quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Guiné 63/74 - P16947: Memória dos lugares (356): A Ponte dos Três Arcos, de Leiria, por onde passava a estrada real Lisboa-Coimbra (José Martins, ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 5)

1. Em mensagem do dia 5 de Janeiro de 2017, o nosso camarada José Marcelino Martins (ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5, Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70), recorda a Ponte dos Três Arcos, localizada em Leiria, entretanto desaparecida, testemunha dos conturbados tempos da invasões francesas.

Boa tarde
Votos de Bom Novo Ano, para todos.
Existe, em frente à Fonte Grande ou Fonte das Carrancas, em Leiria, um Memorial que recorda uma ponte existente naquele local. Como se encontra junto de uma obra arquitetónica de grande volume, passa despercebida. Foi, porém, neste local que aconteceu um dos muitos episódios da batalhas que houve na região de Leiria, durante as 1.ª e 3.ª Invasões Francesas, tornando a região uma das mais afetadas pela passagem dos franceses, quer em vidas humanas, quer em perda de bens.
Junto a história dos factos iniciados junto à ponte.

Abraço
Zé Martins


A Ponte dos Três Arcos

© Foto: José Martins

Várias pinturas sobre a “Leiria Antiga”, executadas no início do século XVIII, mostram a existência de uma ponte, com três arcos, que se situava no espaço entre a actual ponte Afonso Zúquete (Afonso Veríssimo de Azevedo Zúquete, Leiria, 26 de Abril de 1883 - † 26 de Fevereiro de 1936) e a passagem pedonal Ponte El-Rei D, Dinis.
Essa ponte consta de um mapa, com data presumível de 1809, levantado pelo Major de Engenharia Manuel Joaquim Brandão de Sousa, pertencente à Direcção-Geral das Infra-estruturas do Exército.

© Foto: José Martins

Existem representações gráficas de mapas de Leiria, em "Toponímia de Leiria", de Alda Sales Machado Gonçalves, edição da Freguesia de Leiria, 2013, páginas 450 e 451; "Leiria no tempo das Invasões Francesas", de Jorge Estrela, edição Gradiva, 2009, página 48.
Era por essa ponte que passava a estrada real de Lisboa a Coimbra, e era guardada por tropas francesas, de forma a assegurar que a mesma não fosse utilizada para passarem por lá reforços, nacionais ou ingleses, que pudessem colocar em risco a supremacia das tropas de Napoleão.

Por uma pastoral datada de 21 de Dezembro de 1807, o Bispo D. Manuel de Aguiar (Évora, 8 de Dezembro de 1751 † Leiria, 19 de Março de 1815 - episcopado de 1790 até à data da sua morte), recomendava aos habitantes que não hostilizassem o invasor, pois que, além de ser contra a Lei de Deus, atrairia sobre eles grandes males. A Câmara da cidade também manifesta, à Junta Suprema do Reino, a sua admiração por Napoleão, ressaltando que, face à posição geográfica de Leiria, e como lhe é peculiar, será com distinção e cordialidade que acolherá o exército francês. Tal não é o entendimento das tropas que, respondem com agressividade e brutalidade, não só em Leiria, mas em todos os locais onde estacionam ou passam.
É, porém, bem longe de Leiria, que tem início a revolta que há-de provocar, como sempre, mais danos principalmente na população, quer em vidas, quer em bens. A 2 de Maio de 1808, em Madrid, o povo revolta-se contra os franceses que, após 22 dias de repressão sangrenta sobre a população civil, o invasor acaba por ser expulso da cidade. Outras se vão seguir: Saragoça a 24 de Maio, Santander e Sevilha, a 27, seguida de toda a Andaluzia; e Badajoz a 30.


A revolta cruza as fronteiras nacionais e a população insurge-se-se contra as autoridades instaladas, que prestavam vassalagem a Junot e, através deste, a Napoleão: O primeiro sinal é dado pela população de Chaves a 5 de Junho, e do Porto, no dia seguinte. Espalha-se por Braga, Bragança, todo o norte e Beiras, chegando a 23 de Junho, a vez de Coimbra. É de daqui que em 28 desse mês de Junho, parte um destacamento do Batalhão Académico sob o comando de um Furriel, constituindo um grupo de 16 homens armados, que se lança para Leiria, dando combate a todas as forças francesas que encontrassem. Como o grupo era diminuto foi atraindo, para a causa nacional, as populações civis que, deitando mão das armas de que dispunham ou armando-se com as ferramentas dos seus místeres, se lançaram nos combates que pudessem vir a ter lugar.

A “boa vontade” inicial e solicitada pelas autoridades, civis e eclesiásticas, aos cidadãos, caíram por terra. É que não era só o verem ser levados os frutos do trabalho de longos meses e anos: eram o trigo guardado para fazer pão; eram os animais que haviam de ser vendidos no mercado, ou que iriam encher a arca do sal; era o ouro que os pais haviam deixado, que desaparecia; era o próprio corpo do chefe da família, da mulher e dos filhos, tivessem a idade que tivessem, que eram vergastados para obrigarem a dar aquilo que lhes fazia falta e que a todo o custo queriam defender.
O pequeno corpo de cavalaria que saíra de Coimbra, dirige-se a Pombal e Leiria, onde se encontravam destacamentos franceses. Por onde passassem deveriam aclamar o Príncipe Regente, arvorando a Bandeira nos edifícios públicos.
Em Condeixa foram aclamados pelos populares, proclamaram o Príncipe Real, deixaram ao Capitão das Milícias, Manuel Moniz de Gouveia Rangel, a defesa da terra e rumaram ao Sul.

Em Pombal, que já fora abandonada pelos franceses, cumprindo ordens do Governador de Coimbra, nomearam o Dr. Luís António, como vereador mais velho, Governador do Distrito e o comando militar ao Capitão de Milícias de Leiria, Francisco Peregrino de Menezes, e partem no encalço dos estrangeiros.
Ao chegarem a Leiria no dia 30 de Junho, encontraram os franceses a bloquear a ponte sobre o Lis. O grupo de camponeses de Soure, Condeixa e Pombal, cerca de trezentos, faziam um barulho ensurdecedor, com gritos e invectivas, ressoando sobre as vozes um tambor ou um bombo que o tocador fazia vibrar a cada pancada, atordoando os ares.


Os franceses que estavam em linha de batalha, na defesa da ponte, eram dezoito e sobre os mesmos se lançaram dois cavaleiros do Batalhão Académico que, brandindo as espadas e disparando as pistolas, rapidamente os puseram em fuga. Mesmo assim, com a desproporção, deram-lhes batalha, regressando na Leiria com armas e outras peças de fardamento, que os fugitivos deixaram para trás. No dia imediato, 1 de Julho, o destacamento académico solicita ao Bispo, D. Manuel de Aguiar, que aceite o governo civil da cidade, o que ele recusa mas, propõe-se colaborar em tudo o que lhe for possível; o Juiz de Fora limita-se a ler a proclamação do Governador de Coimbra. Quem festejou a chegada de mais defensores foi o povo da cidade e arrabaldes, que se predispôs a procurar armas, onde pudessem, mas de pouco serviu porque as armas eram poucas e não havia pólvora.

Perante a recusa do Bispo, é eleito pela população, Miguel Luís de Silva e Ataíde para o cargo do governo civil, partindo de imediato para Coimbra, em busca de reforços; a defesa militar foi entregue ao Alcaide-Mor Rodrigo de Barba Alado, coronel de cavalaria, mas já avançado na idade.
Quando se procedia à eleição dos responsáveis civis e militares da cidade, chegou o Juiz dos Povos da Pederneira e Nazaré, pedindo reforços. Assim partiu com destino á Nazaré o destacamento académico, com as Ordenanças de Leiria Pombal e Pataias, que pudessem marchar.
Quando em 4 de Julho, o povo de Leiria festejava a expulsão dos franceses, com gritos e procissões, agitando bandeiras, chega a notícia de que o General Margaron se encontrava acampado junto a Porto de Mós, com uma força de 3000 soldados de infantaria, além da cavalaria e artilharia. Era o prenúncio do avanço das tropas francesas sobre Leiria, do qual resultaria o Massacre da Portela, que a placa colocada no muro dos Franciscanos, recorda.

Placa colocada no muro do Convento da Portela, junto à Câmara. © Foto José Martins

"AOS BRAVOS LEIRIENSES CAÍDOS 
NESTE LUGAR EM DEFEZA DA PÁTRIA 
EM 5 DE JULHO DE 1808 E AOS MAR- 
TIRES AQUI TRUCIDADOS NESTE DIA 
PELOS FRANCESES DO GENERAL MARGARON 
COMO HOMENAGEM AO SEU VALOR 
5-VII-1929           A L.N. 28 DE MAIO"

Odivelas, 3 de Janeiro de 2017
José Marcelino Martins
____________

Nota do editor

Último poste da série de 31 de dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16898: Memória dos lugares (355): Matosinhos, e a cantiilena de caserna "Oh! Xenhôr dos Matosinhos, / Oh! Xenhôra da Boa-Hora, / Ensinai-nos os caminhos / P'ra desandarmos daqui p'ra fora!",,, (Fotos de Luís Graça)

2 comentários:

Tabanca Grande disse...

Obrigado, Zé, vou a Leiria há mais de 40 anos, onde tenho gente amiga, e confesso a minha ignorância total em relação a este factos da sua história local... Nem sequer sabia da existência da famosa ponte dos Três Arcos...

Estou-te grato por mais este trabalho de pesquisa... Tomei boa nota. LG

José Marcelino Martins disse...

Caro Luis.

Leiria, nesta época, mas também ao longo do história deste país, foi local de passagem de muitos exércitos em pé de guerra.

Curiosamente, o último que por lá passou, não foi ainda há meio século.

Já está na fase de "revisão de texto" um texto sobre o Regimento de Infantaria nº 7, que esteve aquartelado em Leiria desde 1890 a 1975, ano da sua extinção.

Esta Unidade tem origem, no Terço de Setúbal, em 1662, tendo tomado parte na Batalha do Ameixial, durante a Guerra da Restauração.

Creio que estará "num blogue perto de si", muito brevemente.

Alfa Bravo