quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16949: Memória dos lugares (357): Biombo - Ondame, um pequeno paraíso, um oásis de paz... (José Nascimento, ex-fur mil, CART 2520, Xime, Enxalé, Mansambo e Quinhamel, 1969/71)


Foto nº 1 > A praia do Biombo e o farol abandonado 


Foto nº 2 >  Praia do Biombo



Foto nº 3 > Biombo > A criançada



Foto nº 4 >  Biombo > Com elementos da população


Foto nº 5 > Biombo >  Destacamentio de Ondame > Aula de condução


Foto nº 6 >  Biombo > Na tabanca


Foto nº 7 > Biombo > Durante um passeio pela tabanca


Foto nº 8 >  Biombo, a "fisga"


Foto nº 9> Biombo > Dia de domingo

Guiné > Região de Biombo > Destacamento de Ondame > CART 2520 (1969/1)

Fotos (e legendas): © José Nascimento (2016). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem, c om data de 27 de novembro de 2016, do José Nascimento (ex-fur mil art, CART 2520, Xime, Enxalé, Mansambo e Quinhamel, 1969/71):


Assunto - Biombo-Ondame Um pequeno paraíso

Caros camaradas Carlos Vinhal e Luis Graça,

No tempo em que estive na Guiné nem tudo foi mau, é o caso do Biombo, onde permaneci mais de seis meses.

É certo que as condições não eram as melhores, a iluminação era feita com candeeiros a petróleo, tínhamos de ir buscar água a mais de 500 metros a um poço insalubre, a cozinha era pouco mais do que um pequeno telheiro e as nossas próprias instalações não passavam de um barracão em alvenaria com uma cobertura em telhas de zinco, que quando chovia tocava uma orquestra verdadeiramente desafinada e ensurdecedora.

Mas graças ao nosso poder de improvisação, ao nosso espírito de sacrifício e à nossa camaradagem, as dificuldades foram ultrapassadas.

A guarnição não chegava a um pelotão, pouco mais de 20 elementos, eu era o único graduado.

Contávamos ainda com uma secção de milícia. Também havia um grupo de alguns rapazes muito jovens que,  a troco de alguma comida, voluntariamente ajudavam na cozinha e noutras tarefas e por quem nós nutríamos muito respeito e muita amizade, espero que tenham sido muito felizes, pois bem o mereciam, alguns até andavam na escolinha.

A parte boa desta estadia era a tranquilidade do local, não havia guerra, praticamente não andávamos armados, só quando nos afastávamos mais do nosso pequeno destacamento é que levávamos as nossas G3. Podíamos andar nas tabancas com total liberdade, na prática eramos como civis [Fotos nºs 6, 7, 8 e 9]. Até a minha relação com o pessoal deixou de ser como se estivessemos no mato, ficando quase de parte a componente militar.

Ainda me lembro do nome de algumas tabancas; uma era Ondame a que dava o nome ao destacamento, outra era Blim-Blim e uma outra era Blom.

O régulo deste grande aglomerado de tabancas com uma enorme população, chamava-se Mansoa e com o qual estabelecemos uma boa relação, ajudou a livrar-me certa vez de uma pequena encrenca com o capitão Maltez que um nativo criou com uma queixa no posto administrativo. 


Guiné > Região de Biombo > Mapa de Quinhamel  (1952) > Escala 1/50 mil > Posição relativa de praia do Biombo, Ondame, Blimblim e Blom. Quinhamel, hoje a capital da região, ficava a norte.

Infogravura: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2017)




Mapa das regiões da Guiné-Bissau. O Biombo (2) inclui os setores de Prabis, Quinhamel e Safim. Adaptado de Wikipedia, com a devida vénia.

Infogravura: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2017)


Já lá vão alguns anos escrevi um pequeno texto sobre o Biombo/Ondame, que tenho mantido em rascunho e que recentemente passei para o meu portátil, com algumas ligeiras adaptações.

Ora aqui vai:

Aí vêm eles, saiam daí, avisa um dos nossos militares. Não, não é necessário, porque o inimigo não ataca por mar, também não são tubarões, são apenas simpáticos golfinhos que se aproximam da praia do Biombo e nos vêm fazer uma visita, enquanto nós militares do Exército Português, elementos da CART 2520,  nos banhamos nas cálidas águas da costa da Guiné Bissau, à época Guiné Portuguesa.

A praia do Biombo ficava a escassos dez minutos do nosso aquartelamento, onde dezenas de palmeiras se baloiçavam suavemente sobre as suas águas ao sabor de um vento, quiçá português. Também não faltava um farol abondonado (como numa conhecida canção) para compor esta maravilhosa paisagem tropical [Fotos  nº 1 e 2].

Regressamos ao quartel, ao longo da estrada de terra batida,  veem-se bandos de pelicanos e flamingos de belas plumagens rosa e que procuram alimentos nos pequenos lagos ou braços de rio, onde os africanos se dedicam à apanha de saborosas ostras e apetitosos camarões.

No Biombo a nossa vida de militares decorre tranquila, não há actividade operacional e entre idas à praia e pequenas caçadas, convivemos com as populações nativas  [foto nº 4] e jogamos umas peladas de futebol. Também prestamos cuidados de saúde tais como pensos e tratamentos contra o paludismo, O nosso cabo enfermeiro é um excelente profissional. .

Hoje é dia da minha primeira lição de condução [foto nº 5],  simultaneamente sou aluno mas também instrutor. Coloco o motor da viatura a trabalhar e meto a 1ª..., à segunda ou terceira tentativa lá consigo arrancar e assim vou picada fora; a experiência adquire-se noutras lições...

Fui ao "Centro Comercial" que funciona junto à picada e resolvo comprar ostras, por pouco patacão,  a caixa do nosso Burrinho de Mato fica cheia. Foi um dia em pleno tanto para mim como para os meus soldados e ao almoço juntou-se o lanche que foi regado com umas belas "bazucas" que o nosso cantineiro fazia jus de as manter sempre bem fresquinhas.

Todos os dias a bandeira verde rubra sobe bem alto naquele mastro do quartel do Biombo içada pelos nossos dedicados milicias, vaidosa vai-se balouçando aos quatro ventos como que a murmurar; "aqui é Portugal... aqui é Portugal"... À noite repousa tranquila no meu pequeno gabinete, muito orgulhosa de ser portuguesa.

É dia de partida, vamos em breve regressar aos nossos lares, o nosso pequeno pelotão permaneceu seis meses neste local, depois de termos estado um ano na zona operacional do Xime no centro da Guiné, com uma passagem de cerca de três meses por Safim e João Landim, junto ao rio Mansoa.

Adeus,  sargento Aliu Indini, adeus soldados Quessane Quebá, Andinho Có e outros dos nossos leais milicias. Adeus professor Paulo,  da pequena escola primária do Biombo, adeus aos seus pequenos alunos; ainda hoje parece que os ouço cantar em coro [foto nº 3]

"Gira a roda, gira a roda,

Gira a roda sem parar...

Salta a bola, salta a bola,

Salta a bola sem parar"...

Adeus, meu pequeno quartel do Biombo, adeus a este pequeno paraíso por onde a guerra não passou, adeus aos mais belos tempos desta parte da minha juventude, parto para a Metrópole, mas deixo aqui o meu coração.

O Uíge levanta ferros e zarpa rumo a Lisboa, ainda no canal do Geba o meu peito contrai-se, ao longe pela última vez os meus olhos enxergam o pequeno farol abondonado a me "dizer" o seu adeus.

Adeus Biombo, adeus Guiné.

Para os meus camaradas desta aventura o meu grande abraço.
José Nascimento
_____________

Nota do editor:

Último poste da série de 12 de Janeiro de 2017 > Guiné 63/74 - P16947: Memória dos lugares (356): A Ponte dos Três Arcos, de Leiria, por onde passava a estrada real Lisboa-Coimbra (José Martins, ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 5)

1 comentário:

Tabanca Grande disse...


Zé, obrigado pelo texto e pelas fotos... Tens razão, era um "pequeno paraíso", um "oásis de paz", para quem, como tu, que vinha do "inferno do Xime" onde atuámos juntos em diversas operações... Não te vou chamar "sortudo", foi uma bela prenda de fimd e comissão... Só que não havia "praias de Biombo" para todos...

Falando de "oásis de paz", eu só conheci um, em junho/julho de 1969, quando fomos (a CCAÇ 2590, meia centena de "tugas") dar a instrução de especialidaede e a IAO aos nossos soldados do recrutamento local (uma centena), formando mais tarde a CCAÇ 12...Esse sítio chamava-se Contuboel (região de Bafatá). E havia um corredor Bafatá- Contuboel - Sonaco, "livre da guerra", nessa altura... Em Contuboel funcionava nessa época um Centro de Instrução Militar... E num raio de 15 km (?) eu achava que se podia ainda andar desarmado... Fizemos a IAO com cartuchos.. de pólvora!

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/search?q=O%C3%A1sis+de+Contuboel

Outros oásis de paz já aqui referidos (e documentados) no nosso blogue:

Susana / Varela / Praia de Varela (no Cacheu)

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/search/label/praia%20de%20Varela

Ainda há dias encontrei o antigo comandante da CCAÇ 1791, que hoje deve ser coronel reformado, o então cap inf António Maia Correia, pai de uma amiga e colega minha. Só temos uma referência sobre esta companhia,. que também fez a Op Lança Afiada, em março de 1969, no setor L1 (Bambadinca). Acabou a comissão (abril / agosto de 1969) em Susana, e o antigo comandante disse-nme que como prémio cada pelotão passou um mês em Varelam, que era "a Sintra da Guiné"...

Antes de Susana, a CCAÇ 1791 / BCAÇ 1933 passou por Encheia, Contuboel, Geba, Empada, Biambe, Bula, Bambadinca...

Outro oásis de paz terá sido Cansissé, pelo menos para quem vinha do "inferno de Gandembel". como foi o caso da CCAÇ 2317:


https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/search/label/Cansiss%C3%A9

Ver aqui o psote do Idálio Reis:

2 DE AGOSTO DE 2006
Guiné 63/74 - P1016: Cansissé, terra de mil encantos (Parte III) (Idálio Reis, CCAÇ 2317, Julho de 1969)

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2006/08/guin-6374-p1016-cansiss-terra-de-mil.html

12 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P954: Cansissé, terra de mil encantos (Parte II) (Idálio Reis, CCAÇ 2317, Julho de 1969)

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2006/07/guin-6374-p954-cansiss-terra-de-mil.html

12 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P953: Cansissé, terra de encantos mil (Parte I) (Idálio Reis, CCAÇ 2317, Julho de 1969)

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2006/07/guin-6374-p953-cansiss-terra-de.html


Tirando os Bijagós (onde não havai sinais de guerra), com destaque para Bubaque..., não haveria muitos mais "oásis de paz" na Guiné, durante a guerra... Talvez Bafatá, no tempo do Fernando Gouveia (1968/70)...

BVd. poste de 12 DE DEZEMBRO DE 2013
Guiné 63/74 - P12434: Roteiro de Bafatá, a doce, tranquila e bela princesa do Geba (Fernando Gouveia) (10): A Mãe d'Água ou a 'Sintra de Bafatá', local aprazível e romântico onde se realizavam almoços dançantes para os quais se convidavam os senhores alferes, alguns furriéis e as moças casadoiras

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2013/12/guine-6374-p12434-roteiro-de-bafata.html


Mas os nossos leitores talvez saibam de outros "secretos paraísos", "oásis de paz", perdidos pela pequena e bela Guiné do nosso tempo... Vamos lá desenterrar essas memórias... LG