segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Guiné 63/74 - P15810: (Ex)citações (304): Duas Actas e a mesma evidência: Não foram os soldados a falhar na Guerra da Guiné!... (Manuel Luís Lomba, ex-Fur Mil da CCAV 703)

1. Em mensagem de 28 de Fevereiro de 2016, o nosso camarada Manuel Luís Lomba (ex-Fur Mil da CCAV 703/BCAV 705,  Bissau, Cufar e Buruntuma, 1964/66), afirma, após leitura da Ata da reunião do CEMGFA, Costa Gomes, com os comandos do CTIG, Bissau, em 8/6/1973, que não foram os soldados portugueses que falharam na Guerra da Guiné.


Duas Actas e a mesma evidência: 
Não foram os soldados a falhar na Guerra da Guiné!...

Coutinho e Lima (P15777) Oficial Superior do Exército, veterano de três comissões na Guiné e principal actor da famigerada “Retirada de Guileje” e José Matos (P15731), jovem civil, formado em Astronomia e investigador independente, enriqueceram o acervo histórico deste blogue com as duas actas das duas reuniões de Comandos, no Comando-Chefe das FA da Guiné, no Forte da Amura, que antecederam o colapso da Guiné, documentos eloquentes, de prova de que a sua “descolonização exemplar” não passa de publicidade enganosa: a Guiné não foi descolonizada; foi abandonada…

As guerras são normalmente dirigidas por um “alto comando”, que vai e permanece nos TO, como se desempenharam D. Afonso Henriques, D. Nuno Álvares Pereira, Hitler, Churchill, Marshall, De Gaulle, Giap, etc.
A guerra grande da grande África Portuguesa foi desde o início dirigida formalmente por uma “alta instância” em Lisboa, e finar-se-á sob a alta responsabilidade do Almirante Américo Tomas, marinheiro notabilizado na I e II Guerras Mundiais, seu Comandante Supremo, o Professor Marcelo Caetano, Chefe do Governo de Portugal pluricontinental e o General Costa Gomes, o seu mais alto chefe profissional, no desempenho de Primeiro Soldado de Portugal.

Os actores dos actos da Acta de 18 de Maio de 1973, foram: General António de Spínola, CCFA´s da Guiné; Brigadeiro Leitão Marques, CCAdjunto; Ten-Cor. Baptista Beirão, Chefe da REP/INFO; Ten-Cor. do CEM Pinto de Almeida, Chefe REP/OP e o Brigadeiro Luís Banasol, Comandante do CTIG – que passamos a referenciar pelas respectivas siglas.

Os actores da reunião de 8 de Junho de 1973 são os mesmos, mais o General Costa Gomes, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Portuguesas (CEMGFA) e os Comandantes da Defesa Marítima e do Comando da Zona Aérea da Guiné e Cabo Verde.

A reunião de 18 de Maio aconteceu já as FARP do PAIGC tinham fechado o cerco a Guidage, após 10 dias de renhidos combates, tendo conseguido concretizar o corte das suas acessibilidades; a reunião de 8 de Junho aconteceu com o PAIGC a lamber as feridas da sua derrota militar em Guidaje, retirado para o Senegal pela calada da noite, no rescaldo da retirada de Guileje, Nino Vieira tinha tinha entrado no seu aquartelamento, a bordo do seu tanquezinho e bebido whisky “para uso exclusivo das FA Portuguesas” e já a batalha de Gadamael perdia vigor, a tender para fim idêntico ao de Guidaje – o PAIG a retirar, para onde podia lamber as feridas.

Na 1.ª reunião, circunscrita ao Exército, o CCh explanou: A nossa guerra da contra-subversão e da defesa das populações atingiu um patamar que impõe o reequacionamento do trinómio missão-inimigo-meios.

O CCAdj. informou que o IN preparava condições para a destruição e conquista das guarnições de Guidaje, Buruntuma, Guileje e Gadamael. Como maior receio focou a manobra psicológica da captura massiva de prisioneiros. Testemunhara os seus efeitos devastadores na retaguarda, que levaram os americanos a abandonar o Vietname.

O Chefe da REP/INFO do CCh acrescentou 6 guarnições-objectivo à referenciada manobra do IN, prevendo a intervenção dos seus carros de combate na zona Sul.

O Chefe da REP/OP do CCh expressou-se com objectividade, racionalmente e sem pessimismo, considerando que a maior fragilidade para o futuro da guerra residia na não reocupação do Boé.

O comandante do CTIG reiterou que o seu exército não tinha condições de reocupar o Boé, mas que, com mais algum apoio, nomeadamente da Marinha, poderia apoiar as guarnições objectivo da destruição pelo IN. E o CCh concluiu a expressar a sua preocupação política e diplomática: confrontavam-se com a manobra do IN pela ocupação com fins exclusivamente políticos e promocionais. Não alteraria o dispositivo de superfície e deu 48 horas para os Comandantes-Adjuntos apresentarem a estimativa dos meios necessários, que pediria às “instâncias superiores”.

A 2.ª reunião foi presidida pelo CEMGFA que começou por se mostrar preocupado com os efeitos desmoralizadores da retirada de Guileje, das baixas nas batalhas nos 3 G´s e a elogiar a actuação enérgica do CCh, por obviado em Gadamael o acontecido em Guileje.

O Chefe da REP/OP computou a força do IN em 9000 a 10 000 combatentes, evocou a superioridade do seu armamento, o apoio das FA dos países vizinhos e afirmou a incapacidade para enfrentar a força aérea do IN, estando-lhe referenciados 8 MIG 17 e 6 MIG 19.

O CCAdj. advogou a manobra militar global em profundidade, de acção retardadora organizada, susceptível de permitir uma solução política ao conflito – manobra materializada no retraimento do dispositivo ao longo da fronteira, livrando as suas guarnições da cobiça da sua desactivação.

O Comandante do CTIG corroborou o redimensionamento do dispositivo de superfície, pela economia de forças e realçou a extrema gravidade do previsível ataque aéreo a Bissau, dado que os órgãos vitais da retaguarda e da prossecução da guerra não tinham defesa.

O Comandante da Defesa Marítima corroborou a manobra referida ao dispositivo, manifestando algum receio pelo agravamento das ameaças vindas do mar.

O Comandante da Zona Aérea garantiu que os Strela apenas condicionaram a acção da FA mas que esta perderá a superioridade aérea se o IN estiver dotado de força aérea tão actualizada. Está a favor da remodelação do dispositivo, pela concentração.

Conclusão:
Sintetizada, ante a dimensão e profundidade do tema, muita documentação certamente por desclassificar, um desafio aos investigadores isentos da contaminação ideológica, um repto especial à Fundação Mário Soares (diz-se que respira com dinheiros públicos), para que sobreponha a informação na posse do nosso ex-inimigo, contornando a desculpa de que anda perdida, às suas continuadas ninharias.

Aquela guerra de “contra-subversão e defesa das populações” só podia ser domada, desorganizada e enfraquecida pelo Exército, se toda a sua cadeia de comando enformasse de hierarquias competentes e motivadas – a exemplo do PAIGC. Marinha e Força Aérea não ganham guerras – ajudam a ganhá-las. E que ajuda, sobre a terra e sobre o mar! Em contraposição, o pobre do PAIGC não tinha nem Marinha nem Aviação - e não perdeu…

Em dois momentos, os comandos do Exército evidenciam a mistura da preocupação com o pavor de “contra os canhões, marchar! marchar!” sustentados em notícias, não escrutinadas, a exorbitar o potencial do IN (plausivelmente da autoria do próprio…), que a realidade não se cansará de desmistificar.

- O objectivo a aniquilar era Buruntuma, sobre a linha de fronteira (vivi um ano aí, aboletado na casinha da Guarda Fiscal) e não os três G´s, que distavam alguns quilómetros dessa linha. O insuspeito e nosso grande tabanqueiro António Martins Matos escreveu, neste blogue, que a malta de Bissalanca ousara voar sobre o ninho do PAIGC em Koundara e espatifara-lhes a concentração com umas “bilhas”. O fogoso comandante do Leste, Bobo Quetá, só realizará essa missão, já depois do Acordo de cessar-fogo, ao escorraçar facilmente a maioria da guarnição de Buruntuma...

O Comandante do CTIG receava o ataque aéreo do IN a Bissau, aos órgãos vitais da retaguarda da guerra, apoiava o redimensionamento do dispositivo de superfície e descartou liminarmente a reocupação do Boé, de tão trágica memória. Abramos parêntesis de justiça histórica e ad homine ao Ten-Cor. Pinto de Almeida pela sua serena análise da situação global, sem alarmismos, e pela sua visão estratégica pela reocupação do Boé, como o calcanhar de Aquiles da situação, ante a fase que a guerra estava a atingir, confirmado pela declaração unilateral da independência, seis meses depois; e ao General António de Spínola, pela justeza das suas análises, condescendendo com a sua inversão posterior, consentânea com as fragilidades da idade e o insuperável desgaste físico e mental acumulado, dos 5 anos naquela vida.

- A avaliação do efectivo do IN, em 9000 a 10 000 combatentes acusa um “coeficiente de cagaço” na ordem do triplo, enquanto o aparelho combatente, político, diplomático e “funcionalismo público” do PAIGC nunca atingiu os 4000, no seu conjunto. Em 1973, o efectivo português cifrava-se em 32 035 militares, sendo 25 610 metropolitanos, 6425 naturais (in Guerra em África do Major-General Sérgio Bacelar) e chegava aos 45 000, se lhe acrescentarmos as forças militarizadas - milícias, polícias e em autodefesa.

- Para lançar os ataques aos três G´s, o PAIGC teve de reunir meios e reduzir em 70% a sua actividade bélica no restante território.

- O PAIGC disporia apenas de 2 carros blindados, do género de “chaimite” mais avantajada, um no Sul, utilizado por Nino Vieira e outro no Norte, para utilização de Luís Cabral. O do Sul serviu para Nino Vieira ir beber o seu copo a Guileje e o do Norte será o que mais tarde participou na manobra de cerco e tentativa de golpe-de-mão ao destacamento de Copá, em apoio à retirada dos seus feridos, que os seus 29 defensores rechaçaram, após a deserção dos elementos nativos, neutralizando-o a tiro de morteiro de 60, saga contada neste blogue pelo camarada António Rodrigues.

- Apesar das baixas sofridas no contexto dos 3 G´s, o seu nível atingido em 1973 foi igual ao de 1969, o ano de ouro da Spinolândia…

- A mesma estatística indica que a sua esmagadora maioria foi causada não pelos morteiros 120, os obuses 150, os Katiuskas, etc, mas pela infantaria e sapadores, em emboscadas e minas…

- O Comandante da Defesa Marítima concorda com a manobra referida ao dispositivo militar, sem alarmismo, manifestando algum receio das ameaças vindas do mar. A União Soviética havia dotado o PAIGC de 6 vedetas, rápidas e com autonomia marítima, mas Alpoim Calvão e a sua malta haviam esconjurado a sua perigosidade, afundando-as na Operação Mar Verde.

- O comandante da Zona Aérea diz que a FAP ultrapassara a ameaça dos Strela, as suas aeronaves “rastejariam” sobre a terra e sobre a água sempre que necessário, mas avisa que essa superioridade aérea será perdida, se tão actualizados MiG´s comparecessem a dar-lhes batalha.
Segundo Nino Vieira, Amílcar Cabral havia permanecido muitos dias em Moscovo, conseguido os Strela em desespero de causa, para finais de 1972, convencendo o general russo com a invocação:
- “A nossa luta tem sede e morrerá de sede, se não nos ajudarem; salvem-nos, dêem-nos água, essa água!”...

O PAIGC terá gasto 88 misseis, no contexto da crise dos 3G´s, para obter o proveito de abater 6 aeronaves e nenhum helicóptero, desperdício que o responsável da cooperação russa reportou a Moscovo, com a recomendação do corte de fornecimento.

- A força aérea do PAIGC era tão actualizada, que até foi invisível…

- O CEMGFA fechou a reunião: “A Guiné não teria reforços, além dos da lista anexa … A missão continuará a ser cumprida; o dispositivo de superfície reconvertido e adaptado à situação; a imperiosidade de impedir o isolamento de qualquer guarnição, não concedendo ao IN qualquer facilidade de destruição; economizar meios, em favor da dinamização das guarnições, do melhoramento da eficácia no apoio logístico; manter a iniciativa e liberdade de acção.

- E reportará aos pares da “alta instância”, em Lisboa: “A Guiné é defensável”.

Spínola desistirá da luta, em Agosto, não obstante pai nutrício do MFA (o seu embrião foi spinolista, mas perderá rapidamente Spínola), que a oficialidade marxista e comodista criará e engordará, iniciando o seu esplendor em 26 de Abril, no mesmo Forte da Amura, limbo dessas duas reuniões…

Manuel Luís Lomba
____________

Notas do editor

- Itálicos da responsabilidade do editor

Último poste da série de 6 de dezembro de 2015 Guiné 63/74 - P15452: (Ex)citações (303): Eu e o marinheiro a bordo de um avião da TAP, a caminho de Lisboa... Um conto do vigário: o 'negócio chorudo' das fotografias do deserto do Sara... (Valdemar Queiroz, ex-fur mil, CART 2479 / CART 11, Contuboel, Nova Lamego, Canquelifá, Paunca, Guiro Iero Bocari, 1969/70)

6 comentários:

Cherno AB disse...

Caro Manuel L. Lomba,

E sempre bom ouvir alguem dizer a verdade:

"... a Guiné não foi descolonizada; foi abandonada…"

Exceptuando o tom ironico (ou sarcastico?) com que trata o antigo inimigo, o texto e excelente e ao nivel do que nos habituou aqui neste blogue da TG, parabens.

Com um abraco amigo,

Cherno AB

Vasco Pires disse...

Boa tarde Camarada Manuel Lomba,
Cordiais saudações.
Parabéns pelo teu talento, sendo claro em temas complexos,embora distantes no tempo, muito próximos emocionalmente falando.
Quanto à guerra nas então Províncias Ultramarinas (alô Carlos Vinhal),sempre entendi que era uma guerra perdida (politicamente) "ab initio".
Como dizes,ainda falta liberar documentos para avaliar corretamente o cenário militar nos três TO'S.
A guerra foi encerrada,também, politicamente, e foi o que foi.
O (nosso) país estava (emocionalmente) exausto.
Os "ventos da história", estavam há muito "soprando" em sentido contrário;usando um termo da moda,a guerra não era sustentável.
Forte abraço.
VP

antonio graça de abreu disse...

Do elogio do medo, do cagaço,e do cansaço, envolto em manobra política de Spínola para assustar e trepar politicamente em Lisboa, à clara constatação da realidade, do que realmente aconteceu no ano final da nossa guerra, politicamente perdida desde o primeiro dia. No terreno, as Forças Armadas Portuguesas, mais a tropa africana a combater a nosso lado, foram sempre superiores ao PAIGC.
Quantos estudos será ainda necessário serem feito para se comprovar a evidência, a realidade dos factos? Sem paixão política e ideológica, devemos apenas respeitar a nossa História comum, povo português, povos da Guiné Bissau. Parece simples.

Abraço,

António Graça de Abreu

Anónimo disse...

Pensando bem, depois do que vi e ouvi lá, em 72/74, depois do que tenho lido e ouvido durante estes 42 anos, parece-me que nós não decolonizámos, nós abandonámos. Mas penso que, considerando a debilidade económica e fragilidade política de Portugal, não era possível fazer de outro modo. Mais ainda, já não estava na hora de descolonizar de forma programada, ordenada e com um acordo que visasse a participação de Portugal na "construção" do novo país. Na política como noutras coisas há um só tempo oportuno, mas a culpa da inoportunidade é toda atribuível ao regime - um regime teimoso.

Um abraço
Carvalho de Mampatá.

Manuel Luís Lomba disse...

Olá, Cherno:
Todos os combatentes dos dois campos da Guerra da Guiné, vivos e mortos, merecem o culto do nosso respeito, de que este blogue é exemplo. Afinal, só no fim do conflito é que deixaram de ser todos portugueses!
Sarcasmo? Não.
A esta distância temporal dos acontecimentos, alguma ironia, sim, consentânea com a nossa mentalidade de haver ironias na vida, no destino, da História, etc. Que grande ironia foi Guerra da Guiné: O PAIGC motivado a destruir o presente, para construir um futuro imaginário e Portugal votado a construir um presente, com 500 anos de passado...
Ah, também um homem de 70 e tal anos não tem a mesma visão dos 20...
Parto mantenhas, com a maior estima e consideração
Manuel Luís Lomba

JD disse...

Camaradas,
É indisfarçável a a boa disposição de Manuel Luis Lomba no método irónico com que aborda a questão. E na conclusão sublinhada pelo Cherno. Outra questão que me ocorreu das referências aos documentos de suporte produzidos pela tropa, é que os responsáveis pelas NT, por cagaço, ou por especulativa auto valorização pretenderiam dramatizar o que ocorria no terreno; ou por incapacidade, desleixo e laxismo não procuraram confirmar sobre a realidade do PAIGC em matéria de equipamentos. E a Guiné passou a dar cobertura aos grandes perigos que os últimos heróis careciam para justificação da decisão "revolucionária". Daí à estória dos três dês - democracia, descolonização e desenvolvimento) foi um passo que arrastou a Nação para a "porca miséria" de que ainda somos todos herdeiros, cá e lá.
Por outro lado, aos revolucionários escapava a importância conjuntural (apesar da delapidação de riqueza de influentes gestores e governantes em conluio com "trusts") que fazia da metrópole e do ultramar um conjunto de estados (provincias) que por diferentes razões cresciam com taxas que oscilavam entre os 10 e os 20%, enquanto a partir do golpe os resultados tornaram-se ampla e regularmente negativos.
Por outro lado, não podemos ignorar que havia um substrato político em conformidade com os novos ventos da história amplamente divulgados por orgãos vanguardistas que se imponham à admiração dos crentes como portadores da verdade cristalina. A mesma informação, com nuances, que tem vindo a propalar algumas ideias e o seu contrário, conforme se enquadram por simpatias no governo ou na oposição. Tem sido assim a telenovela dita democrática, e todos continuam a beber as ideias expressas em populistas debates, conclusões e parangonas. Só os burros é que não mudam de opinião, e os herdeiros de Abril estão ciosos de serem inteligentes. Os deficites acumulados são garantia da veracidade dos discursos políticos, e os crédito externo é que tem dado luz e brilho ao novo regime. Aquilo que muitos condenam, mas são incapazes de evitar.
Abraços fraternos
JD