terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Guiné 63/74 - P15432: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (31) (1): Dia 23 de Abril de 1974, visita do General Bettencourt Rodrigues a Nhala

1. Em mensagem do dia 26 de Novembro de 2015, o nosso camarada António Murta, ex-Alf Mil Inf.ª Minas e Armadilhas da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (Aldeia Formosa, Nhala e Buba, 1973/74), enviou-nos mais uma página do seu Caderno de Memórias.


CADERNO DE MEMÓRIAS
A. MURTA – GUINÉ, 1973-74

31 - Dias 23 e 24 de Abril de 1974 (1)


Da História da Unidade do BCAÇ 4513: 

ABR74/23 – Pelas 08h00 chegou a A. FORMOSA Sua Excelência o General e Comandante-Chefe, acompanhado pelo seu Chefe do Estado-Maior COR. HUGO DA SILVA, Comandante do BENG TEN-COR MAIA E COSTA e Ajudante de Campo, a fim de visitarem a frente de trabalhos da estrada A. FORMOSA-BUBA. Depois de serem prestadas as honras do estilo, Sua Excelência percorreu demoradamente o aquartelamento, apreciando as obras em curso. Depois de um briefing no Gabinete de Operações, e acompanhado pelo Comandante e 2.º Comandante do Batalhão e restante comitiva, deslocou-se à frente de estrada e ao aquartelamento de NHALA. [Sublinhado meu]. Na frente de trabalhos reuniu-se com o pessoal de Engenharia, o qual felicitou pelo trabalho desenvolvido. Após esta visita regressou a A. FORMOSA, onde almoçou, seguindo depois do mesmo para BISSAU. (...).

****** 

Apontamento: O General Bettencourt Rodrigues.

O General Bettencourt Rodrigues foi um militar brilhante e teve uma carreira longa e preenchida de altos cargos, ensombrada apenas por um final inesperado e sem glória, quem sabe, por preferir manter-se coeso com os seus ideais a aderir ao Movimento das Forças Armadas que acabara de depor o governo de Lisboa. Por via deste desfecho, nunca saberemos que impacto teria a sua acção na administração da Guiné e no evoluir da guerra que, naquela época e nalguns sectores, atingia estádios decisivos e preocupantes, mormente no meu Sector S-2, (com informações ainda muito secretas mas alarmantes sobre os planos do PAIGC), como mais tarde darei conta.

O General Bettencourt Rodrigues não precisa de grandes apresentações. Ainda assim, relembro alguns dados biográficos. [Fonte Wikipédia para factos e datas]. José Manuel Bettencourt Rodrigues [Bettencourt, na Wikipédia], (Funchal, 5 de Junho de 1918 – Lisboa, 28 de Abril de 2011).

- Em 1939 concluiu o Curso de Infantaria da Escola do Exército como 1.º classificado.
- Em 1951 concluiu o Curso de Estado-Maior com a classificação “Distinto”.
- Até à sua promoção a general em 1972, sucederam-se os cursos e as distinções, numa carreira militar notável, tendo sido também Ministro do Exército (1968-1970) e adido militar e aeronáutico junto da Embaixada de Portugal em Londres.
- Em 21 de Setembro de 1973 (a História da Unidade do BCAÇ 4513 refere 29 de Setembro a chegada à Guine), toma posse como Governador-Geral e Comandante-Chefe do Comando Territorial e Independente da Guiné.
- Em 26 de Abril de 1974 foi preso no Forte da Amura (Bissau), por militares do MFA.
- Em 14 de Maio de 1974 passou à situação de reserva por despacho da Junta de Salvação Nacional.


Das minhas memórias: 

23 de Abril de 1974 – (terça-feira) - A visita do General.

A visita do General Bettencourt Rodrigues a Aldeia Formosa e a Nhala foi, provavelmente, a última que fez na Guiné na qualidade de Comandante-Chefe. Pareceu-me uma pessoa muito acessível, afável e atenta aos problemas que lhe eram colocados. Mas foi a impressão de um contacto muito breve.

Nas imagens que mostrarei a seguir, “reportagem” que não é de todo exaustiva, pode notar-se uma certa ausência de tropa em Nhala, pela mesma razão da ocorrida aquando da visita da Cilinha, mas que não referi no relato que dela fiz. Essa ausência deve-se ao que a História da Unidade do BCAÇ 4513 expressa sem rodeios:

“ABR74/23 – (...). Em virtude da visita de Sua Excelência o Comandante-Chefe, foi montado na estrada A. FORMOSA-BUBA um dispositivo especial de segurança, com forças da 1.ª CCAÇ, 2.ª CCAÇ, 3.ª CCAÇ/4513, CART 6250”.

Como última nota referente a este dia, diz ainda o seguinte a História da Unidade: “Pelas 22h30 GR IN destruiu um pontão da estrada alcatroada BUBA-NHALA em região XITOLE 2 G 7-39”.

Mas o senhor General já não ouviria o grande estouro, recatado em Bissau para onde regressou após ter almoçado em A. Formosa. No final deste poste mostrarei algumas imagens colhidas no local, no dia seguinte à sabotagem, 24 de Abril de 1974.


Fotografias da visita do General Bettencourt a Nhala comentadas ao jeito de legendas

Foto 1 - 23 de Abril de 1974, Aldeia Formosa - O General Bettencourt Rodrigues recebe honras militares, ladeado à sua esquerda pelo Major Dias Marques, 2.º Comandante do BCAÇ 4513. [Fotografia inestimável do camarada Fernando Costa, com a devida vénia].

Foto 2 - 23 de Abril de 1974, Nhala - Chegada do General Bettencourt Rodrigues às imediações do aquartelamento, descendo a base recente da estrada nova. Na frente do jeep, preparando-se para descer, o Comandante do Batalhão 4513, Ten-Cor Carlos Alberto Ramalheira.

Foto 3 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Depois das honras militares o General cumprimenta o CMDT de Nhala, Capitão Braga da Cruz, da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513. Atrás de si, o Oficial de Dia, Alf Mil Campos Pereira.

Foto 4 - 23 de Abril de 1974, Nhala – A comitiva dirige-se para o aquartelamento. À esquerda da imagem o Coronel Hugo da Silva, Chefe do Estado-Maior, cumprimenta o Oficial de Dia. Em primeiro plano, de Kalashnikov, o Tenente Ajudante de Campo. E guarda-costas, pareceu-me.

Foto 5 - 23 de Abril de 1974, Nhala – No centro do aquartelamento o General dialoga com o Cmdt de Nhala.

Foto 6 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Detalhe da fotografia anterior.

Foto 7 - 23 de Abril de 1974, Nhala – O Tenente guarda-costas aproveita para ler uma carta chegada da Metrópole, quero crer. Porquê? Porque o envelope é debruado pelo tracejado característico do correio aéreo.

Foto 8 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Por uma mania que ainda uso quando calha, fechei num círculo visitantes e anfitriões. De bigode, fitando-me, o Major Dias Marques, que percebeu a maldade, (inocente, diga-se), parece pensar: Lá está este gajo outra vez com as suas maluqueiras...

Foto 9 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Após inspecção ao depósito de géneros (com cão a sair), da responsabilidade do Fur Mil Vaguemestre Sebastião Oliveira.

Foto 10 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Diálogo à porta do Cmdt de Companhia, com a presença de um homem grande que deve ser um “notável” da tabanca, mas que não recordo.

Foto 11 - 23 de Abril de 1974, Nhala – O homem grande dialoga com o General através do intérprete atrás de si. O rapaz à direita parece rir-se do português do homem grande ou do dialecto do General.

Foto 12 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Outro homem grande chega-se à conversa, enquanto começam a aparecer as mulheres da tabanca com ar decidido.

Foto 13 - 23 de Abril de 1974, Nhala - Começa o ajuntamento popular movido pela curiosidade e pelo tributo de honra ao homem grande da tropa. Manga de ronco.

Foto 14 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Já não vai haver hipótese de reunir no gabinete. Tudo irá a “despacho” ali à porta.

Foto 15 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Esta bajudinha linda, indiferente à atenção devida ao General, fixa-se na minha objectiva, entre curiosa e apreensiva, não podendo imaginar, nem eu, que um dia a mostraria ao mundo e que, nessa altura (agora), já teria mais de quarenta anos.

Foto 16 - 23 de Abril de 1974, Nhala – O diálogo prossegue e nosso cabo vai assegurando o entendimento das esquisitas falas, sob o olhar atento do Sr. Tenente guarda-costas.

Foto 17 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Continua a chegar população. Ou melhor: mulheres e crianças, quase só. As palmas vibram, secas, e a mulher grande dança como um tornado. Manga de ronco.

Foto 18 - 23 de Abril de 1974, Nhala – As visitas preparam-se para partir. Ao volante do jeep, o Cmdt do Batalhão Ten-Cor Carlos Ramalheira e, ainda a subir, à esquerda, o Cmdt de Operações do BCAÇ 4513, Capitão Cerveira. De cigarro, à direita, o Coronel Hugo da Silva. No jeep de trás o resto da comitiva, apenas se reconhecendo ao volante o Major Dias Marques.

Foto 19 - 23 de Abril de 1974, Nhala – Tudo a postos trocam-se os últimos cumprimentos. Ao fundo, a messe de sargentos com alguns deles a assistir às despedidas.

Foto 20 - 23 de Abril de 1974, Nhala – A comitiva saindo de Nhala rumo a A. Formosa. No jeep de trás, reparo agora, segue o intérprete africano que, afinal, já acompanhava o General Bettencourt.

(Continua)

Texto e fotos: © António Murta
____________

Nota do editor

Últimos 10 postes da série de:

22 de setembro de 2015 > Guiné 63/74 - P15139: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (21): De 2 a 25 de Setembro de 1973

29 de setembro de 2015 > Guiné 63/74 - P15174: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (22): De 09 a 23 de Outubro de 1973

6 de outubro de 2015 > Guiné 63/74 - P15207: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (23): De 27 de Outubro a 12 de Novembro de 1973

13 de outubro de 2015 > Guiné 63/74 - P15244: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (24): De 14 de Novembro a 22 de Dezembro de 1973

20 de outubro de 2015 > Guiné 63/74 - P15271: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (25): De 6 a 26 de Janeiro de 1974

27 de outubro de 2015 > Guiné 63/74 - P15297: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (26): De 29 de Janeiro a 26 de Fevereiro de 1974

3 de novembro de 2015 Guiné 63/74 - P15320: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (27): De 01 a 31 de Março de 1974

10 de novembro de 2015 Guiné 63/74 - P15348: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (28): De 01 a 7 de Abril de 1974

17 de novembro de 2015 Guiné 63/74 - P15376: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (29): De 08 a 16 de Abril de 1974
e
24 de novembro de 2015 Guiné 63/74 - P15404: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (30): Abril de 1974

2 comentários:

Luís Graça disse...

A foto nº 15 é a minha preferida... Espero que a bajudinha ainda hoje esteja viva... Se ela chegou aos cinco, estará viva, mas já precocemente envelhecida!... Como é cruel o tempo, em África, ao passar pelo corpo das mulheres!...

Parabéns, mais uma vez, pela tua reportagem. O general e acompanhantes não eram lá muito fotogénicos, os militares são todos iguais em toda a parte... E aprendem a controlar as emoções. Mesmo assim, fez-te falta aqui uma boa "zoom"...

Pergunto-te se este homem, o com-chefe e governador geral, teria algum pressentimento, no dia 23 de abril de 1974, de que dentro de dias, iria ser apeado do poder... Aqui faltou o "zoom" para o apanhares em grande plano... Se calhar o "guarda-costas" estaria mais apreensivo do que o general... Mas deixa-me perguntar-te: esse tenente era mesmo o "guarda-costa" ou não seria antes o ajudante de campo ?...

Se não me engano, parece ser (ou pode ser) o Rui Guerra Ribeiro, filho do intende Guerra Ribeiro, e hoje cor inf ref... Se sim, ele esteve, com o António Estácio, de quem é amigo, no nosso último encontro, em 2015, em Monte Real... E já num outro encontro anterior... Ele contou-me a sua versão da prisão do gen Bettencourt Rodrigues, na Amura, em 26 de abril de 1974, pelos "revoltosos" do MFA da Guiné... Já o convidei para integrar o blogue e publicar a sua versão dos acontecimentos.

Vê aqui uma foto dele com o António Estácio:

http://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2015/04/guine-6374-p14491-x-encontro-nacional.html

António Murta disse...

Zoom?! Em 1974? Amigo Luís Graça, eu tinha uma Olympus Trip 35 (e só após as primeiras férias) que para aquela época já era avançada, com uma objectiva de 40 mm e uma abertura fantástica de f 2.8! Mas era uma simples compacta e passariam muitos anos até que me artilhasse de máquinas e objectivas...

Sobre o “guarda-costas”: Chamei-lhe assim porque ele não largava o general mas, a HU refere na comitiva aqueles que citei no poste, mais o ajudante de campo, não designando a patente nem o nome deste. Por exclusão de partes, só pode ser o da kalashnikov.

Teria o general algum pressentimento do que se seguiria? Já pensei nisto muitas vezes mas, pelo contacto tão breve, não recordo indícios de pressentimentos. Pareceu-me sempre muito descontraído. Mas admito que tivesse informações ou suspeitas do que estava em curso e agisse como se nada fosse, certo de que era já tarde para contrariar o curso da história. Nunca saberemos.
Abraço.
A. Murta