terça-feira, 7 de julho de 2015

Guiné 63/74 - P14845: Guiné, Ir e Voltar (Virgínio Briote, ex-Alf Mil Comando) (IV Parte): Comandos do CTIG

1. Parte IV de "Guiné, Ir e Voltar", enviado no dia 2 de Julho de 2015, pelo nosso camarada Virgínio Briote, ex-Alf Mil da CCAV 489 (Cuntima), e Comando do 2.º curso de Comandos do CTIG (Brá), CMDT do Grupo Diabólicos (1965/67).


GUINÉ, IR E VOLTAR - IV

Comandos do CTIG1

As chefias militares da Guiné cedo se aperceberam que havia necessidade de se dispor de uma tropa diferente, uma tropa que fosse capaz de fazer a contraguerrilha, móvel, aligeirada, com pequenos efectivos, autónoma e agressiva. Uma tropa que, aliás, já tinha dado boas indicações em Angola. Em Quibala, no norte de Angola, já tinham sido preparados os primeiros grupos de comandos.
Em Julho de 1963, o Comando-Chefe da Guiné solicitou à Região Militar de Angola que recebesse e formasse um pequeno grupo de militares. Na mesma altura, foi enviada uma circular para todos os batalhões estacionados na Guiné, convidando oficiais e sargentos a oferecerem-se como voluntários para os comandos.
Muita gente se ofereceu. Depois das selecções foram escolhidos o major Correia Dinis, os alferes Maurício Saraiva e Justino Godinho, os sargentos e irmãos, Roseira Dias e os furriéis Vassalo Miranda e o Artur Pires. E ainda, o Adulai Queta Jamanca e o Adulai Jaló, naturais da Guiné.

Fur. Artur Pires, Sold. Adulai Jaló e Alf. Godinho, atrás do Sargento Mário Dias, no aeroporto de Luanda à espera de transporte para o QG. 
© Foto cedida por Vassalo Miranda, ex-Fur. Mil. Gr. Cmds ‘Panteras’.

“A cerimónia de apresentação teve lugar no gabinete do Chefe do Estado-Maior. Fomos recebidos pelo Major chefe da 2.ª Rep, que fez votos para que, da nossa estadia em Angola, tirássemos o máximo proveito. Pôs em evidência os inconvenientes da nossa vinda naquela altura, pois tinha terminado um curso e não se sabia ainda quando teria início o próximo. Deste desencontro de datas, resultariam, naturalmente, limitações à nossa instrução.
Na manhã seguinte foi-nos exposta, com algum pormenor, a situação actual na Região Militar de Angola. Foram-nos indicadas as zonas consideradas activas, semi-activas e as pacificadas.
Cabinda, devido à localização e ao reduzido efectivo das NT e um triângulo com um vértice em Bessa Monteiro e base na região dos Dembos (Nambuangongo, Zala, Beira Baixa, etc.), eram as zonas com maiores preocupações. Considerava esta última mais difícil, porque os grupos IN tinham mais experiência e mostravam-se aguerridos.
As alterações ao programa da nossa visita começaram aqui e mantiveram-se sempre, até ao fim da nossa estadia.
Tivemos uma palestra de um capitão, instrutor dos comandos. Começou por abordar a questão da disciplina. Nada de tolerâncias. Que os comandos falam sempre em sentido. Que o mínimo desleixo, dos superiores ou dos inferiores, não pode passar em claro. Que a mentalização era a menina dos olhos dos cursos de comandos. Um comando luta para matar e não para não morrer. Indicou-nos os processos e as técnicas que utilizam para a mentalização.
Slogans, dísticos humorísticos nas paredes, nos lavabos, em todo o lado, até dentro do pão.
Uma aparelhagem sonora nas casernas e nos quartos de sargentos e oficiais.
Alocuções de mensagens gravadas, para ouvirem sempre que estejam a descansar. Devem ser feitos testes para avaliar o grau de assimilação.
Emulação entre os instruendos, entre as equipas e entre os grupos. Cerimónias com aparato para realçar as qualidades e os méritos dos indivíduos que mais se destaquem.
Abordou o conceito da parelha, da equipa e do grupo. Numa primeira fase, deve dar-se aos instruendos a liberdade para se agregarem como entenderem, depois as relações tendem para alguma estabilidade. Reforçar essas amizades, estimulá-los a comerem na mesma mesa, participarem nos mesmos jogos, fazerem os mesmos serviços.
Falou depois na constituição do grupo:
1. O indivíduo que concorre aos comandos tem que estar situado entre os 20 a 30% melhores do contingente donde é originário.
2. Os comandantes dos grupos e os chefes das equipas devem situar-se entre os 10% melhores do contingente de quadros.
3. A selecção é a operação mais importante na formação dos comandos.
4. A instrução deve assumir um carácter selectivo.
5. Sendo o tiro um aspecto muito sensível, não deve haver restrições nesta instrução.
6. Todos os elementos devem ser especialistas no tiro de precisão e no tiro instintivo e todos devem estar aptos na utilização de lança-rockets.

No dia 26 de Outubro partimos para o quartel de Quibala, onde estivemos 6 dias em contacto com os 3 grupos de comandos recentemente chegados de uma operação. O tenente Abreu Cardoso deu-nos explicações pormenorizadas sobre a mesma.
Regressámos a Luanda e ficámos a aguardar o início da operação que deveria ter lugar nas margens do M’Bridge. Patrulhar as margens do rio entre as picadas de Evange e Quiaia. Uma operação de rotina.
Na 2.ª operação fomos integrados no grupo de comandos do batalhão de artilharia. Montámos a emboscada nas margens do rio Loge. 3 dias.(...)
Se deste estágio na Região Militar de Angola não tirámos o máximo proveito, ele foi, pelo menos, muito útil. Útil porque das lições dos instrutores ficámos com a cabeça mais arrumada, com muitos ensinamentos que nos serão úteis se um dia viermos a ser instrutores de comandos. Útil ainda, porque do contacto que mantivemos com os grupos em operações, adquirimos experiência, vimos como aquela tropa se comporta no mato e as situações que vivemos serão para nós motivos de ensinamento.
Resta acrescentar que os oficiais da R. M. de Angola estiveram sempre ao nosso dispor e se mais não fizeram, foi, de facto, devido à nossa visita ter sido efectuada numa altura pouco conveniente."

Furriel Vassalo Miranda e Alferes Maurício Saraiva em Angola. 
© Foto cedida por Vassalo Miranda.

Considerandos, directivas e orientações. Mais de cinquenta páginas do bloco de apontamentos do estágio na R. M. de Angola do alferes Justino Godinho, um dos voluntários da Guiné.

Depois de regressarem do estágio operacional em Angola, o Comandante-Chefe da Guiné pensou em aproveitar esses militares e integrá-los nas forças que iriam executar a operação "Tridente", marcada para o início do ano de 1964. A ideia, quando foi apresentada pelo Brigadeiro Louro de Sousa, então o Comandante-Chefe do CTIG, pareceu algo controversa, pelo menos no espírito de alguns oficiais do QG.
Não seria um risco desnecessário? Tão pouca gente e todos os quadros, o futuro embrião dos comandos na Guiné? Sem organização própria para os apoiar, não obstante a vontade que manifestavam em integrar os efectivos da operação? Seria mesmo de arriscar? Não seria a morte à nascença do projecto dos Comandos do CTIG?
O Comandante-Chefe decidiu. Vão participar e tratem de organizar o grupo de forma a torná-lo operacional. Aliás, vai ser um bom teste.
Assim foi. Aproveitaram os elementos que, anteriormente, tinham respondido ao apelo de 'voluntários precisam-se para os comandos', a maioria pertencente ao BCav 490, a unidade base que iria executar a operação ao Como, sob o comando do TCor. F. Cavaleiro, comandante do Batalhão.
Havia a necessidade de reforçar os efectivos do GrCmds. Para isso, sob a orientação dos comandos regressados de Angola, os que se ofereceram iniciaram um curto período de instrução operacional com vista à participação na referida operação.

Constituiu-se assim o grupo que interveio na operação “Tridente”, de 14 de Janeiro a 24 de Março, nas ilhas do Como, Caiar e Catunco, integrados nas forças à disposição do Batalhão de Cavalaria 490.
O comando do grupo foi entregue ao alferes Saraiva e, ao alferes Godinho, aos furriéis Mário Dias, Artur e Miranda, a chefia das equipas.

Mário Dias, um dos participantes na operação, esclarece as razões da operação: "Na ilha não existia qualquer autoridade administrativa nem força militar pelo que o PAIGC a ocupou (não conquistou) sem qualquer dificuldade em 1963. As tabancas existentes eram relativamente pequenas e muito dispersas. Possuía numerosos arrozais, o que convinha aos guerrilheiros pois aí tinham uma bela fonte de abastecimento, acrescido do factor estratégico da proximidade com a fronteira marítima sul e o estabelecimento de uma base num local que facilitava a penetração na península de Tombali e daí poderia ir progredindo para Norte.
Não tinha estradas. Apenas existia uma picada que ligava as instalações do comerciante de arroz, Manuel Pinho Brandão (na prática, o dono da ilha) a Cachil. A partir desta localidade o acesso ao continente (Catió) era feito de canoa ou em outra qualquer embarcação. A casa deste comerciante era, se não estou em erro, a única construída de cimento e coberta a telha.
Portugal não exercia, de facto, qualquer espécie de soberania sobre a ilha.
Tornava-se imperiosa a recuperação do Como. Foi então planeada pelo Comando-Chefe a Operação ‘Tridente’ na qual foram envolvidos numerosos efectivos, divididos em 4 agrupamentos, num total de cerca de 1200 homens".

No dia 14 de Janeiro de 1964, cerca de 1200 homens repartiram-se pela fragata “Nuno Tristão”, por lanchas de desembarque, vedetas e diversos barcos de apoio.
No dia seguinte, a CCav 488 pôs o pé em Catabão, onde abarracou e o 7.º Destacamento de Fuzileiros e a CCav 487 desembarcaram em Caiar. Estes avançaram em direcção a Catabão, enquanto os “comandos” e um pelotão de caçadores ocuparam Caiar. O 8.º Destacamento de Fuzileiros e a CCav 489 ocuparam Cametonco. Fecharam o cerco e o inimigo não teve outro remédio senão ir para as matas.

Caiar, base logística da op. “Tridente”. 
© Com a devida vénia ao pessoal do BCav 490.

O quartel-general das operações abarracou na praia de Caiar. Daqui, dois canhões 8.8 batiam as zonas inimigas e a Força Aérea, sempre que solicitada, avançava com os F-86 e os T6.

O Furriel Miranda, chefe de uma das equipas do grupo de “comandos”, relata: “Uma secção do 8.º Destacamento2, tinha ficado isolada, já tinham um morto, a situação não estava nada boa. Tiveram que pedir o apoio dos “comandos”.
Em pouco tempo, um furriel nosso correu para o corpo do camarada, caído em cima da MG-423. Quando regressavam à posição anterior com o ferido numa padiola, viram mais um fuzileiro a contorcer-se no chão. Outra vez, um dos nossos correu para o ferido, tal como o primeiro atingido com uma bala na cabeça. Quando regressava, o furriel dos “comandos” sentiu o zunir de uma bala. Espera aí, deve ter dito para ele, tudo balas para a cabeça. Escondido, começou a passar os olhos árvore por árvore até ver de onde vinham os tiros.”

E continua A. Vassalo, autor da BD "Operação Gata Brava":
"7 de Fevereiro na mata do Cachil, junto à tabanca de Cachida. Comandos e páras tinham acabado de ocupar a aldeia quando foram chamados para apoiar o 7.º Destacamento dos Fuzileiros, que se digladiava com o IN, ali perto.
Numa pequena clareira foram atacados violentamente. Os efectivos dos guerrilheiros eram superiores e estavam bem organizados no terreno. Um pára é atingido mortalmente. E logo ali, começou outra guerra, a disputa pelo corpo.
Na clareira, os “comandos” conseguiram escapar sem uma beliscadura e encontraram o 7.º Destacamento exausto pelo longo combate travado antes.
A disputa pelo pára-quedista morto não parava. A luta pelo troféu e a momentânea quebra do poder de fogo das NT acicatava o IN e de que maneira!
E outro pára é atingido com um projéctil que lhe partiu a coluna.
Outra vez os “comandos” ao palco. Correram por ali fora e conseguiram sacar o bravo pára."

***

"Numa daquelas tardes, preparávamo-nos para arrancar. As nossas tropas ainda não tinham conseguido entrar nas defesas do IN, junto a Cauane. A única vez que o tinham tentado fazer, o 8.º Destacamento dos fuzos4 teve 3 mortos.
A passagem do tarrafo, junto à estrada que atravessava a ilha, era uma extensão à volta de 400 metros, cerca de 100 dos quais entrava numa meia-lua de mata, onde o IN estava entrincheirado. A meio do tarrafo havia uma vala de irrigação e o ourique que a atravessava perpendicularmente tinha uma prancha a servir de ponte.
Até àquele sítio o IN deixava, depois não, não havia outro remédio senão voltar para trás. Pela nossa parte, durante cerca de 15 dias, à razão de 2 vezes por dia, tentámos entrar na mata por aquela passagem. Éramos corridos à bala, e a coisa não tinha tido outras consequências porque para além de Deus Nosso Senhor ir também connosco, tomávamos as providências indispensáveis, colados ao chão, bem distanciados uns dos outros. Mas era mesmo um sarilho dos diabos, estávamos sempre a pensar que tantas vezes vamos lá que um dia esta merda acaba para qualquer um, pelo menos.
A primeira equipa a progredir era a minha e naquela tarde tínhamos três T65 a apoiar-nos. Em fila de pirilau6 chegámos à tal prancha. A equipa passou-a sem problemas, e isso deixou-nos um tanto admirados. Mudaram de táctica, os gajos?
Desconfiados com tanta fartura, continuámos a avançar. Ouvia-se o roncar dos T6 e o silêncio da mata.
O resto do grupo permaneceu lá atrás, protegidos pelo ourique, a ver como paravam as modas. Senti-me só, confesso. Se rebenta a bernarda em cima de nós cinco, como vai ser?
Saímos do ourique e formámos uma linha no tarrafo. Avançámos mais uns metros, até a meia-lua de floresta nos envolver. Pronto, cá estamos, bem dentro do alcance das armas dos gajos, que era o que nós queríamos, ou não?
E, claro, não demorou muito, ficámos em maus lençóis. Batidos de frente e dos dois lados num autêntico tiro ao alvo. O que nos estava a valer é que a pontaria dos gajos estava um pouco levantada, só às vezes, uma ou outra rajada, levantava a terra do ourique.
E, a propósito, os nossos, de que é que estão à espera, que merda? Bem lhes fazia sinais para abrirem outra linha, mas qual quê, nada. Assim, não podíamos continuar ali, estávamos totalmente à mercê e o 5.º elemento estava muito perto da orla da mata. Voltei-me para ele, pá, salta para o outro lado do ourique. Qual salta, qual carapuça, o gajo estava com as calças em baixo, isso mesmo, estava a arriar o calhau.
Coitado, deu-lhe a volta ao intestino, pensei. Insisto com o gajo, ó pá, és parvo ou quê, e não é que vejo na mão do gajo um papel, àquela distância até me parecia um aerograma.
Não me digam que aquele sacana está a ler a correspondência. Ó pá, que merda é essa? E o gajo grita-me, no intervalo dos pau pau, se tiver que morrer, meu furriel, quero ir aliviado e com notícias frescas da famelga.
Meu grande filho da mãe, ou puxas as calças para cima, ou sou eu que vou aí puxar-tas, ouviste? Pronto, meu furriel, estou pronto, respondeu-me, momentos depois.
Quando ele e a parelha passaram de cócoras à minha beira, caiu-nos uma descarga de balázios, parecia que tinham posto o dedo em tudo que fosse gatilho. Metidos pelo chão, escondidos atrás de frágeis espaldões, nenhum de nós pensava sequer em levantar a cabeça, quanto mais outra coisa.
Lá atrás o alferes Saraiva chama os T6 para o barulho, e aí vieram os gajos a fazer um chavascal danado, um a fazer fogo de metralhadora, outro a lançar rockets e o terceiro a largar umas bombinhas. Até seguimos a coisa com interesse, os T6 picavam, os gajos calavam-se, os T6 levantavam, fogo outra vez para cima de nós.
Entretanto, os fuzos já vinham a caminho com o objectivo de nos retirarem daquele poço. Outra vez os aviões a picarem e os gajos calados, a última bomba rebentava e lá estavam outra vez os gajos a tentarem acertar-nos.
Um T6 deslocou-se numa linda manobra para a orla da mata e subitamente picou sobre eles, o outro sobre a meia-lua, o terceiro vinha um pouco atrás para varrer a metralha a orla da mata.
Mata calada e é nesta altura que arrancámos com toda a força que tínhamos, comandos ao ataque, um grito que até eles devem ter ouvido!
Electrizados é o termo, o Marcelino, o Godinho, o Joel, o outro das calças e eu, que nem umas balas em direcção à mata, para aí a 70 ou 80 metros. É agora, comandos!
Bombas a rebentarem outra vez, os nossos camuflados enfunados com os sopros dos rebentamentos, os quicos saltaram-nos das cabeças e puseram-se a voar, estávamos tão perto que os T6 tiveram que parar o fogo e ficaram-se por ali em cima durante uns minutos.
Mas já estávamos dentro da floresta, em igualdade de circunstâncias. Vimos três gajos a fugirem de uma casa de mato, e parece que não foram muito longe.
Animados tentámos avançar.
Qual quê, fogo cerrado em cima de nós, as palmeiras a abanarem, folhas a caírem-nos em cima, bom sinal, os gajos continuam com a pontaria alta. Furriel, estou quase sem munições, eu também e pronto, tínhamos mesmo que ficar por ali.
Esta cena foi filmada pelo Raimundo, o cabo do Destacamento de Foto-cine do QG, que nos estava a acompanhar. Estávamos com poucas munições e encurralados junto à estrada e ainda distantes da bolanha. Como é que vamos sair daqui? Mas quem disse que vamos sair? Os T6 também estavam sem combustível e tiveram que retirar não sem um resolver fazer uma última passagem sobre a posição de uma Degtyarev7 montada numa plataforma.

Como o Furriel Miranda viu lá de baixo as manobras dos T6.
© Desenho de A. Vassalo.

Correu mal o picanço do T6, a Degtyarev ficou com ele na mira, depois foi só carregar no gatilho, e o aviãozinho ficou furado do nariz ao rabo. Quando passou por nós, aí a uns escassos 20 a 30 metros, já ia ferido de morte. Motor lancinante, fumo por todos os lados, voo incerto e em perda, espatifou-se atrás das nossas linhas com um estouro ensurdecedor e uma labareda enorme por ali acima.

De costas, junto à primeira palmeira, quico à legionário na cabeça, o Furriel Miranda contempla os destroços e o cadáver do piloto. 
© In “Operação Gata Brava”, Autor A. Vassalo.

Contentes com o abate, até palmas parece que ouvimos, o IN esqueceu-se de nós, e nós, oportunistas, cavámos dali. Rapidamente vencemos a distância que nos separava do ourique e foi então que eles deram por ela, mas já era tarde demais.

No fim daqueles setenta e tal dias, a resistência abrandou8 e, numa prova de que se podia voltar a andar livremente, o TCoronel Cavaleiro com um pequeno grupo de homens passeou-se pelo interior da ilha. Foi o sinal de que a operação “Tridente” estava no fim.
Deixámos uma guarnição em Cachil pequeno (da CCaç 557), o Batalhão de Cavalaria 490 foi para Farim, os comandos para o interior treinar milícias indígenas e os fuzos e os páras para as suas missões tradicionais.

Furriel Miranda, de lança-rockets e alferes Saraiva de chapéu, o cabo Raimundo do destacamento Foto-Cine com a máquina na mão esquerda, entre outros elementos do grupo de “comandos “da operação no Como. 
© Foto cedida por Vassalo Miranda.

Baixas? 9 mortos e 47 feridos e um avião abatido, do nosso lado. 76 mortos, entre os quais alguns chefes da guerrilha, mais de 100 feridos confirmados e 9 prisioneiros, do lado da guerrilha.
Apesar de todas os problemas por que passámos, foi um prazer e uma honra também, lutar com aqueles Inimigos, que tal como nós estavam a combater por uma causa em que acreditavam.”
A. Vassalo, Autor da BD "Op. Gata Brava".

Publicamente reconhecida a contribuição que deram para o sucesso da operação, os comandos receberam os crachás em cerimónia pública realizada em Bissau em 29 de Abril de 1964.
Em finais de Julho e com a duração de 4 semanas deram início à escola de quadros.
Entre 30 de Setembro e 17 de Novembro de 1964, realizou-se em Brá o 1.º Curso de Comandos da Guiné9. Começaram cerca de 200, terminaram 78. Fantasmas, Panteras e Camaleões foram os nomes que escolheram para os grupos que saíram dessa formação.

"Fantasmas", "Panteras" e "Camaleões", no dia em que receberam os crachás. À frente dos grupos, o então tenente Jaime Cardoso dos Comandos de Angola, director do 1.º curso de Comandos na Guiné. Brá, Novembro de 1964.
© Foto de Mário Dias.

Os grupos em Bissau apresentam-se ao Governador-Geral, Brigadeiro Arnaldo Schulz.
© Foto de Mário Dias.

E em Dezembro de 196410, o Boletim de Informação do Estado Maior do Exército, relatava oficialmente as primeiras acções desses grupos: "A actividade desenvolvida pelos grupos de comandos conduziu a resultados muito remuneradores. Prova-se deste modo a necessidade de se poder dispor de uma tropa com instrução especializada, apta a desempenhar missões que, pelas suas características, estão fora das capacidades das unidades normais.
Um grupo em actuação em Canjambari efectuou uma acção de muito interesse sobre um bando de terroristas instalado a coberto do rio. Apoiados por um pelotão de auto-metralhadoras, os comandos transpuseram o rio e lançaram-se ao assalto do IN, bem instalado no terreno e com bom e numeroso armamento. O IN foi desalojado, tendo deixado várias baixas no local.
Outro grupo efectuou uma emboscada na mesma região causando ao IN 2 mortos e vários feridos, tendo sido capturadas várias espingardas, pistolas-metralhadoras e granadas de mão.
Na zona de Tite, outro grupo realizou um golpe de mão a NE daquela povoação.
Capturadas 8 espingardas, 1 pistola-metralhadora e várias granadas de mão”.

Nesse mês de Dezembro, numa reunião em Brá com os comandantes dos grupos, o Major Correia Dinis preocupado com a aproximação das datas dos fins das comissões dos militares dos comandos, relia-lhes uma nota que endereçara ao Comandante Militar da Guiné:

"Exmo. Senhor,
Por determinação de S. Ex.ª o General Venâncio Deslandes, apresentei-me na véspera do meu embarque de fim de licença na Defesa Nacional a fim de ser ouvido por aquele Exmo. Senhor.
A conversa baseou-se única e exclusivamente na organização de grupos de comandos, seu interesse e modalidades de acção.
Para terminar, Sua Ex.ª o General mostrou-se interessado na organização de mais grupos de comandos no CTIG.
Informei que essa organização dependia não só do Centro Nacional de Instrução de Comandos em Angola, presentemente em organização, como também do necessário pessoal que deveria vir da metrópole para substituição, nos Batalhões, dos voluntários para os comandos.
Quanto a este segundo condicionamento, Sua Ex.ª esclareceu que o CTIG poderia pedir o envio desse pessoal.
No meu entender, a organização de novos grupos de comandos é da maior utilidade, tanto mais que a partir de Abril de 1965 os três grupos existentes começarão a ficar desfalcados com as desmobilizações.
Há que atender porém ao trabalho que o Centro Nacional de Comandos vai produzir na formação de novos grupos.
Estarão esses grupos prontos num futuro próximo e poderá o CTIG aproveitá-los em breve ou a formação desses grupos demorará ainda o bastante, que justifique como emergência, a formação de novos Grupos neste CTIG?
Assim, proponho:
1.º - Que com a necessária urgência se procure obter da Região Militar de Angola as seguintes informações:
a) Qual o número de grupos de comandos que em 1.ª prioridade serão atribuídos ao CTIG? Ainda se mantém a Companhia como foi pedido?
b) Qual a data provável da sua apresentação neste CTIG?
2.º - Em face da resposta obtida poderá então este CTIG pensar na formação ou não de novos grupos.
Em Brá, 26 de Novembro de 1964 
O Comandante do Centro de Comandos, 
Correia Dinis, 
Major."

Qual a resposta? Temos ainda algum tempo à nossa frente. Abril não vem longe, mas mesmo assim, também não é demasiado tarde ainda. Leu-lhes outra, que acabara de receber, a felicitá-los pela forma como elaboraram os programas do curso:

"Comando Territorial Independente da Guiné, Quartel-General, 3ª Repartição, ao Sr. Director do CI de Comandos, Brá.
Encarrega-me Sua Ex.ª o Brigadeiro Comandante Militar de informar V. Ex.ª que aprovou os programas da Instrução de Comandos que acompanharam a nota em referência e manifestar o seu agrado pelo cuidado feito pelo Director de Instrução na elaboração dos respectivos programas.
O Chefe do Estado-Maior, 
sarrabiscos miúdos, o nome de guerra por extenso, 
Tenente-Coronel do CEM".

E uma cópia de uma outra que o Comandante Militar dirigira aos Comandos dos Batalhões:

"Por determinação do Comandante Militar, os comandantes dos batalhões em quadrícula devem não só prestar todo o apoio que lhes for pedido como também, eles próprios, devem proceder à escolha de voluntários, os quais devem dar garantias de permanência na Província pelo menos de 1 ano. Os comandos não fazem qualquer outro serviço, actuam, em regra, durante 3 a 5 dias, e descansam dois ou três.
Trabalham, normalmente, em benefício dos Batalhões mas quando o CTIG o entender podem ser accionados directamente por este. (...) 
sarrabiscos iguais aos anteriores, o mesmo nome por extenso. 
Execute-se."

Entretanto os grupos foram-se mantendo em actividade, infundindo respeito sobretudo ao inimigo, conforme atestam as numerosas citações de que foram alvo, apesar de actuarem com efectivos progressivamente mais reduzidos.
Claro que tiveram os seus fracassos que isto de ir à guerra é já uma coisa muito antiga. Levantaram-se sempre quando foram ao tapete.
Para recordar os 9 camaradas mortos que tiveram numa tarde na zona de Madina do Boé, logo na semana seguinte os 12 comandos sobreviventes foram nomadizar para a zona do Oio.
E terminaram em 6 de Maio de 1965, no sul, em Catunco, no acampamento chefiado pelo Pansau Na Isna, guerrilheiro do PAIGC que se tornou lendário.
Foi um golpe de mão como deve ser, entraram pelas barracas com eles a dormirem e, como era de esperar, acordaram-nos. Retiraram eufóricos, um sucesso para finalizar a guerra. No regresso alguém perguntou quem trazia a metralhadora-pesada do inimigo. Ninguém a trazia, ninguém a vira! Duas equipas, metade do grupo, receberam ordem para a ir buscar. Voltaram para trás, ao acampamento que momentos antes tinham incendiado. Iluminados pelas labaredas, apareceram bem recortados aos olhos de alguns guerrilheiros, refugiados nas proximidades, que não tiveram dificuldade em mandar para o meio deles uma roquetada. Todos atingidos, um morto e nove feridos foi o saldo do regresso ao acampamento. A operação tinha recebido o nome de código “Ciao”.

Em Junho de 1965 começou o 2.º curso de comandos na Guiné.11

____________

Notas:

1 - Comando Territorial Independente da Guiné
2 - Fuzileiros Navais. Naqueles anos, actuavam quase sempre ao nível de destacamento, uma formidável força armada.
3 - MG 42: Espingarda-metralhadora, de origem alemã usada pelas NT.
4 - Fuzileiros.
5 - Avião bombardeiro, monomotor podendo ser armado com lança-roquetes, metralhadora e bombas.
6 - Coluna por um.
7 - Degtyarev-Shpagim: Metralhadora pesada 12,7 mm, de origem soviética utilizada pelo IN
8 - Teor de mensagem de Nino Vieira para a direcção do PAIGC, em poder de um guerrilheiro capturado: "Hoje faz 48 dias que os nossos camaradas estão enfrentando corajosamente as forças inimigas. Camaradas, tenham paciência, porque não tenho outra safa senão o vosso auxílio. As tropas estão a aumentar cada vez mais as suas forças (...) camaradas, não tenho mais nada a dizer-vos, somente posso dizer-vos que de um dia para o outro vamos ficar sem a população e sem os nossos guerrilheiros. Já estamos a contar com as baixas de 23 camaradas (...) do vosso camarada, Marga-Nino."
9 - 23/7/64: início das actividades do Centro de Instrução Comandos em Brá.
03/8/64: início da Escola Preparatória de Quadros.
24/8 a 17/10/64: 1.º Curso de formação dos GrsCmds (Camaleões, Fantasmas e Panteras), com o apoio de instrutores e monitores do CI 25/RMA e do GCmds "Gatos"/BArt 400/R. M. Angola, que sob o comando do alferes Horácio Valente (morto mais tarde em Moçambique) permaneceu na Guiné entre 22 de Setembro e 28 de Dezembro de 1964, participando em três operações no sector do Batalhão de Artilharia 645.
10 - De 20/10/64 a Junho de 1965: actividade operacional dos Grs. Comandos
11 - Em meados de 1965 o Major Correia Diniz terminou a sua comissão tendo sido substituído pelo seu Adjunto, Capitão Varela Rubim. Nesta altura o QG decidiu extinguir o Centro de Instrução de Comandos e criar a Companhia de Comandos do CTIG com data de 1 de Julho.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 2 de julho de 2015 > Guiné 63/74 - P14827: Guiné, Ir e Voltar (Virgínio Briote, ex-Alf Mil Comando) (III Parte): Morreu-me um gajo ontem

2 comentários:

JD disse...

Caro Virgínio,
Quase não lia este pedaço da narrativa. Impressionou-me o número de mortos e baixas referidas em tão escassas operações. Aquela de regressar à tabanca antes devastada, com todo o à vontade, deve ter constituído uma lição. E essas lições deveriam ter constado de um manual de instruções para as especialidades de combate.
Já lá vai, mas em boa verdade não podem os responsáveis ser tão alheios ao dia-a-dia, e à prevenção futura.
Com um abraço
JD

Anónimo disse...

É verdade, Caro José Dinis, foram erros que se cometeram e se pagaram muito caro, apesar do treino e da mentalização diária para fazermos as coisas certas e bem feitas.
VBriote