terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Guiné 63/74 - P15671: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (35): De 11 a 30 de Junho de 1974

1. Em mensagem do dia 23 de Janeiro de 2016,  o nosso camarada António Murta, ex-Alf Mil Inf.ª Minas e Armadilhas da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (Aldeia Formosa, Nhala e Buba, 1973/74), enviou-nos mais uma Memória, a 35.ª.


CADERNO DE MEMÓRIAS
A. MURTA – GUINÉ, 1973-74

35 - De 11 a 30 de Junho de 1974

Da História da Unidade do BCAÇ 4513: 

JUN74/11 – Prosseguem a bom ritmo os trabalhos de Engenharia nas estradas de A. FORMOSA-BUBA, e A. FORMOSA-R. CORUBAL.

- Em virtude de os trabalhos na estrada A. FORMOSA-BUBA estarem quase concluídos, os Grupos de Combate das CCAV 8350 e CART 6250, que estavam de reforço à 2.ª CCAÇ/4513, recolheram às respectivas Companhias. [Só a partir desta data começámos a sentir algum desafogo em Nhala. Era demasiada tropa ali concentrada].

- (...). 2.º Comandante deslocou-se a Nhala.

- Marchou para Bissau, a fim de se apresentar no QG/CTIG, o CAP BRAGA DA CRUZ.

[O “Caso Braga da Cruz” tinha eclodido pouco tempo antes. Encerrava-se agora o último capítulo de uma história lamentável, com efeitos nefastos na Companhia. Por respeito à memória do Capitão e recato de todos os elementos da Companhia, não abordarei aqui o enredo que levou à sua saída de Nhala e ao fim prematuro da sua Comissão. Acrescentaria apenas que este desfecho nada teve a ver com euforias justiceiras ou revolucionárias por se ter dado o 25 de Abril. O “caso” só podia terminar como terminou, quer se tivesse dado antes ou depois do 25 de Abril].


Das minhas memórias: 

13 de Junho de 1974 (quinta-feira) – Notícia de uma ameaça terrível. Que já se esfumara... 

A nota que se segue, de tão desconcertante e extemporânea, vale pelo contributo para a compreensão daquela época de incertezas e ansiedades, e pela amostra do que poderia ter sido a reviravolta decisiva da nossa supremacia militar a nível do Sector, se é que ainda tínhamos supremacia, ou mesmo de toda a zona Sul da Guiné, se não tivesse acontecido o 25 de Abril. Recordo que o Comandante de Companhia comunicou aos alferes a informação recebida que deveria ser apenas para si – e incinerada a seguir -, por não suportar sozinho o sufoco da revelação. Só não recordo a razão desta minha nota já em Junho, quando ela se deve reportar a uma ameaça anterior ao 25 de Abril, como se verá mais à frente. Também não recordo o nome do documento militar com a informação confidencial. Como seria de esperar, a HU não faz qualquer referência à mesma, mas só agora posso constatar isso. 

************

Informações e contra-informações [hoje não percebo esta qualificação] chegadas à Companhia dão conta da eventualidade de uma acção do PAIGC de grande envergadura, talvez definitiva para esta zona, através do isolamento por terra, ar e Rio Buba, seguido de acções ofensivas no terreno. Dá-se conta da minagem da estrada Buba-Nhala-Mampatá, minagem do Rio Buba [creio que seria inédito], e da instalação de enorme quantidade de bases para mísseis terra-ar, constituindo uma barreira no espaço aéreo entre Bissau e Aldeia Formosa. O objectivo do isolamento da zona e consequente quebra nos reabastecimentos de víveres e munições, é o desencadear de emboscadas, flagelações e ataques aos aquartelamentos. A ser assim, isto revelaria uma superioridade militar que, diz-se, incluiria meios aéreos há muito badalados e nunca confirmados. A informação em causa não refere esta eventualidade. Diz-se, apenas...

Diz-se ainda que foram todas estas informações que fizeram o General Spínola antecipar o 25 de Abril para evitar uma chacina na zona. [Hoje isto parece bizarro porque, como se sabe, - mas se ignorava na altura -, o General Spínola nunca esteve na génese do MFA nem do 25 de Abril, embora estivesse informado e, até ao derradeiro momento, sempre em contacto com o Movimento dos Capitães]. Não obstante a Revolução, eles (PAIGC) ameaçaram que virariam toda a sua actual força para este Sector se as conversações sobre a descolonização falhassem. [Seria o reactivar dos planos atrás referidos ou mera chantagem? Mas bizarra é também esta ameaça, a ter existido, pelo contraste entre o que emanava da cúpula do PAIGC e o que era dito no terreno pelos seus representantes, nomeadamente os comandantes militares e os comissários políticos, defensores do cessar-fogo tácito já em vigor].

A verdade é que se falou numa operação de transporte de bombas de Bissau para Aldeia Formosa para serem aqui armazenadas, bem como o estacionamento de alguns Fiat para obstar à tal barreira do espaço aéreo. (Nunca soube se se chegou a iniciar esta operação).

Mais tarde, o Comandante do Batalhão Ten Cor Carlos Ramalheira, em conversa com o responsável militar do PAIGC no Sector Sul, teve a confirmação de que as informações de que dispúnhamos sobre o plano estavam correctas. De facto, as nossas informações militares eram, normalmente, fiáveis.

Não obstante com alguns incidentes, reina agora a paz, mesmo antes dos acordos assinados.

[A História da Unidade revela, no descritivo da Situação Geral do período de 1 a 30 de Junho: “Após a interrupção das conversações de Argel, embora se viva um clima de paz, com um cessar-fogo tácito, continua-se na expectativa, especialmente pelo desenrolar dos acontecimentos que poderão levar à independência e ao regresso à Metrópole das Unidades”].

Mas já é quase impossível o regresso da guerra, tanto porque nalguns locais as nossas tropas já abandonaram as posições, como porque o PAIGC tem agora os seus Comissários Políticos espalhados pelo país a esclarecer as populações, neste momento ainda temerosas, e a evitar conflitos entre aqueles que aplaudem o Partido e aqueles que até agora o combatiam ao nosso lado e que são nada menos que 17 mil. Muitos destes homens, ao princípio, recusaram-se a entregar as armas e a aceitar a ideia de serem integrados na nova ordem quando os portugueses regressarem à Metrópole. Diziam que nos acompanhariam ou continuariam a lutar, incapazes de compreenderem a irreversibilidade da situação. Era de calcular esta atitude, depois de tantos anos a combater pela causa que lhes impingiram como justa, combatendo, sem o saberem, contra eles próprios, exceptuando os que o fizeram por convicção e fidelidade a valores e dependências ancestrais do colonizador.

[Relembro que estou a transcrever memórias com mais de quarenta anos. Mas, naquela altura, recordo, causava-me já algum incómodo pensar na situação dos militares africanos. Como se sentisse uma parte da culpa de terem sido utilizados e no fim descartados e esquecidos, na nossa euforia do regresso a casa. Imaginava-os desamparados e ostracizados pelos sectários revanchistas. Mas longe de imaginar o que se seguiria. Hoje digo sem pejo: foram enganados. Pior, foram traídos. Da parte das autoridades portuguesas pelo abandono ignóbil, sem que fossem expressas claras garantias de integração social, (não estou certo de que não fossem), salvaguarda de represálias, solução de saída do território param os que o desejassem, etc., etc. Da parte do PAIGC, para minha decepção e revolta, a atitude revanchista foi inominável, (para não ser grosseiro), pela sumária eliminação física dos muitos que se destacaram ao lado dos portugueses. Não sou ingénuo nem completamente ignorante para desconhecer que foi assim um pouco em todas as guerras, em todas as épocas e em todas as latitudes. Mas fui ingénuo ao ponto de acreditar que, estando perante um partido revolucionário moderno, civilizado e fundamentado em princípios sérios, (a sua origem e breve história a isso levava a crer), os seus dirigentes seriam o seu reflexo no futuro pacífico da Guiné, com a melhoria das condições de vida das populações e da modernização do país em geral. Que diria Amílcar Cabral de tudo isto? E das bolandas em que vive a Guiné-Bissau desde o fim da guerra? À sua memória faço a justiça de ficar na dúvida. Mas o respeito que lhe tinha era o mesmo que tinha pelo seu homólogo em Angola e foi o que se sabe. E o que se passou e ainda passa lá, não é exemplo para nenhum país civilizado, tal como a Guiné pós independência. Não era disto que falavam os Comissários Políticos, incansáveis no terreno a amaciar desconfianças naturais e a fazer passar a mensagem civilizada de um partido reconciliador e agregador da população guineense. Continuo a admirar e a respeitar uma gesta de guerrilheiros e guerrilheiras do PAIGC, alguns mártires, que conheci em muitas leituras após o fim da guerra, e que me enterneceram com a sua coragem, firmeza de convicções e entrega abnegada à sua luta. Mas isso não diminui a minha revolta. Retomo a transcrição interrompida].

Chegou a haver casos pontuais de rebelião e, neste Sector, o conflito esteve muito sério, fazendo-nos recear o momento da nossa partida, altura em que podíamos ser atacados por aqueles que haviam combatido ao nosso lado. [Referência à recusa em entregar as armas]. Agora já estão a aceitar os acontecimentos e os Comissários e Delegados Políticos do Partido andam livremente pelas “nossas” tabancas em diálogo com as populações e com a tropa.

Há dias estive em Mampatá com um desses delegados e ele mesmo me disse que está a tentar mentalizar as populações. E que, pela nossa parte, podíamos andar desarmados porque as armas já não eram precisas. Em Aldeia Formosa estiveram dois grupos de combate do PAIGC e os alferes que os comandavam encontraram-se com o nosso Comandante do Batalhão. [Pois... Que deve ter zurzido neles, por nos dizerem a nós que podíamos andar desarmados e eles ousarem aproximar-se das nossas Unidades completamente armados. Como se pode confirmar no seguimento da História da Unidade do meu Batalhão].


Da História da Unidade do BCAÇ 4513:

1974JUN/15 – Realizou-se em A. FORMOSA uma reunião com a população a pedido dos Comissários Políticos do PAIGC, em que além destes comissários também estiveram presentes o Comandante e 2.º Comandante do Batalhão. Esta reunião visava o esclarecimento da população quanto ao programa do PAIGC.

- Comandante deslocou-se a COLIBUIA.

1974JUN/16 – Pelas 14h30, um Soldado do Destacamento da CHAMARRA que se deslocava entre A. FORMOSA e CHAMARRA, foi contactado em região XITOLE 7 F 3.34, por um Grupo IN estimado em 40 elementos armados que o deixaram seguir para CHAMARRA.
Posteriormente, cerca das 15h30 foi comunicado a este Comando que esse mesmo GR IN tinha sido avistado relativamente perto do arame farpado de A. FORMOSA.
Contrariamente ao que se esperava o Comandante do GR IN não procurou contactar este Comando, presumindo-se que tenha retirado.

1974JUN/17 – (...).

- Todas as Subunidades continuam conforme directiva superior a executar patrulhamentos de defesa próxima dos estacionamentos.

- (...).

1974JUN/18 – Pelas 10h10 quando Comandante e 2.º Comandante se deslocavam num Jeep isolado e desarmados a visitar trabalhos na frente da estrada A. FORMOSA-BUBA, encontraram na região de UANE a cerca de 15 metros da estrada um Bigrupo do PAIGC armado. Pararam o Jeep, tendo alguns elementos do bigrupo nomeadamente o seu Comandante, aproximado do Jeep para cumprimentos.
O Comandante do Bigrupo, chamado TIJANE informou que viera do UNAL, cujo Comandante CAMARÁ determinara uma patrulha de reconhecimento à referida região.
Despedindo-se, retiraram presumindo-se que em direcção ao UNAL.

[Não recordo ter feito esta viagem no Jeep do Comandante do Batalhão. A lembrança que guardo, possivelmente de outra ocasião, é que seguíamos numa coluna e que à passagem pela zona do Carreiro de Uane o Comandante que ia, como sempre, na cabeça da coluna, a fez parar, por se encontrar próximo da estrada um grupo numeroso de guerrilheiros. O local, do lado direito da estrada, era uma pequena savana de boa visibilidade. Percebia-se que era um bigrupo numa fila perpendicular à estrada, alongada e disciplinada. Só os da frente se aproximaram do Comandante do Batalhão e depois de um diálogo de alguns minutos a coluna seguiu viagem na direcção de Mampatá. Era de supor que estivessem ali à espera há longo tempo. Quando o resto da coluna passou por eles não houve acenos, não houve cumprimentos. Tudo muito sóbrio e disciplinado].

1974JUN/19Terminaram os trabalhos de Engenharia na estrada A. FORMOSA-BUBA, pelo que foi enviada uma mensagem de felicitações ao Comandante do Dest N.º 2 e seu pessoal. [Sublinhado meu]

- Estiveram em A. FORMOSA O Exmo. Major do CEM, MAIA CORREIA acompanhado por JUVENCIANO, 2.º Secretário da Assembleia Popular do PAIGC.

(...).

[Abro aqui um parênteses na transcrição da H. U. para dar o merecido destaque à referência que dá conta da conclusão da estrada Aldeia Formosa-Buba nesta data. Trata-se de um eixo viário da maior importância, mesmo em tempo de paz, pois liga todo o interior ao porto fluvial de Buba, porta privilegiada de entrada e saída para mercadorias e pessoas. E, se é verdade que sempre assim fora, não é menos verdade que entre Buba e Aldeia Formosa (ou Quebo) se podiam levar várias horas de cansaços e percalços, sobretudo na época das chuvas, para não falar das temidas acções da guerrilha. Agora, em viatura, o novo trajecto pode ser cumprido em meia hora ou pouco mais, quer faça chuva ou faça sol. Mesmo para quem o faça de bicicleta ou a pé, é uma grande evolução para as populações locais. Tanto, que ao longo da estrada se foram fixando tabancas de enfiada, como é bem visível no Google Earth. 

Se esta estrada pudesse ter um nome, bem que podia – e devia – ser um tal, que homenageasse todos aqueles que, integrando os batalhões que nos antecederam neste chão, fizeram de cada viagem pela picada temerosa uma odisseia, muitas vezes lá perdendo companheiros.

Junto duas fotografias da estrada actual com um duplo significado: em baixo, viaturas atascadas na lama, lembrando-nos os baixios das velhas picadas, tantas vezes a barrarem-nos o caminho em emergências e perigos. Não haverá ninguém a que estas situações sejam estranhas; em cima e à esquerda a estrada nova, ainda não majestosa, mas maciça e recta, desimpedida de vistas e apta a grandes acelerações. Só tinha um problemazinho na data das fotografias: não estava acabada. Parece-me que ainda lhe faltava o tapete para depois ser alcatroada. O que ainda levaria muito tempo, devido à falta recorrente de alcatrão sobretudo nos últimos meses da obra. E isso obrigava-nos a circular na pista de terra batida lateral, com as consequências que se vêem. A obra agora concluída teve início na frente de A. Formosa em 27 de Outubro de 1973 e na frente de Buba no dia 30 do mesmo mês].


Fotos 1 e 2: 1974, Berliets com pessoal da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 de Nhala, atascadas junto à estrada nova, algures entre Nhala e Mampatá, quando se dirigiam para este aquartelamento.

[Prossigo com a História da Unidade].

1974JUN/21 – (...). Pelas 12h00, um Grupo do PAIGC constituído por 48 elementos armados, após contornarem o Destacamento de PATE EMBALO, estacionaram a cerca de 100 metros do arame farpado. Ao serem contactados pelo Comandante do Destacamento e por alguns elementos da população, declararam que a população poderia cultivar onde quisesse e que a guerra já tinha acabado. Cerca das 13h00 retiraram na direcção de KANSAMBEL.

(...).

1974JUN/25 – Pelas 09h00, foi detectado numeroso grupo do PAIGC a cerca de 500 metros do arame farpado do aquartelamento de MAMPATÁ. Este grupo estimado em 120 elementos armados e comandado por um tal INCENDA, depois de contactarem com elementos das NT e população de MAMPATÁ, regressaram novamente ao UNAL, donde tinham vindo.

- Foi deslocada para BUBA metade da CCAV 8351 que, conforme determinação do Comandante-Chefe é deslocada para BISSAU. [Saíam em paz, finalmente, rumo a Bissau e à Metrópole, os Tigres de Cumbijã, do Capitão Vasco da Gama].

1974JUN/26 – Pelas 10h00, Grupo do PAIGC oriundo do UNAL estimado em 50 elementos armados, chegou junto de MAMPATÁ, estacionando a cerca de 160 metros do arame farpado. Era comandado por MIGUEL GOMES, referenciado como Comandante das FAL de CUBISSECO de CIMA. Disseram mais uma vez que a guerra já tinha acabado e que estavam satisfeitos com o procedimento das NT. Cerca das 14h00, regressaram novamente ao UNAL.

- É deslocada para BUBA, a segunda parte e última da CCAV 8351.

- Dois Grupos de Combate da CCAV 8350, sediada em COLIBUIA, foram deslocados para CUMBIJÃ, a fim de guarnecer o respectivo Destacamento.

1974JUN/27 – Pelas 14h00, A. FORMOSA foi assolada por um tufão, de que resultaram vários prejuízos, especialmente nos telhados de alguns edifícios.

 1974JUN/29 – Pelas 14h00, GR PAIGC oriundo do UNAL e estimado em 56 elementos armados, chegou junto de CUMBIJÃ, estacionando a 50 metros do arame farpado. Era comandado por MIGUEL GOMES. Contactaram com um Oficial e praças dos Grupos de Combate sediados no CUMBIJÃ, a quem afirmaram que a guerra tinha acabado e que a população poderia ir cultivar para onde quisesse. Cerca das 15h30 iniciaram o movimento de regresso ao UNAL.

(...).

1974JUN/30 – Pelas 14h00, GR PAIGC oriundo do UNAL, voltou novamente à região do CUMBIJÃ, estacionando a cerca de 200 metros do arame farpado. Este grupo trouxe consigo alguns elementos da população sob seu controle que vieram confraternizar com as suas famílias que se encontravam sob nosso controle. Pelas 16h00, o referido grupo regressou ao UNAL.

- Todas as Subunidades do Sector continuam a realizar os seus patrulhamentos de defesa próxima dos estacionamentos.

- O PAIGC levou a cabo uma manifestação de apoio ao Partido. Esta manifestação constou de um circuito em viaturas cedidas pela BECE e DEST ENG N.º 1, percorrendo todas as povoações de A. FORMOSA, MAMPATÁ, COLIBUIA e CUMBIJÃ. Os manifestantes eram portadores de bandeiras do PAIGC e alguns cartazes com “slogans” de apoio ao Partido.

[Passariam também por Nhala, como se pode ver pelas fotografias que se seguem. A estas junto outras, registando momentos de contacto e convívio com elementos do PAIGC, todas elas facultadas pelo meu amigo e ex-camarada Fur Mil TRMS José Roque que me autorizou a publicá-las e a quem fico agradecido].


Foto 3 e 4: Guerrilheiros do PAIGC deslocando-se à vontade numa picada, provavelmente nas imediações de Nhala, em data que também não posso precisar.

Foto 5: Contacto de guerrilheiros do PAIGC com elementos das nossas tropas em local e data que não posso precisar.

Foto 6: Nhala, Junho de 1974 – Guerrilheiros do PAIGC em convívio com os nossos militares. Ao centro, de bigode, o Fur Mil Trms José Roque junto de um camarada que não recordo. No canto superior esquerdo, sorridente, o Fur Mil Joaquim Carrilho.

Foto 7: Nhala, Junho de 1974 – O Fur Mil Trms José Roque com guerrilheiros do PAIGC.

Foto 8: Nhala, Junho de 1974 – Caravana com manifestantes em apoio ao PAIGC, provavelmente no dia 30, em que percorreram várias localidades em viaturas cedidas pela Engenharia.

Foto 9: Nhala, Junho de 1974 – Outra viatura da Engenharia com manifestantes em apoio ao PAIGC. Repare-se no sujeito no canto inferior esquerdo: só ao editar a fotografia reparei no gesto elucidativo da sua mão direita. Sintomático...

(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de janeiro de 2016 Guiné 63/74 - P15640: Caderno de Memórias de A. Murta, ex-Alf Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (34): De 1 a 10 de Junho de 1974

5 comentários:

Antº Rosinha disse...

A fotografia do rapaz do dedo, tem porras.

Merece um retoque , um circo a vermelho envolvendo o gesto.

É elucidativo sim, e de que maneira, ex-alferes Murta.

Mesmo os mais jovens viam a realidade, mas tinham que aguentar a demagogia dos ventos da história.

José Carlos Gabriel disse...

Amigo António Murta.

Mais uma vez um escrito teu que me diz muito em termos emocionais.
No caso do Capitão Braga da Cruz assino por baixo tudo o que dizes.
A referência que fazes às notícias (13 de Junho de 1974 (quinta-feira) – Notícia de uma ameaça terrível. Que já se esfumara... ).
Pois é amigo foi precisamente a partir de termos recebido esta mensagem que tive algumas alterações emocionais que me levaram a ter alguns conflitos porque embora sabendo do que se poderia vir a passar tinha que me manter calado.
Tenho hoje imensa pena de não ter trazido a cópia dessa mensagem mas na altura nunca me passou pela cabeça poder vir a ser necessária para a nossa história.

Um abraço amigo.

José Carlos Gabriel

Luís Graça disse...

António, ainda não tive tempo de ler, como deve ser, devagar, o teu texto...Mas pelo que vi traz informação, mais uma vez, valiosa para se conhecer, em primeira mão, o que foi o processo do fim da guerra, em que de um lado e do outro fomos aprendendo pelo método do ensaio-erro... Ninguém estava preparado para as tréguas e depois para a paz... Mas um dia teria que acontecer... Cometemos erros de parte a parte ? Não acautelámos os interesses das populações e dos militares guineenses que estiveram do nosso lado ?...A história não se repete, mas há sempre muitos professores de história a querer ensinar-nos como fariam ou como deveríamos ter feito...

Em relação ao caso do cap Braga da Cruz, respeito o teu ponto de vista e o direito ao silêncio que advogas... Mas, meio século depois, hoje, em 2016, não deveríamos ter cadáveres no armário nem tabus... Pelo menos, nós, geração de ex-combatentes da guerra colonial, nós, a nossa geração à qual os portugueses devem, ao fim e ao cabo, a reconquista da liberdade, da democracria, da tolerância, da dignidade, dos direitos humanos... Abraço grande, Luis.

Cherno AB disse...

Caro amigo A. Murta,

Nas fotos n.6 e 7 podemos ver dois guerrilheiros fardados com camuflados do exercito portugues, porque a guerrilha, pelo menos em 1974 ainda, ainda nao usava o camuflado sarapintado.
Na minha modesta opiniao acho que a recepcao aos guerrilheiros da parte dos militares metropolitanos nao fez outra coisa do que aumentar o orgulho, autoestima e o apetite dominador dos guerrilheiros.
Em parte concordo com a descricao que faz dos primeiros meses das treguas, mas muito ficou por dizer.
O gesto da mao do rapaz da foto n.9 eh, certamente, paradigmatico do que muita gente pensava da propaganda e fanfarronices do paigc.
Os guineenses que lutavam contra o paigc nao lutavam contra si mesmos nem eram ccontra o seu cchao ou provincia simplesmente tinham ideias diferentes sobre o futuro.

Com um abraco amigo,

Cherno Balde

António Murta disse...

Amigo J. Carlos Gabriel.
Obrigado pelas tuas palavras e por teres corroborado o que escrevi sobre a “notícia de uma ameaça terrível”. Não que fosse necessário, mas tratando-se de dar conta de um projecto ofensivo do PAIGC de tais proporções, podia haver quem achasse exagerado. (Para quem não saiba, o J. Carlos Gabriel era cripto em Nhala). Grande abraço.

Amigo Luís Graça.
Sobre o “caso Braga da Cruz” mantenho o silêncio. Não só respeitando a sua memória como disse, mas também o bom nome da sua família. Se estás recordado, em Abril de 2014 trocámos algumas impressões sobre o assunto, aquando do convite para a minha entrada na nossa Tabanca Grande. Os comentários que tinham surgido no Blogue em 2009 sobre o tema, haviam contribuído para a minha relutância inicial em aderir. Enviei-te por email alguns esclarecimentos sobre o que de erróneo fora comentado no Blogue. Recordas-te? E terminava dizendo que o assunto estava morto e enterrado. Todavia, quanto ao que sucedeu depois de despoletado o referido “caso”, não garanto que mantenha o silêncio. Basta que seja provocado ou desmentido, porque em questões de frontalidade peço meças a qualquer um, ainda que não seja defensor de que “a verdade é sempre para se dizer” a qualquer preço. Por vezes é preferível deixá-la estar em sossego. Grande abraço.

Amigo Cherno.
Obrigado pelo teu comentário e com o qual concordo na generalidade. (Já houve uma vez que discordei e manifestei-me. Acontece). E dizes bem: tanto que ficou por dizer no meu escrito. E noutros... Mas, lembro-te, há “postes” meus anteriores sobre o tema e os seguintes ainda o abordarão, se bem que a cronologia esteja a chegar ao fim.
Sobre o teu último parágrafo, não podia estar mais de acordo. Porém, como às vezes relembro, essas minhas memórias têm mais de quarenta anos e, muitas vezes, quem as escreveu foi o revolucionário que eu era, pese embora com uma certa demagogia dos ventos da história. Fico honrado se me continuares a ler e a comentar desse lado do mar. Grande abraço.

Obrigado a todos.
A. Murta.