sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Guiné 63/74 - P15707: (De)caras (29): Por mor da verdade... contra as mentiras do Arquivo Amílcar Cabral: comentários de António J. Pereira da Costa, Antº Rosinha, Carlos Vinhal, José Colaço, Luís Graça e Valdemar Queiroz

Fotograma do documentário dos suecos  Lennart Malmer e Ingela Romare  "En Nations Födelse" [Birth of a Nation (Nascimento de uma Nação), Sweden / Suécia, 1973, 48'']:  o único filme que existe sobre a declaração unilateral da independência da Guiné-Bissau  em 24 de setembro 1973. Passou no DocLisboa 2011.

Não cheguei a ver o filme. Quanto à imagem à esquerda,  julgo tratar-se de uma operadora de radiotelegrafia (código de Morse)  do PAIGC. (LG)

Fonte: Arsenal – Institut für film und videokunst  e.V., Berlim, com a devida vénia.


Alguns comentários dos nossos camaradas ao poste P15702 (*)

1. José Manuel Cancela [ ex-soldado apontador de metralhadora,  CCAÇ 2382, Bula, Buba, Aldeia Formosa, Nhala, Contabane, Mampatá e Chamarra, 1968/70]

Caros amigos: há aqui qualquer coisa que na bate certo. Estive enm Nhala,  entre novembro de 1968 e meados de janeiro de 1969. O meu pelotão foi rendido por um  outro da minha companhia, a CCAÇ 2382. É possível que os meus camaradas tivessem sido atacados em 20 de janeiro de 69, mas tenho a certeza absoluta que não  houve nenhum morto, nem tão pouco feridos...


2. António J. Pereira da Costa [coronel de Art.ª Ref (ex-Alferes de Art.ª na CART 1692/BART 1914, Cacine, 1968/69; ex-Capitão de Art.ª e CMDT das CART 3494/BART 3873, Xime e Mansambo, e CART 3567, Mansabá, 1972/74)]

Olá, camaradas: O problema é que, enquanto nós fazíamos relatórios verdadeiros no que aos feridos e mortos dizia respeito, o insidioso, ardiloso e mauzinho IN  "tinha que apresentar serviço" , daí que os camaradas (guerrilheiros/patriotas/revolucionários) "matassem que se fartavam" (como o Shelltox) e destruíssem tudo, ou quase tudo, nos Campos Entrincheirados dos Colonialistas, Salazaristas, Fascistas e Lacaios do Imperialismo.

Aquela dos dois helicópteros a descer por duas vezes é de partir a moca. E uma mensagem manuscrita com a palavra STOP a servir de ponto final é-o ainda mais.

Claro que, com amigos como estes,  o povo guineense, hoje não precisa de inimigos.


3. Antº Rosinha 

[o último "colonialista português", ou pelo menos o único que faz questão de "dar a cara";  emigrou para Angola nos anos 50, foi fur mil em 1961/62;  saiu de Angola com a independência, emigrou para o Brasil e finalmente foi topógrafo da Tecncil, Guiné-Bissau, em 1979/93, como "cooperante";  resumindo, é um "ex-colon e retornado", como vem no seu cartão de visita;  é membro sénior da nossa Tabanca Grande, o "nosso mais velho", como se diz em África, e por isso, ouvido e respeitado; gosta de dizer o que pensa, sem pensar no politicamente correto]:

É imensamente útil para a história que um dia este blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné  vai deixar para a posteridade, estas transcrições arquivadas na Fundação Mário Soares.

Vários motivos: um dos motivos, enorme contradição, este arquivo pertencer à Fundação de Mário Soares, figura anticolonialista a toda a prova, e que em Bissau, MS seja muito pouco apreciado quer pelos antigos guerrilheiros do PAIGC, quer pelos sobreviventes à matança sofrida pelos comandos guineenses que lutaram ao nosso lado (posso explicar noutro lugar esta minha constatação, se interessar).

Outro motivo é que os relatos estão escritos em Português correctíssimo, idioma que corre sérios riscos por aquelas bandas, sempre fica a memória que ali alguém falava um bom português.

Estes relatos também servem para mostrar que não havia áreas libertadas. Poderia apenas áreas abandonadas, o que não era a mesma coisa.


4. José Botelho Colaço [ex-soldado trms, CCAÇ 557, Cachil,Bissau e Bafatá, 1963/65)]

Os comunicados do PAIGC eram assim,  passe a publicidade,"com Dum-Dum não escapa um".

A Companhia de Caçadores 557 no Cachil na noite de 16 de Novembro de 1964, no noticiário do dia 17 da emissora Voz da Liberdade, os militares colonialistas tinha sido dizimados, não escapou um! De facto fizeram um ataque ao quartel em 16-11-1964 mas nem um único ferido sofremos nessa noite.




5. António J. Pereira da Costa

Volto à antena para lembrar que a Fundação Mário Soares é tida como uma entidade fiável.
Porém é capaz de não ser bem assim...
É mau que assim seja e que esteja recheada com "pérolas operacionais" deste tipo.
Será uma maneira de agranelar a nossa memória colectiva. Dentro de alguns anos, estes "relatórios" serão valorizadíssimos por investigadores "independentes", oriundos da Suécia ou de outro país democrático similar,  que se fundamentarão em documentos como estes para contraditar o que os documentos militares portugueses disserem.

Não será uma maneira muito curial, mas lá que vai dar resultado, isso vai...


6. Valdemar Queiroz [ex-fur mil, CART 2479 / CART 11, Contuboel, Nova Lamego, Canquelifá, Paunca, Guiro Iero Bocari, 1969/70]

Como curiosidade. Os dois primeiros documentos são escritos pela mesma pessoa, embora remetidos por 'Marga' [' Nino' Vieira] e 'Iafai Camará'... Ou tratava-se de uma transcrição de transmissão via rádio/morse? (daí o Stop). 

O terceiro documento, do 'Gazela' [Agostinho Cabral de Almada], parece escrito por alguém com Curso Superior,  muito habituado a escrever.

É evidente, que em tempo de guerra, as forças beligerantes utilizavam métodos de informação/contra- informação para iludir o IN e empolgar as suas tropas.
Cheguei a ouvir a rádio do PAIGC relatando um ataque a Canquelifá, numa noite em que eu lá estava, mas eu nunca sofri nenhum ataque em Canquelifá.
Estes documentos não deixam de ser muito importantes mas, no meu ponto de vista, devem ser analisados como informação/contra informação.


7. Carlos Vinhal,  Leça da Palmeira, editor [ ex-fur mil art MA, CART 2732, Mansabá, abril de 1970/março de 1972]

Não sei qual a utilidade prática da divulgação destes "documentos". É tal a aldrabice que nem de consolo servem a quem, à luz de hoje, é crítico à actuação da nossa tropa na guerra do ultramar ou colonial de então.


8. Luís Graça, editor [ex-fur mil arm pes inf, CCAÇ 2590/CCAÇ 12, Contuboel e Bambadinca, jun 69/ mar 71]

É por estas e por outras que o editor LG fez a seguinte observação:

(...) "Reprodução feita aqui com a devida vénia, e para fins exclusivos do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. A divulgação destes documentos não implica a validação da sua informação ou a sua aceitação, mas tão apenas o reconhecimento do seu eventual interesse documental para os nossos leitores (e para a historiografia da presença portuguesa em África).

"Compulsados os elementos de que dispomos, para as datas em questão (20/1/1969, 23/3/1969 e 26/7/1971), só encontramos um morto, das NT, em combate, em 20/1/1969: trata-se do sold at Alberto Gonçalves Pinto, natural de Semelhe, Braga, que pertencia à CART 1744, 20/7/1967 - 25/5/1969... Mas esta companhia esteve no norte, na região do Cacheu, em São Domingos, não no sul, em Nhala, ao que apurámos... (LG)"

Amigos e camaradas: para mim, que sou sociólogo, e investigador na área das ciências sociais em saúde, todos os arquivos são "valiosos", o que não quer dizer que tenhamos que considerar, à partida, que a informação que lá vamos encontrar é válida e fiável... Nos arquivos, não há sequer informação, há dados, que depois de "tratados" e "analisados",  podem e devem dar origem a informação e conhecimento, ou seja, "produto científico"... É o caso dos arquivos da PIDE/DGS, ou do arquivo pessoal de Salazar e dos outros, milhares, de arquivos que estão na nossa Torre do Tombo, a nossa "memória coletiva"...

Espero que daqui a 100 anos, o nosso blogue também sirva para alguma coisa...


9. António J. Pereira da Costa

OK, mas talvez fosse bom começar já exarar comentários que permitam desmontar o que é falso e não corresponde à realidade e a própria realidade.

Nos Arquivo Amílcar Cabral [, alojado no portal Casa Comum, organizado pela Fundação Mário Soares,]  a documentação está manipulada e de modo grosseiro e desonesto, com a finalidade única de agradar ao chefe ou "ao partido".

Sendo assim, quem falasse verdade ficava, pelo menos, mal visto.

Os resultados de uma flagelação ou de uma emboscada são difíceis de contabilizar. Por alguma razão nos nossos relatórios aparece a expressão "Grupo In não estimado", só contavam os "mortos confirmados",  isto é, os cadáveres abandonados na fuga ou os feridos efectivamente capturados. As poças de sangue, ou os arbustos partidos pelo "arrastamento dos corpos dos feridos" não contavam como efeitos e nós não tínhamos que agradar ao Partido, o que nos tornava mais honestos nas nossas declarações.

Isto para dizer que os nossos relatórios são mais fiáveis do que os do PAIGC.

Em que é que se fundamentaria aquele chefe para redigir o seu "relatório"? Na sua observação directa? Em elementos infiltrados?

Se calhar será boa ideia que se tenha em conta as características dos procedimentos habituais dos responsáveis de ambas as forças em presença. Além disso, se há coisas que todos sabemos é o número de mortos e feridos e respectivas condições que, vêm sempre à memória nos nossos encontros.

No fundo, estamos perante uma inquinação da informação, ditada por motivos pouco honestos e necessidade de apresentar resultados, mas sempre uma inquinação determinada por povos que nem memória têm e fazem gala nisso. Não esqueçamos que a História da Guiné só pode ser escrita do exterior, visto que as fontes são imprecisas, no mínimo, quando as há. E ainda hoje, como é?

Estamos distraídos? A título de exemplo recordo só "o golpe do Ansumane Mané"...

Claro que Arquivos são Arquivos, mas... não é só com uma correcta interpretação que devem ser abordados. Nas respectivas documentações encontramos montanhas de documentos que não corresponde nem aproximadamente à verdade. (**)
 _____________

7 comentários:

Luís Graça disse...

Talvez o nosso correspondente em Estocolmo, Kiruna e Key West, nos possa (e queira) falar sobre este filme xde Lennart Malmer e Ingela Romare "En Nations Födelse" [Birth of a Nation (Nascimento de uma Nação), Sweden / Suécia, 1973, 48'']...

Trata-se, realmente, do único filme que existe sobre a declaração unilateral da independência da Guiné-Bissau em 24 de setembro 1973.

Passou no DocLisboa 2011. Vi outroas, mas não este, estupidamente!|... Não tive tempo ou horário.

Se não erro, a imagem que publicamos é a de uma operadora de radiotelegrafia (código de Morse) do PAIGC. Mas sobre isso o Hélder Sousa tem mais competência do que eu para falar... Estes radiotelegrafistas poderiam estar onde ?... No interior da Guiné ? Ou nas bases fronteiriças ? Onde carregariam as baterias ? Naquela altura ainda não havia paineis solares... Ou isto era só para a fotografia ?

O Valdemar Queiroz tem razão: duas das mensagens são escritas pelo operador de radiotelegrafia... Eram enviadas do "interior" (?) da Guiné para Conacri... Outras eram memso mensagens manuscritas (como parece ser a do "comandante Gazela")...

Vasco Pires disse...

Como diria o Conselheiro Acácio, documentos são documentos. É melhor tê-los, mesmo apócrifos.
Analisá-los, é outra fase!
Forte abraço.
VP

Luís Graça disse...

Este e outros assuntos relacionados com as nossas baixas mortais (em combate, por acidente, por doença), já aqui foram discutidas, quase até á exaustão... Recordo, mais recentemente, um dos nossos inquéritos 'on line':

18 DE NOVEMBRO DE 2015
Guiné 63/74 - P15383: Inquérito 'on line' (19): Batota em relação às causas das baixas das NT? Provavelmente não havia... Havia, isso sim, dualidade de critérios e os trâmites normais da burocracia da justiça militar (Abílio Magro / Manuel Amaro / Carlos Vinhal / Luís Graça / José Martins / Jorge Cabral)

http://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2015/11/guine-6374-p15384-inquerito-on-line-19.html

Luís Graça disse...

Tó Pereira:

Inteiramente de acordo contigo quando dizes que temos de fazer a "pedagogia da verdade", em relação a estes e outros factos... "Por mor da verdade", como se diz no norte, por respeito pelos nossos mortos, por todos os mortos, civis e militares, de um lado e do outro, por todos nós, por toda uma geração defraudada por esta guerra, de um lado e do outro...

Nós, que estivemos lá, no sítio tal, no dia tal, às tantas horas, não podemos pactuar com a "falta de verdade", a "mentira", a manipulação das estatístiocas, etc., seja do nosso lado, seja do lado daqueles contra quem combatemos há 50 anos atrás...

O nosso blogue já deu sobejas provas disso, da sua isenção, independência, honestidade intelectual, procura da verdade, culto do rigor... Recordo-me, por exemplo, dos muitos postes que escrevemos sobre o mito da declaração unilateral da independência em 24 de setembro de 1973, "em Madina do Boé", por parte do PAIGC...Hoje nenhum historiador, cientista social, poderá voltar a repetir que estes factos aconteceram em "Madina do Boé", conforme fez crer, durante anos, a propaganda do PAIGC...

O facto em si é muito relevante ? Se calhar não é, para muitos, mas para nós é mais do que uma simples questão de detalhe... Não são "peanuts"... Afinal, perdemos quase uma centena de camaradas, na retirada do aquartelamento de Madina do Boé, em 6/2/1969, vai fazar amanhã 47 anos... Não por mérito (militar) do IN de então, mas por estupidez nossa...

Façamos amanhã um minuto de silêncio por estes camaradas que tiveram uma morte inglória nas águas do Rio Corubal, no Cheche.

Cherno AB disse...

Caros amigos,
Por mor da verdade...podemos e devemos comparar factos e situacoes que sao comparaveis, nao acho que seja o caso dos relatorios sobre operacoes no terreno. De um lado temos ou deviamos ter um exercito bem estruturado e doutro uma guerrilha muito aguerrida mas acente em alicerces minados pelo medo e as intrigas, pelo que posso, perfeitamente, admitir alguns excessos e/ou inexactitudes. Ao contrario, tenho dificuldades em compreender o facto da tropa portuguesa utilizar a populacao civil que estava do seu lado, quando nao eram os regulos ou chefes das milicias locais, de forma sistematica, como bodes expiatorios das fraquezas ou falhas no seu sistema defensivo, se bem que nao eram obrigados a isso e nao havia o medo do partido.

Cherno Balde

Manuel Luís Lomba disse...

Camaradas e amigos.
Dou o meu testemunho da fiabilidade das notícias, referido a um facto da guerra da Guiné de que fui actor, produzidas por combatentes (do PAIGC) e por "libertadores" (de Portugal).
Naquele tempo, já o dia 24 de Setembro encerrava carga mítica para o PAIGC. A CCav 703 nomadizava em Buruntuma havia 4 meses, num diálogo bélico quase diário e soube que o IN desceria da base de Koundara (a mais importante de então) para nos atacar, com ganas de assalto e exploração do sucesso, na noite de 24 de Setembro de 1965, comandado pelo eficaz Domingos Ramos, ex nosso amarada furriel milº.
O comandante de Buruntuma, capitão Lacerda,adequou uma táctica óbvia e simples à sua recepção(não permitida, segundo as NEP, vindas de cima): deixou a malta de serviços de guarda e uma reserva de manobra, para operar as armas pesadas, internou-nos cerca de um km na Guiné-Conacri e dispôs-nos em emboscada nos eixos de aproximação em Buruntuma. A madrugada ia alta quando o IN iniciou a flagelação com o armamento pesado, as chamas de saída das granadas bem visíveis, à nossa frente, e logo a seguir o nosso grupo de combate, de pé, emboscado e camuflado por um campo de milho, dirigiu à sua infantaria uma curta rajada em uníssono. E logo a batalha se finou - e nós "no goss goss" até à base. Soubemos depois das suas baixas no campo de milho; da nossa parte, não se chegou a accionar os morteiros de 81 nem o canhão s/r. (As coordenadas da precisão seu tiro, tendo como alvo o aquartelamento de para-quedistas de Kandica, já se devia-se à milícia, sob o comando do autor e do furriel Simas...
Numa das noites seguintes, deitado sobre o tecto do abrigo, de olho e de ouvido na noite, ouvia a narrativa dessa batalha na rádio Argel: Buruntuma fora arrasada, a lista dos oficiais mortos (os nomes eram verdadeiros) e as viaturas destruídas (matriculas também verdadeiras...). Disseram-e que a rádio Moscovo também fizera ecos de tão grande derrota sofrida pelos soldados de Portugal!
Como a História é um palco de factos que tem pessoas como actores - Em nenhuma situação de combate o capitão Lacerda não atirou ao chão; dizia que não gostava de sujar a farda... Ouvi a notícia da rádio Argel pela voz do Manuel Alegre...; quanto à da rádio Moscovo, talvez tivesse sido veiculada pelo Carlos Fino.
Em contraposição à tendência de considerar os soldados portugueses como uns coitadinhos, borrados de medo...

José Botelho Colaço disse...

Para a mentira ser segura
E atingir profundidade
Tem que trazer à mistura
Qualquer coisa de verdade.

O meu comentário sobre a comp. caç.557 no Cachil é uma cópia, ou vice versa do comentário do camarada do camarada Manuel Luís Lomba da Comp cav.703 em Borumtuma, confirma a técnica "publicitária" usada pelo PAIGC.
Só me faltou dizer que na noite de 16-11-1964 nós além de não sofremos nem um único ferido, o inimigo além dos vestígios de sangue deixados na mata que podemos confirmar na manhã do dia 17 deixou também no campo de batalha um guerrilheiro morto a sua arma Kalashnikov, a pistola de defesa pessoal, assunto publicado e que pode ser lido no P9351 foto do guerrilheiro abatido as armas e todo o seu equipamento de guerra.