segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16934: O nosso blogue em números (41): No final de 2016, atingíamos um total de 66 600 comentários (mais 5200 do que em 2015)... O número médio de comentários por poste é ligeiramente inferior a 4... Os nossos leitores continuam a vir ao blogue, a ler-nos e comentar-nos, não obstante o sistema, nada amigável, do Blogger, que filtra o SPAM



Gráfico nº 6 - Nº de comentários publicados (2008-2016)



Gráfico nº 5 - Nº médio de comentários por poste e por ano (de 2008 a 2016)

Infogravuras: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2017)


1. O número de comentários atingiu, no final do ano de 2016, um total de 66 600, mais 5200 do que em 2015.
 

O nº médio de comentários por poste é ligeiramente inferior (3,9) no ano de 2016 comparativamente com o ano anterior (4). O recorde é 6 comentários, em média, por poste, nos anos de 2011 e 2012 em que publicámos um total de 1756 e 1604 postes, respetivamente (**).

Aparentemente não há uma quebra nos comentários. Os nossos leitores continuam a vir ao blogue, a ler e a comentar... A verdade é que o sistema de filtragem do nosso servidor, o Blogger (para impedir o SPAM) continua a ser desmotivador para os nossos leitores: quem quer comentar um poste tem de dizer (e provar) que não  é nenhum robô!... 

O sistema não é amigável mas é o preço que temos de pagar para prevenir e controlar o SPAM (as mensagens não desejadas, a publicidade, etc.). O acrónimo SPAM  em inglês, quer dizer "Sending and Posting Advertisement in Mass" (envio e postagem de  publicidade em massa).

Os 66 mil comentários registados no nosso blogue estão "limpos" de SPAM. Uma parte deles pode dar (e tem dado) origem a postes,  por iniciativa em geral dos editores.  O SPAM é uma verdadeira praga que infesta as nossas caixas de correio (mais de 90 por cento das mensagens recebidas, em muitos casos!|) e dos nossos blogues...

2. Camaradas e amigos, sintam-se à vontade para comentar estes e outros números relativos à nossa atividade bloguística. E em 2017, por favor, usem mais vezes a caixa de comentários...  

Camarada, amigo, simples leitor: recordo que podes escrever no final de cada poste um comentário, uma informação adicional, um reparo, uma crítica, uma pergunta, uma observação, uma sugestão... (De preferência sem erros nem abreviaturas; sem frases em maiúsculas ou caixa alta).

Basta, para isso, apontares o ponteiro do rato para o link Comentários, que aparece no fim de cada texto (ou poste), a seguir à indicação de Postado por Fulano Tal [Editor] at [hora], e clicares uma vez.
Tens uma "caixa de teto" para escrever o teu comentário que será publicado instantaneamente, sem edição prévia, sem moderação, sem "censura prévia" (leia-se: triagem ou moderação por parte dos editores)...  Claro que temos alguma regras de bom senso e bom gosto a respeitar e a fazer respeitar: vd, na coluna do lado do blogue.

(Continua)
_____________

1 comentário:

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas

Parece-me que o período de 2011 - 2013 foi o mais fértil em comentários/participação no blog.
Que se pode concluir daqui?
Por mim diria que começamos a "arrumar a casa". Passado o momento em que todos tínhamos muitas opiniões para dar, entrou-se num período em que vemos claramente e sem ressentimentos ou ódios vesgos o que se passou.
As histórias que vivemos estão contadas e, como são sempre as mesmas por serem verdaeiras, será difícil que surjam novas. Claro que os periquitos que surgirem têm obrigação de se chegar à frente com as suas histórias...
Poderá haver também uma certa falta de temas "fracturantes". Serão bem-vindos desde que não sejam saloios e demagógicos. Ex: aquela coisa dos "filhos do vento".
Não há nada como uma boa discussão alicerçada em factos e interpretações honestas.
A idade poderá pesar mas, para se pensar e escrever na "computadeira", não é necessário ser-se um gandátletista...
Claro que há concorrência "desleal" do facebook, aquela coisa tonta onde pomos as fotos do nosso prato no Restaurante "O Coelho Zarolho" ou as gracinhas dos nossos netos ou bisnetos, e que não tem piada nenhuma. Mais uma que os americanos nos impingiram (como a pastilha elástica) e que nós consumimos.
A propósito quem é que tem bisnetos? Oh Luís, lança lá um inquérito, mas não vale responder NS/NR!

Um Ab.
António J. P. Costa