua onde os meus avós tinham uma moradia e que eu conhecia muito bem dos tempos em que lá passava as férias escolares de outrora. 

De seguida contactei os Serviços Sociais da Autarquia Figueirense, apresentando a problemática, prometendo-me a Assistente Social, com quem falei, interessar pelo assunto. 

Desde essa data nada mais soube acerca da evolução do processo do camarada Mário ‘Nascimento’, a não ser o que acima relato. 

A informação de que falecera em 08JUN2014, domingo, deixou-me triste e revoltado, sentimentos certamente comungados por todos os restantes camaradas ex-combatentes da CART 3494. 

Ficou sepultado no Cemitério Oriental da Figueira da Foz.


Foto 5 – Edifício do Lar de Santo António, da Misericórdia da Figueira da Foz, onde o camarada Mário Rodrigues Silva ‘Nascimento’ esteve abrigado durante os últimos oito meses da sua passagem terrena, e onde travou a última batalha da sua vida.

QUE DESCANSES EM PAZ.

Com um forte abraço e votos de muita saúde.

Jorge Araújo.
Fur Mil Op Esp / Ranger, CART 3494

Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________

Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em:


3 comentários:

Luís Graça disse...

Camaradas: já perdemos a capacidade de nos indignarmo-nos, tantos são, infelizmente, os casos indignos como este que nos chegam ao nosso conhecimento, muitos vezes tardio...

A miséria banalizou-se no nosso país, mas muita dela é ainda encoberta, passa-se por cima dela "o lençol branco" do nosso cinismo, indiferença, egoísmo e vergonha...

O caso do 'Nascimento' toca-nos a todos porque é mais um bravo da Guiné que morre na "vala comum" da nossa raiva e impotência... O mínimo que se poderia exigir à Pátria é que os seus filhos que combateram por ela tivessem um velhice digna e uma morte humanzada...

Obrigados, camaradas Jorge Araújo e António Bonito!.. LG

António Murta disse...

Queria dizer qualquer coisa, mas não me sai nada.
A revolta enevoa-me o raciocínio. Fizemos parte de uma máquina que foi posta de lado quando deixou de ter utilidade. Com o tempo, nós, as peças obsoletas, vamos caindo misturando-nos com o pó. Ignorados, uns mais que outros. Alguém se encarregará de nos tapar com o pé. Só consigo falar em sentido figurado. Como figurado, para mim, é a defesa da pátria, essa madrasta.
Todavia, quem sabe se eu poderia ter ajudado de alguma forma o nosso camarada aqui na Figueira da Foz.
Estou chocado.

Um abraço, Jorge Araújo.
A. Murta.

Anónimo disse...

António Murta e Luis Graça,

Tudo dito. Palavras apropriadas.
Está finalmente em paz o Camarada Nascimento.

V Briote